Fábio Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fábio Costa
Informações pessoais
Nome completo Fábio Costa
Data de nasc. 27 de novembro de 1977 (36 anos)
Local de nasc. Camaçari (BA),  Brasil
Altura 1,86 m
Canhoto
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Número -
Posição Goleiro
Clubes de juventude
1991–1992
1993
1994
1995–1996
Brasil Bahia
Brasil Cruzeiro
Países Baixos PSV Eindhoven
Brasil Vitória
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1996–1999
2000–2003
2004–2005
2006–2013
2010–2011
2013
Brasil Vitória
Brasil Santos
Brasil Corinthians
Brasil Santos
Brasil Atlético Mineiro (emp.)
Brasil São Caetano (emp.)
0029 0000(0)
0085 0000(0)
0118 0000(0)
0260 0000(0)
0020 0000(0)
0002 0000(0)
Seleção nacional3
1999–2001 Brasil Brasil 0006 0000(0)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 16 de fevereiro de 2013.
3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 9 de setembro de 2010.

Fábio Costa[1] (Camaçari, 27 de novembro de 1977[2] ) é um ex-futebolista brasileiro, que atuava como goleiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Fábio Costa, quando jogava no Santos.

Ainda nas categorias de base, atuou no Bahia, Cruzeiro, PSV Eindhoven (Holanda) e Vitória, onde iniciou sua carreira profissional, em 1995.Fábio Costa foi convocado para a Seleção Brasileira na época do treinador Vanderlei Luxemburgo, em que o Brasil conquistou o quarto lugar na Copa das Confederações de 2001.Como profissional, jogou no Santos, sendo campeão do Campeonato Brasileiro de 2002, e vice campeão da Libertadores e do Campeonato Brasileiro, ambos em 2003. Fora das 4 linhas, Fábio Costa também é conhecido pelo seu temperamento abusivo. Teve grandes momentos, como nas oitavas-de-final da Copa Libertadores da América de 2003 contra o Nacional do Uruguai, onde falhou na partida, mas se recuperou na disputa por pênaltis.

Em 2004 saiu do Peixe para jogar pelo Corinthians, por coincidência, o goleiro Doni que estava no "timão" em 2002 e 2003, foi para o Santos em 2004, um foi para o clube do outro, ambos goleiros disputaram a final do brasileiro de 2002, mas Doni foi para o Cruzeiro no segundo semestre de 2004, já o Fabio continuou no Corinthians até o final 2005.

Em 2005, foi goleiro camisa 1 de um time que tinha os craques Carlitos Tévez, Sebá, Roger Flores e o apoiador Carlos Alberto. Mesmo sendo barrado pelo técnico Argentino Daniel Passarella, que teve preferencia no Tiago, conseguiu recuperar a vaga de titular após a mudança de treinador. Com a chegada de Antônio lopes, o Corinthians conseguiu engrenar e ser campeão brasileiro de 2005. Após sua passagem no Corinthians, onde ganhou o Campeonato Brasileiro de 2005, retornou para o Santos em 2006, onde ainda ganhou o Campeonato Paulista de 2006 e de 2007, e ganhado a confiança de titular absoluto da torcida santista, e sendo admirado por outros torcedores pelo bom posicionamento e boa segurança durante as defesas.

Em 2006 teve um conflito com a torcida do Santos por uma reação negativa à uma crítica por ter falhado num gol adversário. Tudo aconteceu no final do jogo entre Santos 1x1 Fluminense, partida ocorrida no segundo turno do campeonato brasileiro. Foi perseguido ao encerrar esse jogo na saída do estádio Vila Belmiro, nesse mesmo momento passou por tudo que um jogador jamais gostaria de passar. Ouviu provocações de uma torcida que sempre o idolatrou, se aborreceu durante as manifestações, e foi alvo de agressores durante uma enrascada, que conseguiu se livrar graças à ajuda de seus seguranças. Deu um murro em um dos torcedores que o hostilizaram durante a briga, após isso um grupo de 15 santistas o derrubaram no chão e conseguiram espancar o goleiro, foi nesse momento que os seguranças do Santos o ajudaram e o levaram de volta ao vestiário, precisou ir novamente até seu veículo e encarar a presença de torcedores querendo confusão. Fábio, e seus seguranças, foram até lá sem medo e conseguiram ir embora, e pouco antes de ir o atleta disse frases contra as provocações. Apesar desse episódio, que ocorreu pelo fato da necessidade de o Santos engrenar com vitórias, e esse empate, com o Fluminense, ter tirado a chance de ser campeão brasileiro de 2006, Fabio Costa não se desestabilizou e continuou trabalhando bem pelo clube, não perdendo o carinho dos torcedores e voltando a brilhar com a camisa do Santos, fazendo bons campeonatos em 2007, 2008 e 2009. Em junho de 2008, completou 300 jogos com a camisa do Santos.

Em 2010 com a camisa do "peixe" atuou apenas no amistoso internacional contra o Red Bull New York. Fraturou o pé num jogo do brasileirão 2009, mas mesmo após sua recuperação seguiu apenas treinando no clube que tornou-se ídolo, e assim aceitou um empréstimo visando em aproveitar sua profissão conhecendo outros clubes e trabalhando em localidades diferentes. Desde que o presidente Luis Álvaro de Oliveira assumiu o comando na Vila Belmiro, Fábio Costa não vestiu mais a camisa do Santos em jogos oficiais. Neste ano, ele participou apenas no amistoso da equipe na derrota por 3 a 1 para o Red Bull, no dia 20 de março, nos Estados Unidos. No dia 7 de junho de 2010 confirmou seu empréstimo para o Atlético Mineiro, onde assinou contrato até dezembro de 2011.[3] Mesmo tendo contrato com o Santos até o fim de 2013, Fábio Costa não vem sendo aproveitado pelo clube. Treina diariamente em Santos, mas não é relacionado para partidas.[4] [5] .

Em janeiro de 2013, após muitos meses parado, Fábio Costa assinou com o São Caetano até o final do ano.[6] [7] No novo clube, Fábio Costa promete ser "racional" para transformar a imagem de jogador-problema, que o acompanha há anos. Os atritos com os treinadores Vanderlei Luxemburgo e Émerson Leão, além das brigas com os colegas Paulo Henrique Ganso e Fabiano Eller, o qual teria ameaçado o zagueiro com uma tesoura, segundo o jogador, farão parte do passado visando a contribuir com o Azulão.[8] .Apesar disso, o ex-santista voltou a se envolver em polêmicas no novo clube. Em abril de 2013, com o time já rebaixado à Série A-2, no Paulistão, Fábio Costa foi acusado por um companheiro, o lateral-direito Samuel Santos, de chamá-lo de "macaco".[9]

No dia 15 de dezembro de 2013, Fábio Costa decidiu se aposentar e disse não ter mágoas do Santos, foi o segundo goleiro que mais atuou, com 345 partidas, ficando apenas, atrás de Manga, com 404 jogos, e disse, que vai continuar na área futebolística, trabalhando com futebol em uma empresa que administra carreira de jogadores. Ele garante que a decisão não tem volta.[10]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Vitória
Santos
Corinthians

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Corinthians

Referências

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre um futebolista brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.