Evita (musical)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Evita
Berlin Theater des Westens Sep 2002 (2).jpg
Musical Evita, em Berlim.
Música Andrew Lloyd Webber‎
Letra Tim Rice
Produção 1976 álbum conceitual
1978 Londres
1979 Broadway
1996 filme
2006 Londres Revival
2008 UK Tuor
2010 UK Tuor
2012 Broadway Revival
2014 Londres Avivamento
inúmeras produções internacionais
Prêmios Olivier Award para melhor novo musical
Tony Award de Melhor Musical
Tony Award de Melhor Trilha Sonora
Tony Award de Melhor Livreto

Evita é um musical com melodia de Andrew Lloyd Webber e letra de Tim Rice. Foi inspirado no filme do diretor argentino Carlos Pasini-Hansen "Queen of Hearts" (1972), baseado na vida e morte de Eva Perón (1919-1952) e sua influência na história argentina a partir da ascensão ao poder de seu marido Juan Perón, como presidente do país.

O musical começou como um álbum conceitual de ópera-rock lançado em 1976, seu sucesso levou a produções em Londres em 1978, ganhando o prêmio Olivier e Laurence de Melhor Musical, e na Broadway, um ano depois, onde ele foi o primeiro musical britânico á receber o Prêmio Tony de Melhor Musical.

Depois de transformar, em 1970, Jesus Cristo em "superstar" do rock, num musical que fez sucesso em todo mundo (Jesus Cristo, superstar), a dupla Andrew Lloyd Webber e Tim Rice revisitou o maior mito da Argentina - Maria Eva Duarte de Perón (1919-1952), para a opera-rock Evita, de 1976:

"Foi como alegoria gloriosa da Argentina, através de um especial da BBC inglesa, que dois jovens, Tim Rice e Andrew Lloyd, conheceram Evita. Em meados da década de 1970, mais de 20 anos após a sua morte, Eva Perón ainda era o símbolo máximo da Argentina. Ao mesmo tempo intrigados e fascinados, movidos pelo carisma daquela mulher, realizaram a ópera-rock mais exuberante que já foi escrita. Supera todas as suas similares em brilho, fascínio, luxo... É a eloqüente ressurreição de uma figura fascinante. Através desta ópera – a mais consagrada da segunda metade do século XX – Evita continua viva em todos os palcos do mundo. Ela tornou-se uma figura ainda mais conhecida e comentada. Ela é hoje não apenas parte da história e da cultura portenha, como também do cenário cultural mundial."[1]

O musical ganhou uma adaptação ao cinema em 1998, estrelada por Madonna e Antonio Bandeiras como Evita e Cher, respectivamente. Venceu o Oscar de Melhor Canção Original por You Must Love Me.


História[editar | editar código-fonte]

Em 1972, Robert Stigwood propôs que Andrew Lloyd Webber e Tim Rice desenvolvesse uma nova versão musical de Peter Pan , mas abandonou o projeto.

Em uma viagem em 1973, Rice ouviu falar de Eva Péron no final de um programa de rádio que o intrigou. Como um colecionador de selos, ele tinha sido fascinado por sua imagem nos selos argentinos, mas não tinha conhecimento de sua importância na história da Argentina. Ele começou a investigação e foi apresentado por um executivo da Cinema International Corporation, o cineasta argentino Carlos Pasini Hansen que tinha produzido "Queen of Hearts" em (1972). O executivo também arranjou para Rice assistir o filme, que fez ", pelo menos vinte vezes", dizendo também que "por esse tempo que eu tinha visto o filme soberbamente pesquisado sobre Pasini, eu era viciado." Rice passo a investigar Eva Perón, indo tão longe a ponto de viajar para Buenos Aires para pesquisar sua vida com muitos documentos e contatos que Pasini tinha fornecido, mais ele se tornou fascinado pela mulher; cheando a nomear sua primeira filha depois dela.

Rice sugeriu a ideia de um musical baseado nela para Lloyd Webber, mas, embora a idéia de escrever uma pontuação incluindo tangos, e música latina o intrigou, Lloyd Webber, em última instância rejeitou a ideia. Ele decidiu colaborar com Alan Ayckbourn em Jeeves, um tradicional Rodgers musical, que provou ser um fracasso comercial e de crítica. Depois de Jeeves, Lloyd Webber voltou a Rice, e eles começaran a desenvolver a proposta musical de Rice.

Os autores do livro de 1996, Evita: The Real Life of Eva Perón, afirma que o musical foi baseado na biografia de Mary Main, Evita: The Woman with the Whip que foi extremamente crítica de Eva Perón . Embora Rice elogiou a biografia principal, nunca foi oficialmente creditado como material de origem. Rice criou um personagem, o Che, para servir como um narrador e coro grego . Embora ele tenha descoberto recentemente Che Guevara era argentino, e que não era sua intenção original que o personagem basear-se-lhe, no entanto, quando Harold Prince mais tarde se envolveu com o projeto, ele insistiu que os atores que representarem Che, tenham Che Guevara como modelo. Na adaptação para o filme de 1996, o personagem voltou às suas raízes mais anônimos. Este também foi o caso do London reavivamento em 2006. [2]

Lloyd Webber e o maestro Anthony Bowles apresentou o musical no segundo Festival Sydmonton antes de fazer a gravação com a Orquestra Filarmônica de Londres.

Gravação[editar | editar código-fonte]

Evita no Adelphi Theatre na Inglaterra.

Como haviam feito anteriormente com Jesus Christ Superstar, o time de compositores decidiu gravar Evita como um álbum musical, e a atriz e cantora Julie Covington cantou o papel-título, depois eles lembrarem de seu desempenho no musical Godspell. A gravação, que foi lançado pela MCA Records que tinha anteriormente comercializados Jesus Christ Superstar, iniciou em abril de 1976 e foi produzido por Lloyd Webber e Rice. A gravação foi projetado por David Hamilton Smith, cuja Rice iria reconhecer mais tarde como um terceiro produtor. Ele também escreveu a linha do livreto, "Política é mais do que entreter os camponeses", uma refutação ao discurso de Eva no álbum.

Lançado em 1976, o conjunto de dois discos incluiu Paul Jones como Juan Perón, Colm Wilkinson como Che, Barbara Dickson como amante de Perón, e Tony Christie como Agustín Magaldi. Murray Head , que teve enorme sucesso com o álbum Superstar gravou algumas demos mas Rice admitiu mais tarde que, "Realmente não reproduzir a magia que seu retrato de Judas tinha". Colm Wilkinson tinha jogado recentemente Judas na produção londrina de Superstar e concordou em fazer um teste: "Levou apenas algumas falas para saber que ele era o nosso homem", afirmou Rice.

O diretor Pasini escreveu o diálogo em espanhol da primeira cena, "um cinema em Buenos Aires, 26 de julho de 1952". Nesta gravação, ele fez o papel do ator na trilha sonora de um filme que faz uma parada para ler o comunicado oficial da morte de Eva. Quando o álbum foi apresentado à imprensa, no país de origem de Lloyd Webber, Pasini organizou uma apresentação fotográfica com seu colega Anton Furst para acompanhar o lançamento. Sua contribuição para o desenvolvimento do projeto foi reconhecido quando Rice e Lloyd Webber admitiram pela em um discurso de agradecimento depois.

Na Grã-Bretanha, Austrália, África do Sul, América do Sul e, em várias partes da Europa, as vendas do álbum conceitual superaram as de Jesus Cristo Superstar; nos Estados Unidos, no entanto, nunca atingiu o mesmo nível de sucesso. A Gravação do Covington Dont Cry For Me Argentina foi lançado em outubro de 1976,e chegou ao 1º lugar no UK Singles Chart, e fez sucesso semelhante internacionalmente. "Another Suitcase in Another Hall" também se tornou um hit. Nos EUA e Reino Unido, respectivamente, Karen Carpenter, Olivia Newton-John , e Petula Clark lançaram versões cover de "Dont Cry For Me Argentina".


Sinopse[editar | editar código-fonte]

Ato I[editar | editar código-fonte]

A abertura revela um cinema em Buenos Aires, Argentina, em 26 de Julho de 1952, onde o público está assistindo a um filme ("Um Cinema em Buenos Aires, 26 de julho de 1952"). O diálogo espanhol é ouvido durante o filme, um locutor interrompe com a mensagem (iniciada em espanhol, mas enfraquecendo em Inglês), que "Eva Perón morreu ás 20:25 horas desta noite ...." O público fica triste e de coração partido, eles cantam "Requiem for Evita" (em latim , modelado em um católico requiem ). Ché, o narrador, cinicamente avalia a dor histérica que se apoderou Argentina quando Evita morreu ("Oh What a Circus").

Che introduz o público a uma Eva de 15 anos, em 1934, ela tem seu primeiro caso de amor com Agustín Magaldi, um cantor de tango, depois ela encontra-lo em um de seus shows ("On This Night of a Thousand Stars"). Eva chantageia Magaldi a levá-la com ele para Buenos Aires e, embora inicialmente resistente, ele finalmente se rende ("Eva, Beware of the City"). Após a sua chegada na cidade, Eva canta sobre suas esperanças e ambições de glória como atriz ("Buenos Aires"). Após sua chegada, Eva é rápida para deixar Magaldi, e Che relata a história de como Eva sobe em sua escada social, tornando-se uma modelo, estrela de rádio e atriz ("Goodnight e Thank You"). Ele então revela o golpe de Estado em 1943 e sucesso de Eva, o que implica que a política argentina e carreira de Eva em breve poderá coincidir. Che também faz questão de apresentar a figura do coronel Juan Domingo Perón, um coronel militar ambicioso, que estava fazendo crescendo na política argentina. ("Got The Lady Potencial"). Em um jogo de cadeiras musicais que representa a ascensão de figuras políticas, Perón e outras figuras militares compete pelo poder e expõem a sua estratégia política ("The Art of the Possible").

Depois de um devastador terremoto que atinge a cidade de San Juan, Perón organiza um concerto de caridade no Luna Park para prestar ajuda às vítimas. Eva assiste e brevemente se reúne com Agustín Magaldi, que friamente evita-la por suas ações passadas. Perón aborda a multidão com palavras de encorajamento e vai para o backstage, e conhece Eva ("Charity Concert"). Ele e Eva compartilham um encontro secreto após o concerto de caridade, onde Eva sugere que ela poderia ajudar Perón a ascender ao poder ("I'd Be Surprisingly Good For You"). Eva substitui a Senhora Perón (o personagem é conhecido apenas por esse título), que pondera a rejeição ("Another Suitcase in Another Hall").

Depois de morar com Perón, Eva é apresentado a alta sociedade, mas ela é recebida com desdém pelas classes altas e o exército Argentino ("Perón's Latest Flame"). Em 1946, Perón lança sua candidatura depois de ter sido promovido a general do exército, e ao mesmo tempo na cama com Eva, ele discute suas chances de ganhar a eleição. Eva tranquiliza-lo e logo organizar comícios onde as pessoas mostram o seu apoio e esperança de um futuro melhor, enquanto nos bastidores Perón e seus aliados complô para eliminar qualquer um que está em seu caminho ("A Nova Argentina").

Ato II[editar | editar código-fonte]

Perón é eleito presidente em uma vitória arrasadora em 1946. Ele fica "No balcão da Casa Rosada" abordando seus votantes. Eva fala a partir da varanda do palácio presidencial para seus partidários ardorosos, onde ela revela que, apesar de sua meta inicial de alcançar a fama e glória, ela encontrou sua verdadeira vocação no serviço ao povo de seu país ("Dont Cry for Me, Argentina "). Che analisa o preço da fama quando Eva dança no Baile Inaugural com Perón, agora presidente eleito ("High Flying, Adored").

Eva insiste em uma imagem de glamour, a fim de impressionar o povo da Argentina e promover o peronismo. Ela se prepara para turnê na Europa vestida pelos seus consultores de moda ("Rainbow High"). Sua famosa turnê de 1946 recebe resultados mistos ("Rainbow Tuor"); Os espanhóis a adoram, mas os italianos comparam o seu marido a Benito Mussolini, a França não se impressiona, e os ingleses desdenham dela, convidando-a a uma propriedade rural, em vez de o Palácio de Buckingham. Eva afirma seu desdém para a classe alta, enquanto Che pede a ela para começar a ajudar os necessitados, como ela prometeu ("The Actress Hasn't Learned the Lines (You'd Like to Hear)"). Eva começa a Eva Perón Fundação para direcionar seu trabalho de caridade. Che descreve o trabalho de caridade controversa de Eva, que pode ter tido possível lavagem de dinheiro ("And the Money Kept Rolling In (And Out)").

Eva aparece em uma igreja para tomar o sacramento na frente de seus partidários ardorosos ("Santa Evita"), mas entra em um estado de transe, começando a ter alucinações. Em sua visão, ela e Che acaloradamente debate suas ações; Che acusa Eva de usar o povo argentino para seus próprios fins, enquanto Eva cinicamente responde que não há glória na tentativa de resolver os problemas do mundo do lado de fora ("A Waltz for Eva and Che"). No final da discussão, Eva finalmente admite para si mesma e a Che que ela está morrendo e não pode continuar por muito mais tempo. Depois, Eva Perón finalmente entende que Péron e o povo a ama por si mesma, não apenas para o que ela pode fazer por ele e sua carreira (" You Must Love Me ").

Os generais de Perón ficam chateados pela intromissão de Eva e exigi que Perón forçá-la a abandonar a política. No entanto, Perón afirma que se não fosse por ela, eles nunca teriam conseguido se manter no poder ("She is a Diamond"). No entanto, ele também reconhece que ela não será capaz de continuar trabalhando por muito tempo, e em breve vai sucumbir ao seu câncer. Enquanto isso, Eva está determinada a concorrer à vice-presidente, apesar do medo de Perón que ela vai irritar os generais se for eleita e que a saúde de Eva é muito delicado para qualquer trabalho estressante, mas Eva insiste que ela pode continuar, apesar de sua saúde debilitada ( "Dice Are Rolling" / "Eva's Sonnet").

Percebendo que ela está perto da morte, Eva renuncia sua busca pela vice-presidência e jura seu amor eterno para o povo da Argentina ("Eva's Final Broadcast"). Realizações de Eva piscam diante de seus olhos antes de morrer ("Montagem"), e ela pede perdão, contemplando a sua escolha de fama ao invés de vida longa ("Lament"). Eva morre e embalsamadores preservar seu corpo para sempre. Che observa que um monumento estava previsto para ser construído para Evita, mas "apenas o pedestal foi concluída, quando o corpo de Evita desapareceu há 17 anos ...."


Números musicais[editar | editar código-fonte]

Primeiro ato

  • "A Cinema in Buenos Aires, 26 July 1952 - Multidão
  • "Requiem for Evita" – Coros
  • " Oh What a Circus " – Che e Multidão
  • "On This Night of a Thousand Stars" – Magaldi
  • "Eva and Magaldi" / "Eva, Beware of the City" – Eva, Magaldi e família de Evita
  • "Buenos Aires" - Eva e Multidão
  • "Good Night and Thank You" – Che, Eva, Magaldi e amantes
  • "The Lady's Got Potential" – Che*
  • "The Art of the Possible" – Perón, Generais e Eva
  • "Charity Concert" – Perón, Che, Magaldi e Eva
  • "I'd Be Surprisingly Good For You" – Eva e Perón
  • "Hello and Goodbye" - Eva
  • "Another Suitcase in Another Hall" – Ministros de Peron e Coro masculino
  • "Peron's Latest Flame" – Che, Aristocratas, Soldados e Eva
  • "A New Argentina" – Eva, Che, Perón e Multidão

Segundo ato

  • Entracte
  • "On The Balcony of the Casa Rosada" – Perón, Che e Multidão
  • "Don't Cry for Me Argentina" – Eva
  • "High Flying Adored" – Che and Eva
  • "Rainbow High" - Eva e camareiras
  • "Rainbow Tour" – Perón, Assessores e Che
  • "The Actress Hasn't Learned the Lines (You'd Like to Hear)" – Eva, Aristocratas e Che
  • "And the Money Kept Rolling In (And Out)" – Che e Multidão
  • "Santa Evita" – Crianças e Coros
  • "A Waltz for Eva and Che" – Eva e Che
  • "You Must Love Me" - Eva
  • "Peron's Latest Flame Playoff" - Soldados**
  • "She is a Diamond" – Perón**
  • "Dice Are Rolling" / "Eva's Sonnet" – Perón e Eva
  • "Eva's Final Broadcast" – Eva
  • "Montage" – Eva, Che, Perón and Chorus***
  • "Lament" – Eva, Embalsamadores e Che

Notas[editar | editar código-fonte]

  • *Esta canção é geralmente cortado da maioria das produções e substituída por "The Art of the Possible", mas uma versão modificada já apareceu em uma série de encenações.
  • ** Estas duas músicas são muitas vezes creditado como apenas "She is a Diamond".
  • *** Tamanho e seleção de melodias varia de produção para produção.
  • "You Must Love Me", escrita para o filme de 1996, foi adicionada à produção de Londres e várias outras produções de cinema pós-2006; sua colocação varia de logo após "Waltz for Eva e Che" para a direita antes "de Eva final Broadcast."

Analise da Música[editar | editar código-fonte]

O musical emprega uma gama eclética de estilos. Música Clássica em Evita inclui a peça coral de abertura ("Requiem for Evita") e um interlúdio coral em "Oh What a Circus", bem como passagens instrumentais em todo o musical como a versão orquestral do "Lament" e a introdução de "Dont Cry For Me Argentina". Estilos rítmicos latinos são ouvidos em peças como "Buenos Aires", "And the Money Kept Rolling in (And Out)" e "On This Night of a Thousand Stars", enquanto baladas incluem "High Flying, Adored" e "Another Suitcase in Another Hall". Canções Rock inclui "Oh What a Circus", "Peron's Latest Flame", e uma música cortada da produção original chamado "The Lady's Got Potential". A canção foi reintegrado para o filme de 1996 com letras revisadas por Rice, e também tem sido usado na produção japonês[1], Checa[2], e dinamarquesa[3], para expandir história argentina para o público menos familiarizado com o assunto.

Exatidão Histórica do Show[editar | editar código-fonte]

Tomas Eloy Martinez afirmou:

Che, bem como Evita simboliza certas crenças ingênuas, mas eficazes: a esperança de um mundo melhor; uma vida sacrificada no altar dos deserdados, os humilhados, os pobres da terra. São mitos que de alguma forma se reproduzem com a imagem de Cristo .

- Tomas Eloy Martinez [3]

A letra e a história do musical são baseados na biografia de Mary Main, Evita: The Woman with the Whip, que foi pesadamente contra Evita. Logo após o musical apareceu, Nicholas Fraser e Marysa Navarro publicou um relato mais neutro de sua vida, intitulado Eva Perón: The Real Lives of Eva Perón, em que afirmam que muitas das suas principais afirmações (que influenciaram as letras de Rice) eram falsas, tais como a sugestão de que Eva tinha ido primeiro a Buenos Aires como a amante de um músico casado, Agustín Magaldi. Em vez disso, eles escreveram, a mãe de Eva, Doña Juana, tinha levado ela quando aspirava a tornar-se uma atriz de rádio. Alguns críticos também sugeriram que as letras de Rice menosprezou as realizações de Evita desnecessariamente, especialmente seu trabalho de caridade. De acordo com Navarro e Fraser, "ela [Evita] foi baseada em grande parte nas versões mais antigas e mais suspeita da vida de Eva, algo aconteceu com o conto em sua releitura e a Evita retratada no show, vestida pela primeira vez como uma adolescente, então uma prostituta, e, finalmente, em tule e folha de prata, como primeira-dama, estava longe de ser simpático." [4]

Após o sucesso da versão cinematográfica de Evita, em 1996, um filme biográfico argentino sobre Perón foi lançado, intitulado Eva Perón: A True Story, afirmando que corrige as distorções feitas pelo musical de Lloyd Webber.

Produções Brasileiras[editar | editar código-fonte]

Dirigido por Maurício Shermann e estrelada por Cláudya como Evita, Mauro Mendonça como Perón, Carlos Augusto Strazzer como Che, Sílvia Massari como amante de Perón, e Hildon Prado como Magaldi (o homem considerado pela história como amante de Evita), estreou no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro em 12 de Janeiro de 1983, e mais tarde mudou-se para Teatro Palace, em São Paulo em 1986. Foi inaugurado com grande sucesso no Brasil, com a cantora Cláudya sendo considerada por alguns críticos como o melhor do musical. Os produtores ingleses, Robert Stigwood e David Land, depois de assistir a produção brasileira, disse que Cláudya era a melhor Evita de todas as cantores que tinham jogado o papel.

  • Diretor: Maurício Shermann
  • Coreografia: Johnny Franklin
  • Maestro e Diretor Musical: Edson Frederico
  • Encenação: Miguel Rosengberg

2011: Segunda Produção Brasileira[editar | editar código-fonte]

A segunda produção brasileira foi dirigida por Jorge Takla e estreou no Teatro Alfa, em março de 2011, com Paula Capovilla como Evita, Daniel Boaventura como Perón e Fred Silveira como Che.

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Produção Original de Londres[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Nomeação Resultado
1978 Laurence Olivier Award Melhor Musical Novo Venceu
Melhor Performance Feminina em Musical Elaine Paige Venceu
MAelhor Perfomance Masculina em Musical David Essex Indicado
Diretor do Ano Harold Prince Indicado


Original Produção da Broadway[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Nomeação Resultado
1980 Drama Desk Award Melhor Musical Venceu
Melhor Letra Tim Rice Venceu
Melhor Música Andrew Lloyd Webber Venceu
Melhor Ator em Musical Mandy Patinkin Venceu
Melhor Atriz em Musical Patti LuPone Venceu
Melhor Ator Coadjuvante em Musical Bob Gunton Venceu
Melhor Diretor em Musical Harold Prince Venceu
Melhor Coreografia Larry Fuller Venceu
Melhor Figurino Timothy O'Brien and Tazeena Firth Indicado
Melhor Iluminação Indicado
Outer Critics Circle Award Melhor Letrista Tim Rice Venceu
Tony Award Melhor Musical Venceu
Melhor Trilha Sonora Original Andrew Lloyd Webber e Tim Rice Venceu
Melhor Libreto Tim Rice Venceu
Melhor Atriz Principal em Musical Patti LuPone Venceu
Melhor Ator Coadjuvante em Musical Mandy Patinkin Venceu
Bob Gunton Indicado
Melhor Direção de Musical Harold Prince Venceu
Melhor Iluminação David Hersey Venceu
Melhor Direção de Arte Timothy O'Brien and Tazeena Firth Indicado
Melhor Figurino Indicado
Melhor Coreografia Larry Fuller Indicado

West End revival de 2006[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Nomeação Resultado
2007 Laurence Olivier Award Melhor Revival de Musical Indicado
Melhor Ator em Musical Philip Quast Indicado
Melhor Atriz em Musical Elena Roger Indicado
Melhor Coreografia Rob Ashford Indicado

Broadway revival de 2012[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Nomeação Resultado
2012 Tony Award Melhor Revival de Musical Indicado
Melhor Ator Coadjuvante em Musical Michael Cerveris Indicado
Melhor Coreografia Rob Ashford Indicado
Drama Desk Award Melhor Revival de Musical Indicado
Melhor Ator em Musical Ricky Martin Indicado
Melhor Ator Coadjuvante em Musical Michael Cerveris Indicado
Melhor Coreografia Rob Ashford Indicado
Melhor Iluminação Neil Austin Indicado

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]