Extrema-direita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A extrema-direita (também conhecida como ultradireita ou direita radical) refere-se, dentro do conceito da existência de uma esquerda e direita, ao mais elevado grau de direitismo no espectro ideológico. A política de extrema-direita envolve o apoio de uma forte ou completa hierarquização social da sociedade, e apoia a supremacia de certos indivíduos ou grupos considerados naturalmente superiores que seriam mais valorizados do que aqueles considerados inatamente inferiores.[1]

A defesa da extrema-direita da supremacia é baseada no que seus adeptos vêem como características inatas de pessoas que não poderiam ser alteradas[2] Estas se destacam como um diferencial, com atribuição de comportamentos da centro-direita, tais como preguiça ou decadência, como as principais fontes de desigualdades sociais.[2] A centro-direita - ao contrário da extrema direita- alega que as pessoas podem acabar com sua inferioridade comportamental através da mudança de seus hábitos e escolhas.[3]

A extrema-direita original, que surgiu na França após a Revolução Francesa, se recusou a aceitar a República Francesa e apoiou uma contra-revolução para restaurar a monarquia francesa e a aristocracia.[4] A extrema-direita é comumente associada com pessoas ou grupos que possuem nacionalismos extremados, xenófobos, racistas, fundamentalistas religiosos ou visão reacionária.[5] Muitos movimentos de extrema-direita têm buscado a opressão e genocídio contra grupos de pessoas com base na sua suposta inferioridade.[6]

Os defensores da teoria da ferradura interpretam o espectro de esquerda-direita identificando a extrema-esquerda e a extrema-direita, como tendo mais em comum entre si, como extremistas, do que cada um têm com os centristas moderados.[7]

Visão[editar | editar código-fonte]

As políticas de extrema-direita geralmente inclui autoritarismo, anticomunismo e o nacionalismo.[8] Muitas vezes, o termo "extrema-direita" é aplicado a fascistas e neonazistas,[9] [10] [11] [12] [13] e os principais elementos do fascismo têm sido considerados claramente como de extrema-direita, como a sua crença de que pessoas supostamente superiores têm o direito de dominar a sociedade enquanto se purga elementos supostamente inferiores, e - no caso do nazismo - genocídio de pessoas consideradas inferiores.[14] Reivindicações de que um grupo superior deve ter proporcionalmente mais direitos do que as pessoas inferiores são associadas às vezes com a extrema-direita.[15] A extrema-direita tem historicamente favorecido uma sociedade elitista, baseada na crença da legitimidade do domínio de uma minoria supostamente superior sobre as massas inferiores.[16] As políticas da extrema-direita geralmente envolvem posturas anti-imigração e anti-integração contra grupos que são considerados inferiores e indesejáveis.[17] Com relação as medidas sócio-culturais (cultura, nacionalidade e migração), uma posição de extrema-direita poderia ser de opinião de que certos grupos étnicos, raciais ou religiosos deveriam ficar separados, e que os interesses do próprio grupo devem ser priorizados.[18]

Principais correntes[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Woshinsky, Oliver H., Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior (Oxon, England; New York City, United States: Routledge, 2008) p. 154.
  2. a b Woshinsky, Oliver H., Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior (Oxon, England; New York City, United States: Routledge, 2008) pp. 154-155.
  3. Woshinsky, Oliver H., Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior (Oxon, England; New York City, United States: Routledge, 2008) pp. 154-155.
  4. Davies, Peter, The Extreme Right in France, 1789 to the Present: From De Maistre to Le Pen. London, England; New York City, United States: Routledge, 2002. p. 40.
  5. Carlisle, Rodney P., ed., The Encyclopedia of Politics: The Left and the Right, Volume 2: The Right (Thousand Oaks, California, United States; London, England; New Delhi, India: Sage Publications, 2005) p. 693.
  6. Hilliard, Robert L. and Michael C. Keith, Waves of Rancor: Tuning in the Radical Right (Armonk, New York: M.E. Sharpe, Inc., 1999) p. 38.
  7. William Safire. Safire's Political Dictionary. Oxford, England, UK: Oxford University Press, 2008. Pp. 385.
  8. Hilliard, Robert L. and Michael C. Keith, Waves of Rancor: Tuning in the Radical Right (Armonk,New York: M.E. Sharpe Inc., 1999, p.43
  9. Carlisle, Rodney P., ed., The Encyclopedia of Politics: The Left and the Right, Volume 2: The Right (Thousand Oaks, California, United States; London, England; New Delhi, India: Sage Publications, 2005) p. 694.
  10. Horst, Junginger, "The Study of Religion Under the Impact of Fascism" in Numen Book Series, vol. 117 (Brill, 2008) p. 273.
  11. Griffin, Roger: "The Palingenetic Core of Fascism", Che cos'è il fascismo? Interpretazioni e prospettive di ricerche, Ideazione editrice, Rome, 2003 AH.Brookes.ac.uk
  12. Stackleberg, Rodney Hitler's Germany, Routeledge, 1999, pp. 3-5
  13. Eatwell, Roger: "A 'Spectral-Syncretic Approach to Fascism', The Fascism Reader, Routledge, 2003 pp 71–80 Books.google.com
  14. Woshinsky, Oliver H., Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior (Oxon, England; New York City, United States: Routledge, 2008) p. 156.
  15. Oliver H. Woshinsky. Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior. (Oxon, England; New York City, United States: Routledge, 2008) p. 155.
  16. Oliver H. Woshinsky. Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior. (Oxon, England; New York City, United States: Routledge, 2008) p. 154.
  17. Parsons, Craig and Timothy M. Smeeding, Immigration and the transformation of Europe (Cambridge University Press, 2006) p. 18.
  18. Widfeldt, Anders, “A fourth phase of the extreme right? Nordic immigration-critical parties in a comparative context”. In: NORDEUROPAforum (2010:1/2), 7-31, http://edoc.hu-berlin.de/nordeuropaforum/2010-1/widfeldt-anders-7/XML/

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Carlisle, Rodney P.. The Encyclopedia of Politics: The Left and the Right, Volume 2: The Right. [S.l.]: Thousand Oaks, California, USA; London, England, UK; New Delhi, India: Sage Publications, 2005.
  • Hainsworth, Paul. The Politics of the Extreme Right: From the Margins to the Mainstream. [S.l.]: Pinter, 2000.
  • Merkl, Peter H.; Weinberg, Leonard. In: Peter H.. Right-wing Extremism in the Twenty-first Century. [S.l.]: Frank Cass Publishers.
  • Hilliard, Robet L.; Keith, Michael C.. In: Robet L.. Waves of Rancor: Tuning in the Radical Right. [S.l.]: Armonk,New York: M.E. Sharpe Inc, 1999.
  • Parsons, Craig; Smeedling, Timothy M.. In: Craig. Immigration and the transformation of Europe. [S.l.]: Cambridge University Press, 2006.
  • Woshinsky, Oliver H.. Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior. [S.l.]: Routledge, 2008.