Faculdade de Medicina de Marília

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Faculdade de Medicina de Marília ou FAMEMA é uma das faculdades de Medicina do estado de São Paulo, localiza-se na região Sul de Marília, região centro-oeste do Estado de São Paulo, a 450 km da capital. A Faculdade oferece gratuitamente os cursos de Medicina e Enfermagem.

FAMEMA
Faculdade de Medicina de Marília
Fundação 19 de janeiro de 1966 (48 anos)
Tipo de instituição Faculdade Pública Estadual
Orçamento anual R$ 45.892.615,00
Docentes 277 [1]
Total de estudantes 844
Graduação 638
Pós-graduação 206
Diretor(a) Paulo Roberto Michelone
Estado Brasão do estado de São Paulo.svg São Paulo
Página oficial http://www.famema.br
Instituições de ensino superior do Brasil Brasil

Histórico[editar | editar código-fonte]

A FAMEMA foi criada pela Lei Estadual nº 9236, de 19 de janeiro de 1966[2], pelo então governador Adhemar de Barros (projeto de lei de autoria do deputado Diogo Nomura), atendendo antiga reivindicação da prefeitura e da população local. A instituição surgiu como instituto isolado de ensino superior, com um Curso de Medicina, atualmente com 80 vagas anuais para cada uma das seis séries. Seu funcionamento só foi autorizado um ano depois, em 30 de janeiro de 1967, como Instituição Pública Municipal, depois de ter sido constituída uma entidade mantenedora - Fundação Municipal de Ensino Superior de Marília (FUMES), criada pela Lei Municipal nº 1371[3], de 22 de dezembro de 1966, de autoria do prefeito Armando Biava. No momento de sua criação, a Famema era a décima Faculdade de Medicina instalada no Estado de São Paulo e a quadragésima sétima no país. [4]

O Curso de Enfermagem foi criado em 1981, sendo autorizado e implementado pelo Decreto Federal nº 85.547/81. Foi também reconhecido pela portaria MEC 365/89, e oferece atualmente 40 vagas anuais para cada uma das quatro séries.

A FAMEMA foi escolhida, em 1992, pela Fundação W.K.Kellogg, para receber apoio técnico e financeiro para o desenvolvimento de um projeto baseado na parceria entre a academia, os serviços de saúde e a comunidade. Este projeto chamado UNI - Uma Nova Iniciativa na formação de profissionais de saúde tem apoiado o desenvolvimento curricular dos Cursos de Medicina e Enfermagem e possibilitado a construção de um novo projeto educacional.

Em 1994, a FAMEMA foi estadualizada e o Governo do Estado de São Paulo, em cumprimento à Lei Estadual nº 8898, de 27.09.1994, criou a autarquia Faculdade de Medicina de Marília. A estadualização tem possibilitado a reorganização institucional e a superação da crise econômico-financeira enfrentada pela mesma desde o início dos anos 90

Atualmente, a FAMEMA é uma autarquia do Governo do Estado de São Paulo, inicialmente ligada Secretaria de Ensino Superior. Anteriormente ligada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico e Turismo No momento de sua criação, a Famema era a décima Faculdade de Medicina instalada no Estado de São Paulo e a quadragésima sétima no país

A FAMEMA oferece, anualmente, 80 vagas para o curso de Medicina, com duração de 6 anos e 40 vagas para o curso de Enfermagem, com duração de 4 anos. A relação candidato/vaga foi de 91,69 para Medicina e 3,58 para Enfermagem em 2012.[1]

O corpo docente da Instituição conta com 289 profissionais (207 docentes e 82 assistentes de ensino), com a seguinte titulação: 120 especialistas, 74 mestres, 85 doutores, 08 pós-doutores e 02 livre-docentes.

Esta passagem carece de fontes

A FAMEMA forma um Complexo administrativo, que reúne os Hospitais de Ensino, Ambulatórios e Faculdade. Subdividindo-se em:

  • Faculdade de Medicina e Enfermagem
  • Hospital das Clínicas de Marília Unidade I (Clínico-Cirúrgico)
  • Hospital das Clínicas de Marília Unidade II (Materno-Infantil)
  • Hospital das Clínicas de Marília Unidade III (São Francisco)
  • Hospital Regional de Assis
  • Hemocentro
  • Ambulatório de Especialidades Governador Mário Covas
  • Instituto de Olhos de Marília
  • Oncoclínica
  • Em construção: Instituto de Reabilitação Rede Lucy Montoro - Unidade Marília, ligada ao Hospital das Clínicas

Hospital das Clínicas Unidade I (Clínico-Cirúrgico)[editar | editar código-fonte]

Era uma aspiração das autoridades locais a construção de um hospital com capacidade para atender a população de Marília e região. E em 1957, quando Jânio Quadros governava o Estado, iniciaram-se as obras do HC, cuja planta previa cinco pavimentos, além da área térrea e subsolo. Estava previsto que o andar superior abrigaria os setores de cirurgia, obstetrícia e esterilização de materiais. Atualmente, é um hospital de média e alta complexidade, que dispõe de 164 leitos para atendimento pelo SUS.[2]

Hospital das Clínicas Unidade II (Materno-Infantil)[editar | editar código-fonte]

A Unidade Materno Infantil do Hospital das Clínicas – HCII, Unidade do complexo assistencial da Famema, bem como suas outras unidades integra a Rede de Atenção à Saúde da área de abrangência da Diretoria Regional de Saúde de Marília – DRS IX, compreendendo 62 municípios que totalizam uma população de 1.096.347 habitantes. Na área de Atenção à Saúde da Criança presta cuidado ambulatorial e de internação clínicocirúrgica, incluindo ações de Terapia Intensiva a neonatos e crianças até 14 anos. [3]

Possui capacidade operacional de 105 leitos, atendendo 78 leitos de internação pelo SUS [4] , nas especialidade de Peditria Clínica, Cirurgia Pediátrica, Ginecologia e Obstetrícia e Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e Pediátrica. [5]

Recentemente, em uma pesquisa da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, a unidade materno-infantil do Hospital das Clínicas de Marília ficou em terceiro lugar no ranking dos 10 melhores hospitais públicos do Estado, com nota 9,342, na avaliação dos usuários do Sistema Único de Saúde(SUS). [6]

Hospital das Clínicas Unidade III (Hospital São Francisco)[editar | editar código-fonte]

A Direção Geral da Famema assinou a escritura do prédio do antigo Hospital São Francisco no dia 21 de agosto de 2009, em São Paulo. O imóvel foi adquirido pelo governo estadual por R$ 3,4 milhões junto às Irmãs Franciscanas Alcantarinas. Reformas foram promovidas e adequações na estrutura física estão sendo feitas, a área construída do HC III é de 4.710 metros quadrados.[7]

O HC III funciona como hospital de atenção secundária e atende casos clínico-cirúrgicos de média complexidade, também reduzindo a fila de espera para cirurgias eletivas existente hoje por falta de leitos no HC I. Dispõe de 78 leitos de internação para os usuários do SUS.[8]

Hospital Regional de Assis - HRA[editar | editar código-fonte]

Em 1970 surge a necessidade de criar um hospital para suprir o déficit de leitos hospitalares da cidade de Assis. Em 1988, após 16 anos de construção, essas entidades filantrópicas entregam o hospital com 75% da obra construída para o Governo do Estado de São Paulo. O Hospital Regional de Assis "Dr. Joelson Leal Lisboa" é inaugurado e aberto para atendimento da população em 21/09/1991, sendo regulamentado pelo Decreto Lei 33.380 de 23/09/1991, que cria sua estrutura. Em 2001, o Hospital Regional de Assis atende unicamente aos usuários do Sistema Único de Saúde -SUS, compreendendo a população do 25 municípios de abrangências da DIR VIII. Em 2002 é celebrado Termo de Cooperação Técnica entre a Secretaria de Saúde de São Paulo e a Faculdade de Medicina de Marília.[9] . O HRA dispõe de um total de 115 leitos de internação hospitalar nas diversas especialidades.

O Hospital Regional de Assis fica em 9º lugar, entre os melhores do Estado de São Paulo, na avaliação feita pelo SUS (Sistema Único de Saúde), que realizou uma pesquisa que ouviu 158 mil pacientes que passaram por internações e exames em 630 estabelecimentos conveniados.[10]

Encampação[editar | editar código-fonte]

Desde a época da estadualização da instituição em 1994 já se discutia a possibilidade da FAMEMA ser incorporada a uma das três grandes universidades públicas estaduais paulistas. Em 2006 o então Governador Geraldo Alckmin acenou positivamente para a encampação da FAMEMA pela UNESP. Um processo semelhante desenvolveu-se na FAMERP (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto), que discutia a incorporação desta instituição pela UNICAMP.

As duas faculdades funcionando como institutos isolados de ensino mantidos pelo governo do Estado, com dificuldades para obter verbas para pesquisas e projetos para investimentos em equipamentos e tecnologia. Com a encampação, as duas instituições ficariam mais fortalecidas.

Atualmente o processo de encampação está em pauta de novo, graças à corrida eleitoral. Em recente visita a Marília para conhecer as obras de implantação do Hospital de Reabilitação da Rede Lucy Montoro (anexo ao Hospital das Clínicas), Alckmin se mostrou favorável à retomada do projeto, segundo o diretor geral da Famema, José Augusto Alves Ottaiano.[11] Em 2007 no inicio da gestão o governador José Serra criou a Secretaria de Ensino Superior, que estabelece vinculo das três grandes universidades estaduais paulistas (USP, UNESP e UNICAMP), as duas faculdades isoladas (FAMEMA e FAMERP) e o Memorial da América Latina ao Governo do Estado para fins administrativos.

No início de 2013 a encampação parece mais próxima, com a criação da autarquia que separa o Hospital das Clínicas da Faculdade, etapa fundamental para uma possível incorporação. A decisão sobre a universidade receptora, de acordo com o diretor da FAMEMA, ainda não foi tomada, cabendo ao Governador Geraldo Alckmin.

Métodos ativos[editar | editar código-fonte]

Há mais de dez anos a Famema desenvolve o método de Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) e Problematização, que ensina o aluno na prática desde o primeiro ano e estimula a pesquisa e o acesso aos mecanismos que levam ao conhecimento.

Hoje, muitos cursos de Medicina aderiram ao ABP a partir dos resultados alcançados pelas Instituições que o adotaram, sempre com a preocupação de formar um profissional mais crítico e reflexivo.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Site da FAMEMA
Site do Diretório Acadêmico Christiano Altenfelder (DACA)
Site da Associação Atlética Acadêmica Sérgio Carnevalli (AAASC) http://www.aaagf.com.br/ site da Associação Atlética Acadêmica Gabriela Faria(AAGF) Enfermagem www.dafernandacenci.blogspot.com Blog do Diretório Acadêmico Fernanda Cenci Queiroz(dafc)Enfermagem http://www.famema.br/destaques/asorriso Projeto de humanização Amigos do Sorriso

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.