Família Baptistina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Asteróide 298 Baptistina

Família Baptistina é um agrupamento de asteróides cujo principal membro é o asteróide 298 Baptistina. Está localizada na borda interna do cinturião principal. É uma família de asteróides de tamanho médio, em termos que é notavel por causa da mistura peculiar de taxonomias que se encontram entre os seus componentes.[1] Foram numerados em torno de 247 membros na nesta família de asteróides pelos astrônomos. O ancestral do 298 (170 km de diâmetro) teria sido atingido por outro asteróide (60 km de diâmetro) há cerca de 165 milhões de anos atrás, formando vários fragmentos de rochas e poeira que formaram a família, que, originalmente possuía mais de 300 corpos maiores e 140.000 corpos de 1 km de diâmetro.[2]

Possibilidade de impactos[editar | editar código-fonte]

Há possibilidades de que 2% dos corpos que se encontram no sistema solar teriam se chocado com a terra e uma outra pequena possibilidade de terem se chocado até mesmo com a Lua. A cratera Chicxulub localizada no México, tem 180 km de diâmetro e existe 90% de possibilidade de que esta cratera tem origem de um choque de asteróide, estes com sua origem da família Baptistina. Uma outra cratera na lua nomidada de Tycho(85 km de diâmetro) teria uma probabilidade de 70% de que, sua origem seja também responsabilizada por um outro asteróide que tenha sua origem Baptistina.[2]

Caminho pelo Sistema Solar[editar | editar código-fonte]

Representação esquemática do Sistema Solar

Logo após o choque pelos dois imensos asteróides, os asteróides recém formados começaram a vagar pelo espaço e muitos deles passaram próximo da órbita de outros planetas e também do Planeta Terra. O meteóro que atingiu o México na Península de Yucatan há 65 milhões de anos atrás, foi quem gerou a teoria mais aceita do fim do período Cretáceo e também da era Mesozoica, veio desta família de asteróides.[2]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

De acordo com uma dupla de astrônomos brasileiros é errônea a afirmação de que a extinção dos dinossauros no fim do cretáceo tenha ligação com a Família Baptistina. "A partir do estudo da composição dos fragmentos e da visualização do albedo, é possível afirmar que a Família Baptistina não tem nada a ver com o asteroide responsável pela extinção dos dinossauros", segundo Carvano.[3] [4]

Referências

  1. Probing The Nature Of The Baptistina Family: NASA ADS Astronomy Abstrackt Service(ADSABS HARVARD)
  2. a b c A Família de Asteróides Baptistina: USP
  3. Brasileiros questionam origem do asteróide que extinguiu os dinossauros: Globo.com
  4. Asteróide acusado de extinguir os dinossauros é inocentado: Folha UOL

Ligações externas[editar | editar código-fonte]