Evangelho de Eva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Evangelho de Eva é um texto gnóstico quase que totalmente perdido hoje em dia e parte dos Apócrifos do Novo Testamento. É provável que o texto seja o mesmo que também aparece com o nome de Evangelho da Perfeição.

A obra[editar | editar código-fonte]

O único conteúdo conhecido dele se resume a umas poucas citações feitas por Epifânio de Salamina (Panarion, 26), um Pai da Igreja que criticou o modo como os borboritas o utilizavam para justificar o amor livre, praticando o coitus interruptus e comendo sêmen como um ato religioso. Enquanto alguns grupos libertinos gnósticos defendiam que uma vez que a carne é intrinsecamente má, deveríamos simplesmente reconhecer isto através de relações sexuais ilimitadas, a grande maioria dos gnósticos seguiu pelo caminho inverso, do extremo ascetismo.

O texto[editar | editar código-fonte]

Os gnósticos tipicamente escreviam em múltiplos níveis, embutindo em seus textos complicados significados místicos esotéricos ao invés de seguir uma interpretação básica. É possível que Epifânio tenha falhado em perceber isto e apenas leu o texto no sentido literal. A citação que Epifânio alega ter relação com sêmen é esta:

Eu permaneci em uma sublime montanha e vi um homem enorme, e outro, um anão; e eu ouvi como se houvesse uma voz de trovão e me aproximei para ouvir; e Ele falou comigo e disse: E sou tu e tu és Eu; e onde quer possas estar eu estou lá. Em tudo Eu estou esparramado [ou seja, o Logos como semente ou "membros"] e sempre que tu quiseres, tu Me recolhes; e Me recolhendo, recolhes a ti mesmo.
 
Evangelho de Eva, citado em Panarion, Epifânio de Salamina[1]

Esta outra passagem, diz Epifânio, significa o ciclo menstrual (compare com «No meio da sua rua, e de um e de outro lado do rio, achava-se a árvore da vida, que dava doze frutos, produzindo em cada mês o seu fruto; e as folhas da árvore servem para a cura das nações.» (Apocalipse 22:2)).

Eu vi uma árvore que dava doze frutos [um] cada mês e ele disse para mim: esta é a Madeira da Vida..
 
Evangelho de Eva, citado em Panarion, Epifânio de Salamina.[2]

Interpretação[editar | editar código-fonte]

De acordo com os naassenos, isto refletiria a "semente disseminada no cosmos do Homem Primordial, através do qual todo o univero se consumou".[3] O esparramamento do Logos e o posterior recolhimento relembra os mitos de Osíris e de Dioniso. Um tema similar está presente num "Evangelho de Filipe", citado também por Epifânio no mesmo capítulo:

Eu reconheço a mim mesmo e recolho-me novamente de todos os lados; Eu não semeei filhos para o regente, mais eu arranquei suas raízes e recolhi [meus] membros que estavam espalhados no exterior; Eu reconheço quem és, pois eu sou dos reinos superiores.
 
Evangelho de Filipe citado em Panarion, 26, Epifânio de Salamina[4]

Outras referências[editar | editar código-fonte]

A referência ao trovão é remete ao texto gnóstico O Trovão, Mente Perfeita.

Em anos recentes, o uso sacramental de líquidos corporais é prática na Ordo Templi Orientis. Já o movimento gnóstico fundado por Samael Aun Weor (Gnose) defende o coitus reservatus, onde o sêmen jamais é derramado.

Referências

  1. Thrice Great Hermes: Studies in Hellenistic Theosophy and Gnosis: The Popular Theurgic Hermes-Cult in the Greek Magic Papyri (em inglês). [S.l.: s.n.], 1906. vol. I. Página visitada em 22 de janeiro de 2011.
  2. Massey, Gerald. The Natural Genesis. [S.l.: s.n.], 1883. p. 119.
  3. Hipólito de Roma. Philosophumena - Further Exposition of the Heresy of the Naasseni; Profess to Follow Homer; Acknowledge a Triad of Principles; Their Technical Names of the Triad; Support These on the Authority of Greek Poets; Allegorize Our Saviour's Miracles; The Mystery of the Samothracians; Why the Lord Chose Twelve Disciples; The Name Corybas, Used by Thracians and Phrygians, Explained; Naasseni Profess to Find Their System in Scripture; Their Interpretation of Jacob's Vision; Their Idea of the Perfect Man; The Perfect Man Called Papa By the Phrygians; The Naasseni and Phrygians on the Resurrection; The Ecstasis of St. Paul; The Mysteries of Religion as Alluded to by Christ; Interpretation of the Parable of the Sower; Allegory of the Promised Land; Comparison of the System of the Phrygians with the Statements of Scripture; Exposition of the Meaning of the Higher and Lower Eleusinian Mysteries; The Incarnation Discoverable Here According to the Naasseni. (em inglês). [S.l.: s.n.]. Capítulo: 3. , vol. V.
  4. MEAD, G.R.S. Fragments of a Faith Forgotten: Some Forgotten Sayings (em inglês). [S.l.: s.n.], 1900. Página visitada em 22 de janeiro de 2011.