Família disfuncional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Uma família disfuncional é uma família em que os conflitos, a má conduta e muitas vezes o abuso por parte dos membros individuais ocorrem continuamente e regularmente, fazendo com que outros membros acomodem-se com tais ações. Às vezes, crianças crescem em tais famílias com o entendimento de que tal tipo de convívio é normal. As famílias disfuncionais são principalmente o resultado de adultos codependentes e também podem ver-se afetadas pelos vícios, como o abuso de substâncias (álcool, drogas etc.). Outras origens são os transtornos mentais não tratados e pais que imitam seus próprios pais disfuncionais ou fazem exatamente o contrário do que eles faziam. Em alguns casos, um pai imaturo permitirá que o pai dominante abuse de seus filhos.[1]

Percepções[editar | editar código-fonte]

Uma percepção comum das famílias disfuncionais é a crença errônea de que os pais estão à beira da separação e do divórcio. Enquanto isso é verdade em alguns casos, muitas vezes o vínculo matrimonial é muito forte já que as falhas dos pais na realidade se complementam. Em resumo, não têm outro lugar aonde ir. No entanto, isso não significa necessariamente que a situação familiar é estável. Qualquer importante fator causador de estresse, tal como uma mudança, o desemprego, uma enfermidade, um desastre natural, a inflação etc., pode fazer com que os conflitos já existentes que afetam as crianças piorem muito.[2]

As famílias disfuncionais não têm nenhum limite social, nem financeiro, nem intelectual. No entanto, até décadas recentes, o conceito de uma família disfuncional não era levado a sério pelos profissionais (terapeutas, assistentes sociais, professores, conselheiros, clero etc.), especialmente entre as classes média e alta. Qualquer intervenção era vista como uma violação da santidade do matrimônio e um aumento da probabilidade de divórcio (o que era socialmente inaceitável na época). Historicamente, esperava-se que os filhos obedecessem a seus pais (em última instância, ao pai) e lidassem com a situação sozinhos.[3]

Exemplos de uma família disfuncional[editar | editar código-fonte]

Membros de uma família disfuncional têm características e comportamentos comuns que são resultado de suas experiências dentro de suas respectivas estruturas familiares. Essas características tendem a reforçar o comportamento disfuncional, tanto através da permissividade quanto da perpetuação delas. A unidade familiar pode ser afetada por uma variedade de fatores.[4]

Características comuns[editar | editar código-fonte]

Quase universais[editar | editar código-fonte]

Estes sintomas ocorrem na maioria das famílias disfuncionais:

  • A falta de empatia, compreensão e sensibilidade para com alguns membros da família, enquanto em outras situações expressa-se uma extrema empatia a outros membros (inclusive animais de estimação), que por sua vez possuem "necessidades especiais" (reais ou percebidas). Em outras palavras, um membro recebe mais mimos e/ou atenção do que merece enquanto outro membro é marginalizado.
  • A negação (a recusa de reconhecer o comportamento abusivo, também conhecido como o "elefante na sala de estar")
  • Limites inadequados ou inexistentes para si próprio (por exemplo,condescendência ao tratamento inadequado dos demais, falha em expressar o que é um tratamento aceitável e inaceitável e tolerância ao abuso emocional, sexual ou físico)
  • A falta de respeito com os limites dos outros (por exemplo, desfazer-se de objetos pessoais pertencentes a outrem, o contato físico desrespeitoso, quebrar promessas importantes sem motivos justos, violar de propósito um limite que outra pessoa determinou)
  • Extremos em conflito (Ou muita discussão agressiva, ou falta de discussão pacífica entre os membros da família)
  • Trato desigual ou injusto de um ou mais membros da família devido à ordem de nascimento, sexo, idade, papel na família (mãe etc.), habilidades, raça, posição econômica etc. (pode frequente incluir frequente apaziguamento de um membro à custa de outros ou uma desigual aplicação das normas)

Não universais[editar | editar código-fonte]

Embora não universais e em momento algum exclusivos a elas, os seguintes sintomas são típicos de famílias disfuncionais:

  • Níveis anormalmente altos de ciúme ou outros comportamentos controladores
  • Casais divorciados ou separados em conflito constante ou casais que deviam separar-se, mas não o fazem (em detrimento de seus filhos)
  • As crianças têm medo de falar (dentro ou fora da família) sobre o que está sucedendo no lar ou têm medo de seus pais
  • Falta de tempo compartido, especialmente em atividades recreativas e eventos sociais ("Nós nunca fazemos nada como uma família")
  • Comportamento sexual anormal como o adultério, a promiscuidade ou o incesto
  • Membros da família (incluindo as crianças) que renegam uns aos outros e/ou evitam serem vistos juntos em público (tanto unilateralmente quanto bilateralmente)

Exemplos específicos[editar | editar código-fonte]

Em muitos casos, os exemplos seguintes poderiam tornar disfuncional uma família:

  • Famílias com pais mais velhos ou pais imigrantes que não conseguem fazer frente aos novos tempos ou a uma cultura diferente
  • Um pai do mesmo sexo que nunca intercede nas relações pai-filha/mãe-filho em nome da criança
  • Crianças que não têm contato com a família de sua mãe ou seu pai devido a desarmonia, desacordo, preconceitos, inimizade etc
  • Um ou mais filhos não seguem o exemplo com as exigências de ter a mesma orientação sexual (heterossexuais, homossexuais etc.) que de seus pais
  • Em uma família com um filho rebelde, as outros filhos têm que "caminhar sobre cascas de ovo" para evitar a ira de seus pais.
  • Ir além da mera discrepância; um desentendimento intenso entre os membros da família a respeito da religião e/ou ideologias (por ex. os pais apoiam a participação do país na guerra, enquanto os filhos não apoiam)

Criação dos filhos[editar | editar código-fonte]

Sinais não saudáveis de criação[editar | editar código-fonte]

Lista dos sinais de criação insalubres que poderiam levar uma família à disfuncionalidade: [5]

  • Expectativas irrealistas
  • De ridicularizar [6]
  • Amor condicional [6]
  • Falta de respeito; especialmente o desprezo [6]
  • Intolerância emocional (membros da família impossibilitados de expressarem as emoções "incorretas") [6]
  • Disfunção social ou isolamento (por exemplo, os pais não querem acercar-se de outras famílias, especialmente as que têm filhos do mesmo sexo e da mesma faixa etária ou não fazem nada para ajudar aquele filho que não tem nenhum amigo) [6]
  • Discurso de afogado (às crianças não é permitido questionar ou discordar da autoridade de seus superiores) [6]
  • Negação de uma "vida interior" (às crianças não é permitido o desenvolvimento de seu próprio sistema de valores) [6]
  • Ser superprotetor ou subprotetor
  • Preferir uma criança à outra (ou seja, ter um filho favorito, ignorando o outro)
  • Ser apático "Não me importa!"
  • Menosprezar "Você não faz nada direito!"
  • Vergonha "Você devia se envergonhar!"
  • Amargura (independentemente do que é dito,usar um tom de voz amargo)
  • Ser hipócrita "Faça o que eu digo, não o que eu faço"
  • Ser inclemente "Pedir desculpas não adianta nada!"
  • Declarações de juízo ou demonização "Você é um mentiroso!"
  • Ou carência de crítica,ou crítica excessiva (os especialistas dizem que "80-90% de elogio" e "10-20% de crítica construtiva" é o mais saudável) [7] [8] [9]
  • Dar "mensagens mistas" por ter um duplo sistema de valores (ou seja, um jogo para o mundo exterior, outro para o privado, ou o ensino de valores divergentes para cada criança)
  • Pais ausentes (raramente disponível a seus filhos devido à sobrecarga de trabalho, abuso de álcool/drogas, ou vício nos jogos de azar, etc)
  • Projetos, atividades e promessas descumpridos que afetam as crianças "Vamos fazer isso mais tarde"
  • Dar a uma criança o que por direito pertence a outrem
  • Os preconceitos de gênero (tratamento justo de um gênero, tratamento injusto de outro gênero das crianças)
  • Discussão sobre a sexualidade e exposição a ela: sejam estas demasiadas e cedo demais, ou muito pouco e tarde demais
  • Disciplina defeituosa (ou seja, o castigo "surpresa"), baseada mais em emoções ou em políticas arbitrárias de família do que em regras estabelecidas
  • Ter um estado emocional imprevisível devido ao abuso de substâncias, transtorno de personalidade, ou estresse
  • Pais sempre (ou nunca) ficam do lado dos filhos quando os outros relatam atos de mau comportamento ou quando professores relatam problemas na escola
  • Bodes expiatórios (conscientemente ou imprudentemente culpar uma criança pelas malfeitorias de outrem)
  • Diagnóstico com "visão em túnel" dos problemas dos filhos (por exemplo, um pai pode pensar que seu filho é preguiçoso ou tem dificuldades de aprendizagem depois que ele ficar para trás na escola, apesar de recente ausência devido a doença)
  • Um irmão mais velho recebe excessiva ou nenhuma autoridade sobre os irmãos menores com respeito a diferença de idade e nível de maturidade
  • Retenção frequente do consentimento ("benção") do pai para com o filho, que quer tomar parte em atividades culturalmente comuns, legais perante a lei e apropriadas para a idade dele
  • O "sabe-tudo" (não tem: necessidade de obter a versão da história da criança quando acusada ou a necessidade de escutar as opiniões da criança sobre as questões que em grande medida afetam-nas)
  • Forçar regularmente as crianças a realizar atividades das quais estão muito ou pouco qualificadas do que o necessário (por exemplo, utilizando uma pré-escola para cuidar de um menino comum de nove anos de idade, levar uma criança pequena a jogos de pôquer etc)
  • Ser avarento (egoísta) em sua totalidade ou de forma seletiva, fazendo com que as necessidades das crianças não sejam supridas (por exemplo, o pai não compra uma bicicleta para o filho dele porque ele quer economizar dinheiro para a aposentadoria ou "algo importante")
  • Inato ou adquirido (pais, muitas vezes não biológicos, acusam os problemas das crianças de serem hereditários, enquanto a criação defeituosa pode ser a causa real)

Estilos de criação disfuncional[editar | editar código-fonte]

[10]

"As crianças como peões"[editar | editar código-fonte]

Isso ocorre quando um dos pais manipula uma criança para conseguir algo do outro pai, em vez de comunicar-se diretamente com eles. Isso pode ser feito através da manipulação verbal, fofocas, tentativa de obter informações através da criança (espionagem pessoal) ou fazer a criança não gostar do outro pai. Não há preocupação nenhuma com os efeitos prejudiciais que esses feitos têm sobre as crianças. Enquanto tal manipulação muitas vezes é prevalente em situações de guarda compartilhada (devido a separação ou divórcio), também pode ocorrer em famílias intactas e é conhecida como triangulação.

Lista de outros estilos de criação disfuncional[editar | editar código-fonte]

  • De uso (pais destrutivamente narcisistas que governam mediante ao medo e amor condicional)
  • De abusar (os pais que usam de violência física ou emocional, ou abusam sexualmente de seus filhos)
  • Perfeccionista (fixar-se na ordem, no prestígio, no poder e/ou nas aparências perfeitas, enquanto previnem que seus filhos falhem em qualquer coisa)
  • Dogmático ou ditatorial (disciplina inflexível e dura, com crianças impedidas de, dentro da razão, dissentir, questionar a autoridade ou desenvolver seu próprio sistema de valores)
  • Parentalidade desigual (ir aos extremos por um filho enquanto continuamente ignora parcialmente ou totalmente as necessidades dos outros)
  • De privação (controlar ou descuidar mediante retenção de amor, apoio, necessidades, simpatia, elogios, atenção, encorajamento, supervisão ou de alguma outra maneira pôr em risco o bem-estar de seus filhos)
  • Abuso entre irmãos (pais deixarem de intervir quando um irmão maior abusa fisicamente ou sexualmente de um irmão menor)
  • De abandono (um pai que voluntariamente se separa de seus filhos, não desejando nenhum tipo de contato e em alguns casos desaparece durante um longo prazo, deixando-os como órfãos pela falta de um responsável)
  • De apaziguamento (pais de família que recompensam o mau comportamento — mesmo pelas suas próprias normas — e inevitavelmente castigam o bom comportamento de outro filho para manter a paz e assim evitar brigas e raivas "Paz a qualquer preço")
  • De manipulação de lealdade (dar prêmios não merecidos e atenção abundante para garantir que um filho favorito, porém rebelde, seja o mais leal e de melhor comportamento, enquanto sutilmente faz pouco caso dos desejos e necessidades dos filhos atualmente mais fiéis)
  • De "pais helicóptero" (os pais que microgerenciam as vidas de seus filhos e/ou as relações entre irmãos — sobretudo os conflitos de menor importância)
  • Dos "impostores" (pais bem considerados na comunidade, suscetíveis a estarem envolvidos em trabalhos de caridade ou sem fins lucrativos, que abusam ou maltratam a um ou mais dos filhos deles)
  • "Administrador da imagem pública" (às vezes relacionado com o anterior, os filhos advertidos a não revelar as brigas, abusos ou danos que ocorrem em casa ou enfrentarão uma penitência grave "Não digam a ninguém o que acontece nesta família!")
  • "O pai paranoico" (um pai que tem um medo persistente e irracional acompanhado por ira e acusações falsas de que seu filho planeja fazer coisas ruins ou outros estão conspirando contra ele)
  • "Amigos não são permitidos" (os pais dissuadem, interferem ou proíbem seu filho de fazer amigos da mesma idade e gênero)
  • De inversão de papéis (os pais que esperam que seus filhos menores de idade cuidem de todos da família no seu lugar)
  • "Não é da conta de vocês" (dizer continuamente às crianças que um irmão ou irmã específico que causa problemas frequentemente não é uma preocupação deles)
  • Ultra-igualitarismo (uma criança muito mais jovem pode fazer qualquer coisa que uma criança mais velha possa ou uma criança mais velha tem de esperar anos até que uma criança mais jovem seja madura o bastante)
  • "O cão de guarda" (um pai que ataca cegamente membros da família caso perceba que algum desses seja causante mesmo do menor mal-estar de seu estimado cônjuge, parceiro ou filho)
  • "Meu bebê para sempre" (uma mãe que não permite que um ou mais dos filhos pequenos dela cresçam e comecem a cuidar de si mesmos)
  • "A animadora de torcida" (um dos pais "aclama" o outro pai enquanto o segundo abusa do filho deles)
  • "Só vim pela parte boa" (um pai relutante, seja este na prática, como um padrasto, adotivo temporário ou permanente que não se preocupa realmente com seu filho não biológico, mas precisam coexistir na mesma casa pelo bem do seu cônjuge ou parceiro)
  • "O político" (um pai que repetidamente faz promessas aos filhos ou está de acordo com as feitas por eles, enquanto tem pouca ou nenhuma intenção de mantê-las)
  • "É tabu" (pais negam qualquer pergunta que os filhos podem ter com respeito à sexualidade, a gravidez, o romance, a puberdade, certas áreas da anatomia humana, nudez etc)
  • Do "paciente identificado" (um filho, usualmente selecionado pela mãe, que é obrigado a ir à terapia, enquanto a disfunção geral da família se mantém oculta)
  • De "síndrome de Münchhausen por procuração" (uma situação muito mais extrema que a anterior, onde o filho é intencionalmente adoecido por um pai que busca atenção dos médicos e outros profissionais)

Dinâmica das famílias disfuncionais[editar | editar código-fonte]

  • O membro isolado da família (um pai ou um filho ir contra o resto da família que seria unida se tais oposições não existissem)
  • Pai contra pai (brigas frequentes entre adultos, sejam casados, divorciados ou separados, que acontecem longe das crianças)
  • A família polarizada (um pai e um ou mais filhos em cada lado do conflito)
  • Pais contra filhos (disparidade de geração ou disfunção de choque cultural)
  • A família "balcanizada" (nomeado em referência à triangular guerra nos Bálcãs, onde as alianças mudavam a todo momento)
  • "Cada um por si" (uma família em que as brigas são "todos contra todos," embora pode se tornar polarizada quando a gama de opções possíveis é limitada)

As crianças em famílias disfuncionais[editar | editar código-fonte]

Ao contrário do divórcio e em menor medida, a separação, muitas vezes não há nenhum registro de que uma família "intacta" é disfuncional. Assim, amigos, parentes e professores dessas crianças podem estar completamente inconscientes da situação. Além disso, uma criança pode ser injustamente acusada da disfunção da família e colocada sob um estresse maior do que daquelas cujos pais são separados.

Os seis papéis básicos[editar | editar código-fonte]

Sabe-se que as crianças que crescem numa família disfuncional adotam um ou mais destes seis papéis básicos apresentados abaixo:

  • O Filho Bom (também conhecido como o herói): Um filho que assume o papel dos pais.
  • O Filho Problemático ou Rebelde (também conhecido como o bode expiatório): Um filho que é culpado da maioria dos problemas disfuncionais da família, apesar de ser muitas vezes o único emocionalmente estável na família
  • O/A Zelador(a): Aquele que assume a responsabilidade do bem-estar emocional da família
  • A Criança Perdida: Um filho que é inconspícuo e quieto cujas necessidades são normalmente ignoradas ou escondidas
  • O Mascote: Um filho que usa da comédia para distrair os demais dos problemas familiares
  • O Cérebro: Um filho que se torna oportunista, acumulando erros de seus parentes para chantageá-los e conseguir o que bem deseja. Muitas vezes o objeto de apaziguamento dos adultos

Efeitos sobre as crianças[editar | editar código-fonte]

Crianças de famílias disfuncionais, seja no momento ou à medida que crescem, podem:[11]

  • carecer da habilidade de serem brincalhões ou simplesmente serem crianças e podem "crescer rápido demais"; contrariamente, podem crescer lento demais ou ter uma mistura de características (por ex. bom comportamento, mas incapaz de cuidar de si mesmos)
  • ter moderados a graves problemas de saúde mental, incluindo uma possível depressão, ansiedade[12] e pensamentos suicidas
  • tornar-se viciadas em tabaco, álcool e/ou drogas, especialmente se os pais ou amigos fizeram o mesmo
  • intimidar ou perseguir os outros ou ser uma vítima fácil disso (possivelmente tendo um papel duplo em diferentes contextos)
  • estar em negação sobre a gravidade da situação da família
  • ter sentimentos oscilantes entre amor e ódio para com alguns membros da família
  • tornar-se delinquentes sexuais, possivelmente incluindo pedofilia[13]
  • ter dificuldade em formar relacionamentos saudáveis dentro de seu grupo de pares (geralmente devido à timidez ou um transtorno de personalidade)
  • gastar uma quantidade excessiva de tempo sozinhas, assistindo à televisão, jogando jogos eletrônicos, navegando na Internet, escutando música e outras atividades que carecem de interação social em pessoa
  • sentir-se irritadas, ansiosas, isoladas dos outros, depressivas ou sem-valor
  • ter um distúrbio da fala (relacionado ao abuso emocional)[14]
  • desconfiar dos outros ou até ter paranoia
  • tornar-se delinquentes juvenis e ir para a vida do crime (desistindo ou não da escola) e, possivelmente, tornar-se membros de gangues também
  • ter dificuldades acadêmicas na escola ou diminuir o rendimento escolar inesperadamente
  • ter baixa autoestima ou uma autoimagem com dificuldades de expressar emoções
  • rebelar-se contra a autoridade dos pais ou,contrariamente, sustentar os valores de sua família frente à pressão de seus semelhantes ou até tentar estar em um impossível meio termo que agrada a ninguém
  • pensar somente em si mesmas para compensar a diferença de suas infâncias(já que ainda estão aprendendo a equilibrar seu amor-próprio)
  • ter pouca autodisciplina quando os pais não estão presentes, tal como o gasto compulsivo, deixar deveres etc para a última hora (procrastinação), entre outros (punições e consequências desconhecidas e aparentemente não tão severas no “mundo lá fora” em comparação com punições e consequências já conhecidas que vêm dos pais, dentro de casa)
  • encontrar um cônjuge ou namorado (frequentemente abusivos) de idade muito baixa (especialmente mulheres), e/ou fugir de casa
  • entrar em uma seita para encontrar a aceitação que nunca tiveram em casa ou, no mínimo, para sustentar crenças filosóficas/religiosas distintas das quais lhes foram ensinadas
  • engravidar e/ou tornar-se pais de filhos ilegítimos
  • estar em risco de tornarem-se pobres ou sem-teto, mesmo que a família seja rica ou de classe média
  • ter comportamentos autodestrutivos ou potencialmente autoprejudiciais
  • esforçar-se (enquanto jovens adultos) para morar longe de alguns ou todos os membros da família
  • perpetuar os comportamentos disfuncionais em outras relações (principalmente com seus próprios filhos)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Perdoar nossos pais, perdoando a mesmos: Adulto crianças cura famílias disfuncionais por David Crouch e James Masteller c. 1997
  2. Avaliação familiar de Michael E. Kerr y Bowen Murray c. 1988
  3. Recriar sua própria: Ajuda para aqueles adultos de crianças de famílias disfuncionais por Nancy J. Napier c. 1990
  4. Manual de diagnóstico relacional e padrões familiares disfuncionais por Florence Kaslow c. 1996
  5. A família abusando por Blair e Rita Justice Insight Books c.1990 (exceto onde indicado)
  6. a b c d e f g Se você tinha pais controle: Como fazer as pazes com seu passado e tomar o seu lugar no mundo por Dan Neuharth c. 1999 Diane Publishing
  7. Elogios, incentivo e recompensas Educar a rede de crianças c. 2011
  8. Estar certo de louvor equilibra crítica para auto-confiança sólida Notícias de Detroit
  9. A relação de Gottman: Disciplina vs elogios na Wayback Machine c. 2011
  10. Famílias em Crise Perpétua por Richard Kagan and Shirley Schlosberg c. 1989
  11. Perdoar nossos pais: Para adultas crianças de famílias disfuncionais por Dwight Lee Wolter c. 1995 (exceto onde indicado)
  12. Bons pais 'buffer' as mentes de seus filhos, The Sydney Morning Herald. 2010-09-21
  13. [1] CliffsNotes.com estressores: 7-11 anos de idade
  14. [2] Centro de treinamento dos bombeiros da Cidade de Long Beach, Califórnia 2009-09-19