Família Cantacuzeno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A família Cantacuzeno (em grego: Καντακουζηνός; transl.: Kantakouzenós; pl. Kantakouzenoi; em latim: Cantacuzenus) foi uma das mais proeminentes famílias nobres do Império Bizantino durante os últimos séculos de sua existência. Era uma das mais ricas e deu ao império muitos governadores e generais proeminentes, além de dois imperadores. Os Cantacuzenos se casaram com muitas outras famílias nobres bizantinas e búlgaras como os Paleólogos, os Filantropenos, os Asen e os Tarcaniotas.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A origem do sobrenome da família, de acordo com Donald Nicol, "fica entre conjecturas românticas e filológicas".[1] O príncipe Miguel Cantacuzino, um aristocrata do século XVIII que traçou sua ancestralidade com esta família bizantino, fornece exemplos de primeira espécie, tais como que a família começou com um certo "Lucie Cusin" que casou-se com uma "Serafina Catina", que uniram seus nomes familiares gerando "Ca(n)tacuzino". Nicol, entretanto, prefere uma segunda explicação, e reafirma a teoria de Constantino Amantos de que Cantacuzeno deriva de katà-kouzenan (κατὰ-κουζηνᾶν) ou katà-kouzenón (κατὰ-κουζηνόν), ou em última análise, a partir da localização Cuzenas, um nome para a parte sul do Monte Sípilo, próximo de Esmirna. Nicol lista algumas conexões que Cantacuzeno teve com o local nos séculos XI e XIII.[2]

História[editar | editar código-fonte]

João VI Cantacuzeno (r. 1347–1354).

Provavelmente eram originários de Cuzenas, onde suas propriedades se situavam.[3] Os Cantacuzenos aparecem pela primeira vez no reinado de Aleixo I Comneno (r. 1081–1118), quando um membro da família fez campanha contra os cumanos. No período Comneno, membros da família são atestados como oficiais militares: o sebasto João Cantacuzeno foi morto na batalha de Miriocéfalo, enquanto seu provável neto, o césar João Cantacuzeno, casou-se com Irene Angelina, a irmão de Isaac II Ângelo (r. 1185–1195). Pelo tempo da Quarta Cruzada, os Cantacuzenos estavam entre os maiores proprietários de terra do império.[4] Em meados do século XIV, as terras pertencentes aos Cantacuzenos se estendiam-se do entorno da cidade de Serres para a totalidade da Tessália e Constantinopla.[3]

Eles permaneceram proeminentes no período Paleólogo. Miguel Cantacuzeno foi nomeado governador da Moreia em 1308 e seu filho, João VI Cantacuzeno, ascendeu para grande doméstico, regente, e posteriormente imperador (1347–1354) antes de renunciar e se aposentar num mosteiro após uma fracassada guerra civil.[5] O filho mais velho de João VI, Mateus, também reinou como seu coimperador e como um pretendente (1353–1357) antes de ser capturado e forçado a renunciar. O filho mais novo de João VI, Manuel Cantacuzeno, permaneceu déspota Moreia de 1349 até 1380. Das filhas de João VI, Helena Cantacuzena casou-se com o rival de João VI e Mateus, João V Paleólogo (r. 1341–1391), Maria casou-se com Nicéforo II Orsini do Épiro, e Teodora casou-se com o bei otomano Orhan I (r. 1281–1359).[4]

Os dois filhos de Mateus, João e Demétrio reinaram brevemente na Moreia.[4] Acredita-se geralmente que João, sobre quem relativamente pouco se sabe dos documentos sobreviventes, morreu na infância, e que os numerosos Cantacuzenos da geração seguinte, bem como o historiador Teodoro Espandunes e a esposa do genealogista Hugues Busac, descendem de Mateus através de Demétrio.[6] A possível descendência de Demétrio (cuja descendência é incerta) teve Jorge, dito "Sachatai", Andrônico, o último grande doméstico do Império Bizantino, Irene, que se casou com Jorge I Brankovic, Tomás, que serviu na corte de Brankovic, Helena, que se tornou a segunda esposa de David, o imperador de Trebizonda, e finalmente uma última filha, cujo nome não sabemos, e que pode ter sido rainha na Geórgia.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Nicol 1968, p. viii
  2. Nicol 1968, p. viiif
  3. a b The Kantakouzenoi. Visitado em 22/07/2014.
  4. a b c Kazhdan 1991, p. 1103
  5. Kazhdan 1991, p. 1103; 1050
  6. Nicol 1968, p. 154
  7. Kazhdan 1991, p. 1104

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 1991. ISBN 0-19-504652-8.
  • Nicol, Donald MacGillivray. The Byzantine family of Kantakouzenos (Cantacuzenus) ca. 1100–1460: A Genealogical and Prosopographical Study. Washington, Distrito de Colúmbia: Dumbarton Oaks Center for Byzantine Studies, 1968.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]