Família Cantacuzeno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A casa dos Cantacuzenos (em grego: Καντακουζηνός - Kantakouzenoi; em latim: Cantacuzenus) foi uma das mais proeminentes famílias nobres do Império Bizantino durante os últimos séculos de sua existência. Era uma das mais ricas e deu ao império muitos proeminentes governadores e generais, além de dois imperadores. Os Cantacuzenos se casaram com muitas outras famílias nobres bizantinas e búlgaras como os Paleólogos, os Filantropenos, os Asen e os Tarchaneiotes.

História[editar | editar código-fonte]

O nome da família deriva da localidade de Kouzenas, perto de Esmirna. Os Cantacuzenos aparecem no registro histórico pela primeira vez durante o reinado de Aleixo I Comneno, quando um membro da família participou da campanha contra os cumanos[1] . Durante a período Comneno, membros da família aparecem como oficiais no exército: o sebasto João Cantacuzeno foi morto na Batalha de Miriocéfalo e que o césar João Cantacuzeno, provavelmente seu neto, se casou com Irene Angelina, a irmã de Isaac II Ângelo. Na época da Quarta Cruzada (1204), os Cantacuzenos já estavam entre os maiores proprietários de terra do império[1] .

Ele continuaram proeminentes durante o período Paleólogo. Miguel Cantacuzeno foi nomeado governador da Moreia em 1308 e seu filho, João Cantacuzeno, chegou à prestigiosa posição de grande doméstico, foi regente e finalmente ascendeu ao trono como João VI (r. 1341-1354). Ele acabou forçado a renunciar e se retirou para um mosteiro depois de uma fracassada guerra civil[2] . O filho mais velho de João, Mateus, também reinou como seu co-imperador e lutou pelo trono entre 1353 e 1357 até ser capturado e forçado a renunciar também. Seu irmão mais novo, Manuel Cantacuzeno, permaneceu como déspota da Moreia entre 1349 e 1380. Uma das filhas de João VI, Helena Cantacuzena, se casou com o rival de Mateus e João, João V Paleólogo (r. 1341-1391). Outra, Maria, se casou com Nicéforo II Orsini do Despotado de Épiro. A última, Teodora, se casou com o bey otomano Orhan I[1] .

Os dois filhos de Mateus, João e Demétrio reinaram brevemente na Moreia[1] . O primeiro morreu sem filhos e o segundo (cuja descendência é incerta) teve Jorge (Georgios), dito "Sachatai", Andrônico, o último grande doméstico do Império Bizantino, Irene, que se casou com Đurađ Branković, Tomás, que serviu na corte de Branković, Helena, que se tornou a segunda esposa de David, o imperador de Trebizonda, e finalmente uma última filha, cujo nome não sabemos, e que pode ter sido rainha na Geórgia[3] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Kazhdan (1991), p. 1103
  2. Kazhdan (1991), pp. 1103, 1050
  3. Kazhdan (1991), p. 1104

Bibliografia[editar | editar código-fonte]