Expedição de Walcheren

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Expedição de Walcheren
Parte da Quinta Coligação
Data 30 de julho - 10 de dezembro de 1809
Local Walcheren, Países Baixos
Desfecho Vitória francesa
Combatentes
Reino Unido Reino Unido França Império Francês
Prinsenvlag.svg Reino da Holanda
Comandantes
Lord Chatham
Sir Richard Strachan
Jean-Baptiste Bernadotte
Louis Claude Monnet de Lorbeau
Forças
40.000 20.000
Baixas
4.000 mortos, feridos ou capturados
12.000 enfermos
5.000 mortos, feridos ou capturados
500 enfermos

A Expedição de Walcheren (30 de julho - 10 de dezembro de 1809) foi uma operação militar realizada pelo Reino Unido durante as Guerras Napoleónicas.

Esta foi a última de uma série de operações nos Flandres (hoje Bélgica) que ocorreram em 1809 e a maior delas envolvendo a um completo exército de 40.000 soldados que cruzaram o Mar do Norte.

Objetivos[editar | editar código-fonte]

A expedição pretendia atacar a base naval de Amberes, controlada pelos franceses, proporcionando uma manobra de distração para os fortemente pressionados austríacos (embora o efeito não era esse, a ocorrência da fundamental batalha de Wagram antes da expedição estar em marcha). Em um primeiro movimento, o exército britânico tomou a ilha de Walcheren, uma ilha pantanosa e infestada de febre na desembocadura do rio Escalda, assim como o sul da ilha Beveland (ambas parte dos Países Baixos na atualidade).

As tropas britânicas começaram logo a sofrer com a malária e a um mês de tomar as ilhas, estavam com 8.000 casos da doença. As provisões médicas da expedição demostraram ser completamente inadequadas.

A operação era comandada por John Pitt (exército) e por Sir Richard Strachan (marinha). Chatham tinha reputação de homem extremadamente cauteloso e deu à operação um ritmo perigosamente lento. Enquanto as tropas inglesas se entretinham na captura de Flushing (15 de agosto) e rendiam alguns povoados, o inimigo reforçava fortemente Amberes. Já com seu principal objetivo fora de alcance, a expedição foi cancelada no início de setembro. Cerca de 12.000 soldados permaneciam em Walcheren, mas em outubro, só 5.000 deles se encontravam preparados para a ação.

Com tudo isso, o governo britânico tinha desperdiçado qease 8 milhões de libras na expedição, na que 4.067 homens morreram, ainda que só 106 deles tenham sido em combate. Quase 12.000 homens ainda estavam enfermos em fevereiro de 1810 e muitos outros sofreram sequelas permanentes.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Fonte[editar | editar código-fonte]