Farsália (Lucano)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Farsália é um poema épico escrito pelo poeta latino Lucano. Trouxe várias inovações para a épica, destacadamente a ausência de intervenções divinas e o tratamento de assuntos históricos. Lucano compôs a Farsália explicitamente em oposição à Eneida, tanto pela forma como pelo conteúdo e as posições políticas assumidas pelo autor.

Estrutura da obra[editar | editar código-fonte]

Quando foi condenado ao suicídio, Lucano ainda não havia terminado a obra que, portanto, ficou incompleta: é provável que Lucano planejasse um épico de doze cantos (como a Eneida), mas só chegou a escrever dez[1] .

Assunto[editar | editar código-fonte]

O poema conta a história das guerras civis que precederam a queda da República romana, travadas entre os partidários de César e Pompeu e que terminou com a vitória de César, definida na batalha em Farsália. Lucano posiciona-se como fortemente republicano, pintando César com cores sombrias ao mesmo tempo em que retrata Catão de Útica como herói político. Demonstra pessimismo quanto ao futuro de Roma, uma vez que os defensores da República foram derrotados[2] .

Lucano constrói a sua épica polemizando explicitamente com a epopeia modelo da literatura latina: a Eneida. Polemiza com Virgílio não só a lamentar a queda da República e pintar com cores negativas a gens Iulia da qual descendera Augusto, mas também ao subverter vários aspectos formais da épica (estabelecidos pela Eneida).

Personagens[editar | editar código-fonte]

Os principais personagens do poema são:

  • Júlio César (general que se tornará ditador);
  • Pompeu Magno (respeitado general aposentado que tomará a frente dos exércitos que defenderão a república da pretensões tirânicas de César);
  • Catão de Útica (Defensor da República romana);
  • Sexto Pompeu (filho de Pompeu Magno);
  • Cícero (apoiador de Catão);
  • Cornélia (esposa de Pompeu).

Traduções em língua portuguesa[editar | editar código-fonte]

Em 2011 foi publicada uma tradução parcial da Farsália: tradução dos cinco primeiros cantos por Bruno V. G. Vieira[3] .

Referências

  1. CITRONI, M., CONSOLINO, F. E., LABATE, M., NARDUCCI, E., "Lucano", in Literatura de Roma Antiga, trad. port. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2006.
  2. CITRONI, M., CONSOLINO, F. E., LABATE, M., NARDUCCI, E., "Virgílio", in Literatura de Roma Antiga, trad. port. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2006.
  3. LUCANO. Farsália: cantos de I a V (Tradução de Bruno V. G. Vieira). São Paulo: Editora da Unicamp, 2011.