Extinção do Triássico-Jurássico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Extinção do Triássico-Jurássico foi uma extinção em massa ocorrida há 200 milhões de anos, tendo sido uma das mais severas do eon Fanerozóico, afetando profundamente a vida na Terra. Cerca de 20% de todas as famílias marinhas e de arcossauros (com exceção dos dinossauros) foram extintas, o mesmo ocorreu com os grandes anfíbios da época. Este evento abriu um nicho ecológico que permitiu aos dinossauros desempenharem papel dominante no período Jurássico e posteriormente no período Cretáceo.

Diversas teorias tentam explicar a extinção do Triássico-Jurássico, mas todas são refutáveis:

  • Muitos sugerem uma mudanças no clima e no nível dos oceanos, mas isto não explica as extinções massivas no reino marinho.
  • Sugere-se também o impacto de asteróide, mas nenhuma cratera proveniente daquela época foi encontrada até então.
  • A mais provável das teorias é que erupções vulcânicas maciças teriam sido responsáveis por tal extinção, elas teriam liberado quantidades imensas de dióxido de carbono e dióxido de enxofre que teriam causado um aquecimento global intenso e depois um resfriamento.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.