Farol do Cabo de Santa Maria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Farol do Cabo de Santa Maria
Localização Faro,  Portugal
Coordenadas 36° 58′ N 7° 51′ W
Inauguração 1851
Automatização 1997
Altura 46 m
Altitude 50 m
Ótica lentes de Fresnel 3ª ordem 500 mm
Alcance luminoso 25 milhas náuticas
Luz característica Fl (4) W 17 s
№ nacional 505
internacional D-2206
№ da NGA 113-3724[1]
№ da ARLHS POR-041

O Farol do Cabo de Santa Maria é um farol português situado na Ilha da Culatra, cidade e distrito de Faro, em frente a Olhão no Algarve. Implantado a cerca de 2.500 metros a ENE do Cabo de Santa Maria e deste separado pela Barra Nova, canal cuja abertura definitiva, no primeiro quartel do século XX, para serviço dos portos de Faro e Olhão, causou a divisão da Ilha do Cabo de Santa Maria em duas partes - Culatra e Barreta.[2]

Trata-se de uma torre branca, tronco-cónica, com esqueleto exterior em betão armado, formado por uma malha cónica de pilares e vigas. Farolim e varandim vermelhos.

História[editar | editar código-fonte]

O Farol do Cabo de Santa Maria data já de 1851. Este farol foi o primeiro em Portugal a receber um aparelho lenticular de Fresnel de segunda ordem com 700 milímetros de distância focal, que permitia à luz, branca, um alcance de 15 milhas, instalado no alto de uma torre cilíndrica de 35 metros.

Em 1922 a torre foi aumentada 12 metros, passando a medir 47 metros, ano em que o aparelho óptico inicial foi substituído por um de terceira ordem, grande modelo, de rotação, iluminado a um candeeiro de petróleo. Três anos depois, este candeeiro viria a ser substituído pela incandescência do vapor de petróleo. Em 1929, devido à acção dos elementos, diversas oscilações começaram a ser sentidas na torre, o que levou a obras de consolidação que passaram pela implementação de pilares ao longo de toda a altura do farol, no exterior da torre, e cintas de cimento armado.

Em 1949, é electrificado com a instalação de grupos electrogéneos, substituindo-se a incandescência de vapor de petróleo por incandescência eléctrica. Foram também montados painéis adicionais ao aparelho lenticular, dando-lhe a característica de aeromarítimo e instalado um radiofarol. Já em 1995, foi levada a cabo uma obra para a consolidação da torre de grande envergadura, que obrigou ao desmantelamento da lanterna e provisória instalação num andaime. Esta intervenção levou cerca de um ano e em 1997 o farol é automatizado.

Em 2001, o farol aeromarítimo é desinstalado por não mais ter interesse para a navegação.

Informações[editar | editar código-fonte]

  • Acesso: Por barco a partir de Olhão ("Terminal T")
  • Aberto ao público: Sim, todas as quartas-feiras das 14H00 às 17H00[3]
  • Uso actual: Ajuda activa à navegação

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cabo de Santa Maria (em inglês) NGA - National Geospatial-Intelligence Agency NGA List of Lights - Pub. 113 - Aid No. 3724 (26 de setembro de 2009). Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  2. Farol do Cabo de Santa Maria Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana. Inventário (2007). Página visitada em 12 de Março de 2009.
  3. Faróis abrem ao público todas as quartas-feiras Marinha (19 de novembro de 2011). Página visitada em 23 de julho de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um farol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Farol do Cabo de Santa Maria