Ezio Flavio Bazzo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ezio Flávio Bazzo - Capela dos ossos, Évora

Ezio Flavio Bazzo é psicólogo e cronista brasileiro autor de inúmeros livros.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Neto de comerciantes italianos, nasceu no Estado de Santa Catarina, em 08-12-1949 e mudou-se ainda criança para o Estado do Paraná. Iniciou os estudos em sociologia na cidade de Londrina (PR) transferindo-se em seguida para o curso de psicologia. Cursou mestrado em psicologia clínica na Universidade Nacional Autonoma do México e doutorado na Universidade Nacional de Barcelona, com uma tese sobre Wilhelm Reich. Mais tarde dedicou-se a um pós doutoramento no Instituto de Altos Estudos da América Latina, em Paris. Apesar dessa longa permanência no meio acadêmico, Bazzo considera o estudo formal uma grande fraude, um adestramento desnecessário e inútil que vai deixar limitações e cicatrizes profundas na capacidade de pensar dos estudantes e dos futuros "doutores". Bazzo faz questão de ressaltar e de colocar em primeiro lugar sua bagagem como auto didata e como "viajante inveterado". A maioria de seus vinte e poucos livros editados, foram produzidos pelo planeta a fora, nas ruas, nas bibliotecas, nos trens, nos navios, nas carroças etc.

Pai de dois filhos, nunca deixou de fazer críticas radicais tanto ao casamento (uma idiotice compulsória) como à família, segundo ele, o mais importante foco de psicopatologias. Nos últimos vinte anos Ezio Flavio Bazzo vem dividindo seu tempo entre o trabalho de psicoterapêuta, entre a produção de seus livros e as viagens.

Atividades[editar | editar código-fonte]

  • Psicoterapeuta no Hospital Universitário de Brasília-DF e Escritor.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • 193 fragmentos de Cioran
  • A Lábia Encantadora de João do Rio
  • A Lógica dos Devassos
  • Arqueologia de nuestra verguenza'
  • A arte de cuspir
  • As sutilezas do mau caratismo
  • Assim falou Vargas Vila
  • Barbeiros, espelhos e navalhaços
  • Blasfematório
  • Dymphne: A santa protetora dos loucos
  • Ecce Bestia - Libertinagem com Animais
  • Entre os gritos do Carcará e a Desfaçatez da Raça Humana
  • Guilhotinas e Toilletes
  • Lênin nos subterrâneos do Conic
  • Maldições, Prazeres e Verdades
  • Manifesto aberto à estupidez humana
  • Máscaras e disfarces
  • Mendigos - párias ou heróis da cultura?
  • Necrocídio
  • Os sapateiros da corte
  • Para antes que a gente vire pó
  • Prostitutas, bruxas, donas de casa
  • Rapsódia a Samuel Rawet
  • Vagabundo na China

Ligações externas[editar | editar código-fonte]