Everything Goes Numb

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Everything Goes Numb
CD de Streetlight Manifesto
Gênero(s) Ska
Duração 55:12
Gravadora(s) The RISC Group & Victory Records
Produção Tomas Kalnoky
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de Streetlight Manifesto
Último
Último
Streetlight Manifesto Demo
(2002)
Keasbey Nights
(2006)
Próximo
Próximo


Everything Goes Numb é o primeiro álbum do grupo musical Streetlight Manifesto. É visto como uma progressão natural de Keasbey Nights (1998) do Catch 22, visto que Tomas Kalnoky, o vocalista, guitarrista e compositor, tinha as mesmas funções no Catch 22 antes de sair após Keasbey Nights para concentrar em sua educação da faculdade. As letras do álbum lidam com temas como suicídio, roubo, e excluídos da sociedade. Também é o segundo capítulo na trilogia Keasbey Nights, e uma vez foi referido como The Keasbey Diaries no livreto do EP A Call to Arms (2001) da banda que é um projeto secundário de Kalnoky: Bandits of Acoustic Revolution.

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as músicas foram compostas por Tomas Kalnoky.

  1. "Everything Went Numb" – 3:29
  2. "That'll Be the Day" – 4:42
  3. "Point/Counterpoint" – 5:27
  4. "If and When We Rise Again" – 4:19
  5. "A Better Place, a Better Time" – 6:28
  6. "We Are the Few" – 4:56
  7. "Failing, Flailing" – 5:28
  8. "Here’s to Life" – 4:41
  9. "A Moment of Silence" – 5:13
  10. "A Moment of Violence" – 2:00
  11. "The Saddest Song" – 3:18
  12. "The Big Sleep" – 5:02

Semelhanças a Keasbey Nights[editar | editar código-fonte]

Tocando em ordem, a maioria das músicas do álbum lembram muito as músicas de Keasbey Nights. Por exemplo, Everything Went Numb tem um pouco da mesma influência de mariachi que há em Dear Sergio, os instrumentos de That'll be the Day soam bastante similar àqueles de Sick and Sad, e Point/Counterpoint divide seu estilo lírico com Keasbey Nights.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • "Point/Counterpoint" é às vezes tocada ao vivo com a música "Keasbey Nights" no meio
  • "If and When we Rise Again" é creditada como "Color-Coded Quotes" em alguns lugares, e contém o título do álbum na letra
  • "A Better Place, A Better Time" é referenciada como "Annie" pela banda, e é normalmente escrito nas setlistscom esse nome
  • A música "Here's to Life..."
    • É um remake de uma faixa de A Call to Arms (2001) do Bandits of the Acoustic Revolution
    • É creditada como "Here's to Life (Reprise)" dentro do livreto do CD (provavelmente uma referência à gravação anterior do Bandits of the Acoustic Revolution
    • Contém referencias a artistas suicidas, incluindo:
    • Menciona J. D. Salinger e seu personagem Holden Caulfield
    • A exclusão de J.D. Salinger da sociedade é mencionada no verso:

      and it's been years since you passed away / but i see no plaque, and i see no grave / and I can't help believing that you wanted it that way

  • "The Big Sleep" é creditada como "The Big Sleep (You're Impossible)" na seção de letras das músicas no site oficial do Streetlight Manifesto
  • "Failing, Flailing" às vezes é tocada ao vivo com "9mm & a 3 Piece Suit" no meio da música
  • Na introdução de "If And When We Rise" é possível ouvir Tomas Kalnoky dizer "Moderate Rock", uma referência a uma música do Nirvana (Tourette's) onde Kurt Cobain diz a mesma coisa na introdução.
  • A música "The Big Sleep" faz referência a Bob Dylan nas letras como "Mr. Dylan."