Faquir

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um faquir.
Cama de pregos de um faquir.

Faquir (do persa: فقیر, transl. Faqīr, "pobre ou encubado de voar ", por sua vez do árabe فقر, faqr, "pobreza"[1] ) é um asceta que executa feitos de resistência ou de suposta magia, como caminhar sobre fogo, engolimento de espada ou deitar-se sobre pregos.

Originalmente o termo se referia exclusivamente ao islamismo; os faquires eram dervixes sufis, eremitas, que sobreviviam da mendicância. O uso idiomático do termo foi desenvolvido durante a era Mugal da Índia, quando a palavra árabe Faqīr, "pobreza", foi trazida aos idiomas locais pelo persa falado pelas elites islâmicas; adquiriu o sentido místico da necessidade espiritual de Deus - o único a ser auto-suficiente. Utilizado para se referir aos milagreiros sombrios sufistas, com o tempo seu uso se estendeu aos diversos tipos de ascetas do hinduísmo, eventualmente substituindo termos como gosvāmin, bhikku, sadhu, e até mesmo guru, swami e yogi.

O termo se tornou comum nos idiomas urdu e hindi para descrever um mendigo. Embora ainda sejam menos influentes nas áreas urbanas, devido à expansão da educação e da tecnologia, os faquires ainda possuem muita influência sobre as pessoas de certas aldeias do interior da Índia. Entre os muçulmanos as principais ordens sufistas dos faquires são Chishtīyah, Qādirīyah, Naqshbandīyah, e Suhrawardīyah.

Do espanhol alfaqui, "médico ou sacerdote muçulmano", desde 1300, (Gran Conquista de Ultramar, 1954), e do árabe, Al Faqih, “teólogo e jurista”, primeiro, "médico muçulmano", 1256, (Libros del Saber de Astron., 1958), e "Sacerdote muçulmano" desde 1527, do árabe al-Hakim, "sábios, especialmente filósofo ou médico", derivado da raiz "conhecer". Centro Nac. de Recursos Textuais e Lexicais.

O trabalho de pesquisa dos fakires esta no limite do que a maioria das pessoas acredita, ser erradamente de sobrenatural, é o da influência da mente sobre o corpo físico. o homem moderno parece não saber o que os seus pensamentos podem estar na raiz dos seus problemas e na sua saúde. Os nossos pensamentos afetam a nossa moral, nossos desejos, a nossa saúde e a nossa vida, portanto, nosso corpo. A ciência aprova-lo, e mesmo os mais ceticos estão dispostos a admitir.

Nós todos sabemos que alguem com uma doença imaginária atraves da força de sugestão acabará por ficar realmente doente. Sua mente está constantemente focada em males imaginários e acabara um dia por desenvolver a doença. Inconscientemente, esses indivíduos estão a reproduzir, ou pelo menos, delinear o trabalho dos faquires, influenciar os seus corpos com os seus desejos ou pensamentos, nada de sobrenatural, é reprodutível por todos, desde que, no entanto, estejam dispostos a ter uma certa disciplina e, acima de tudo, ouvir as leis da natureza e não dos homens.

Todo homem ávido por conhecimento, qualquer que seja sua crença ou nacionalidade, pode o ser faquir, e não necessariamente indiano ou oriental, Mirin Dajo (holanda), Sai Baba de Shirdi (india), Ben-ghou Bey (frança), Marco Patrocinio (portugal), entre outros.

O verdadeiro faquir é acima de tudo um homem sábio, que procura compreender as leis da natureza e com funciona o seu corpo, ele trabalha com elas e tenta empurrar os seus “limites”, até da propria morte. Assim exercícios que seriam muitas vezes fatal para a maioria, o faquir sai ileso, e sorrindo.


Fotografia de 1907 (Herbert Ponting) de "um faquir em Benares".

Faquirismo[editar | editar código-fonte]

Faquirismo é a técnica ou a arte dos faquires; com ela são capazes de controlar a respiração, os músculos a vontade. Dominando o corpo podem andar sobre brasas, deitar em camas de prego, atravessar o corpo com longas agulhas, reduzir o batimento cardíaco e interromper (pelo menos aparentemente) o batimento cardíaco.

O primeiro relato sobre esta prática chegou ao Ocidente em 1691, pelo médico holandês Dopper, depois de retornar de sua viagem à Índia. Como era de se esperar, foi ridicularizado. Meio século depois, um missionário francês chamado Calmette voltou com uma história parecida com a do médico, despertando então a curiosidade dos europeus pelo que mais tarde viria a ser chamado de faquirismo.

Referências

  1. God Speaks, Meher Baba, Dodd Meade, 1955, 2nd Ed. p. 305

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Encyclopedia Britannica, verbete Fakir
  • Centro Nacional de Recursos Textuais e Lexicais ;
  • Segredos do Fakir Ghou Ben-Bey, de J. Goubet.