Fair Game (2010)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fair Game
Jogo Limpo (PT)
Jogo de Poder (BR)
 Estados Unidos  Emirados Árabes Unidos
2010 • cor • 108 min 
Direção Doug Liman
Produção Jez Butterworth
Akiva Goldsman
Doug Liman
Bill Pohlad
Jerry Zucker
Janet Zucker
Roteiro Jez Butterworth
John Butterworth
Baseado em Fair Game: My Life as a Spy, My Betrayal by the White House de Valerie Plame e The Politics of Truth de Joseph C. Wilson
Elenco Naomi Watts
Sean Penn
Noah Emmerich
Ty Burrell
Sam Shepard
Bruce McGill
Khaled El Nabawy
Gênero suspense
Idioma inglês
Música John Powell
Cinematografia Doug Liman
Edição Christopher Tellefsen
Estúdio River Road Entertainment
Participant Media
Imagenation Abu Dhabi
Hypnotic
Weed Road Pictures
Zucker Pictures
Distribuição Summit Entertainment (EUA)
Lançamento França 20 de maio de 2010 (Festival de Cannes)
Estados Unidos 5 de novembro de 2010
Portugal 1 de dezembro de 2010
Brasil 18 de março de 2011
Orçamento US$22 milhões[1]
Receita US$24,188,922
Página no IMDb (em inglês)

Fair Game (Jogo de Poder (título no Brasil) ou Jogo Limpo (título em Portugal)) é um filme de drama biográfico estadunidense de 2010, dirigido por Doug Liman e estrelado por Naomi Watts e Sean Penn.[2] Ele é baseado nas memórias de Valerie Plame, Fair Game: My Life as a Spy, My Betrayal by the White House,[2] e memórias de Joseph C. Wilson, The Politics of Truth: Inside the Lies that Led to War and Betrayed My Wife's CIA Identity: A Diplomat's Memoir.

Naomi Watts estrela como Plame e Sean Penn como seu marido, Joseph C. Wilson.[2] Foi lançado em 2010 e foi uma das seleções oficiais a concorrer para a Palma de Ouro em 2010 no Festival de Cannes.[3] Filme ganhou o "Freedom of Expression Award" do National Board of Review. O filme marcou a terceira colaboração de Watts e de Penn, tendo anteriormente co-estrelado juntos nos filmes 21 Grams e The Assassination of Richard Nixon.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Em 2003, a agente da CIA Valerie Plame (Naomi Watts) trabalha para o Departamento contra a proliferação de armas e sua nova missão é investigar as armas do Iraque. Seu marido, o diplomata Joseph Wilson (Sean Penn), concluí em um de seus estudos que é impossível para o urânio enriquecido ter saido do Níger para o Iraque sem o conhecimento do governo dos Estados Unidos. Então, quando a administração George W. Bush declarou a guerra do Iraque com essa desculpa, decidiu publicá-lo no New York Times, para que toda a gente sabe que é uma mentira. Mas esse fato não é bem visto pelo governo estadunidense e da vida e do casamento e da família corre perigo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Nicole Kidman[4] e Russell Crowe[5] foram originalmente lançados nos papéis principais em 2008.

Produção ocorreu em Washington, D.C.[6] e Nova York.[7] Em outubro de 2009 site de notícias do cinema Corona's Coming Attractions publicou uma análise exclusiva de uma fonte que tinha sido convidado para uma exibição teste do filme. O revisor deu o corte brusco para recomendação positiva chamando-o, "Um drama humano maravilhoso com suspense político que deve interessar a ninguém, não importa como eles votar."[8]

O filme teve uma exibição pública durante o Festival de Cinema de Abu Dhabi em 21 de outubro de 2010 e obteve uma avaliação geral positiva. Houve também uma sessão Q&A mais tarde com o diretor.

Houve uma segunda pré-estréia em Brisbane, na Austrália, como parte do Festival Internacional de Cinema de Brisbane (BIFF) em 28 de outubro de 2010.

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

Fair Game recebeu algumas críticas positivas, mas teve receita bruta de pouco mais de 9 milhões de dólares, enquanto os custos de produção superou 22 milhões de dólares. Rotten Tomatoes reportou que apenas 64% do público gostou do filme. O consenso crítico é: "se esforça o equilíbrio entre cinebiografia baseada em fatos e thriller político tenso, mas transborda jogo justo com ira - e beneficia de excelentes performances por Naomi Watts e Sean Penn".[9]

Precisão histórica[editar | editar código-fonte]

Houve vários conflitos quanto à exatidão histórica de Fair Game. Duas declarações no filme causou muito diferentes respostas entre os analistas políticos. A primeira é que a viagem de pesquisa para o Níger, Joe Wilson serviu para desacreditar a declaração britânica disse que Saddam Hussein tinha tentado pouco fez para obter urânio do Níger. Em novembro de 2010 , em uma coluna no Washington Post sobre o filme, Walter Pincus e Richard Leiby, dois repórteres que cobriam o caso Plame, escreveu que essa caracterização era preciso.[10] Na National Review, o repórter Clifford May discordou, por escrito, que, ao invés de desacreditar a questão do urânio, a viagem de Wilson e o relato haviam reforçado a realidade, porque a informação mais importante que Wilson trouxe de sua missão na África era a missão de alto nível de comércio iraquano que havia visitado Níger em 1999.[11] Em dezembro de 2010, o "Washington Post" novamente discordar, citando o artigo de 2004 Butler Review, que afirmou que a declaração original feito pelo governo britânico era preciso.[12] Em resposta, o jornalista David Corn, escrevendo no Mother Jones, disse que, ao contrário da revisão Butler, a CIA havia declarado em um memorando confidencial que o pedido britânico sobre urânio tinha sido um exagero.[13]

O segundo argumento que causou polêmica no filme foi a sugestão de que o nome de Plame vazou para a imprensa, e, sobretudo, Robert Novak, para alguém na Casa Branca, em retaliação a comentários públicos de Wilson sobre a questão do urânio. The Washington Post disse que a fonte de vazamento era dentro do Departamento Oficial de Estado Richard Armitage, que no passado foi um adversário da guerra do Iraque e por isso não há razão para tentar desacreditar Wilson.[11] [12] (Armitage não mencionou no Fair Game é apenas mencionado no título, no final do filme[14] ) Pincus e Leiby, por outro lado, consideraram que a parte do filme foi preciso.[10] Corn concordou , escrevendo que, embora Armitage tinha sido uma fonte de filtração, pode não ter sido a única fonte, e pode até mesmo ser que Karl Rove vazou a informação. Tinha, de facto, Rove confirmou a identidade de Plame para Novak, mas só depois de Novak Já tinha ouvido a informação de outra fonte.[15]

Houve um maior consenso sobre outros aspectos do filme. No filme, Valerie Plame é mostrado para trabalhar em estreita colaboração, e secreta, com um grupo de cientistas iraquianos até que seu disfarce seja descoberto , está implícito que os cientistas foram abandonados como resultado. Pincus e Leiby, em editorial de Washington Post, todo mundo concordou que Plame nunca trabalhou diretamente com os cientistas , e que o programa não termina quando seu nome foi revelado.

Referências

  1. Fair Game (2010) (2010) – Box Office Mojo. Box Office Mojo. Página visitada em 21 de setembro de 2013.
  2. a b c Michael Fleming (23 de fevereiro de 2009). Sean Penn in talks for Plame 'Game'. Variety. Página visitada em 21 de setembro de 2013.
  3. "Hollywood Reporter: Cannes Lineup". The Hollywood Reporter.
  4. Nicole Kidman Outed As Valerie Plame
  5. Fair Game trivia, IMDb
  6. Sean Penn Films "Fair Game" Scene in the District
  7. CIA spy flick 'Fair Game' staying in Manhattan
  8. Corona's Coming Attractions: Test Screening Review of Fair Game
  9. Fair Game Reviews, Pictures. Rotten Tomatoes. Página visitada em 21 de setembro de 2013.
  10. a b Richard Leiby; Walter Pincus (7 de novembro de 2010). "'Fair Game' gets some things about the Valerie Plame case right, some wrong". The Washington Post. Página visitada em 21 de setembro de 2013.
  11. a b Vanity Fair Game, Clifford May, National Review, 16 de dezembro de 2010
  12. a b Hollywood myth-making on Valerie Plame controversy. The Washington Post (4 de dezembro de 2010). Página visitada em 21 de setembro de 2013.
  13. Washington Post: Still Spinning the CIA Leak Case. Mother Jones. Página visitada em 21 de setembro de 2013.
  14. Hollywood hit job: ‘Fair Game’ propagates easily disprovable myths about lead up to Iraq War, Jamie Weinstein, The Daily Caller, November 10, 2010
  15. ROVE REPORTEDLY HELD PHONE TALK ON C.I.A. OFFICER, David Johnston e Richard W. Stevenson, The New York Times, 15 de julho 2005 ("Correção: [...] Segundo o relato, Rove disse Eu ouvi isso, também depois de ouvir sobre o oficial [Valerie Plame] a partir do colunista [Robert Novak].")

Ligações externas[editar | editar código-fonte]