Exsudato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Exsudato sanguíneo resultado de um corte.

Exsudato (do latim exsūdāre significa fluir pra fora)[1] se refere a saída de líquidos orgânicos através das paredes e membranas celulares, tanto de animais quanto de plantas, por lesão ou por inflamação. No caso de exsudação sanguínea por ferimento há passagem de proteínas do plasma, leucócitos, plaquetas e hemácias.[2]

Plantas exsudam seiva e resinas como látex, enquanto animais geralmente exsudam componentes sanguíneos e do sistema linfático.[3]

Causas[editar | editar código-fonte]

Complicações causadas por exsudato de ácido úrico (Gota).

Muitos processos infecciosos (bacteremias, septicemias etc.) dão causa à formação dessas matérias que se extraem dos tecidos originários e se depositam noutros tecidos, em cavidades orgânicas ou, ainda, vem ao exterior do organismo afetado. Essa extração é a exsudação, a retirada espontânea das substâncias oriundas da evolução do processo. Exsudatos muitas vezes são necessários para a cura da doença ou lesão.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Em casos de difteria, alguns dias após penetrar no organismo, o Corynebacterium diphtheriae (bacilo diftérico) provoca a formação de um exsudato branco-acinzentado, que se torna uma falsa membrana acinzentada e que pode chegar a obstruir as vias respiratórias.

Também a doença sexualmente transmissível gonorreia, que afeta principalmente as membranas mucosas do trato urogenital e é causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, caracteriza-se pela produção local (urogenital) de um exsudato purulento.

Periodontite, que é caracterizada pela perda de inserção dentária ao osso alveolar, apresenta o exsudato entre o dente e o epitélio da gengiva e tem origem polimicrobiana, como por exemplo Porphyromonas gingivalis e Prevotella intermedia em adultos e Actinobacillus actinomycetencomitans em jovens.[4]

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete exsudato.

Referências

  1. ""Exuded" Merriam-Webster Online Dictionary" . Meriam Webster. 2008. Retrieved 2008-07-04.
  2. http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/002357.htm
  3. Power, Michael L. (2010). Anne M. Burrows, Leanne T. Nash. ed. The Evolution of Exudativory in Primates / Nutritional and Digestive Challenges to Being a Gum-feeding Primate. Springer. p. 28. Retrieved 2 October 2012.
  4. SHIGUEO, F.; RASLAN, S.; CORTELLI, J. Características microbianas na saúde e doença periodontal. Rev. biociênc.,Taubaté, v.9, n.2, p.45-51, abr-jun 2003