Eumalacostraca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaEumalacostraca
Caranguejo-azul do Atlântico, Callinectes sapidus

Caranguejo-azul do Atlântico, Callinectes sapidus
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Subfilo: Crustacea
Classe: Malacostraca
Subclasse: Eumalacostraca
Grobben, 1892
Superordens
Syncarida

Peracarida
Eucarida
Ver o texto para a lista de ordens.

Eumalacostraca é uma subclasse de crustáceos que inclui a maioria dos taxa extantes da classe Malacostraca, um grupo que se estima incluir cerca de 40 000 espécies descritas[1] . As restantes subclasses do grupo são os Phyllocarida e possivelmente os Hoplocarida (camarões-louva-a-deus ou tamarutacas)[2] .

As espécies integradas na classe Eumalacostraca têm 19 segmentos corporais (5 cefálicos, 8 torácicos e 6 abdominais). Os membros torácicos são articulados e utilizados para a marcha ou para natação. O ancestral comum desta classe teria uma carapaça, característica que é retida pela maioria das espécies actuais, mas que foi perdida por alguns grupos.

Classificação[editar | editar código-fonte]

O grupo foi originalmente descrito por Karl Grobben[3] e incluía o grupo dos Stomatopoda (camarões-louva-a-deus), critério que é aceite por alguns sistematas modernos. A listagem abaixo segue a revisão feita por Martin & Davis[2] , a qual exclui os Stomatopoda (colocados na subclasse autónoma Hoplocarida). Na listagem, o sinal "†" indica os grupos extintos.

Subclasse Eumalacostraca Grobben, 1892

Referências[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Eumalacostraca
  1. Gary C. B. Poore. Crustacea: Malacostraca. [S.l.]: CSIRO Publishing, 2002. 1–7 pp. vol. 19.2A. ISBN 9780643069015.
  2. a b J. W. Martin & G. E. Davis. An Updated Classeification of the Recent Crustacea. [S.l.]: Natural History Museum of Los Angeles County, 2001. 132 pp pp.
  3. C. Grobben. (1892). "Zur Kenntnis des Stammbaumes und des Systems der Crustaceen". Sitzungsberichte der Kaiserlichen Akademie der Wissenschaften, Vienna 101: 237–274.