Faixa de Gaza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
قطاع غزة
Qiṭāʿ Ġazzah

Faixa de Gaza
Flag of Palestine.svg
Palestinian National Authority COA.svg
Bandeira Brasão de armas

Localização  Faixa de Gaza

Mapa da Faixa de Gaza mostrando as áreas urbanas, campos de refugiados e pontos de travessia na fronteira.
Cidade mais populosa Gaza
Língua oficial árabe
Governo Autoridade Nacional
 - Presidente Aziz Duwaik
 - Primeiro-ministro Ismail Haniya
População  
 - Estimativa de 2014 1 816 379 hab. 
 - Densidade 5046 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 1,35 bilhão* 
 - Per capita US$ 6 100 
Fuso horário (UTC+2)
 - Verão (DST) (UTC+3)
Cód. Internet .ps
Cód. telef. +970

Faixa de Gaza (em árabe: قطاع غزة Qiṭāʿ Ġazzah, IPA: [qɪˈtˤɑːʕ ˈɣazza]) é um território palestino[1] [2] [3] [4] composto por uma estreita faixa de terra localizada na costa oriental do Mar Mediterrâneo, no Oriente Médio, que faz fronteira com o Egito no sudoeste (11 km) e com Israel no leste e no norte (51 km). O território tem 41 quilômetros de comprimento e apenas de 6 a 12 quilômetros de largura, com uma área total de 365 quilômetros quadrados.[5]

A população da Faixa de Gaza é de cerca de 1,7 milhão de pessoas.[6] Apesar da maior parte da população ter nascido na Faixa de Gaza, uma grande porcentagem se identifica como refugiados palestinos,[7] que fugiram para Gaza durante o êxodo palestino que ocorreu após a Guerra árabe-israelense de 1948. A população é predominantemente muçulmana sunita. Com uma taxa de crescimento anual de cerca de 3,2%, a Faixa de Gaza tem a sétima maior taxa de crescimento demográfico do mundo,[6] além de ser um dos territórios mais densamente povoados do planeta. A área sofre uma escassez crônica de água e praticamente não tem indústrias.[8] A infraestrutura é precária, e quase nada foi refeito após os bombardeios israelenses de 2008-2009.[9] A designação Faixa de Gaza deriva do nome da sua principal cidade, Gaza, cuja existência remonta à Antiguidade.

A Faixa de Gaza adquiriu suas fronteiras atuais com o fim dos combates da guerra de 1948, confirmado pelo Acordo de Armistício entre Israel e Egito em 24 de fevereiro de 1949.[10] O Artigo V do Acordo declarou que a linha de demarcação não era para se tornar uma fronteira internacional. Primeiramente, a Faixa de Gaza foi oficialmente administrada por um governo completamente palestino estabelecido pela Liga Árabe em setembro de 1948. A partir da dissolução desse governo em 1959, a Faixa de Gaza tornou-se uma área diretamente administrada por um governador militar egípcio até 1967.

Israel anexou e ocupou a Faixa de Gaza durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Em conformidade com os Acordos de Oslo, assinados em 1993, a Autoridade Palestina se tornou o órgão administrativo que governa os centros populacionais palestinos. Israel manteve o controle do espaço aéreo, das águas territoriais e das fronteiras, além da fronteira com o Egito. O governo israelense unilateralmente desocupou Gaza em 2005.[11] Desde julho de 2007, depois das eleições parlamentares na Palestina em 2006 e da Batalha de Gaza, o Hamas tem controlado de facto a administração da área.

História[editar | editar código-fonte]

Controle otomano, britânico e israelense[editar | editar código-fonte]

Durante centenas de anos, o Império Otomano dominou Gaza, até que o território - junto com o restante da Palestina - passou para o controle dos britânicos, no final da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Durante a primeira Guerra árabe-israelense, que conduziu à criação do Estado de Israel, Gaza absorveu um quarto das centenas de milhares dos refugiados palestinos expulsos das áreas que hoje fazem parte de Israel.[8] [12]

Israel ocupou a Faixa de Gaza, Jerusalém Oriental e a Cisjordânia durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Desde então, promoveu o assentamento de centenas de milhares de judeus nos territórios ocupados. Em agosto de 2005, no entanto, o governo isralense, liderado por Ariel Sharon ordenou remoção de toda presença permanente de Israel no território palestino de Gaza e de quatro colônias no norte da Cisjordânia.[13]

Principais conflitos[editar | editar código-fonte]

2008 e 2012[editar | editar código-fonte]

Explosão em Gaza, em 12 de janeiro de 2009, depois de um ataque aéreo da Força Aérea Israelense durante a "Operação Chumbo Fundido".

Em 27 de dezembro de 2008,[14] caças israelenses F-16 lançaram uma série de ataques aéreos contra alvos em Gaza após o colapso de uma trégua temporária entre Israel e o Hamas.[15] As Forças de Defesa de Israel disseram que o ministro da Defesa, Ehud Barak, a instruiu a se preparar para uma operação de seis meses antes do seu início, utilizando planejamento de longo prazo e de inteligência.[16] Vários lugares que estavam sendo usados ​​como depósitos de armas foram atingidos: delegacias de polícia, escolas, hospitais, mesquitas, armazéns da ONU, vários edifícios do governo do Hamas e outras construções.[17] Israel disse que o ataque foi uma resposta aos ataques de foguetes do Hamas ao sul de Israel, que totalizavam mais de 3.000 até 2008 e que se intensificaram durante as semanas que antecederam a operação. Equipes médicas palestinas afirmaram que pelo menos 434 palestinos foram mortos e cerca de 2.800 ficaram feridos, sendo muitos civis e um número desconhecido de membros do Hamas, nos primeiros cinco dias de ataques israelenses em Gaza. A FDI negou que a maioria dos mortos fossem civis, fornecendo evidências de que o Hamas deliberadamente escondia suas armas e combatentes em "mesquitas, pátios de escolas e casas de civis" para deter um ataque e explorar as regras de combate de Israel.[18] O governo israelense começou uma invasão terrestre da Faixa de Gaza em 3 de janeiro de 2009 e rejeitou muitos pedidos de cessar-fogo, até os dois lados declararem um cessar-fogo unilateral.[19] [20]

Míssil sendo lançado pelo Hamas contra Israel.

Cerca de 1.100 e 1.400[21] palestinos e treze israelenses foram mortos durante os 22 dias de conflito.[22] Depois de Israel declarar o cessar-fogo, o Hamas prometeu continuar a batalha se as forças israelenses não deixassem a Faixa de Gaza.[23]

O conflito danificou ou destruiu dezenas de milhares de casas,[24] 15 dos 27 hospitais de Gaza e 43 de suas 110 unidades de cuidados primários de saúde,[25] 800 poços de água,[26] 186 estufas[27] e quase todos as suas 10 mil fazendas familiares;[28] deixando 50.000 desabrigados,[29] 400.000 a 500.000 sem água corrente,[29] [30] um milhão sem eletricidade[30] e resultando em grave escassez de alimentos.[31] Em fevereiro de 2009, a disponibilidade de alimentos voltou aos níveis pré-guerra, mas houve falta de produtos frescos devido aos danos sofridos pelo setor agrícola.[32]

Em 14 de novembro de 2012 as hostilidades recomeçaram com o lançamento de centenas de mísseis pelo Hamas contra o sul de Israel durante quatro dias consecutivos[33] e com o início da "Operação Coluna de Nuvem", como resposta do governo israelense.[34]

2014[editar | editar código-fonte]

Alcance dos mísseis lançados a partir da Faixa de Gaza

Uma escalada de violência israelense ocorreu após a morte de três adolescentes israelenses na Cisjordânia no final de junho de 2014. Como “vingança”, um jovem palestino foi queimado vivo e assassinado em Jerusalém. Logo após a descoberta dos corpos dos três jovens, Israel iniciou uma ofensiva contra o Hamas . Aviões de guerra passaram a bombardear Gaza destruindo casas e instituições e foram realizadas execuções extrajudiciais. Os ataques israelenses causaram a morte de 1.100 palestinos .

Em 23 de julho de 2014, a alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, denunciou que os ataques do Exército israelense contra Gaza poderiam constituir crimes de guerra. "Os exemplos que acabo de mencionar [ataques israelenses contra civis indefesos] mostram que a lei humanitária internacional foi violada até um alcance que poderiam constituir crimes de guerra", afirmou. Navi falou perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, que na mesma data realizou uma sessão especial sobre a incursão israelense. Navi destacou que civis e suas casas não devem ser alvos militares, argumento que já havia sido usado pela ONG humanitária Human Rights Watch, e qualificou como "inaceitável" o lançamento de foguetes de áreas densamente povoadas, como presumivelmente faz o grupo islamita Hamas, "no entanto, a lei internacional é clara: as ações de uma parte não absolvem à outra de sua responsabilidade de respeitar suas obrigações sob a lei internacional". A alta comissária fez um especial alerta sobre a morte de crianças nestes ataques. Navy reiterou a todas as partes do conflito "Israel, Hamas e outros grupos armados palestinos" que apliquem a lei internacional e deixem de ter como alvo os civis. Ela lembrou que desde 12 de junho Israel deteve mais de 1.200 palestinos na Cisjordânia e Jerusalém Oriental, e que muitos deles foram postos em detenção administrativa, ou seja, estão presos sem qualquer acusação. "Na Cisjordânia, Israel continua expandindo assentamentos, demolindo casas palestinas, usando excessivamente a força, abusando de forma contínua e violando constantemente os direitos humanos da população", informou a alta representante.

Uma casa palestina em ruínas após um bombardeio israelense

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas aprovou em 23 de julho de 2014 uma resolução que condena Israel por sua ofensiva militar contra Gaza e também cria uma comissão própria para investigar crimes e violações do direito internacional na empreitada. Entre os 47 países-membros do conselho, a resolução foi aprovada por 29 votos favoráveis — todos os países latino-americanos, incluindo o Brasil, apoiaram a proposta — e 17 abstenções (Alemanha, Itália, França e Reino Unido permaneceram neutros). Os Estados Unidos foram os únicos a se opor à proposta, assinalando que o conteúdo do documento é "destrutivo" e que em nada contribui para o fim das hostilidades. Em termos gerais, o documento pede que Israel detenha imediatamente sua operação na Faixa de Gaza, especialmente os ataques contra os civis. Além disso, reivindica a suspensão do bloqueio contra Gaza, para que seja possível a entrada segura de ajuda humanitária e comércio de bens no território. Sobre a comissão investigadora, o documento destaca que terá personalidade independente e internacional, e que deve viajar de forma urgente aos territórios palestinos para realizar sua investigação. Suas indagações deverão cobrir o período desde o dia 13 de junho, além de incluir a identificação dos responsáveis dos crimes e recomendar medidas para que sejam julgados por seus atos. "Tudo isto com o propósito de evitar e pôr fim à impunidade, e garantir que os responsáveis prestem contas", indica a resolução.[35] [36]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite da Faixa de Gaza em 2005.

A Faixa de Gaza está localizada no Oriente Médio (31° 25′ N 34° 20′ E). Tem 51 quilômetros de fronteiras com Israel e uma fronteira de 11 km com o Egito, perto da cidade de Rafah. Khan Yunis está localizada a 7 km a nordeste de Rafah e várias cidades ao redor de Deir el-Balah estão localizadas ao longo da costa entre ela e a Cidade de Gaza. Beit Lahia e Beit Hanoun estão localizadas ao norte e ao nordeste da Cidade de Gaza, respectivamente. O complexo de assentamentos israelenses de Gush Katif costumava existir nas dunas adjacentes a Rafah e Khan Yunis, ao longo da margem sudoeste dos 40 quilômetros da costa mediterrânica do território. A praia de Al Deira é um local popular para os surfistas.[37]

O território palestino tem um clima árido, com invernos suaves e secos e verões quentes e sujeitos à seca. O terreno é plano ou levemente ondulado, com dunas próximas à costa. O ponto mais alto é 'Awdah (Joz Abu 'Auda), a 105 metros acima do nível do mar. Os recursos naturais incluem terras cultiváveis ​​(cerca de um terço da tira é irrigada) e, recentemente, descobriu-se reservas de gás natural na área. Entre os problemas ambientais estão a desertificação; salinização da água doce; tratamento de esgoto precário; doenças transmitidas pela água; degradação do solo e o esgotamento e contaminação dos recursos hídricos subterrâneos. A Faixa de Gaza é largamente dependente da água de Wadi Gaza, que também serve como um recurso para Israel.[38]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Vista de Gaza, a maior cidade do território.

A população da Faixa de Gaza é de 1.428.757 habitantes (dados de julho de 2006). Cerca de 60% da população é composta por refugiados chegados nas duas vagas geradas pelas guerras de 1948-1949 e de 1967;[39] os restantes são populações nativas.[40] Quase toda a população habita as cidades, das quais se destacam Gaza, Khan Yunis, Rafah e Dayr al-Balah. Outras cidades menores são Beit Hanoun, Abasan al-Kabera, Jabaliya, Beit Lahiya, sendo que são poucas as fazendas, devido à falta de espaço. Por causa disso, praticamente todos os alimentos consumidos na região são importados de outros locais.

A Faixa de Gaza tem uma das populações mais jovens do planeta, com 48,1% da população enquadrada na estrutura etária entre os 0 e os 14 anos. A taxa de crescimento anual da população é de 3.71% e a esperança média de vida é de 71,97 anos.

A maioria dos habitantes da Faixa de Gaza são muçulmanos sunitas, com uma minoria cristã.[41] A língua predominante no território é o árabe, seguida do hebraico - antigamente muito falado, hoje tende a não ser aprendido pelos jovens (falar hebraico em Gaza não é bem visto); o inglês é compreendido por alguns habitantes,sendo crescente a sua aprendizagem.

Grande Mesquita de Gaza em 2007.

Religião[editar | editar código-fonte]

O islamismo é a religião de 99.8% da população, que segue o ramo sunita do islã. Os outros 0.2% são adeptos do cristianismo, população que tende a diminuir. Nem todas as pessoas são muito religiosas, mas ultimamente Gaza como um todo está se tornando mais influenciada pela religião. Depois que o Hamas venceu as eleições de 2006, assumindo efetivamente o poder em 2007, havia prometido não impor a religião aos habitantes de Gaza, mas vem forçando a adoção de preceitos religiosos pelos cidadãos. Advogadas, por exemplo, passaram a ser obrigadas a usar o hijab nos tribunais, para cobrir os cabelos. [42] Cabeleireiros do sexo masculino são proibidos de cortar os cabelos de mulheres, [43]

O número de cristãos na Faixa de Gaza é estimado entre 2.500 e 5.000, muitos deles idosos. A grande maioria é greco-ortodoxa, e há cerca de 300 católicos (rito latino). [44] Em 1894, havia 196.500 cristãos árabes na Palestina (incluindo o atual Estado de Israel). De 13% da população, eles passaram a menos de 2% hoje. [45] [46]

Política, administração e fronteiras[editar | editar código-fonte]

Controle da Autoridade Palestina[editar | editar código-fonte]

Os Acordos de Oslo definiram a Autoridade Palestina como a autoridade administrativa da Faixa de Gaza (exceto dos assentamentos israelenses e de áreas militares) em 1994. Depois da retirada israelense em 12 de setembro de 2005, a Autoridade Palestina tinha autoridade administrativa completa na Faixa de Gaza.[47]

Controle do Hamas (2007-presente)[editar | editar código-fonte]

Bandeira do grupo Hamas, que atualmente controla o território palestino.

Em 2006, o partido Hamas venceu as eleições parlamentares palestinas. Desde junho de 2007, o partido assumiu efetivamente o controle da Faixa de Gaza, após confronto armado com o Fatah.[48] O espaço aéreo e o acesso marítimo à Faixa de Gaza são atualmente controlados pelo Estado de Israel, que também ocupava militarmente o território entre junho de 1967 e agosto de 2005.

Eleição legislativa palestina na Faixa de Gaza[49] .
Distritos Hamas Fatah Votos válidos
Gaza Norte 35 781 46,95 % 31 559 41,41% 76 212
Gaza 74 816 56,70 % 48 328 36,64 % 131 894
Deir el Balah 26 550 43,87 % 28 681 47,39 % 60 518
Khan Younis 35 070 43,96 % 38 384 48,11 % 79 786
Rafah 20 785 40,39 % 27 395 53,23 % 51 461
Total 193 002 48,27 % 174 347 43,60 % 399 871

Fronteiras[editar | editar código-fonte]

Um dos túneis usados na fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egito.

O território da Faixa de Gaza é cercado por muralhas, tanto do lado egípcio quanto israelense. Em 2010, Israel anunciou a construção de uma barreira de mais de 100 quilômetros, ao longo da fronteira com o Egito, bloqueando metade da linha de separação entre os dois países.[50] "Esta é uma decisão estratégica para garantir o caráter judaico e democrático do Estado de Israel", declarou o premiê israelense, Benjamin Netanyahu.

Desde 2009, o governo egípcio também está construindo uma barreira subterrânea de aço, que deverá ter 11 km de extensão e chegar a uma profundidade de 18 metros, visando impedir que túneis clandestinos possam romper o isolamento da Faixa de Gaza. A fronteira entre o Egito e Israel tem 255 quilômetros, e as duas cercas previstas vão cobrir quase a metade dessa extensão.[51] As Nações Unidas estimam que até 80% do que é importado pela Faixa - desde xampú até automóveis - chega por meio dos túneis.[52]

Bloqueio militar[editar | editar código-fonte]

Mapa do território palestino com as restrições nas fronteiras terrestres e aquáticas impostas pelo governo de Israel

O bloqueio à Faixa de Gaza continuou após a Operação Chumbo Fundido, embora Israel permitisse ajuda humanitária médica em quantidades limitada. A Cruz Vermelha afirmou que o bloqueio prejudicou a economia e provocou uma escassez de medicamentos e equipamentos básicos, como analgésicos e filmes de raio-x.[53]

O diretor do Shin Bet (Agência de Segurança de Israel), Yuval Diskin, não se opôs a flexibilização das restrições comerciais, mas disse que os túneis de contrabando para a Península do Sinai e um porto aberto na Faixa de Gaza colocariam em perigo a segurança nacional. De acordo com Diskin, o Hamas e a Jihad Islâmica tinham contrabandeado mais de "5.000 foguetes com um alcance de até 40 quilômetros." Alguns dos foguetes poderiam chegar até os subúrbios da área metropolitana de Tel Aviv.[54] Mark Regev, porta-voz do gabinete do primeiro-ministro israelense, descreveu as ações de Israel como "sanções", não um bloqueio, mas um consultor jurídico para Gaza da UNRWA, chamou o bloqueio de "uma ação que descumpre a lei internacional".[55]

Em julho de 2010, primeiro-ministro britânico, David Cameron, criticou o bloqueio israelense, dizendo que "bens humanitários e de pessoas devem fluir em ambas as direções. Gaza não pode e não deve ser autorizada a permanecer como um campo de prisioneiros."[56] Em resposta, o porta-voz da embaixada israelense em Londres, disse: "O povo de Gaza são os presos da organização terrorista Hamas. A situação em Gaza é o resultado direto do governo e das prioridades do Hamas."

As Forças de Defesa de Israel (FDI) controlam rigorosamente as viagens dentro da área dos pontos de passagem entre Israel e a Faixa de Gaza e fechou a sua fronteira com Gaza. O ambiente de segurança dentro de Gaza e ao longo de suas fronteiras, incluindo a sua fronteira com o Egito e seu litoral, é perigoso e instável.[57]

Barreira israelense na fronteira com Faixa de Gaza.

Enfrentando a crescente pressão internacional, Egito e Israel diminuíram as restrições na fronteira em junho de 2010, quando a passagem de Rafah do Egito para Gaza foi parcialmente aberta pelo governo egípcio. O Ministério das Relações Exteriores do país disse que a travessia permaneceria aberta principalmente para as pessoas, mas não para o abastecimento.[58] Israel anunciou que iria permitir a passagem de bens civis, mas não de armas e itens que poderiam ser usados ​​para fins ambíguos.[59]

Em janeiro e fevereiro de 2011, o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) realizou uma avaliação dos efeitos das medidas para aliviar as restrições de acesso.[60] Eles concluíram que apenas a flexibilização não resultaria em uma melhora significativa na subsistência da população do território.[60] Eles descobriram que a "natureza fundamental das restrições remanescentes" e os efeitos de três anos de rigoroso bloqueio impediram uma melhora significativa nos meios de subsistência e apelaram para Israel abolir completamente o bloqueio, incluindo a remoção de restrições à importação de materiais de construção e às exportações de bens e de acabar com a proibição geral sobre o movimento de pessoas entre Gaza e a Cisjordânia através de Israel, com o objetivo de cumprir com o que eles descreveram como obrigações humanitárias internacionais e de direitos humanos.[60]

Economia[editar | editar código-fonte]

Campus da Universidade Islâmica de Gaza.

A economia de Gaza se deteriorou desde o fim da Segunda Intifada, devido tanto a densidade populacional de Gaza quanto as restrições de segurança impostas ao território. A política de cerco de Israel, ampliada após o Hamas ter chegado ao poder em 2007, levou a altos níveis de pobreza e desemprego, além de um colapso quase total do setor privado, que era fortemente dependente de mercados de exportação. A população é em grande parte dependente de ajuda humanitária, principalmente de agências da Organização das Nações Unidas (ONU).[61]

No entanto, uma flexibilização da política de cerco imposta por Israel em 2010 resultou em uma melhora de alguns indicadores econômicos, mas exportações regulares provenientes da Faixa de Gaza ainda estão proibidas.[61] De acordo com as Forças de Defesa de Israel (FDI), a economia da Faixa de Gaza melhorou em 2011, com um queda no desemprego e um aumento do PIB. O tenente-coronel Kobi Gertzvolf, da FDI, afirma que novos shoppings abriram e que a indústria local está se desenvolvendo. O tenente-coronel Gertzvolf afirma que o crescimento econômico tem levado à construção de hotéis e um aumento na importação de carros.[62] O desenvolvimento em larga escala tem sido possível graças à livre circulação das mercadorias em Gaza através do cruzamento de Kerem Shalom e de túneis clandestinos construídos na fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egito. A taxa atual de caminhões que entram em Gaza através de Kerem Shalom é de 250 por dia. Este número varia dependendo do nível de interferência das mercadorias trazidas do Egito para Gaza através de túneis. O aumento na atividade de construção levou a uma escassez de trabalhadores da construção civil. Para compensar o déficit, os jovens do território estão sendo enviados para estudar e trabalhar na Turquia.[63]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto Internacional Yasser Arafat, em Rafah, destruído pelas forças israelenses em 2001-2002.

A Faixa de Gaza tem uma pequena e pobre rede de estradas e uma simples rede ferroviária ligando o norte ao sul do território palestino. Esta, no entanto, encontrava-se abandonada nos últimos anos.

O Aeroporto Internacional de Gaza (posteriormente renomeado Aeroporto Internacional Yasser Arafat) foi inaugurado a 24 de novembro de 1998, mas suas atividades foram encerradas em outubro de 2000 por ordem do governo de Israel. Em 2001, a pista do aeroporto foi destruída pelas Forças de Defesa de Israel, inviabilizando seu funcionamento.[64] A Faixa de Gaza possui um heliporto.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Palestinian Territories. U.S. Department of State. Página visitada em 2009-04-06.
  2. Occupied Palestinian Territory. European Commission. Página visitada em 2009-04-06.
  3. Israel, the occupied territories and the autonomous territories — ICRC maps. ICRC. Página visitada em 2009-04-06.
  4. "Country profile: Israel and Palestinian territories", BBC, 15 December 2009. Página visitada em 2009-04-06.
  5. Arie Arnon, Israeli Policy towards the Occupied Palestinian Territories: The Economic Dimension, 1967-2007. MIDDLE EAST JOURNAL, Volume 61, No. 4, AUTUMN 2007 (p. 575)
  6. a b Gaza Strip Entry at the CIA World Factbook
  7. Cobham and Kanafani, 2004, p. 179.
  8. a b Saiba mais sobre a Faixa de Gaza, território pobre controlado pelo Hamas. AFP. Publicado pelo G1 (28 de dezembro de 2008). Página visitada em 6 de janeiro de 2009.
  9. Vilma Gryzinski. (7 de janeiro de 2009). A Guerra dos Quatro Dias. Veja 42 (1): 52. Abril. Página visitada em 29 de janeiro de 2009.
  10. Egypt Israel Armistice Agreement UN Doc S/1264/Corr.1 23 February 1949
  11. Why Hamas Won. Por Kristen Ess. Z Communications, 31 de janeiro de 2006.
  12. Saiba mais sobre a faixa de Gaza. Folha Online (7 de maio de 2008). Página visitada em 6 de janeiro de 2009.
  13. Why Hamas Won. Por Kristen Ess. Z Communications, 31 de janeiro de 2006.
  14. "Israelis Say Strikes Against Hamas Will Continue", The New York Times, 28 de dezembro de 2008. Página visitada em 3 de maio de 2010.
  15. A Timeline of Terror: 2001 to 2012, The Official Blog of the Israel Defence Forces
  16. IAF strike followed months of planning
  17. Mozgovaya, Natasha. IDF shell kills 30 in Gaza UN school; Israel mulls appeal over Hamas fire from UN facilities. Haaretz Daily Newspaper. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  18. Erlanger, Steven. "A Gaza War Full of Traps and Trickery", Nytimes.com, 10 de janeiro de 2009. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  19. McClatchy Newspapers, January 5, 2009, "Israel Rebuffs Cease-Fire Calls as Gaza Casualties Rise" http://www.mcclatchydc.com/world/story/58981.html
  20. Hamas Rejects Cease-Fire With Israel in Gaza — Mideast Watch. usnews.com. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  21. Kasher, Asa. Analysis: A moral evaluation of the Gaza War. Jpost.com. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  22. "Slow recovery from wounds of Gaza conflict", BBC News, 27 de dezembro de 2009. Página visitada em 3 de maio 2010.
  23. Erlanger, Steven. "Israel Declares Cease-Fire; Hamas Says It Will Fight On", The New York Times, 18 de janeiro de 2009. Página visitada em 3 de maio de 2010.
  24. http://www.iom.int/jahia/Jahia/media/press-briefing-notes/pbnAF/cache/offonce/lang/en?entryId=21830; Reuters, January 12, 2009 Lappin, Yaakov. IDF releases Cast Lead casualty, The Jerusalem Post, March 26, 2009.
  25. [1]
  26. MIDEAST: Attack on Water Brings Sanitation Crisis - IPS. Ipsnews.net (2009-06-18). Página visitada em 2010-12-12.
  27. http://postconflict.unep.ch/publications/UNEP_Gaza_EA.pdf
  28. [2]
  29. a b "Gaza 'looks like earthquake zone'", BBC News, 20 January 2009.
  30. a b "Gaza: Humanitarian situation", BBC News, 30 January 2009.
  31. Launches Emergency Food Distributions to Families in Gaza | WFP | United Nations World Food Programme - Fighting Hunger Worldwide. WFP. Página visitada em 2010-12-12.
  32. Gaza Emergency Food Security Assessment (EFSA) - FAO/WFP report (24 February 2009). Unispal.un.org. Página visitada em 2011-05-21.
  33. Israeli air strike kills top Hamas commander Jabari. Jerusalem Post. Página visitada em 14 de novembro de 2012.
  34. «Chief of Staff Declares "Operation Pillar of Cloud"», 14 de novembro de 2012.
  35. http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,israel-pode-ter-cometido-crimes-de-guerra-diz-comissaria-da-onu,1532791
  36. http://www.lemonde.fr/proche-orient/article/2014/07/23/gaza-aucun-repit-dans-l-offensive-les-vols-vers-tel-aviv-toujours-bloques_4461483_3218.html
  37. In Gaza, surfers find peace and freedom riding the deep blue
  38. http://books.google.com/books?id=7rgHmpppZ-wC&pg=PA109&dq=Wadi+Gaza+water&hl=en&sa=X&ei=ObOmUI1ojPT2BKeTgcAH&ved=0CDMQ6AEwAQ#v=onepage&q=Wadi%20Gaza%20water&f=false
  39. Palestine refugees (em em inglês). Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente. Página visitada em 29 de janeiro de 2009.
  40. Entenda o conflito na Faixa de Gaza. Estadão (18 de janeiro de 2009). Página visitada em 29 de janeiro de 2009.
  41. Middle East Christians: Gaza pastor (em em inglês). BBC (21 de dezembro de 2005). Página visitada em 29 de janeiro de 2009.
  42. Juiz obriga advogadas a vestir véu islâmico em Gaza. BBC, 26 de julho de 2009
  43. Hamas arrests male hairdresser for Gaza woman's haircut, por Jon Donnison. BBC, 6 de julho de 2011.
  44. Fundação AIS ajuda os cristãos de Gaza. Agência Ecclesia, 1° de junho de 2009.
  45. Cristãos árabes - os fiéis esquecidos. National Geographic, edição n° 111.
  46. Vídeo: Cristãos em Gaza enfrentam dificuldades no Natal. AFP, 29 de dezembro de 2010.
  47. EU Border Assistance Mission for Rafah Crossing Point (EU BAM Rafah). [S.l.]: United nations : European union, 25 November 2005.
  48. Entenda o conflito na Faixa de Gaza. BBC Brasil. Publicado pelo Último Segundo (18 de janeiro de 2009). Página visitada em 29 de janeiro de 2009.
  49. (em francês)}Resultados oficiais por distrito}
  50. O apartheid "democrático". Jornal de Angola, 28 de Janeiro de 2010.
  51. Egito diz não se opor a barreira israelense na fronteira. Folha de São Paulo, 11 de janeiro de 2010.
  52. Contrabandistas de Gaza furam barreira de aço construída pelo Egito. O Globo, 6 de maio de 2010.
  53. "Red Cross: Israel trapping 1.5m Gazans in despair", Haaretz, 2009-06-29.
  54. Diskin: No aid crisis in Gaza. Jpost.com (2010-06-15). Página visitada em 2010-12-12.
  55. John Pike. ISRAEL-OPT: UN report details grim effects of Israeli blockade on Gaza. Globalsecurity.org. Página visitada em 2010-06-01.
  56. Watt, Nicholas. "David Cameron: Israeli blockade has turned Gaza Strip into a 'prison camp'", 2010-07-27. Página visitada em 28 July 2010.
  57. Israel, the West Bank and Gaza Travel Warning. Travel.state.gov. Página visitada em 2010-06-01.
  58. Egypt eases own Gaza blockade after Israel Freedom Flotilla raid, Christian Science Monitor, June 2, 2010 (page 2)
  59. Rabinowitz, Gavin (2010-06-20). AFP: Israel to allow more 'civilian' goods into Gaza: official. Google.com. Página visitada em 2010-12-12.
  60. a b c Easing the blockade – Assessing the humanitarian impact on the population of the Gaza Strip. UNITED NATIONS Office for the Coordination of Humanitarian Affairs occupied Palestinian territory (March 2011). Página visitada em 16 July 2011.
  61. a b Gaza Strip. CIA World Fact Book. Central Intelligence Agency (US). Página visitada em 25/10/2012.
  62. Economic improvement in the Gaza Strip
  63. Avi Issacharoff (4 de setembro de 2012). Egypt's holy war against Sinai jihadists leaves many questions unanswered. Haaretz. Página visitada em 26 de maio de 2014.
  64. Israel destrói pista do aeroporto de Gaza. France Presse. Publicado pela Folha Online (3 de dezembro de 2001). Página visitada em 6 de janeiro de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Faixa de Gaza
Ícone de esboço Este artigo sobre a Palestina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.