Expiação (visão de satisfação)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A visão de satisfação na expiação é uma teoria[1] da teologia cristã relacionada com o significado e efeito da morte de Jesus Cristo, ela é tradicionalmente ensinada nos círculos católicos, luteranos, e reformados. Teologicamente e historicamente, a palavra "satisfação" não significa gratificação como em seu uso comum, mas sim "fazer restituição": consertar algo que foi quebrado, reembolsar o que foi tirado. Está, portanto, relacionada com o conceito legal de equilibrar uma injustiça. Esboçada principalmente nas obras de Anselmo de Cantuária, a teoria da satisfação ensina que Cristo sofreu como substituto em nome da humanidade para satisfazer as exigências da glória de Deus pelo seu mérito infinito. Anselmo considerava a sua teoria como um aperfeiçoamento da antiga teoria do resgate, que ele via como inadequada. A teoria de Anselmo foi precursora para os requintes de Tomás de Aquino e João Calvino, que introduziram a ideia de punição para cumprir as exigências da justiça divina.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Sem uma doutrina eclesiástica: "cristãos, incluindo católicos, nunca decidiram de que lado favorecer no debate sobre a expiação" (Frank K. Flinn, Encyclopedia of Catholicism (Infobase Publishing 2007 ISBN 9780816075652), p. 73

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Pró[editar | editar código-fonte]

Contra[editar | editar código-fonte]