Extrativismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde outubro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O termo extrativismo, em geral é utilizado para designar toda atividade de coleta de produtos naturais, seja de origem mineral (exploração de minerais), animal (peles, carne, óleos), ou vegetal (madeiras, folhas, frutos...). Extrativismo significa resumidamente todas as atividades de coleta de produtos naturais, sejam estes produtos de origem animal, vegetal ou mineral. É a mais antiga atividade humana, antecedendo a agricultura, a pecuária e a indústria. Praticada mundialmente através dos tempos por todas as sociedades.

Até o início do século XIX o conceito de extrativismo baseava-se nas idéias dos Naturalistas, nas grandes descobertas científicas, nas grandes viagens, enfim, na "mãe natureza" e na riqueza nela contida, pensamento que foi reforçado pela Revolução Industrial e pelas teorias de Karl Marx, onde tudo era produto e que os recursos naturais passaram a ser chamados de matérias-primas, tidas como inesgotáveis e seu consumo controlável pelo homem.

Já no século XX com o avanço das tecnologias e do crescimento populacional, o homem começou a perceber que esta matéria-prima oriunda dos recursos naturais eram esgotáveis. Desta maneira surgiram novas idéias com relação a sustentabilidade dos ecossistemas, as quais foram colocadas em prática através dos chamados projetos de desenvolvimento sustentável.

Assim, um novo perfil sobre as atividades extrativistas no mundo começou a ser delineado e as ações do homem com relação ao extrativismo sofreram profundas alterações, o que inicialmente tinha apenas um caráter ideológico passou à prática e as ações de sustentabilidade tornaram-se perceptíveis.

Há vários exemplos de extrativismo vegetal, por exemplo: castanha-do-pará, açaí, palmito, pupunha, madeira, babaçu, entre outros.

Extrativismo predatório[editar | editar código-fonte]

Extrativismo predatório é a retirada indiscriminada de recursos da natureza, podendo ser recursos minerais, animais ou vegetais.Em geral tiram-se as riquezas do local sem se preocupar se elas se reconstituirão, e em determinado momento esta riqueza deixa de existir. Este extrativismo provoca desequilíbrio no ecossistema e impactos por vezes irreversíveis, como o assoreamento de rios e lagos, deterioração do ambiente, destruição das margens dos rios, contaminação da fauna, destruição da cobertura vegetal etc. No caso do extrativismo mineral, como o garimpo, contamina as águas com aplicação de mercúrio e outros detritos.Os danos gerados nas áreas onde são desenvolvidas a mineração ou garimpagem são irreversíveis.

O extrativismo praticado pelos nativos das Américas[editar | editar código-fonte]

Quando consideramos a imensa área geográfica das Américas e as inúmeras tribos que nelas habitavam, deduzimos que era de alguns milhares a quantidade das plantas utilizadas como alimento, bebida, medicamento, alucinógeno, fibra, corante, vasilhame, fertilizante, combustível, veneno, incenso, lubrificante, jóia, instrumento musical, arma, conservante, ferramenta, brinquedo, impermeabilizante e outros. Igualmente, a fauna ricamente diversificada oferecia ampla fartura de alimentos, bem como de matérias primas para vestimentas, armas e utensílios[1] .

Quando se procura dados sobre a Etnobotânica dos povos indígenas das Américas, ou seja, as suas interações com as plantas e o emprego dos vegetais em suas vidas, bem como da Etnozoologia, que compreende o papel dos animais na vida e folclore dos mesmos povos, verifica-se que há relativamente poucas informações sobre os povos da América do Sul e América Central se comparadas com as da América do Norte. A esmagadora diversidade botânica e animal do sul e centro das Américas quando confrontada com a do norte parece contradizer estes dados. Em outras palavras, era de se esperar que os povos do sul e do centro fizessem uso de maior variedade de plantas e animais do que os do norte. É provável que seja este o caso e se há menos informações sobre a Etnobotânica e a Etnozoologia relativa aos povos do sul e centro é porque mais pesquisadores do norte se dedicaram e se dedicam a estes estudos relacionados a tribos norte-americanas[1] .

As dez plantas mais usadas como alimento pelos índios norte-americanos eram: common chockcherry (Prunus virginiana), banana yucca (Yucca baccata), corn (milho) (Zea mays), saskatoon serviceberry (Amelanchier alnifolia), honey mesquite (Prosopis glandulosa), American red raspberry(Rubus idaeus), saguaro (cacto saguaro) (Carnegia gigantea), salmonberry (Rubus spectabilis), timbleberry (Rubus parviflorus) e broadleaf cattail (Typha latifólia)[2] . Para os indígenas da Califórnia tinha especial importância o acorn (bolota), fruto do carvalho (Quercus spp.)[3] .

Na América do Sul e América Central as plantas mais usadas como alimento pelos índios eram: milho (Zea mays), a macaxeira ou mandioca-doce (Manihot utilissima) mandioca (Manihot esculenta), moriche (Mauritia flexuosa L.), agave ou piteira (Agave spp.), algaroba (Prosopis spp.), castanha-do-pará (Bertholletia excelsa), o caju (Anacardium occidentale)[4] [5] [6] [7] [8] [9] .

Seguem listas dos produtos naturais que os ameríndios faziam uso. Primeiro vem o nome do produto, seguido pelo nome dos nativos que o utilizam e respectivas regiões por eles habitadas:


Semente[editar | editar código-fonte]

Bolota, fruto do carvalho. Suas sementes serviam de alimento para os nativos.

Flor[editar | editar código-fonte]



Fruto[editar | editar código-fonte]

Mistol (Zisyphus mistol Gr.), fruto apreciado por nativos da Argentina.

Baga[editar | editar código-fonte]

Diversos tipos de bagas.

Bagas são em linguagem comum, mas não em botânica, todo fruto pequeno e doce como amora, ameixa, morango, groselha, framboesa, mirtilo e outros[1] . Na lista abaixo, quando a espécie da baga não for especificada, será indicada apenas como baga.

Folha[editar | editar código-fonte]

Taioba (Xanthosoma sagittifolium (L.) Schott ),

Raiz, tubérculo e rizoma[editar | editar código-fonte]



Tronco, casca e câmbio[editar | editar código-fonte]



Samambaia[editar | editar código-fonte]


Alga[editar | editar código-fonte]


Maná[editar | editar código-fonte]

O maná descrito na Bíblia é composto por secreções doces de cochonilhas, cigarras e piolhos que aderem na superfície das folhas das plantas[49] .


Fungo[editar | editar código-fonte]



Liquen[editar | editar código-fonte]



Fruto do mar[editar | editar código-fonte]

Artrópodes e outros invertebrados[editar | editar código-fonte]

Plecóptero[editar | editar código-fonte]


Teredo[editar | editar código-fonte]


Vespa (Marimbondo)[editar | editar código-fonte]


Quelônio[editar | editar código-fonte]



Ovos[editar | editar código-fonte]

Mel[editar | editar código-fonte]



Terra[editar | editar código-fonte]

Algumas tribos de índios incluíam a terra no cardápio. Para uma lista que incluía insetos crus ou assados, cobras, larvas, piolhos e alguns tipos de carne apodrecida[4] , macacos e homens, não é de todo estranho que a terra participasse desta lista[1] .

Não só povos das Américas tinham o hábito de comer terra, mas também os europeus, africanos e asiáticos. Trabalhadores de minas alemães ao invés de manteiga passavam argila no pão e mulheres de Portugal e Espanha gostavam de mascar argila, por elas chamadas de terras cheirosas[39] . A geofagia entre humanos foi documentada em 450 a.C. por Hipócrates[77] .

Sabe-se que em algumas circunstâncias tribos eram assoladas pela fome e tentavam se alimentar do que se achava ao seu redor. Alguns estudiosos acreditam que uma das opções era a terra e com o tempo foram se acostumando com esta escolha, que passou a fazer parte do cardápio[1] .

Outra maneira dos humanos aprenderem quais plantas e animais eram comestíveis foi observando do que animais se alimentavam. Alguns são herbívoros, outros carnívoros, outros onívoros (como o lobo-guará, o porco, a ema, o jabuti, etc.) e há ainda os geófagos, que se alimentam de terra, como o matapi (peixe), o jabuti, o mutum[4] e o jacundá-coroa (peixe)[8] . Mesmo animais não necessariamente geófagos, às vezes ingerem terra para dela obter sais não disponíveis nas suas fontes alimentares usuais[1] .

Há locais na floresta chamados barreiros, resultantes de antigos depósitos de sal-gema, onde se pode observar uma grande variedade de animais chafurdando o barro. Lado a lado está a onça, o veado, a capivara, diversos pássaros, todos em busca do cloreto de sódio e outros sais. Na América do Norte este comportamento dos animais pode ser observado em várias regiões onde são vistos o bisão, alce, urso, coelho, esquilo, marmota e vários tipos de pássaros, além de animais domesticados como boi, ovelha e porcos[78] .

Os índios ficavam de tocaia nestes locais à espera de caça. Possivelmente observaram os animais ingerindo o barro e, consequentemente, fizeram o mesmo. Supostamente alguns gostaram e o incluíram em suas dietas. Vaqueiros do sudeste brasileiro chamavam a estes lugares de lambedor, uma vez que o gado lambe a terra. Com a chuva, formam-se lagoas salinas de onde o sertanejo extraia o sal[1] .

Algumas tribos levavam ao barro para suas aldeias, onde a usavam para fazer sopa de argila acrescida de pirarucu e mandioca. Os Tupinambá do Maranhão faziam bolas de terra e as ingeriam como se fossem fruto. Além de barro, ingeriam terra de cupinzeiros, areias e outros tipos de solos[4] .

Alguns nativos venezuelanos tinham o costume de ingerir terra e muitos europeus acreditavam que eles não ficavam doentes porque também ingeriam gordura de jacaré[5] .

Os Otomaco, da Venezuela, na época de escassez de pesca alimentavam- se majoritariamente de terra. Faziam provisões de bolinhos de terra, cada um com cerca de 10 cm de diâmetro, amontoados em forma de pirâmide com cerca de um metro de altura. Os bolinhos eram levemente assados e com isso obtinham uma crosta endurecida. Depois eram levemente umedecidos para serem comidos e aqueles índios chegavam a passar dois meses tendo em sua dieta apenas os bolinhos de terra. Quando a estação de pesca voltava,eles raspavam a crosta dos bolinhos e a adicionavam ao peixe para ingeri-lo. Indianistas, missionários e outras fontes atestaram que a saúde dos Otomaco era perfeita e nada indicava que a ingestão de terra provocava algum tipo de distúrbio[4] [46] [39] .

A ingestão de terra pelos Otomaco ocorria também durante um jogo com bola. Doze participantes de cada lado deveriam receber e rebater com o ombro direito a bola feita de borracha e, à medida que jogavam, iam comendo punhados de terra[5] .

Os Otomaco faziam um singular pão de terra. Amassavam em forma de bola a argila ou barro especial que, devido à contínua ação da água, se achava deteriorado. A bola era colocada dentro de covas feitas à beira do rio. No centro da massa enterravam os grãos de milho, outros cereais ou frutas. Dias depois, quando o que fora incorporado estava fermentado, retiravam o conjunto, colocavam em um recipiente e o amassavam novamente, adicionando um pouco de água. Tudo era passado em peneira bem fina e recolhido em outro recipiente. A mistura era deixada em repouso e a terra e o amido decantavam. A água clara que ficara acima era misturada com gordura de tartaruga ou jacaré e tudo era adicionado à parte decantada e o conjunto mais uma vez amassado. Pães arredondados eram feitos com a massa e assados, resultando em uma textura macia. Quando não havia gordura os pães eram feitos apenas com a parte decantadas, mas depois de assados ficavam duros[46] .

Os Atsugewi da Califórnia (USA) faziam pães e biscoitos com massa de amêndoa de bolota (castanha do carvalho), água e terra. Eles eram envoltos em folhas de girassol e assados a noite toda em fornos de terra. Eram itens muitas vezes presentes em expedições de caça[3] .

Índias ceramistas das margens do Rio Magdalena, na Colômbia, comiam a argila que estava sendo usada para fazer potes e cuias. No Peru os nativos ingeriam a cal misturada com folhas de coca e era comum que os índios mensageiros levassem em suas viagens apenas este alimento. Os Guajiroe do Rio Hacha comiam a cal pura, sem nenhum acompanhamento[39] .

Tribos dos Andes, como os Quetchus, mergulhavam os alimentos em água com argila dissolvida antes de ingeri-los, alegando que este procedimento evitaria dores estomacais, disenteria e infecções alimentares. O resgate de prisioneiros era pago com argila e não com prata. Quando o Império Inca desintegrou-se, grupos fugiram para os Andes levando consigo não os tesouros em metais preciosos e sim lotes de argilas. A argila era tão importante para os índios que ela era seca e transportada para todo lugar que eles se dirigiam. Além de alimento, a argila era também usada como máscara pelos guerreiros, para pintar o corpo em danças cerimoniais e também para cobrir o corpo de mensageiros exaustos, aliviando-os da exaustão. Imersão na argila era prática comum para relaxamento corporal[79] .

Em Quito, os nativos de Tigua bebiam com água uma argila muito fina misturada à areia quartzosa que dava a aparência leitosa ao líquido e o nome dado à bebida era leite de argila[39] . Algumas tribos do Alto Xingu como os Nahuquá, os Mehinaku e os Aueto buscavam para beber água de charcos lodosos e barrentos ou de canais de água parada. Em algumas tribos era costume usar argila como acompanhamento para pratos de mandioca e peixe como o pirarucu. Sertanistas relataram que durante a marcha pela floresta alguns guias indígenas paravam ao lado de cupinzeiros e deles removiam pedaços para comer. A argila cinza-esverdeada era a preferida por alguns nativos. Os Txukahamãi, que habitavam as regiões dos rios Xingu e Jarina, não gostavam de barro como a tabatinga, mas adoravam terra saibrosa, encontrada em cupinzeiros. De um modo geral, todo tipo de terra era ingerido pelos índios, incluída entre elas a areia da praia[4] .

Os Bororó bebiam água misturada com uma terra branca e os Mehinaku e os Bakairi de Mato Grosso preferiam para beber a água lodosa e barrenta. Meninos nativos do rio Negro mergulhavam em lagos e rios para comer o barro depositado no fundo, acreditando que ele curaria a febre. Constatou-se que índios atacados de verminoses e malária, com problemas no fígado e no baço, mesmo assim apresentavam quantidade satisfatória de hemoglobina no sangue, o que foi atribuído ao costume de ingerir terra com alta concentração de óxido de ferro e manganês[4] . Estes dois óxidos fazem parte de medicamentos receitados a portadores das duas moléstias e os índios intistivamente as combatiam ingerindo terra. Mesmo após entrarem em contato com missionários, as paredes de barro dos edifícios das missões tinham que ser reformadas três vezes por ano, visto que os índios as comiam. Nem os vasilhames de barro escapavam[64] [68] .

Embora a ingestão de terra fosse comum entre os índios, alguns viajantes europeus às vezes associavam erroneamente este hábito como um ato de suicídio[80] .

Algumas tribos de índios norte-americanos ingeriam argila pura ou em combinação com outros alimentos, como batatas selvagens para minimizar o sabor acre deste vegetal[81] .

Os Bakairi do Xingu afirmavam que seus antepassados não conheciam o milho e nem a mandioca e se alimentavam de terra[4] .




Referências

  1. a b c d e f g CAVALCANTE, Messias S. Comidas dos Nativos do Novo Mundo. Barueri, SP. Sá Editora. 2014, 403p.ISBN 9788582020364
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r MOERMAN, Daniel E. Native American Ethnobotany. Ninth edition. Portland; London, Timber Press. 2010, 927 p.
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd CAMPBELL, Paul D. Survival skills of native California. Layton, Utah, Gibbs Smith Publisher. 1999, 448 p.
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac BASTOS, Abguar. A pantofagia ou as estranhas práticas alimentares da selva: Estudo na região amazônica. São Paulo, Editora Nacional; Brasília DF, INL. 1987, 153 p.
  5. a b c GUMILLA, Joseph (1686-1750). El Orinoco ilustrado, y defendido, historia natural, civil y geographica de este gran rio, y sus caudalosas vertientes, govierno, usos y costumes de los índios sus habitadores. Tomo Segundo, Segunda Impression. Madrid, Manuel Fernandez. 1745, 428 p.
  6. a b c d e f g h LEITE, M. S. Transformação e persistência: antropologia da alimentação e nutrição em uma sociedade indígena amazônica [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2007. ISBN 978-85- 7541- 137-7. 2007, 239 p.
  7. a b c d SOUSA, Gabriel Soares de (1540-1590). Tratado descritivo do Brasil em 1587. 4ª ed. São Paulo, Cia Editora Nacional, Editora da Universidade de São Paulo. 1971, 4ª Ed. 389p.
  8. a b c d e f PEREIRA, Manuel Nunes (1892-1985). Moronguêtá: um Decameron indígena. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira. 1980, 2ª Ed.; vol. 1. P. 1-434.
  9. a b c d e f PEREIRA, Nunes (1892-1985). Panorama da alimentação indígena: Comidas, bebidas & tóxicos na amazônia brasileira. Rio de Janeiro, Livraria São José. 1974, 412 p.
  10. a b c d e f g h i j k l POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Panará – Atividades produtivas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/panara/590 Consulta em 28/08/2012
  11. a b c d POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Jiahui. Atividades produtivas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/ jiahui/1332 Consulta em 06/09/2012
  12. a b c POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Nukini. Atividades produtivas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/ nukini/828 Consulta em 04/09/2012
  13. a b c d KANINDÉ ASSOCIAÇÃO DE DEFESA SOCIOAMBIENTAL (2006). Ikolen. Diagnóstico Etnoambiental e Participativo e Plano de Gestão da Terra Indígena Igarapé Lourdes. Rondônia (Kanindé, 2006) e texto do relatório de Lars Lovold e Elisabeth Forseth (ítens "Organização socioal" e "Cosmologia"). Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/ikolen/print Consulta em 29/08/2012
  14. POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Kaixana. Atividades produtivas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kaixana/2079 Consulta em 04/09/2012
  15. a b c POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Rikbaktsa. Atividades econômicas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/rikbaktsa/352 Consulta em 01/09/2012
  16. a b c d POVOS INDÍGENAS DO BRASIL (S/DATA). Cinta Larga. Ciclos de produção e produção de ciclos. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/cinta-larga/425 Consulta em 07/09/2012
  17. a b CREMONY, John. Apache method of hunting geese and ducks. Disponível em http://www.discoverseaz.com/History/Apaches.html Consulta em 15/03/2013
  18. a b c D’ABBEVILLE, Cláudio (....?-1616). História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão. São Paulo, Siciliano. 2002, 363 p.
  19. GIMENES, Maria Henriqueta Sperandio Garcia (2008). Cozinhando a tradição: festa, cultura e história no litoral paranaense. 393p. Tese apresentada ao Curso de Pós-Graduação em História, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em História. Orientador: Prof. Dr. Carlos Roberto Antunes dos Santos. Disponível em http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/17775/ MARIA%20HENRIQUETA%20GIMENES.pdf;jsessionid=C48603F9 DCFC3E4D00BE2E40E467800B?sequence=1 Consulta em 22/08/2012
  20. a b c d e JOSÉ, Oiliam. Indígenas de Minas Gerais – Aspectos sociais, políticos e etnológicos. Belo Horizonte, Edições MP. 1965, 217 p.
  21. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x SILVA, Alcionilio Bruzzi Alves da (1901-1987). A civilização indígena dos Uaupés. São Paulo, Linográfica Editora. 1962, 496 p.
  22. a b c d e POSEY, Darrell A. Kayapó controla inseto com uso adequado do ambiente. p. 47-57. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1979, ano III, nº 14, 64 p.
  23. a b c d e f g h RAMOS, André (2003). Munduruku. Disponível em http:// pib.socioambiental.org/pt/povo/munduruku/print Consulta em 04/ 09/2012
  24. a b c d POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Katukina Pano. Homens e mulheres, vida doméstica. Disponível em http:// pib.socioambiental.org/pt/povo/katukina-pano/1888 Consulta em 04/09/2012
  25. a b c d e f POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Apiaká. Atividades econômicas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/apiaka/56 Consulta 01/09/2012
  26. a b c d e POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Araweté. Atividades produtivas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/es/povo/arawete/99 Consulta em 05/09/2012
  27. OLIVEIRA, Jorge Eremites de (2011). Acuri, a palmeira do índios Guató: Uma perspectiva arqueológica. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus de Dourados, Brasil (eremites@zaz.com.br). Equipo Naya. Disponível em http://www.naya.org.ar/articulos/ arqueo04.htm Consulta em 19/09/2012
  28. a b c d e f g BÉLANGER, Claude (2004) . QUEBEC HISTORY. L’Encyclopédie de l’histoire du Québec / The Quebec Encyclopedia - Food and the Indians of Canada Disponível em http://faculty.marianopolis.edu/c.belanger/quebechistory/encyclopedia/foodindians.htm Consulta em 04/03/2013
  29. a b c d e f LIMA, Oswaldo Gonçalves de. Pulque, balchê e pajuaru na etnobiologia das bebidas e dos alimentos fermentados. Recife: Universidade Federal de Pernambuco. 1975, 1ª Edição; 405p.
  30. a b c d e REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Comportamento social dos Parakanã. P. 26-33. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1979, ano III, nº 19, 64p
  31. POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA).Kaxinawá. Atividades produtivas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kaxinawa/401 Consulta em 03/09/2012
  32. a b c POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Shanenawa. Atividades econômicas e alimentação. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/shanenawa/2177 Consulta em 05/09/2012
  33. a b c d e JARDIM, Gontran da Veiga (1967). Comida não falta no mato e no rio. Correio da Manhã, 06/12/1967. 1º Caderno, p. 11. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/noticias?id=89410 Consulta em 07/09/2012
  34. a b c d e f g h i j POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (2002). Tuyuka. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/tuyuka/print Consulta em 29/08/2012
  35. a b OLIVEIRA, Marlene de (S/DATA). Alcoolismo entre os Kaingáng: do sagrado e lúdico à dependência. In: Seminário sobre alcoolismo e DST/AIDS entre os povos indígenas. Artigo 7. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/57seminario_alcoolismo.pdf Consulta em 26/10/2012
  36. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Cultura. Gestos. p.14. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1979, ano III, nº 14, 64 p.
  37. a b ANDERSON, Anthony B. (S/DATA). Os nomes e usos de palmeiras entre uma tribo de índios Yanomama. Acta Amazonica 7(1): 5-13 Disponível em http://acta.inpa.gov.br/fasciculos/7-1/PDF/v7n1a02.pdf Consulta em 10/09/2012
  38. a b RIBEIRO, Berta G. (1924-1997). Diário do Xingu. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1979, 265 p
  39. a b c d e f g WALKER, Alexander (1822). Colombia, being a geographical, statistical, commercial, and political accountof that country, adapted for the general reader, the merchant, and the colonist. Vol. I, 707p. London, Baldwin, Cradock, and Joy. Disponível em http://archive.org/stream/colombiabeinggeo01walk#page/607/mode/1up Consulta em 24/09/2012
  40. WHO WERE THE TIMUCUAS?. Disponível em http://pelotes.jea.com/intimuchtm.htm Consulta em 17/03/2013
  41. a b c d e f CLINE, Duane A. (2003) The pilgrims & Plymoutu colony: 1620. Indian foods. Disponível em http://www.rootsweb.ancestry.com/~mosmd/foods.htm Consulta em 17/03/2013
  42. a b c d e f g h i GOODCHILD, Peter. Survival skills of the North American indians. Chicago, Chicago Review Press. 1999, 2nd ed, 241p.
  43. a b MOERMAN, Daniel E. Native american food plants – an ethnobotanical dictionary. Portland; London, Timber Press. 2010, 455 p.
  44. PEREIRA, Nunes (1892-1985). História e vocábulos dos índios Uitoto. Publicação nº 3, 34 p. Belém, Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará. 1951, nº 3, 34 p.
  45. LÉRY, Jean de (1534-1611). Viagem à terra do Brasil. Belo Horizonte, Edit. Itatiaia; São Paulo, Edit. da Universidade de São Paulo. 1980, 303 p.
  46. a b c d e f g h GUMILLA, Joseph 1686-1750 (1791). Historia natural, civil y geográfica de las naciones situadas en las riveras del río Orinoco. Tomo I. 360 p. Barcelona, em La Imprenta de Carlos Gibert y Tutó. http://books.google.com.br/books/reader?id=h_Ax_de6uIgC&hl=pt-BR&printsec=frontcover&output=reader&source=gbs_atb_hover&pg=GBS.PP7. Consulta em 09/1/2012
  47. a b c POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Deni. Atividades produtivas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/deni/ 478 Consulta em 28/08/2012
  48. KERR, W. E; POSEY, D. A.; WOLTER FILHO, W (1978). Cupá, ou cipó-babão, alimento de alguns índios amazônicos. Acta Amazônica, Nº 8-4. Disponível em http://acta.inpa.gov.br/fasciculos/8-4/PDF/ v8n4a23.pdf Consulta em 11/09/2012
  49. WIKIPEDIA. Maná (Biblia). Disponível em http://pt.wikipedia.org/ wiki/Man%C3%A1_(B%C3%ADblia) Consulta em 23/08/2012
  50. a b c d e f g h SOUSTELLE, Jacques (1912-1990). La vida cotidiana de los aztecas em vésperas de la conquista. Octava reimpresión. ISBN 968-16-0636-1. Mexico, Fondo de Cultura Economica. 1991, 283 p.
  51. POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Tupinambás de Olivença. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/tupinamba/2211 Consulta em 29/08/2012
  52. a b c d e f g h i j GUTIÉRREZ, Gloria Patricia Arango. La entomofagia em Colombia. P. 171-199. In: COSTA NETO, Eraldo Medeiros. Antropoentomofagia: Insetos na alimentação humana. 255p. Feira de Santana. UEFS Editora. 2011, 255p.
  53. a b c REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Aventuras de um índio que se tornou sertanista. p. 50-58. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1979, ano III, nº 19, 64 p.
  54. a b c d EQUIPE DE EDIÇÃO DA ENCICLOPÉDIA POVOS INDÍGENAS DO BRASIL (2005). Tupari. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/tupari/print Consulta em 05/09/2012
  55. a b c COIMBRA JR., Carlos Everaldo A. Estudos de ecologia humana entre os surui do Parque Indígena Aripuanã. 1. O uso de larvas de coleópteros (Bruchidae e Curculionidae) na alimentação. Revista Brasileira de Zoologia, São Paulo. 1984, 2 (2) : 35-47. 31. V.
  56. PISO, Guilherme (1611-1678). História natural e médica da Índia Ocidental. Rio de Janeiro, Coleção de Obras Raras – Instituto Nacional do Livro – Ministério da Educação e Cultura. 1957, 685 p.
  57. a b c KATZ, Esther. Prefácio. p. 9-16. In: COSTA NETO, Eraldo Medeiros. Antropoentomofagia: Insetos na alimentação humana. Feira de Santana. UEFS Editora. 2011, 255 p.
  58. COSTA NETO, Eraldo Medeiros. Antropoentomofagia: sobre o consumo de insetos. P. 17-37. In: COSTA NETO, Eraldo Medeiros. Antropoentomofagia: Insetos na alimentação humana. Feira de Santana. UEFS Editora. 2011, 255 p.
  59. a b c SANTOS, Gilton Mendes dos. Nem humanos nem insetos. Aspectos de cosmologia e formas alimentares indígenas: O caso Enawene da Amazônia Meridional. p. 155-169. In: COSTA NETO, Eraldo Medeiros. Antropoentomofagia: Insetos na alimentação humana. Feira de Santana. UEFS Editora. 2011, 255 p.
  60. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Cultura. p. 38-39. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1978, ano II, nº 12, 64 p.
  61. PEREIRA, Nunes (1892-1985). Os índios Maués. Rio de Janeiro, Organização Simões. 1954, 174 p.
  62. ORICO, Osvaldo (1900-1981). Cozinha amazônica – uma autobiografia do paladar. Universidade Federal do Pará, Coleção Amazônica, Série Ferreira Pena. Rio de Janeiro, Companhia Editora Americana. 1972, 195 p.
  63. a b c LINASSI, Rossano & BORGUETTI, Bruna. Antropoentomofagia: Um estudo sobre a potencialidade dos insetos como alimento no Brasil. p. 55-75. In: COSTA NETO, Eraldo Medeiros. Antropoentomofagia: Insetos na alimentação humana. Feira de Santana. UEFS Editora. 2011, 255 p.
  64. a b c d e BALDUS, Herbert (1899-1970). Ensaios de etnologia brasileira. São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Cia Editora Nacional. 1937, 346 p.
  65. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Haló’ Té Sú. A difícil transição cultural. p. 41-48 In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1979, ano III, nº 16, 64p.
  66. THE FOOD INSECTS NEWSLETTER (1994). Some Insect Foods of the American Indians: And How the Early Whites Reacted to Them. November 1994. Volume 7, Issue #3. Disponível em http://www.hollowtop.com/finl_html/amerindians.htm Consulta em 30/03/2013
  67. THEVET, André (1502-1590). A cosmografia universal de André Thevet, cosmógrafo do Rei. Coleção Franceses no Brasil – Séculos XVI e XVII, vol. II. Rio de Janeiro, Batel; Fundação Darci Ribeiro. 209, 186p.
  68. a b DANIEL, João (1722-1776). Tesouro descoberto no máximo rio Amazonas. Rio de Janeiro, Contraponto. 2004, Vol. 1, 600 p.
  69. ACUÑA, Cristóbal de (1597-1675). Novo descobrimento do rio Amazonas. Consejeria de Educación de La Embajada de España. 1994, 211 p.
  70. POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Karipuna do Amapá. Actividades productivas. Disponível em http://pib.socioambiental.org /es/povo/karipuna-do-amapa/383 Consulta em 05/09/2012
  71. BATES, Henry Walter (1825-1892). Um naturalista no rio Amazonas. Belo Horizonte, Edit. Itatiaia; São Paulo, Edit. da Universidade de São Paulo. 1979, 300 p.
  72. POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (S/DATA). Paresi. Atividades econômicas. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/paresi/2041 Consulta em 03/09/2012
  73. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA (1979). Os Bakairi – Máscaras, danças e rituais. P. 2-8. In: Revista de Atualidade Indígena, ano III, nº 17, 58p. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1979, 58 p.
  74. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Barragem inunda a terra dos Parakanã. p. 17-27. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1978, ano II, nº 12, 64p.
  75. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Cultura. p. 26-27. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília,Fundação Nacional do Índio. 1978, ano II, nº 11, 64 p.
  76. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Maternidade e infância no mundo tribal. p. 46-50 In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1977, ano I, nº 4, 64p.
  77. STARKS, Philip T. B and SLABACH, Brittany L. (2012). Would you like a side of dirt with that? Scientific American. The science of health. May 25, 2012. Disponível em http://www.scientificamerican.com/article.cfm?id=would-you-like-side-dirt-eating-soil Consulta em 17/03/2013.
  78. DIAMOND, Jared (1998). Eat Dirt. In the competition between parrots and fruit trees, it’s the winners who bite the dust. Discover – The magazine of science, technology and the future. February 1998 issue. Disponível em http://discovermagazine.com/1998/february/ eatdirt1408#.Q7dDaxdQEqM Consulta em 17/03/2013.
  79. DIAMOND, Jared (1998). Eat Dirt. In the competition between parrots and fruit trees, it's the winners who bite the dust. Discover – The magazine of science, technology and the future. February 1998 issue. Disponível em http://discovermagazine.com/1998/feb/eatdirt1408#.Q7dDaxdQEqM Consulta em 17/03/2013
  80. GANDAVO, Pero de Magalhães (c. 1540-c. 1580 ). Tratado da Terra do Brasil; História da Província Santa Cruz. Belo Horizonte, Edit. Itatiaia; São Paulo, Edit. da Universidade de São Paulo. 1980, 150 p.
  81. BÉLANGER, Claude (2004) . QUEBEC HISTORY. L’Encyclopédie de l’histoire du Québec / The Quebec Encyclopedia - Food and the Indians of Canada. Disponível em http://faculty.marianopolis.edu/c.belanger/quebechistory/encyclopedia/foodindians.htm Consulta em 04/03/2013

Ver também[editar | editar código-fonte]