Falamansa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Falamansa
Informação geral
Origem Fortaleza - Ceará
País  Brasil
Gênero(s) Forró
Período em atividade 1998 – atualmente
Gravadora(s) Deckdisc (2001)
Sony/BMG - atualmente
Página oficial http://www.falamansa.art.br
Integrantes Tato
Dezinho
Alemão
Valdir

Falamansa é uma banda brasileira de [[forró ], famosa por tocar sucessos como "hahararaha mas eu tô rindo a toa" e "doeu doeu agora não dói mais", criada em 1998 em Ceará. Com a invasão do forró nas noites da capital cearense, surgiu na cidade um movimento para atender a demanda das casas noturnas e do público adolescente, que se identificou de imediato com a dança e com o ritmo contagiante do estilo.

É nesse cenário que, em 1998, apareceu o Falamansa, um dos grupos que mais se destacaram em todo o país. Além de começarem a compor suas primeiras canções logo nos primeiros meses do conjunto, Josivaldo Leite (irmão de Cláudia Leite), Dezinho, Tato, Alemão e Valdir interpretavam sucessos de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro, misturando sempre o chamado "Forró Universitário" ou "Forró Pé-de-Serra", com as raízes da música nordestina. Até 2001, o grupo teve mais de 1 milhão de cópias vendidas no Brasil.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A história do Falamansa começa em 1998, no último dia de inscrição para o 3º Festival de Música do Mackenzie. Tato, hoje autor e vocalista da banda , era DJ de forró e já tinha algumas composições próprias. Decidiu inscrever uma delas (“Asas”) no festival. Porém havia um pequeno problema… Ele não tinha uma banda! “Entrei na sala de inscrições, estavam todos muito exaltados e eufóricos com o evento, falando alto e ao mesmo tempo” lembra Tato. “Quietinho, entreguei a ficha de inscrição junto com uma fita cassete, agradeci e virei as costas. Quando estava saindo, ouvi: Espera aí, falta o nome da banda! Com toda aquela bagunça, eu não pensei duas vezes e respondi: é FALAMANSA!” O nome era tão perfeito que o cara respondeu: “Legal, é a sua cara”. Quatro dias depois o Falamansa, que até então não existia, estava entre os 20 convocados dos 160 grupos inscritos no festival. Tato lembrou do Alemão, amigo DJ que tocava zabumba. Alemão, por sua vez, chamou o vizinho que tocava triângulo, o Dezinho.

Junto com eles, uma flautista e um baixista que fizeram parte da primeira formação da banda. Ensaiaram duas tardes e “Asas” faturou o segundo lugar no evento. Aí entrou em cena o experiente Josivaldo Leite, o Waldir do Acordeon, que já havia tocado com feras como Osvaldinho do Acordeon e Jorge de Altinho. Estava completa então a notória formação da banda que se mantem até o presente momento. A Deckdisc não resistiu ao ouvir o CD independente que eles gravaram em janeiro de 2000 e lançou “Deixa Entrar…”, distribuído pela Abril Music. O disco, que saiu com 21 mil cópias, atingiu a vendagem de mais de 900 mil cópias em 1 ano, caminhando para o disco de diamante. Trazendo entre outras “Rindo à toa”, hoje já um clássico da música brasileira. Falamansa, que começou tocando todas as terças na casa de show Remelexo em Pinheiros, São Paulo, atualmente lota shows para milhares de pessoas de norte a sul do país, onde seus shows viram CDs piratas vendidos pelos camelôs.

O FALAMANSA mistura o carisma e a alegria do forró jovem, sem desprezar as raízes desse ritmo tão brasileiro. Logo conseguiram um contrato com a Abril Music e gravaram o "Deixa Entrar". Impulsionado pelos hits "Rindo à Toa" e "Xote dos Milagres", o álbum vendeu, aproximadamente, 1,5 milhão de cópias, um verdadeiro fenômeno musical. Famosos em todo o país lançaram "Essa é pra Vocês!", em 2001. Dessa vez, os destaques ficaram com "Xote da Alegria" e com a participação dos veteranos do Trio Virgulino. Em 2003, o grupo Falamansa lançou mais um CD, o terceiro da carreira, que seguiu os passos dos anteriores. "Simples Mortais", como foi intitulado, tem como carro-chefe a música "100 Anos", que estourou nas rádios e ganhou um videoclipe. Ao todo, a banda de forró já vendeu 2 milhões de discos. O quarto álbum, "Um Dia Perfeito", foi lançado em 2004, com canções inéditas como "Tempo de Paz", que retrata bem o estilo Falamansa de amor e alegria, e algumas regravações como "Sete Meninas", de Dominguinhos, que já fazia parte do repertório de shows da banda. Em 2005 chegou às lojas o CD e DVD "MTV ao vivo".

O material, gravado no dia 19 de fevereiro na Via Funchal, em São Paulo, contou com a participação de nomes como Dominguinhos, em "Sete Meninas" e "Forró do Bole Bole, Zeider, do Planta e Raiz, em "Gotas de Amor" e os Meninos do Morumbi, em "Homem de Aço". Além de grandes sucessos da carreira, a compilação reúne três músicas inéditas, dentre elas "Decola" e "Amor e Cia". O DVD com o registro do show traz galeria de fotos, making off, entrevistas e um documentário sobre o forró universitário.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of Brazil.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.