Eulália de Barcelona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santa Eulália de Barcelona
Estátua de Santa Eulália de Barcelona na Basílica de Santa Maria del Mar, em Barcelona
Virgem; Mártir
Nascimento 290 em Barcelona, Hispânia (Espanha)
Morte 303 (13 anos) em Barcelona, Hispânia (Espanha)
Veneração por Igreja Católica; Igreja Ortodoxa
Beatificação 633
Principal templo Catedral de Santa Eulália, em Barcelona
Festa litúrgica 12 de fevereiro na Igreja Católica; 22 de agosto na Igreja Ortodoxa
Atribuições Cruz em forma de X; Estaca e uma pomba
Padroeiro Barcelona, Espanha; marinheiros; invocada contra a seca[1]
Gloriole.svg Portal dos Santos

Eulália de Barcelona (finais do século III - inícios do século IV) é uma santa cristã, considerada virgem e mártir, sendo festejada a 22 de agosto pelas Igrejas do Oriente e a 12 de fevereiro pela Igreja Católica. É com freqüência confundida com a homônima Santa Eulália de Mérida, cuja hagiografia é semelhante.

Martírio[editar | editar código-fonte]

Por se recusar a abjurar o cristianismo durante a perseguição de Diocleciano, os romanos a submeteram a treze tipos de torturas, incluindo:

  • Colocaram a santa num barril com facas (ou vidro) e o rolaram ladeira abaixo (de acordo com a tradição, a rua hoje chamada de Baixada de Santa Eulália[2] ;
  • Cortaram seus seios;
  • A crucificaram numa cruz em forma de X. Ela é muitas vezes representada com esta cruz na arte, o instrumento de seu martírio;
  • Finalmente, ela teria sido decapitada.

Uma pomba voou de seu pescoço após a decapitação e este é um dos pontos de similaridade com a história de Santa Eulália de Mérida, na qual a pomba teria voado da boca da garota no momento de sua morte. Além disso, as torturas de Eulália de Mérida são, por vezes, enumeradas entre os mártires de Barcelona e a história das duas garotas são muito similares, tanto na idade quanto na época em que morreram.

Devoção[editar | editar código-fonte]

Eulália é comemorada com estátuas e nomes de rua por toda Barcelona[2] . Seu corpo havia sido originalmente enterrado na Igreja de Santa Maria de les Arenes (atual Santa Maria de Mar). Ele foi escondido em 713 durante a conquista omíada da Hispânia e só foi recuperado em 878. Em 1339, ele foi transladado para um sarcófago de alabastro na cripta da recém-construída Catedral de Santa Eulália[3] .

O festival de Santa Eulália é realizado em Barcelona na semana de sua festa litúrgica, em 12 de fevereiro[4] .

Ela também é particularmente venerada na Catalunha e Aragão, bem como no Sul da França (vários municípios catalães e aragoneses e várias comunas do midi francês são chamadas em sua honra de Santa Eulalia ou Sainte-Eulalie - veja-se sua lista em Santa Eulália).

É a santa padroeira da catedral de Barcelona (a catedral de Santa Eulália), e por conseguinte também da arquidiocese barcelonesa.

Referências

  1. St. Eulalia of Barcelona (em inglês) Catholic Forum. Visitado em 16/07/2012.
  2. a b Vázquez Montalbán, Manuel. Barcelonas. London: Verso, 1992. p. 42. ISBN 0-86091-353-8.
  3. Santa Maria del Mar from New York Times travel guide.
  4. Festes de Santa Eulàlia from Barcelona municipal website
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Eulália de Barcelona