Expiação (visão governamental)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parte de uma série sobre
Metodismo
John Wesley clipped.png George Whitefield preaching.jpg
John Wesley George Whitefield

Contexto
Cristianismo
Protestantismo
Pietismo
Anglicanismo
Arminianismo
Wesleyanismo
Calvinismo

Doutrinas distintas
Artigos da Religião
Graça preveniente
Expiação governamental
Justiça transmitida
Perfeição cristã
Preservação condicional dos santos

Pessoas
Richard Allen
Francis Asbury
Thomas Coke
Albert C. Outler
James Varick
Charles Wesley

Outros grupos
Conselho Mundial Metodista
Igreja AME
Igreja AME Sião
Igreja do Nazareno
Igreja CME
Igreja Metodista Livre
Igreja Metodista da Grã-Bretanha
Igreja Unida na Austrália
Igreja Metodista Unida

Movimentos relacionados
Igreja Moraviana
Movimento de Santidade
Exército da Salvação
Personalismo
Pentecostalismo

P christianity.svg Portal do Cristianismo

A visão governamental de expiação (também conhecida como a teoria de governo moral) é uma doutrina na teologia cristã concernente a significado e efeitoda morte de Jesus Cristo e foi aplicada tradicinalmente nos círculos arminianos que puxaram principalmente das palavra de Hugo Grócio. A teoria governamental ensina que Cristo sofreu pela humanidade assim Deus perdou o ser humano o separando da punição enquanto manteve a justiça divina.

Significado[editar | editar código-fonte]

A teoria governamental surgiu em oposição ao socinianismo [1]. Grocius escreveu Defensio fidei catholicae de satisfactione Christi, na qual utilizou-se da semântica de "governamental" tirada de sua formação em direito e sua visão geral de Deus como governador (governante) moral do universo. Grocius demonstrou que a expiação satisfazia a Deus em seu papel como rei divino cósmico e juiz, e sobretudo que Deus não poderia ter simplesmente ignorado o pecado como os socinianistas reivindicavam.

Apesar de sua origem, a visão de Grocius é freqüentemente comparada com a do teoria de satisfação formulada inicialmente por St. Anselmo, a qual é preferida pela Igreja Católica, e posteriormente desenvolvida para a teoria da substituição penal mantida pela maioria dos calvinistas. Também pode ser contrastada com a compreensão de Christus Victor a qual é preferida pela maioria dos ortodoxos e muitos cristãos luteranos. As teorias de satisfação e substituição lpena argumentam que Jesus recebeu o castigo completo e real por homens e mulheres, enquanto a visão de Christus Victor enfatiza a libertação da humanidade da escravidão do pecado, morte, e do Diabo.

Em contrapartida, a teoria governamental sustenta que o sofrimento de Cristo foi uma substituição verdadeira e significativa pelo castigo humano merecido, mas não era constituída de Cristo recebendo o exato castigo devido ao povo pecador. Em vez disso, Deus demonstrou publicamente seu descontentamento com o pecado através do sofrimento de seu próprio Filho sem pecado e obediente como uma propiciação. O sofrimento e a morte de Cristo serviu como uma substituição pelos castigos humanos que poderiam ser recebidos. Nesta base, Deus é capaz de estender o perdão, mantendo a ordem divina, tendo demonstrado a gravidade do pecado e permitindo assim que a sua ira "passase".

Âmbito[editar | editar código-fonte]

Uma segunda característica da teoria governamental é o âmbito da expiação. Segundo as teorias não governamentais, a morte de Cristo não se aplica diretamente aos indivíduos, mas à Igreja como uma entidade corporativa. Os indivíduos, em seguida, participam da expiação por estarem ligados à Igreja através da fé. Também é possível, portanto, cair para fora do alcance da expiação através da perda da fé. Esta visão contrasta particularmente com a teoria de castigo, que afirma que a morte de Jesus serviu como uma substituição pelos pecados dos indivíduos diretamente (veja também expiação limitada).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Pró[editar | editar código-fonte]

Contra[editar | editar código-fonte]