Fascismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Fascismo é uma forma de radicalismo político autoritário nacionalista[1] [2] que ganhou destaque no início do século XX na Europa. Os fascistas procuravam unificar sua nação através de um Estado totalitário que promove a vigilância[3] , um estado forte, a mobilização em massa da comunidade nacional,[4] [5] confiando em um partido de vanguarda para iniciar uma revolução e organizar a nação em princípios fascistas.[6] Hostil à democracia liberal, ao socialismo e ao comunismo, apesar de semelhanças com os últimos dois. Os movimentos fascistas compartilham certas características comuns, incluindo a veneração ao Estado, a devoção a um líder forte e uma ênfase em ultranacionalismo, etnocentrismo e militarismo. O fascismo vê a violência política, a guerra, e o imperialismo como meios para alcançar o rejuvenescimento nacional[4] [7] [8] [9] e afirma que as nações e raças consideradas superiores devem obter espaço deslocando ou eliminando aquelas consideradas fracas ou inferiores, [10] como no caso da prática fascista modelada pelo nazismo.[11]

O fascismo tomou emprestado teorias e terminologias do socialismo, mas aplicou-as sob o ponto de vista que o conflito entre as nações e raças fosse mais significativo, do que o conflito de classes e teve foco em acabar com as divisões de classes dentro da nação.[12] Defendeu uma economia mista, com o objetivo principal de conseguir autarquia para garantir a auto-suficiência, e a independência nacional através de protecionista e políticas econômicas que intercalam intervencionismo e privatização.[13] [14] [5] O fascismo sustenta o que é, às vezes, chamado de Terceira posição entre o capitalismo e o socialismo marxista.[15]

Influenciados pelo sindicalismo nacional, os primeiros movimentos fascistas surgiram na Itália, cerca da Primeira Guerra Mundial, combinando elementos da política de esquerda com mais tipicamente a política de direita, em oposição ao socialismo, ao comunismo, a democracia liberal e, em alguns casos, o conservadorismo tradicional. Embora o fascismo seja geralmente colocado na extrema direita[16] no tradicional espectro esquerda-direita, os fascistas em si e alguns comentaristas argumentaram que a descrição é inadequada.[17] [18] [19] [20]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O fasces era um feixe de varas amarradas em volta de um machado[21]

O termo fascismo é derivado da palavra em latim fasces.[22] um feixe de varas amarradas em volta de um machado,[23] foi um símbolo do poder conferido aos magistrados na República Romana de flagelar e decapitar cidadãos desobedientes.[21] Eram carregados por lictores e poderiam ser usados para castigo corporal e pena capital a seu próprio comando.[24] [25] Mussolini adotou esse símbolo para o seu partido, cujos seguidores passaram a chamar-se fascistas.[26]

O simbolismo dos fasces sugeria "a força pela união": uma única haste é facilmente quebrada, enquanto o feixe é difícil de quebrar.[27] Símbolos semelhantes foram desenvolvidos por diferentes movimentos fascistas. Por exemplo, o símbolo da Falange Espanhola é composto de cinco flechas unidas por uma parelha.[28]

Definições[editar | editar código-fonte]

Historiadores, cientistas políticos e outros estudiosos têm debatido por muito tempo a natureza exata do fascismo.[29] Cada forma de fascismo é diferente, deixando muitas definições amplas ou restritas demais.[30] [31]

Roger Griffin descreve o fascismo como "um gênero de ideologia política cujo núcleo mítico em suas várias permutações é uma forma palingenética de ultranacionalismo populista".[17] Griffin descreve a ideologia como tendo três componentes principais:. "(i) o mito do renascimento, (ii) populista ultra-nacionalismo e (iii) o mito da decadência".[17] O fascismo é "uma forma verdadeiramente revolucionária, anti-liberal, multiclasse, e, em última análise, nacionalista anti-conservadora" construído sobre uma complexa gama de influências teóricas e culturais. Ele distingue um período entre-guerras quando se manifestou através de "partidos políticos armados" liderados por elites populistas se opondo ao socialismo e ao liberalismo e prometendo uma política radical para salvar o país da decadência.[32]

Emilio Gentile descreve o fascismo com dez elementos constitutivos:[33]

São eles:

  1. um movimento de massa de adesão multiclasse em que prevalecem, entre os líderes e os militantes, os setores médios, em grande parte, novos na atividade política, organizados como uma milícia partidária, que baseiam sua identidade não em hierarquia social ou origem de classe, mas em um sentido de camaradagem, acredita-se investido de uma missão de regeneração nacional, considera-se em estado de guerra contra adversários políticos e visa conquistar o monopólio do poder político por meio do terror, política parlamentar e acordos com grupos maiores, para criar um novo regime que destrói a democracia parlamentar;
  2. uma ideologia "anti-ideológica" e pragmática que se proclama antimaterialista, anti-individualista, antiliberal, antidemocrática, anti-marxista,mas populista e anticapitalista em tendência, se expressando esteticamente mais que, teoricamente, por meio de um novo estilo de política e por mitos, ritos e símbolos, como uma religião leiga projetada para aculturar, socializar e integrar a fé das massas com o objetivo de criar um "novo homem";
  3. uma cultura fundada no pensamento místico e o no sentido trágico e ativista da vida concebida como a manifestação da vontade de poder, sobre o mito da juventude como artífice da história, e na exaltação da militarização da política como modelo de vida e atividade coletiva;
  4. uma concepção totalitária do primado da política, concebida como uma experiência de integração para realizar a fusão do indivíduo e das massas na unidade orgânica e mística da nação como uma comunidade étnica e moral, a adoção de medidas de discriminação e perseguição contra aqueles considerados fora desta comunidade quer como inimigos do regime ou membros de raças consideradas inferiores ou perigosas para a integridade da nação;[11]
  5. uma ética civil, fundada em total dedicação à comunidade nacional, sobre a disciplina, a virilidade, a camaradagem e o espírito guerreiro;
  6. um Estado de partido único que tem a tarefa de prover a defesa armada do regime, a seleção de seus quadros de direção e organização das massas no interior do estado, em um processo de mobilização permanente de emoção e da fé;
  7. um aparato policial que impede, controla e reprime a dissidência e a oposição, mesmo usando o terror organizado;
  8. um sistema político organizado pela hierarquia de funções nomeadas a partir do topo e coroado pela figura de "líder", investido com um carisma sagrado, que comanda, dirige e coordena as atividades do partido e do regime;
  9. organização corporativa da economia que suprime a liberdade sindical, amplia a esfera de intervenção do Estado, e visa alcançar, por princípios de tecnocracia e solidariedade, a colaboração dos "setores produtivos" sob o controle do regime, para alcançar seus objetivos de poder, ainda preservando a propriedade privada e as divisões de classe;
  10. uma política externa inspirada no mito do poder nacional e grandeza, com o objetivo de expansão imperialista.
Emilio Gentile

Stanley Payne descreve o fascismo em três setores de características: sua ideologia e objetivos, suas negações e seu estilo e organização.[34] São os seguintes:[34]

  • "A. A ideologia e os objetivos"
    • "Adoção de uma filosofia idealista, vitalista e voluntarista, normalmente envolvendo a tentativa de realizar uma nova cultura auto-determinada, secular e moderna"
    • "Criação de um novo Estado autoritário nacionalista não baseado em princípios ou modelos tradicionais"
    • "Organização de uma nova estrutura econômica nacional integrada, altamente regulada, multiclasse; seja chamada de corporativista nacional, nacional-socialista, nacional sindicalista"
    • "Avaliação positiva e uso, ou vontade de usar a violência e a guerra"
    • "O objetivo do império, expansão ou uma mudança radical na relação do país com as outras potências"
  • "B. As negações fascistas"
    • "Antiliberalismo"
    • "Anticomunismo"
    • "Anticonservacionismo (embora com o entendimento de que grupos fascistas estavam dispostos a realizar alianças temporárias com outros setores, mais comumente com a direita)"
  • "C. O estilo e a organização"
    • "Tentativa de mobilização de massas com a militarização das relações políticas e estilo e com o objetivo de uma milícia de massa de partido único"
    • "Ênfase na estrutura estética em encontros, símbolos e liturgia política, enfatizando aspectos emocionais e místicos"
    • "Estresse extremo no princípio masculino e na dominação masculina, enquanto defendendo uma visão fortemente orgânica da sociedade"
    • "Exaltação da juventude acima de outras fases da vida, enfatizando o conflito das gerações, pelo menos, para efetuar a transformação política inicial"
    • "Tendência específica em direção a um estilo autoritário, carismático e pessoal de comando, se o comando for, em certa medida, inicialmente eletivo"[34]

Paxton vê o fascismo como "uma forma de comportamento político marcado pela preocupação obsessiva com o declínio da comunidade, humilhação ou vitimização e pelo culto compensatório da unidade, energia e pureza, na qual um partido de massas de militantes nacionalistas comprometidos, trabalhando em inquieta, mas colaborativamente efetiva com as elites tradicionais, abandona as liberdades democráticas e persegue com violência redentora e sem restrições éticas ou legais de limpeza interna e expansão externa ".[35]

Uma definição comum de fascismo se concentra em três grupos de ideias:

  • As negações fascistas de anti-liberalismo, anti-comunismo e anti-conservadorismo.
  • Objetivos nacionalistas e autoritários para a criação de uma estrutura econômica regulada para transformar as relações sociais dentro de uma cultura moderna, auto-determinada.
  • Uma estética política usando simbolismo romântico, mobilização em massa, visão positiva da violência, promoção da masculinidade e da juventude e liderança carismática.[36] [37] [38]

Posição no espectro político[editar | editar código-fonte]

O fascismo é comumente descrito como "extrema-direita"[39] [40] embora alguns autores têm encontrado dificuldade em colocar o fascismo em um espectro político esquerda-direita convencional.[41] [42] [43] [44] [6] O fascismo foi influenciada pela esquerda e pela direita, conservadores e anti-conservadores, nacionais e supranacionais, racionais e anti-racionais.[32] Um número de historiadores têm considerado o fascismo ou como uma doutrina centrista revolucionária, ou uma doutrina que mistura filosofias da esquerda e da direita, ou como ambas as coisas,[44] [6] não existindo assim, um puro centro, indistinto e não adjetivado, nem uma pura posição extrema.[45]

O fascismo é considerado por alguns estudiosos como de extrema-direita por causa de seu conservadorismo social e meios autoritários de oposição ao igualitarismo.[46] [47] Roderick Stackleberg coloca o fascismo, incluindo o nazismo, que ele diz ser "uma variante radical do fascismo", do lado direito, explicando que "quanto mais a pessoa considerar a igualdade absoluta entre todos os povos para ser uma condição desejável, mais à esquerda vai estar no espectro ideológico. Quanto mais uma pessoa considera a desigualdade como inevitável ou mesmo desejável, o mais para a direita será ".[48]

O fascismo italiano gravitou para a direita no início de 1920.[49] [50] Um elemento importante do fascismo, que tem sido considerado como claramente de extrema-direita é o seu objetivo de promover o direito das pessoas alegadamente superiores terem dominação enquanto removendo elementos ditos inferiores da sociedade.[51]

Benito Mussolini em 1919 descreveu o fascismo como um movimento que atingiria "contra o atraso da direita e a destrutividade da esquerda".[52] Mais tarde, os fascistas italianos descreveram o fascismo como uma ideologia de extrema-direita em seu programa político A Doutrina do Fascismo, afirmando: "Somos livres para acreditar que este é o século da autoridade, um século tendendo para a 'direita', um século fascista ".[53] [54] No entanto, Mussolini esclareceu que a posição do fascismo no espectro político não era um problema sério para os fascistas e declarou que:

Fascismo, sentado à direita, também poderia ter sentado na montanha do centro... Estas palavras, de qualquer caso, não tem um significado fixo e imutável: eles têm um assunto variável em localização, tempo e espírito. Nós não damos a mínima para essas terminologias vazias e desprezamos aqueles que são aterrorizados por essas palavras.[55]

A posição de direita política no movimento fascista italiano no início de 1920 levou à criação de facções internas. A "esquerda fascista" incluiu Michele Bianchi, Giuseppe Bottai, Angelo Oliviero Olivetti, Sergio Panunzio e Edmondo Rossoni, que estavam comprometidos com o avanço do sindicalismo nacional como um substituto para o liberalismo parlamentar a fim de modernizar a economia e avançar os interesses dos trabalhadores e do povo.[56]

A "direita fascista" incluiu membros do paramilitar Squadristi e ex-membros da Associazione Nazionalista Italiana (ANI).[56] Os squadristi queriam estabelecer o fascismo como uma ditadura completa, enquanto os ex-membros ANI, incluindo Alfredo Rocco, procuravam um estado corporativista autoritário para substituir o Estado liberal na Itália, mantendo as elites existentes. No entanto, após acomodar a direita político, surgiu um grupo de fascistas monarquistas, que procuraram usar o fascismo para criar uma monarquia absoluta sob o rei Vítor Emanuel III da Itália.[56]

Depois que Vítor Emanuel III forçou Mussolini a renunciar como chefe de governo e o colocou na prisão, em 1943, Mussolini foi resgatado por forças alemãs e então passou a depender da Alemanha para ter apoio. Mussolini e os demais fascistas leais fundaram a República Social Italiana, com Mussolini como chefe de Estado. Mussolini procurou radicalizar o fascismo italiano, declarando que o Estado fascista havia sido derrubado porque o fascismo italiano tinha sido subvertido pelos conservadores e a burguesia italianos. Em seguida, o novo governo fascista propôs a criação de conselhos de trabalhadores e participação nos lucros da indústria, no entanto as autoridades alemães que efetivamente controlavam o norte da Itália, neste ponto, ignorou estas medidas e não procurou aplicá-las.[57]

Uma série de movimentos fascistas descreveram-se como um "terceira posição" fora do espectro político tradicional[58] O líder falangista espanhol José António Primo de Rivera disse: ". Basicamente, a direita significa a manutenção de uma estrutura econômica, ainda que uma injusta, enquanto a esquerda tenta subverter essa estrutura econômica, embora a subversão da mesma implicaria a destruição de muita coisa que vale a pena".[59]

História[editar | editar código-fonte]

Fin de siècle a fusão do maurrasismo com sorelianismo (1880–1914)[editar | editar código-fonte]

As raízes ideológicas do fascismo foram traçados em 1880, e em particular o tema do fin de siècle da época.[60] [61] O tema foi baseado na revolta contra o materialismo, o racionalismo, o positivismo, a sociedade burguesa e a democracia.[62] a geração do fin-de-siècle apoiou o emocionalismo, o irracionalismo, o subjetivismo e o vitalismo.[63] A mentalidade do fin-de-siècle viu a civilização como em crise e que exigia uma solução massiva e total; as escolas intelectuais do fin-de-siècle considerava o indivíduo como apenas uma parte da colectividade maior, o que não deveria ser visto como uma soma numérica atomizada de indivíduos eles condenaram o individualismo racionalista da sociedade liberal e a dissolução dos laços sociais na sociedade burguesa.[62]

O ponto de vista do fin-de-siècle foi influenciado por vários desenvolvimentos intelectuais, como a biologia de Darwin biology; a estética de Wagner; o racialismo de Arthur de Gobineau; a psicologia de Gustave Le Bon; e filosofias de Friedrich Nietzsche, Fyodor Dostoyevsky e Henri Bergson.[64] O darwinismo social, que ganhou ampla aceitação, não fazia distinção entre a vida física e social, visto a condição humana como sendo uma luta incessante para atingir a sobrevivência do mais apto.[64] O darwinismo social desafiou alegação de escolha deliberada e racional do positivismo como o comportamento determinante dos seres humanos, o darwinismo social concentrou-se em hereditariedade, raça e meio ambiente[64] e a ênfase na identidade do biogrupo e o papel das relações orgânicas dentro das sociedades promoveram legitimidade e apelo para o nacionalismo.[65] Novas teorias da psicologia social e política também rejeitaram a noção de comportamento humano de ser governado por escolha racional, e, em vez alegou que a emoção era mais influente em questões políticas do que a razão.[64] O argumento de Nietzsche de que "Deus está morto" coincidiu com o ataque à "mentalidade de rebanho" do cristianismo, a democracia e o coletivismo moderno, o seu conceito de übermensch e sua defesa da vontade de poder como um instinto primordial, tiveram grandes influências sobre muitos da geração fin-de-siècle.[66] A afirmação de Bergson da existência de um "élan vital" ou instinto vital centrava-se na livre escolha e rejeitou os processos do materialismo e do determinismo, isto desafiou o marxismo.[67]

Charles Maurras
Charles Maurras
Georges Sorel
Georges Sorel
Enrico Corradini
Enrico Corradini

Gaetano Mosca em sua obra A classe dominante (1896) desenvolveu a teoria que afirma que em todas as sociedades uma "minoria organizada" vai dominar e governar sobre a "maioria desorganizada".[68] [69] Mosca afirma que existem apenas duas classes na sociedade "o governo" (a minoria organizada) e os "governados" (a maioria desorganizada).[70] Ele afirma que a natureza organizada da minoria organizada a torna irresistível a qualquer indivíduo da maioria desorganizada.[70]

O conceito de propaganda da escritura do anarquista Mikhail Bakunin , salientou a importância da ação direta como o principal meio das políticas, incluindo a violência revolucionária, isso se tornou popular entre os fascistas que admirava o conceito e o adotaram como parte do fascismo.[71]

O francês nacionalista e reacionário monárquico Charles Maurras influenciou o fascismo.[72] Maurras promoveu o que chamou de "nacionalismo integral", apelando para a unidade orgânica de uma nação, Maurras insistiu que um poderoso monarca era um líder ideal de uma nação. Maurras desconfiava do que ele considerava a mistificação democrática da vontade popular que criaria um sujeito coletivo impessoal. Ele alegou que um poderoso monarca era um soberano personificada que poderia exercer a autoridade para unir as pessoas de uma nação. O "nacionalismo integral" de Maurras foi idealizado pelos fascistas, mas modificado para uma forma revolucionária modernizada.[72]

O revolucionário francês e sindicalista Georges Sorel promoveu a legitimidade da violência política em sua obra Reflexões sobre Violência (1908) e outras obras em que defendeu a ação sindicalista radical para alcançar uma revolução e derrubar o capitalismo e a burguesia através de greve geral.[73] Em Reflexões sobre Violência, Sorel enfatizou a necessidade por uma religião política revolucionária.[74] Além disso, em sua obra As ilusões do progresso, Sorel denunciou a democracia como reacionária, dizendo que "nada é mais aristocrático do que a democracia."[75] Em 1909, após o fracasso de uma greve geral sindicalista na França, Sorel e seus partidários deixaram a esquerda radical e foram para a direita radical, onde procuraram mesclar catolicismo militante e patriotismo francês, com seus pontos de vista - defendendo patriotas anti-republicanos cristão francês como ideais revolucionários.[76] Inicialmente Sorel tinha sido oficialmente um revisionista do marxismo, mas em 1910 anunciou o seu abandono da literatura socialista e afirmou, em 1914, usando um aforismo de Benedetto Croce que "o socialismo está morto" por causa da "decomposição do marxismo".[77] Maurras teve interesse em fundir seus ideais nacionalistas com o sindicalismo soreliano como um meio de enfrentar a democracia.[78] Maurras afirmou "um socialismo liberado do elemento democrático e cosmopolita se encaixa no nacionalismo como uma bela luva se encaixa uma bela mão."[79]

A fusão do nacionalismo Maurassiano com o sindicalismo de Sorel influenciou o radical e nacionalista italiano Enrico Corradini.[80] Corradini falou da necessidade de um movimento de sindicalismo nacional, liderado por aristocratas elitistas e anti-democratas que compartilhavam um compromisso sindicalista revolucionário para dirigir a ação e desejosos por lutar.[80] Corradini falou da Itália como uma "nação proletária" que precisava perseguir oimperialismo, a fim de desafiar a "plutocracia" francesa e britânica.[81] Pontos de vista de Corradini faziam parte de um conjunto mais amplo de percepções dentro da direita Associação Nacionalista Italiano (ANI), que alegou que o atraso econômico da Itália foi causado pela corrupção da sua classe política, o liberalismo e a divisão causada por um "socialismo ignóbil", a ANI manteve laços e influências entre os conservadores, os católicos e a comunidade empresarial.[81] Sindicalistas nacionais italianos realizaram um conjunto de princípios comuns: a rejeição de valores burgueses , a democracia, o liberalismo, o marxismo, o internacionalismo e o pacifismo, bem como a promoção de heroísmo, vitalismo e violência.[82] A ANI alegou que a democracia liberal não era mais compatível com o mundo moderno e defendeu um Estado forte e o imperialismo, afirmando que os seres humanos são naturalmente predatórios e que as nações estavam em uma luta constante, no qual apenas os mais fortes poderiam sobreviver.[83]

O futurismo foi ao mesmo tempo um movimento artístico-cultural e, inicialmente, um movimento político na Itália, liderado por Filippo Tommaso Marinetti, fundador do Manifesto futurista (1908), defendeu as causas do modernismo, a ação e a violência política como elementos necessários de política, enquanto denunciava o liberalismo e a política parlamentar. Marinetti rejeitou a democracia convencional com base na regra da maioria e igualitarismo, promovendo uma nova forma de democracia que descreveu em sua obra "A concepção futurista da democracia".[84]

O futurismo influenciou o fascismo em sua ênfase em reconhecer a natureza viril da ação violenta e a guerra como sendo necessidades da civilização moderna.[85] Marinetti promoveu a necessidade de treinamento físico aos jovens, dizendo que na educação masculina, a ginástica deve ter precedência sobre os livros, e defendia a segregação dos sexos sobre esta matéria, em que a sensibilidade feminina não deve entrar na educação de homens que Marinetti alegou devem ser "animados, belicosos, musculares e violentamente dinâmicos".[86]

Primeira Guerra Mundial e após (1914-1929)[editar | editar código-fonte]

Benito Mussolini em 1917, como soldado na Primeira Guerra Mundial.

Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial em agosto de 1914, a esquerda política italiana ficou gravemente dividida sobre sua posição a respeito da guerra. O Partido Socialista Italiano (PSI) se opôs à guerra por razões de internacionalismo, mas um número de sindicalistas revolucionários italianos apoiaram a intervenção contra a Alemanha e a Áustria-Hungria, alegando que os seus regimes reacionário precisavam ser derrotados para garantir o sucesso do socialismo.[87] Corradini apresentou a mesma necessidade para a Itália como uma "nação proletária" de derrotar a Alemanha reacionária de uma perspectiva nacionalista.[88] As origens do fascismo italiano resultou dessa divisão, primeiro com Angelo Oliviero Olivetti formando um pró-intervencionismo fasci chamado Fasci d'Azione Internazionalista em outubro de 1914.[87] Benito Mussolini após ser expulso de sua posição como editor-chefe do jornal Avanti! do PSI por sua postura pró-Entente, aderiu à causa intervencionista em um fasci separado.[89] O termo "fascismo" foi usado pela primeira vez em 1915 por membros do movimento de Mussolini, o Fasci d'Azione Rivoluzionaria.[90]

Os fascistas viram a Primeira Guerra Mundial como uma forma para trazer mudanças revolucionárias na natureza da guerra, da sociedade, do Estado e da tecnologia, como o advento da guerra total e da mobilização em massa havia quebrado a distinção entre civis e combatentes, assim como civis tiveram um papel crítico na produção econômica para o esforço de guerra e, assim, surgiu uma "cidadania militar", no qual todos os cidadãos estavam envolvidos com os militares, de alguma maneira durante a guerra.[5] [91] A Primeira Guerra Mundial resultou na ascensão de um Estado forte, capaz de mobilizar milhões de pessoas para servir na linha de frente, ou proporcionar a produção econômica e de logística para apoiar aqueles na linha de frente, bem como tendo autoridade precedente para intervir na vida dos cidadãos .[5] [91] Os fascistas viram o desenvolvimentos tecnológico do armamento e a mobilização total do estado de sua população na guerra como simbolizando o início de uma nova era de fusão do poder do Estado com a massa política, a tecnologia e particularmente o mito da mobilização que sustentavam havia triunfado sobre o mito do progresso e da era do liberalismo.[5]

Um grande evento que muito influenciou o desenvolvimento do fascismo foi a Revolução de Outubro de 1917, em que bolcheviques comunistas liderados por Vladimir Lenin tomaram o poder na Rússia. Em 1917, Mussolini como líder da Fasci d'Azione Rivoluzionaria elogiou a Revolução de Outubro, no entanto Mussolini tornou-se menos impressionado com Lenin, ao considerá-lo como apenas uma nova versão do czar Nicolau II.[92] Depois da Primeira Guerra, os fascistas comumente fizeram campanhas com agendas anti-marxistas,[93] no entanto, tanto o bolchevismo e o fascismo mantiveram semelhanças ideológicas: ambos defendiam uma ideologia revolucionária, ambos acreditavam na necessidade de uma elite de vanguarda, ambos têm desprezo pelos valores burgueses e ambos tinham ambições totalitárias.[93] Na prática, o fascismo e o bolchevismo comumente enfatizaram a ação revolucionária, as teorias de nação proletária, os estados de partido único e partidos-exércitos.[93] Com o antagonismo entre os marxistas anti-intervencionistas e fascistas pró-intervencionistas completos até o final da guerra, os dois lados se tornaram irreconciliáveis. Os fascistas se apresentavam como anti-marxistas e ao contrário dos marxistas.[94]

Moradores de Fiume animam a chegada de Gabriele d'Annunzio e seus nacionalistas camisas negras. D'Annunzio e o fascista Alceste De Ambris desenvolveram a quasi-fascista Regência Italiana de Carnaro, uma cidade-Estado em Fiume.

O evento seguinte a influenciar os fascistas na Itália foi o ataque a Fiume (atual Rijeka) pelo nacionalista italiano Gabriele d'Annunzio e da fundação da Carta de Carnaro em 1920.[95]

Com a década de 1920, a atividade grevista de militantes por parte dos trabalhadores industriais atingiu o seu auge na Itália, onde 1919 e 1920 ficaram conhecidos como os "Anos Vermelhos". Mussolini e os fascistas se aproveitaram da situação, aliando-se com empresas industriais e atacando os trabalhadores e camponeses em nome da preservação da ordem e da paz interna na Itália.[96]

Os fascistas identificaram seus principais adversários como uma maioria de socialistas de esquerda que se opunham a intervenção na Primeira Guerra Mundial. Os fascistas e a direita política italiana tinham em comum: o desprezo pelo marxismo, a consciência de descontentamento das classes e ambos acreditavam em um governo de elites; fascistas ajudaram a campanha anti-socialista se aliando a outros partidos e à conservadora direita em um esforço mútuo para destruir o Partido Socialista Italiano e organizações sindicais comprometidas com a identidade de classe acima da identidade nacional.[97]

Antes da acomodação do fascismo na direita política, o fascismo foi um pequeno movimento urbano italiano que tinha cerca de mil membros; depois de sua associação com a direita, o número de membros passou de 250.000 por volta de 1921.[96]

Aumento internacional do fascismo e a Segunda Guerra Mundial (1929-1945)[editar | editar código-fonte]

Benito Mussolini (esquerda) e Adolf Hitler (direita)

Os movimentos fascistas cresceram com força no resto da Europa. O fascista húngaro Gyula Gömbös subiu ao poder como primeiro-ministro da Hungria em 1932 e tentou consolidar seu Partido de Unidade Nacional em todo o país, ele criou a jornada de trabalho de oito horas/dia, uma semana de quarenta e oito horas de trabalho para a indústria e procurou consolidar uma economia corporativista e perseguiu reivindicações irredentistas nos vizinhos da Hungria.[98] O movimento fascista Guarda de Ferro da Romênia cresceram em apoio político a partir de 1933, ganhando representatividade no governo romeno e um membro da Guarda de Ferro romena assassinou o primeiro-ministro Ion Duca.[98] Em 6 de fevereiro de 1934, a França enfrentou a maior crise política interna desde o Caso Dreyfus, quando os fascistas do Mouvement Franciste e vários movimentos de extrema-direita se revoltaram em massa em Paris contra o governo francês, resultando em grande violência política.[99] Uma variedade de governos para-fascistas que emprestavam elementos do fascismo foram formados durante a Grande Depressão, incluindo os da Grécia, Lituânia, Polônia e Iugoslávia.[98]

Os movimentos fascistas chegaram ao poder de forma endógena (ou seja, sem imposição externa) em alguns países mas não em outros. Os diferentes níveis de desenvolvimento econômico e à consolidação de um regime político dentro de um sistema político são bons indicadores para isso: as democracias estáveis ​​e economicamente desenvolvidos, com uma identidade nacional consolidada, não tiveram movimentos fascista em potencial e de sucesso. Em contraste, a Alemanha e a Itália tiveram fraquezas nessas áreas: as unificações nacionais eram muito recentes (1870), as economias industrializadas estavam atrasadas ​​(em relação à Europa). A Itália era ainda um país relativamente atrasado. A Alemanha havia introduzido um desenvolvimento econômico e social marcadamente acelerado (cerca de 1914, às vésperas da Primeira Guerra Mundial) veio em condições particularmente duras através do Tratado de Versalhes, resultando em turbulência econômica séria durante todo o período entre guerras e um profundo ressentimento. No entanto, o triunfo do nazismo teve que esperar o pior da Grande Depressão depois da Quinta-feira Negra, 1929.[100]

Pós-Segunda Guerra Mundial (1945 - presente)[editar | editar código-fonte]

Na sequência da Segunda Guerra Mundial, a vitória dos Aliados sobre as potências do Eixo levaram ao colapso vários regimes fascistas na Europa. O Julgamento de Nuremberg condenou vários líderes nazistas por crimes contra a humanidade, envolvendo o Holocausto. No entanto, ainda permaneceram várias ideologias e governos que foram ideologicamente ligados ao fascismo.

O Estado de um partido só do falangista Francisco Franco na Espanha ficou oficialmente neutro durante a Segunda Guerra Mundial e sobreviveu ao colapso das Potências do Eixo. A ascensão de Franco ao poder tinha sido assistida diretamente pelos militares da Itália fascista e da Alemanha nazista durante a Guerra Civil Espanhola, e tinha levado voluntários a lutar ao lado da Alemanha nazista contra a União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial. Após a II Guerra Mundial e de um período de isolamento internacional, o regime de Franco normalizou as relações com as potências ocidentais durante a Guerra Fria, até a morte de Franco, em 1975, e a transformação da Espanha em uma democracia liberal.[carece de fontes?]

Em várias democracias europeias coincide com a presença de extrema direita ou personalidades com um passado nazista ou fascista ganharam posições políticas Kurt Waldheim para a presidência da Áustria (1996) ou a entrada no governo de Jörg Haider, do Freiheitliche Partei Österreichs (Partido Liberal de Austria, FPÖ), em 1999. Na Holanda Lijst Pim Fortuyn (Lista Pim Fortuyn, LPF) em 2002.[101] [102] o Movimento Popular Nacional Hrisi Avgi ("Aurora Dourada" em grego) estando atualmente no parlamento grego. O "Aurora Dourada" opõe-se à imigração e conquistou 18 dos 300 assentos no parlamento em junho de 2012.[103] [104] Nas eleições municipais de novembro de 2010, a Aurora Dourada obteve 5,3% dos votos em Atenas. Em alguns bairros o partido chegou a obter 20% dos votos.[105]

Outra ideologia fortemente influenciado pelo fascismo é o baathismo.[5] O baathismo é uma ideologia árabe revolucionária que busca a unificação de todas as terras afirmadas árabes em um único Estado árabe.[5] Zaki al-Arsuzi, um dos principais fundadores, foi fortemente influenciado e também solidário ao fascismo e ao nazismo.[106] Vários colaboradores mais próximos do ideólogo chave do baatismo, Michel Aflaq, admitiram que Aflaq tinha sido inspirado diretamente por certos teóricos fascistas e nazistas.[5]

O Iraque Baathista sob Saddam Hussein objetivou a limpeza étnica ou a liquidação das minorias, guerras expansionistas contra o Irã e Kuwait, e gradualmente substituiu o pan-arabismo por um nacionalismo iraquiano que enfatizava a conexão do Iraque às glórias dos antigos impérios da Mesopotâmia, incluindo a Babilônia.[107] Abertamente promoveu o sentimento anti-persa e anti-semita, como o endosso da obra de Khairallah Talfah O Partido Baath do Iraque Deus não deveria ter criado: os persas, os judeus e as moscas (1940), durante a Guerra Irã-Iraque, incluindo outros trabalhos alegando uma conspiração judaico-persa contra o Iraque que remontaria aos tempos antigos, quando Nabucodonosor II perseguiu os judeus na Babilônia, enquanto a Pérsia permitiu que os judeus da Babilônia tivessem refúgio em suas terras.[108] O historiador do fascismo Stanley Payne disse sobre o regime de Saddam Hussein: "Provavelmente nunca haverá uma reprodução do Terceiro Reich, mas Saddam Hussein chegou mais perto do que qualquer outro ditador desde 1945".[107]

Cristianismo e fascismo[editar | editar código-fonte]

Papa Pio XI na inauguração da radio Vaticano acompanhado do cardeal Pacelli, futuro papa Pio XII, em 1931.

Em 11 de fevereiro de 1929, Pietro Gaspari, Cardeal Secretário do Estado do Papa Pio XI e Mussolini, assinaram o Tratado de Latrão que colocava um fim na Questão Romana, a disputa de seis anos entre o papado e o reino da Itália.

O Tratado de Latrão de 1929 foi uma tentativa de acabar com um conflito que existia desde 1870-1871 entre o Estado italiano e a Igreja Católica Romana. Entre 1870 e 1929, os papas eram "prisioneiros do Vaticano", e eram opositores do "liberal" Estado italiano. A maioria dos políticos italianos eram abertamente anticlericais e procurou limitar o controle católico na educação e no casamento.[109]

Desde que Mussolini sabia ele não deveria atacar a Igreja Católica ou os seus apoiantes camponeses, ele posou como o "protetor" dos católicos italianos. Ele abriu negociações com o papado, em 1926, para curar a ferida entre a Igreja e o "poder usurpador", como oficiais da Igreja que se referiam ao Estado italiano. As negociações não foram fáceis, mas Mussolini logo mostrou que tinha vantagem quando proibiu a organização da juventude católica Exploratori cattolici. [110] A hierarquia da Igreja foi dividida entre "católicos sociais" que se oponham ao fascismo, e os conservadores e pragmáticos que aceitaram o governo de Mussolini como desejável. A maioria dos católicos italianos não eram antifascistas, pois o nacionalismo os empurrou contra o fascismo e muitos viram a questão como dos males o menor, Mussolini era preferível à anarquia ou ao marxismo.[111]

Achille Ratti, Cardeal Arcebispo de Milão, tornou-se o Papa Pio XI em 1922. Ele havia testemunhado a luta dos comunistas e dos anarco-sindicalistas na área industrial milanesa. Ele também testemunhou a ascensão do fascismo, já que Milão foi um dos principais centros de atividade fascista.[112] Os fascistas milaneses serviram como fura-greves, espancavam adversários políticos e envolviam-se em brigas de rua com os comunistas. Mesmo assim, Pio XI, aparentemente, estava convencido de que o fascismo era uma força menos destrutiva do que o comunismo e que Mussolini seria um líder responsável. [113] Depois de se tornar Papa, ele ativamente promoveu uma frente política unida contra a Esquerda, repreendendo o Partito Popolari que queria se aliar-se com socialistas e outros contra a rápida ascensão do partido fascista. Um pequeno número de líderes católicos - por exemplo, aqueles em torno da revisão jesuíta La Civilità Cattolica - clamou que o fascismo tinha efetivamente sintetizado os valores do Popolari, tornado-o redundante.[113]

Recentemente a relação da igreja católica com o fascismo italiano voltou a ser discutido após uma reportagem investigativa do jornal britânico The Guardian. A reportagem revela que por trás de uma estrutura de paraíso fiscal disfarçada de empresa, o portfólio internacional da Igreja foi construído ao longo dos anos, usando o dinheiro originalmente entregue por Mussolini em troca do reconhecimento papal do regime fascista italiano em 1929, o jornal cita como fonte das pesquisas, arquivos públicos antigos e históricos de empresas, que indicariam que o início dos investimentos da Igreja aconteceu depois de milhões recebidos do regime fascista em troca da independência do Estado do Vaticano - e do reconhecimento do governo do ditador. Após anos, o capital se multiplicou e teria chegado a €680 milhões, cerca de US$ 904 milhões.[114] [115] o Vaticano declarou que a reportagem como "um conjunto de notícias imprecisas ou infundadas, reunidas de forma tendenciosa e pouco rigorosa"[116] [117]

Regimes fascistas pelo mundo[editar | editar código-fonte]

A aparição do fascismo como uma força dominante é um fenômeno de apenas alguns anos que pode ser datado precisamente, ele começou em 1922/1923, com a emergência do Partido Nacional Fascista italiano liderado por Mussolini e terminou em 1945 com a derrota e morte de Mussolini e Hitler.[118] Além da Itália e Alemanha, registraram-se movimentos fascistas de destaque na Áustria, Bélgica, Grã-Bretanha, Finlândia, Hungria, Romênia, Espanha bem como na África do Sul e Brasil.[119]

Europa[editar | editar código-fonte]

Albânia[editar | editar código-fonte]

O Partido Fascista albanês (albanês: Partia Fashiste e Shqipërisë - pFSH) foi um movimento fascista, que detinha o poder nominal na Albânia em 1939, quando o país foi conquistado pela Itália, até 1943, quando a Itália se rendeu aos Aliados. Depois disso, a Albânia caiu sob ocupação alemã, e o pFSH foi substituído pela Guarda da Grande Albânia. Nunca foi um movimento de massas, com uma adesão relatada em 13.500, em maio de 1940, no entanto, durante o tempo do pFSH no poder, fez perceber a visão da Grande Albânia, expandindo as fronteiras da Albânia com o atual Épiro e com Kosovo. Após a queda do Terceiro Reich, a Albânia entrou em guerra civil. Os comunistas voltaram contra seu monarca, efetivamente ganhando o controle do país em 29 de novembro de 1944. A resistência limitada realizada por forças nacionalistas continuaram ambas na Albânia e em Kosovo, com o último deles relatou ter deixado de lutar em 1951, após as operações de apoio secreto britânico-americanas terem sido expostas pelo agente soviético Kim Philby.[120] [121]

Alemanha[editar | editar código-fonte]

Áustria[editar | editar código-fonte]

Bandeira da Vaterländische Front, Frente Patriótica

Uma coalizão de partidos de direita levou ao poder Engelbert Dollfuss em 1932. Seus principais defensores foram o tradicional Christlichsoziale Partei (Partido Social Cristão) e uma amálgama de movimentos extremistas como o paramilitar Heimwehr, aglomerados por Ernst Rüdiger, Stahremberg criou o Vaterländische Front (Frente Patriótica), de clara orientação fascista. Dollfuss dissolveu o parlamento por tempo indeterminado (março de 1933) e iniciou um regime autoritário que foi chamado Ständestaat. Em resposta ao aumento da atividade dos movimentos pró-nazistas, os defensores da anexação à Alemanha (Anschluss), proibiu a NSDAP e a SDAPÖ. Em julho do mesmo ano, foi assassinado por membros do partido nazista austríaco. Ele foi substituído por Kurt Schuschnigg, que continuou a se opor às pretensões de anexação. Em troca, Arthur Seyss-Inquart, seu ministro do Interior e vice-chanceler, exigiu a presença militar alemã terminando assim com a independência da Áustria.[122] [123] [124] [125]

Bulgária[editar | editar código-fonte]

A personalidade mais próxima do fascismo de direita na política búlgara foi Alexander Tsankov, que controlou um regime autoritário de grande violência repressiva desde o golpe de 1923-1934, quando foi retirado do poder pelo Zveno (Звено, um movimento ultraconservador com presença no exército e defensor do corporativismo), por sua vez derrubado em 1935 pelo rei Bóris III, que iniciou um governo pessoal autocrático assistido pelo primeiro-ministro Georgi Kyoseivanov.[126]

Espanha[editar | editar código-fonte]

Francisco Franco, o quasi-fascista Caudilho da Espanha de 1939 a 1975.

Durante a ditadura de Primo de Rivera, Ernesto Giménez Caballero ministro propaganda começou a transmitir a ideologia fascista. Admirador de Mussolini, tinha visitado a Itália em 1928.[127] O Estado de um partido só do falangista Francisco Franco na Espanha sobreviveu ao colapso das Potências do Eixo. A ascensão de Franco ao poder tinha sido assistida diretamente pelos militares da Itália fascista e da Alemanha nazista durante a Guerra Civil Espanhola, e tinha levado voluntários a lutar ao lado da Alemanha nazista contra a União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial. Após a II Guerra Mundial e de um período de isolamento internacional, o regime de Franco normalizou as relações com as potências ocidentais.

França[editar | editar código-fonte]

Holanda[editar | editar código-fonte]

O Nationaal-Socialistische Beweging em Nederland (Movimento Nacional Socialista na Holanda, a NSB) foi um partido político fascista, que se desenvolveu durante a década de 1930 e tornou-se o único partido legal durante a ocupação alemã na Segunda Guerra Mundial, período em que funcionou como um verdadeiro ramo do partido nazista. Seus fundadores foram Mussert Anton, que se tornou o líder, e Cornelis van Geelkerken. Ele baseou seu programa no fascismo italiano e o nazismo alemão.[128]

Hungria[editar | editar código-fonte]

Bandeira do Partido da Cruz Flechada

O Partido da Cruz Flechada foi um partido nacional socialista, fascista, pró-alemão e antissemita, semelhante ao Partido Nazista; era liderado por Ferenc Szálasi, que conduziu na Hungria a um governo conhecido como Governo de Unidade Nacional de 15 de outubro de 1944 a 28 de março de 1945. O partido foi fundado por Ferenc Szálasi em 1935 como Partido da Vontade Nacional.[129]

Romênia[editar | editar código-fonte]

Em 24 de julho de 1927 foi fundada a Legião do Arcanjo Miguel, uma organização anti-semita e nacionalista, cujos membros usavam camisas verdes. Os adeptos e membros do movimento foram chamados de Legion. Em março de 1930 Codreanu formou a Guarda de Ferro, um ramo paramilitar e político da Legião, esse nome passou a ser aplicada a todo o Legion. Seus membros usavam uniformes verdes (considerado um símbolo de rejuvenescimento para seus uniformes ganhou o apelido de "camisas-verdes"). O principal símbolo utilizado pela Guarda de Ferro foi um cruzamento triplo, representando grades da prisão.[130]

Suíça[editar | editar código-fonte]

A Frente Nacional (Frente Nacional Suíça) foi fundada em 1930, com uma ideologia de extrema-direita e anti-semita. O partido usou o modelo de democracia da direta para forçar um referendo para alterar a Constituição em 1935, mas foi derrotado e suas atividades diminuíram. O Nationale Bewegung der Schweiz (Movimento Nacional da Suíça) foi fundado em 1940 e atuou como um guarda-chuva das atividades alemãs no país.[131]

Ásia[editar | editar código-fonte]

Japão[editar | editar código-fonte]

A ideologia japonesa muitas vezes referida como nacionalista expansionista, militarista ou imperialista teve certa relação como fascismo, além dos fatos de que o Japão fez parte doEixo durante a Segunda Guerra Mundial e da ocupação japonesa de grandes territórios na Ásia, de alguma forma permite comparar com a dominação dos alemães e italianos na Europa. Na década de 20 e 30 existiu uma organização dentro do exército que procurou estabelecer um governo militar totalitário: a Kōdōha (Facção do Caminho Imperial) que embora nunca chegou a formar um partido político, interveio na política e ainda tentou tomar o poder através de fracassados golpes ​​entre 1934 e 1936.[132]

Modernamente, está em discussão se existiu de fato um modelo de fascismo japonês,[133] de acordo com Richard Torrance, na época da invasão japonesa na Manchúria em 1931, os termos fascismo e fascista estavam em circulação e era apoiados por um corpo de teorias políticas que pareciam corresponder às realidades sociais, políticas e culturais do Japão, para Tosaka Jun, em 1937 o debate sobre a existência do fascismo no Japão já tinha acabado, Tosaka descreveu o fascismo japonês como uma resposta às contradições do capitalismo, políticas inchadas, cultura e cotidiano, geralmente aceitas e experimentadas por uma grande faixa da sociedade.[134]

República da China[editar | editar código-fonte]

A Sociedade dos Camisas Azuis liderada por Chiang Kai-shek procurou implantar o fascismo na República da China.

Líbano[editar | editar código-fonte]

O Falanges, partido libanês, foi fundado em 1936 por Pierre Gemayel, seguindo os modelos italianos e espanhóis, entre os cristãos maronitas do Líbano. Seu lema é "Deus, Pátria e Família", sua ideologia foi nacionalista, mais particularmente fenicista (a idealização do passado fenício), depois de passar por várias divisões ainda hoje existe e a família Gemayel está na liderança.[135]

América Latina[editar | editar código-fonte]

Costa Rica[editar | editar código-fonte]

A partir dos anos trinta foi desenvolvido na Costa Rica um movimento de partidários do nazismo alemão. Havia simpatizantes nazistas em posições políticas funcionários nas administrações de León Cortés Castro e Rafael Angel Calderón Guardia.[136]

Chile[editar | editar código-fonte]

No Chile, Jorge González von Marées foi o principal líder do Movimento Nacional Chile (MNS) e foi eleito deputado 1937-1945. Inicialmente os membros do MSN entraram em confronto com membros da oposição correntes políticas, tanto liberais e grupos marxistas em 1933 criou os "nazistas de tropas de assalto". O grupo conseguiu penetrar sindicatos também em grupos de classe média e alta, no Chile, tendo, em 1935, com mais de 20.000 membros e com presença significativa em federações de estudantes universitários. Em 1934, eles fundaram a revista Ação Chilena. O MNS tentou provocar um golpe para derrubar o presidente Alessandri. Em 5 de setembro de 1938, cerca de 60 jovens nazistas tomaram a sede da Universidade do Chile.[137]

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, Plínio Salgado fundou em 7 de outubro de 1932 a Ação Integralista Brasileira, influenciado pelo fascismo italiano[138] [139] . Porém o integralismo diverge, em pontos fundamentais, do fascismo e, sobretudo, do nacional-socialismo. Com efeito, a posição oficial do fascismo histórico era no sentido de que o Estado é um fim, encarnando a ética e criando todo o direito[140] , não aceitando, pois, a existência de direitos anteriores ao Estado, ao passo que o integralismo sempre proclamou que o Estado é um meio a serviço da pessoa humana e do bem comum[141] , do mesmo modo que sempre afirmou a existência dos "Direitos Naturais do Ente Humano", os quais antecedem o Estado, que, desta forma, não os cria, mas apenas reconhece[142] Getúlio Vargas, da mesma forma que Juan Domingo Perón na Argentina, tomou o poder de uma oligarquia e não de uma democracia falida e expandiu a participação política. Eles governaram em nações parcialmente formadas e tendo como objetivo unificar as populações e chefes locais em um Estado nacional, enquanto os ditadores fascistas governaram nações já estabelecidas obcecadas pela ameaça de sua unidade, poder e posição.[143]

Imigração Fascista para o Brasil após Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Como citado em reportagem, São Paulo, por ter muitos empresários simpatizantes ao movimento fascista italiano, dentre eles as familías: Matarazzo, Crespi, Morganti, Pinotti Gamba, Noschese, Pugliesi, Siciliano, Lunardelli. São Paulo acabou recebendo imigrantes fascistas após fim da segunda guerra mundial. Dos imigrantes vindos, destaca-se a família Pascolato (Pallavicini), o pai foi ministro de Mussolini. O Grupo Matarazzo foi um dos seus maiores elos para que essa família se firmasse no Brasil. Dos líderes Matarazzo que favoreceram esse cenàrio, destacam-se  os Condes Francisco Matarazzo Junior e os filhos do Conde Rodolfo Crespi, Adriano e Raul Crespi, representando Thales Leite.


Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.

Conceito atual[editar | editar código-fonte]

Neofascismo[editar | editar código-fonte]

O fascismo em sua forma mais tradicional reapareceu nas décadas de 80 e 90 do século XX sob os nomes de fascismo e movimento neonazista, que em suas forma mais marginais reproduz uma estética "retrô" e atitudes similares a violência juvenil. Como movimento político de presença institucional, surgiu na Itália após a Segunda Guerra Mundial, sob a forma do partido político Movimento Sociale Italiano (Movimento Social Italiano), que eventualmente buscaria uma forma mais acessível para o regime político democrático, sob o nome de Alleanza Nazionale e foi redefinido como pós-fascista, atingindo o governo italiano (Gianfranco Fini, sob a presidência de Silvio Berlusconi, 1994).[144] [145]

Desde o final do século XX, aumentaram as chances eleitorais dos partidos que baseiam sua propostas políticas em distintas ofertas de dureza contra a imigração e a favor de uma manutenção da personalidade nacional.

Além da Itália, em várias democracias europeias coincide com a presença de extrema direita ou personalidades com um passado nazista ou fascista têm chegado a causar inclusive problemas internacionais: como o caso do escândalo da chegada de Kurt Waldheim para a presidência da Áustria (1996) ou a entrada no governo de Jörg Haider, do Freiheitliche Partei Österreichs (Partido Liberal de Austria, FPÖ), em 1999, neste mesmo país. Na Holanda, um caso semelhante ocorreu com Lijst Pim Fortuyn (Lista Pim Fortuyn, LPF) em 2002. Na França, a inesperada posibilidade de que Jean-Marie Le Pen (Front National, Frente Nacional) pudesse chegar a presidência da República, reuniu votos de todo o espectro político de esquerda e de direita contra ele nas Eleições presidenciais da França de 2002.[146]

Fascismo de esquerda[editar | editar código-fonte]

O conceito, tal como utilizado originalmente por Jürgen Habermas, designava os movimentos terroristas de extrema esquerda dos anos sessenta.[147] Na década de 80, seu uso foi estendido para descrever pejorativamente a qualquer ideologia esquerdista (especialmente nos EUA).[148]

Fundamentalismos religiosos[editar | editar código-fonte]

O aparecimento do fundamentalismo islâmico no cenário internacional depois da Revolução Iraniana (1979), sua extensão a outras repúblicas islâmicas e o terrorismo internacional, revelaram a possibilidade de um totalitarismo religioso que emprega técnicas violentas comparável ao fascismo, sendo assim, tais movimentos têm sido qualificados pejorativamente pelo termo "Islamofascismo", embora tais movimentos ideológicos são muito distantes uns dos outros. Também é comum notar as semelhanças ao fascismo de movimentos chamado de fundamentalismo cristão, que em alguns casos têm vindo a chamar "cristofascismo".[149] [150]

Fascista como insulto[editar | editar código-fonte]

Símbolo do Antifascismo.

Após a derrota das Potências do Eixo na Segunda Guerra Mundial, o termo "fascista" tem sido usado como pejorativo,[151] muitas vezes referindo-se a grande variação de movimentos em todo o espectro político.[152] George Orwell escreveu em 1944 que "a palavra" fascismo "é quase inteiramente sem sentido... quase qualquer inglês aceitaria 'valentão' como sinônimo de 'fascista'".[152] Richard Griffiths argumentou em 2005 que o "fascismo" é a "a palavra mais usada e mais mal usada dos nossos tempos".[31] "Fascista" é às vezes aplicado a organizações do pós-guerra e formas de pensar que os acadêmicos mais comumente definem como " neofascista".[153]

Ao contrário do uso comum do termo pelo mainstream acadêmico e popular, os estados comunistas têm sido por vezes referido como "fascistas", tipicamente como um insulto. A interpretação marxista do termo, por exemplo, foram aplicadas em relação a Cuba sob Fidel Castro e ao Vietnã sob Ho Chi Minh.[154] Herbert Matthews, do New York Times perguntou: "Será que devemos agora colocar a Rússia stalinista na mesma categoria da Alemanha hitlerista? Devemos dizer que ela é fascista?"[155] J. Edgar Hoover escreveu extensivamente "fascismo vermelho". [156] Os marxistas chineses usaram o termo para denunciar a União Soviética durante a cisão sino-soviética e, também, os soviéticos usaram o termo para identificar os marxistas chineses.[157]

Referências

  1. Turner, Henry Ashby, Reappraisals of Fascism. New Viewpoints, 1975. p. 162. States fascism's "goals of radical and authoritarian nationalism". (em inglês)
  2. Larsen, Stein Ugelvik, Bernt Hagtvet and Jan Petter Myklebust, Who were the Fascists: Social Roots of European Fascism, p. 424, "organized form of integrative radical nationalist authoritarianism"
  3. Naomi Wolf (24). Fascist America, in 10 easy steps (HTML) (em Língua inglesa) The Guardian The Guardian. Visitado em 22 de julho de 2014. "In Mussolini's Italy, in Nazi Germany, in communist East Germany, in communist China - in every closed society - secret police spy on ordinary people and encourage neighbours to spy on neighbours. The Stasi needed to keep only a minority of East Germans under surveillance to convince a majority that they themselves were being watched."
  4. a b Grčić, Joseph. Ethics and Political Theory (Lanham, Maryland: University of America, Inc, 2000) p. 120
  5. a b c d e f g h Blamires, Cyprian, World Fascism: a Historical Encyclopedia, Volume 1 (Santa Barbara, California: ABC-CLIO, Inc., 2006) p. 140–141, 670.
  6. a b c Eatwell, Roger: "A 'Spectral-Syncretic Approach to Fascism', The Fascism Reader (Routledge, 2003) pp. 71–80 Books.google.com (em inglês)
  7. Griffin, Roger and Matthew Feldman, eds., Fascism: Fascism and Culture (London and New York: Routledge, 2004) p. 185.
  8. Stanley G. Payne. A History of Fascism, 1914–1945. Pp. 106.
  9. Jackson J. Spielvogel. Western Civilization. Wadsworth, Cengage Learning, 2012. P. 935.
  10. Cyprian P. Blamires. World Fascism: A Historical Encyclopedia, Volume 2. Santa Barbara, California, USA: ABC-CLIO, 2006. P. 331.
  11. a b "[Doutrina racial] Um elemento crucial da ideologia nazista mas não do fascismo italiano; consequentemente não fazendo parte do fascismo em geral."World Fascism: A Historical Encyclopedia. [S.l.]: ABC-CLIO, 2006. p. 551. ISBN 978-1-57607-940-9. Visitado em 16 J. (em inglês)
  12. Griffin, Roger. The Nature of Fascism (New York: St. Martins Press, 1991) pp. 222–223. (em inglês)
  13. "FROM PUBLIC TO PRIVATE:PRIVATIZATION IN 1920'S FASCIST ITALY". Página visitada em 4 de janeiro de 2014.
  14. "THE FIRST PRIVATIZATION: SELLING SOEs AND PRIVATIZING PUBLIC MONOPOLIES IN FASCIST ITALY (1922-1925)". Página visitada em 4 de janeiro de 2014.
  15. Frank Joseph. Mussolini's War: Fascist Italy's Military Struggles from Africa and Western Europe to the Mediterranean and Soviet Union 1935–45. West Midlands, England, UK: Helion & Company, 2010. Pp. 50. (em inglês)
  16. "O termo "fascismo" foi usado pela primeira vez para o regime totalitária nacionalista de direita de Mussolini na Itália (1922-1943);" Oxford Dictionary. Fascism. (em inglês)
  17. a b c Roger Griffin. The Nature of Fascism. New York, New York, USA: St. Martin's Press, 1991. Pp. 27. (em inglês)
  18. Aristotle A. Kallis. The fascism reader. New York, New York, USA: Routledge, 2003. Pp. 71 (em inglês)
  19. "(...)Essa é uma - porém apenas uma - das razões porque a definição frequente (e originalmente inspirada nos comunistas) de Hitler e do hitlerismo como "fascista é um erro" John Lukas. O Fim de uma Era. [S.l.]: Jorge Zahar, 2005. p. 156. ISBN 978-85-7110-851-6.
  20. "Se "de direita" simplesmente significar "conservador", a questão se o fascismo foi essencialmente de direita não está totalmente aberta nem fechada."The Routledge Companion to Fascism and the Far Right. [S.l.]: Taylor & Francis, 29 August 2002. p. 2. ISBN 978-0-203-99472-6. (em inglês)
  21. a b Antigüidade Clássica. [S.l.]: Jorge Zahar Editor Ltda. p. 120. ISBN 978-85-7110-458-7.
  22. Definition of FASCISM Merriam-Webster (April 27, 2013).(em inglês)
  23. Oklahoma Wesleyan University; Peter Johnston (12/abril/2013). The Rule of Law: Symbols of Power okwu.edu.
  24. New World, Websters. Webster's II New College Dictionary. [S.l.]: Houghton Mifflin Reference Books, 2005. ISBN 0-618-39601-2. (em inglês)
  25. Payne, Stanley. A History of Fascism, 1914–45. [S.l.]: University of Wisconsin Press, 1995. ISBN 0-299-14874-2. (em inglês)
  26. Dietrich Schwanitz. Cultura: tudo o que é preciso saber. [S.l.]: Leya, 2008. p. 65. ISBN 978-972-20-3410-4.
  27. Doordan, Dennis P. In the Shadow of the Fasces: Political Design in Fascist Italy. [S.l.]: The MIT Press, 1995. ISBN 0-299-14874-2. (em inglês)
  28. Parkins, Wendy. Fashioning the Body Politic: Dress, Gender, Citizenship. [S.l.]: Berg Publishers, 2002. ISBN 1-85973-587-8. (em inglês)
  29. Gregor, A. James. Phoenix: Fascism in Our Time. [S.l.]: Transaction Publishers, 2002. ISBN 0-7658-0855-2. (em inglês)
  30. Payne, Stanley G. Fascism, Comparison and Definition. [S.l.]: University of Wisconsin Press, 1983. ISBN 0-299-08064-1. (em inglês)
  31. a b Griffiths, Richard. An Intelligent Person's Guide to Fascism. [S.l.]: Duckworth. ISBN 0-7156-2918-2. (em inglês)
  32. a b Griffin, Roger: "The Palingenetic Core of Fascism", Che cos'è il fascismo? Interpretazioni e prospettive di ricerche, Ideazione editrice, Rome, 2003 AH.Brookes.ac.uk
  33. Payne, Stanley G. Título não preenchido. Favor adicionar. [S.l.]: University of Wisconsin Press, A History of Fascism, 1914–1945. 5–6 pp. (em inglês)
  34. a b c Stanley G. Payne. A History of Fascism, 1914–1945. University of Wisconsin Press, 1995. Pp. 7.
  35. Paxton, Robert. The Anatomy of Fascism. [S.l.]: Vintage Books. ISBN 1-4000-4094-9. (em inglês)
  36. Griffin, Roger and Matthew Feldman Fascism: Critical Concepts in Political Science pp. 420–421, 2004 Taylor and Francis. (em inglês)
  37. Kallis, Aristotle, ed. (2003). The Fascism Reader, London: Routledge, pages 84–85. (em inglês)
  38. Renton, David. Fascism: Theory and Practice, p. 21, London: Pluto Press, 1999. (em inglês)
  39. "O fascismo não seria mais que outro nome para indicar uma coisa muito conhecida: a extrema direita, as tentativas de restauração do Antigo Regime, a defesa da ordem estabelecida." René Rémond. O século XX: de 1914 aos nossos dias. [S.l.]: Cultrix, 2005. p. 92. ISBN 978-85-316-0349-5.
  40. Eatwell, Roger: "A Spectral-Syncretic Approach to Fascism", The Fascism Reader, Routledge, 2003, p 79. Books.Google.com
  41. "A presença de características autoritárias e de mobilização de massas não é suficiente para caracteriszar um regime como fascista, uma vez que esses traços estão presentes também em países comunistas."William Outhwaite, Tom Bottomore, E. Gellner, R. Nisbet, A. Touraine (eds.). Dicionário do pensamento social do século XX. [S.l.]: Zahar. p. 512. ISBN 978-85-378-0584-8.
  42. Turner, Stephen P., Käsler, Dirk: Sociology Responds to Fascism, Routledge. 2004, p. 222 (em inglês)
  43. Horst, Junginger, The Study of Religion Under the Impact of Fascism vol. 117 of Numen Book Series (BRILL, 2008) p. 273. (em inglês)
  44. a b Stackleberg, Rodney Hitler's Germany, Routeledge, 1999, pp. 3–5. (em inglês)
  45. Robert Srour. Poder, Cultura E Ética Nas Organizações, 3a Ed.. [S.l.]: Elsevier Brasil. p. 146. ISBN 978-85-352-5719-9.
  46. Davies, Peter; Derek Lynch. The Routledge companion to fascism and the far right. [S.l.]: Psychology Press, 2002. 126–127 pp. (em inglês)
  47. Zafirovski, Milan. Modern Free Society and Its Nemesis: Liberty Versus Conservatism in the New Millennium. [S.l.]: Lexington Books, 2008. 137–138 pp. (em inglês)
  48. Stackelberg, Roderick Hitler's Germany, Routledge, 1999, pp. 4–6
  49. Sternhell, Zeev, Mario Sznajder and Maia Ashéri, The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution (Princeton University Press, 1994) p. 161.
  50. Borsella, Cristogianni and Adolph Caso. Fascist Italy: A Concise Historical Narrative (Wellesley, Massachusetts: Branden Books, 2007) p. 76.
  51. Oliver H. Woshinsky. Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior. Oxon, England, UK; New York, New York, USA: Routledge, 2008.Pp. 156.
  52. Stanislao G. Pugliese. Fascism, anti-fascism, and the resistance in Italy: 1919 to the present. Oxford, England, UK: Rowman & Littlefield Publishers, Inc., 2004. 43–44. (em inglês)
  53. Schnapp, Jeffrey Thompson, Olivia E. Sears and Maria G. Stampino, A Primer of Italian Fascism (University of Nebraska Press, 2000) p. 57, "Somos livres para acreditar que este é o século da autoridade, um século tendendo para a 'direita', um século fascista," (em inglês)
  54. Benito Mussolini. Fascism: Doctrine and Institutions. (Rome, Italy: Ardita Publishers, 1935) p. 26.(em inglês)
  55. Mussolini quoted in: Gentile, Emilio. The origins of Fascist ideology, 1918–1925. Enigma Books, 2005. p. 205 (em inglês)
  56. a b c Payne, Stanley G. A History of Fascism, 1914–1945. (Oxon, England, UK: Routledge, 2001) p. 112. (em inglês)
  57. Terence Ball, Richard Bellamy. The Cambridge History of Twentieth-Century Political Thought. Pp. 133.
  58. Mosse, G: "Toward a General Theory of Fascism", Fascism, ed. Griffin (Routeledge) 2003 (em inglês)
  59. Neocleous, Mark, Fascism (Minneapolis: University of Minnesota Press, 1997) p. 54. (em inglês)
  60. Sternhell, Zeev, "Crisis of Fin-de-siècle Thought" in Griffin, Roger, ed., International Fascism: Theories, Causes and the New Consensus (London and New York, 1998) p. 169.
  61. Stanley G. Payne. A history of fascism, 1914–1945. Digital printing edition. Oxon, England, UK: Routledge, 1995, 2005. Pp. 23–24.
  62. a b Sternhell, Zeev, "Crisis of Fin-de-siècle Thought" in Griffin, Roger, ed., International Fascism: Theories, Causes and the New Consensus (London and New York, 1998) p. 170.
  63. Stanley G. Payne. A history of fascism, 1914–1945. Digital printing edition. Oxon, England, UK: Routledge, 1995, 2005. Pp. 24.
  64. a b c d Sternhell, Zeev, "Crisis of Fin-de-siècle Thought" in Griffin, Roger, ed., International Fascism: Theories, Causes and the New Consensus (London and New York, 1998) p. 171.
  65. Stanley G. Payne. A history of fascism, 1914–1945. Digital printing edition. Oxon, England, UK: Routledge, 1995, 2005. Pp. 29.
  66. Stanley G. Payne. A history of fascism, 1914–1945. Digital printing edition. Oxon, England, UK: Routledge, 1995, 2005. Pp. 24–25.
  67. Stanley G. Payne. A history of fascism, 1914–1945. Digital printing edition. Oxon, England, UK: Routledge, 1995, 2005. Pp. 25.
  68. William Outhwaite. The Blackwell dictionary of modern social thought. Wiley-Blackwell, 2006. Pp. 442.
  69. Tracy H. Koon. Believe, obey, fight: political socialization of youth in fascist Italy, 1922–1943. University of North Carolina Press, 1985. Pp. 6.
  70. a b Giuseppe Caforio. "Handbook of the sociology of the military", Handbooks of Sociology and Social Research. New York, New York, USA: Springer, 2006. Pp. 12.
  71. Stuart Joseph Woolf. European fascism. Weidenfeld and Nicolson, 1970. Pp. 282.
  72. a b David Carroll. French Literary Fascism: Nationalism, Anti-Semitism, and the Ideology of Culture. Pp. 92.
  73. Mark Antliff. Avant-garde fascism: the mobilization of myth, art, and culture in France, 1909–1939. Duke University Press, 2007. Pp. 75–81.
  74. Mark Antliff. Avant-garde fascism: the mobilization of myth, art, and culture in France, 1909–1939. Duke University Press, 2007. Pp. 81.
  75. Mark Antliff. Avant-garde fascism: the mobilization of myth, art, and culture in France, 1909–1939. Duke University Press, 2007. Pp. 77.
  76. Mark Antliff. Avant-garde fascism: the mobilization of myth, art, and culture in France, 1909–1939. Duke University Press, 2007. Pp. 82.
  77. Sternhell, Zeev, Mario Sznajder and Maia Ashéri, The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution (Princeton University Press, 1994) p. 78.
  78. Zeev Sternhell, Mario Sznajder, Maia Ashéri. The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution. Princeton, New Jersey, US: Princeton University Press, 1994. Pp. 82.
  79. Douglas R. Holmes. Integral Europe: fast-capitalism, multiculturalism, neofascism. Princeton, New Jersey, US: Princeton University Press, 2000. Pp. 60.
  80. a b Sternhell, Zeev, Mario Sznajder and Maia Ashéri, The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution (Princeton University Press, 1994) p. 163.
  81. a b Blinkhorn, Martin, Mussolini and Fascist Italy. 2nd ed. (New York: Routledge, 2003) p. 9.
  82. Sternhell, Zeev, Mario Sznajder and Maia Ashéri, The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution (Princeton University Press, 1994) p. 32.
  83. Gentile, Emilio, The Struggle for Modernity: Nationalism, Futurism, and Fascism (Westport, Connecticut: Praeger Publishers, 2003) p. 6.
  84. Andrew Hewitt. Fascist modernism: aesthetics, politics, and the avant-garde. Stanford, California, USA: Stanford University Press, 1993. Pp. 153. (em inglês)
  85. Gigliola Gori. Italian Fascism and the Female Body: Submissive Women and Strong Mothers. Oxfordshire, England, UK; New York, New York, USA: Routledge, 2004. Pp. 14. (em inglês)
  86. Gigliola Gori. Italian Fascism and the Female Body: Submissive Women and Strong Mothers. Oxfordshire, England, UK; New York, New York, USA: Routledge, 2004. Pp. 20–21. (em inglês)
  87. a b Zeev Sternhell, Mario Sznajder, Maia Ashéri. The birth of fascist ideology: from cultural rebellion to political revolution. Princeton University Press, 1994. p. 175.
  88. Zeev Sternhell, Mario Sznajder, Maia Ashéri. The birth of fascist ideology: from cultural rebellion to political revolution. Princeton University Press, 1994. pp. 173, 175.
  89. Zeev Sternhell, Mario Sznajder, Maia Ashéri. The birth of fascist ideology: from cultural rebellion to political revolution. Princeton University Press, 1994. p. 214.
  90. Paul O'Brien. Mussolini in the First World War: The Journalist, The Soldier, The Fascist. Pp. 52.
  91. a b Michael Mann. Fascists. Cambridge University Press, 2004. Pp. 65.
  92. Peter Neville. Mussolini. Oxon, England, UK; New York, New York, USA: Routledge, 2004. Pp. 36.
  93. a b c Blamires, Cyprian, World Fascism: a Historical Encyclopedia, Volume 1 (Santa Barbara, California: ABC-CLIO, Inc., 2006) p. 95–96. (em inglês)
  94. Zeev Sternhell, Mario Sznajder, Maia Ashéri. The birth of fascist ideology: from cultural rebellion to political revolution. Princeton University Press, 1994. p. 178.
  95. Zeev Sternhell, Mario Sznajder, Maia Ashéri. The birth of fascist ideology: from cultural rebellion to political revolution. Princeton University Press, 1994. p. 186.
  96. a b Cristogianni Borsella, Adolph Caso. Fascist Italy: A Concise Historical Narrative. Wellesley, Massachusetts, US: Branden Books, 2007. p. 73.
  97. Zeev Sternhell, Mario Sznajder, Maia Ashéri. The birth of fascist ideology: from cultural rebellion to political revolution. Princeton University Press, 1994. p. 189.
  98. a b c Stanley G. Payne. A history of fascism, 1914–1945. Digital Printing edition. Oxon, England, UK: Routledge, 2005
  99. Stuart Joseph Woolf. Fascism in Europe. 3rd Edition. Taylor & Francis, 1983. Pp. 311.
  100. Payne, Stanley G (1995) Historia del fascismo, Barcelona: Planeta. ISBN:84-08-01470-6 (em espanhol)
  101. FYI France Resource List: "The Front National", extensa recopilação de fontes de todo tipo sobre a Frente Nacional. International Commission of Historians (1993) The Waldheim Report Copenhagen: Museum Tusculanum, University of Copenhagen, 224 págs. ISBN 87-7289-206-4.
  102. Joerg Haider: The Rise of an Austrian Extreme Rightist, em ADL, atualizado a 9 de março de 2004.
  103. Imigração
  104. Parlamento grego suspende imunidade de 6 integrantes do Aurora Dourada
  105. http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,a-multiplicacao--de-cegos-mortos--e-extremistas-,869299,0.html Multiplicação]
  106. Curtis, Michel (1971). People and Politics in the Middle East. Transaction Publishers. ISBN 0-87855-500-5. Pp. 132–138.
  107. a b Stanley G. Payne. A history of fascism, 1914–1945. Digital printing edition. Oxon, England, UK: Routledge, 1995, 2005. Pp. 517.
  108. Arshin Adib-Moghaddam. The International Politics Of The Persian Gulf: A Cultural Genealogy. Oxon, England, UK; New York, New York, USA: Routledge, 2006. P. 36–37.
  109. John F. Pollard. The Vatican and Italian Fascism, 1929-32: A Study in Conflict. [S.l.]: Cambridge University Press, 17/no/2005. p. 15. ISBN 978-0-521-02366-5.
  110. Gaston Gaillard. La fin d'un temps: au seuil d'un nouvel âge. [S.l.]: Éditions Albert, 1932. (em francês)
  111. Thomas Bokenkotter. Church and Revolution. [S.l.]: Doubleday Religious Publishing Group, 19/maio/2010. p. 369. ISBN 978-0-307-87486-3.
  112. John Pollard. Unknown Pope: Benedict XV (1914-1922) and the Pursuit of Peace. [S.l.]: Continuum, 13/set/2000. p. 184. ISBN 978-0-567-49967-7. (em inglês)
  113. a b Religious Fundamentalism and Political Extremism. [S.l.]: Taylor & Francis, 25/mar/2004. p. 152. ISBN 978-0-203-01096-9. (em inglês)
  114. The Guardian, How the Vatican built a secret property empire using Mussolini's millions, 21/jan/2013 (em inglês)
  115. O Globo, Jornal diz que Vaticano construiu império com dinheiro de Mussolini, 22/01/2013
  116. L'Osservatore Romano, Não se deve maltratar a história, 1/fev/2013
  117. Revista Exame, Vaticano nega acordo com regime fascista italiano, 29/01/2013
  118. Stuart Joseph Woolf. Fascism in Europe. [S.l.]: Taylor & Francis, 1981. p. 19. ISBN 978-0-416-30240-0.
  119. William Outhwaite. Dicionário do pensamento social do século XX. [S.l.]: Jorge Zahar Editor, 1996. p. 300. ISBN 978-85-7110-345-0.
  120. Richard C. S. Trahair. Encyclopedia of Cold War Espionage, Spies, and Secret Operations. [S.l.]: Enigma Books. p. 10. ISBN 978-1-936274-26-0.
  121. Bernd Fischer King Zog and the Struggle for Stability in Albania, East European Monographs, Boulder, 1984; Jason Tomes The Throne of Zog: Monarchy in Albania 1928-1939, History Today, septiembre de 2001.
  122. Stephan Neuhäuser. Wir werden ganze Arbeit leisten... - Der austrofaschistische Staatsstreich 1934: Neue kritische Texte. [S.l.]: BoD – Books on Demand, 2004. ISBN 978-3-8334-0873-1. (em alemão)
  123. Austrofaschismus: Politik, Ökonomie, Kultur, 1933-1938. [S.l.]: LIT Verlag Münster, 2005. ISBN 978-3-8258-7712-5. Visitado em 9 July 2013. (em alemão)
  124. Hans Schafranek. Sommerfest mit Preisschiessen: die unbekannte Geschichte des NS-Putsches im Juli 1934. [S.l.]: Czernin Verlags GmbH, 2006. ISBN 978-3-7076-0081-0. (em alemão)
  125. Manfred Scheuch. Der Weg zum Heldenplatz: eine Geschichte der österreichischen Diktatur 1933-1938. [S.l.]: Kremayr & Scheriau, 2005. ISBN 978-3-218-00734-4. (em alemão)
  126. Marshall Lee Miller. Bulgaria during the Second World War. [S.l.]: Stanford University Press, 1975. ISBN 978-0-8047-0870-8. Visitado em 9 July 2013.
  127. Philip Rees Biographical Dictionary of the Extreme Right Since (Simon & Schuster, c1990, ISBN 0-13-089301-3)(
  128. Jong, Loe de (1956) German Fifth Column In the Second World War Routledge & Kegan Paul; Mussert, Anton en Current Biography 1941, pág. 621.
  129. Frucht, Richard C.. Eastern Europe: an Introduction to the People, Lands, and Culture. 376: ABC-CLIO, 2005. 928 pp. ISBN 1-57607-800-0.
  130. Kevin COOGAN: Dreamer of the Day: Francis Parker Yockey and the Postwar Fascist International Autonomedia, 1999, ISBN 1-57027-039-2
  131. S. U. Larsen, B. Hagtvet & J. P. Myklebust, Who Were the Fascists: Social Roots of European Fascism, Oslo, 1980; Philip Rees, Biographical Dictionary of the Extreme Right Since 1890; Alan Morris Scohm, 'A Survey of Nazi and Pro-Nazi Groups in Switzerland: 1930-1945'.
  132. Richard L. Sims. Japanese Political History Since the Meiji Renovation: 1868 - 2000. [S.l.]: C. Hurst & Co. Publishers, 2001. p. 193. ISBN 978-1-85065-452-0.
  133. Peter Duus and Daniel I. Okimoto, Comment: Fascism and the History of Pre-War Japan: The Failure of a Concept, The Journal of Asian Studies, Vol. 39, No. 1 (Nov., 1979), pp. 65-76 Publicado por: Association for Asian Studies
  134. Alan Tansman. The Culture of Japanese Fascism. [S.l.]: Duke University Press, 2010. p. 7. ISBN 978-0-8223-9070-1.
  135. http://www.socialdemocratic.org/kataeb/index.php?option=com_content&task=view&id=281&Itemid=1
  136. http://wvw.nacion.com/ancora/2008/junio/01/ancora1555833.html
  137. Young, George F.W. (1974). «Jorge González von Marées: Chief of Chilean Nacism». Jahrbuch für Geschichte von Staat, Wirtschaft und Gesellschaft Lateinamerikas (11).
  138. TRINDADE, Hélgio. Integralismo, o fascismo brasileiro na década de 1930. São Paulo: Difel, 1974.
  139. MAIO, Marcos Chor. Nem Rotschild nem Trotsky: o pensamento anti-semita de Gustavo Barroso. Rio Janeiro: Imago, 1992
  140. V. GENTILE, Giovanni. A Filosofia do Fascismo. Transcrito da obra Para a Compreensão do Fascismo, organizada por António José de Brito e publicada em 1999, pela editora Nova Arrancada, de Lisboa. Disponível em:http://forumpatria.com/debate-politico-e-ideologico/a-filosofia-do-fascismo-giovanni-gentile/. Acesso em 28 de setembro de 2011. Idem. Idee fondamentali. In Enciclopedia Italiana di Scienze, Lettere ed Arti. Vol. XIV. Milão: Treves-Treccani-Tumminelli, 1932-X, pp. 847-848. Este texto, não assinado e muitas vezes atribuído a Benito Mussolini, foi escrito a pedido deste por Giovanni Gentile (V. TURI, Gabriele. Giovanni Gentile: Una biografia. Florença: Giunti Editore, 1995, p. 426; GREGOR, A. James. Phoenix: Fascism in our time. 1ª ed., 4ª reimpr. New Brunswick: Transaction Books, 2009p. 940.).
  141. [2] V. SALGADO, Plínio. Madrugada do Espírito. 4ª ed. In Idem. Obras Completas. 2ª ed. Vol. VII. São Paulo: Editora das Américas, 1957, p. 443.
  142. V. SALGADO, Plínio. O que é o Integralismo. 4ª ed. In Idem. Obras Completas. 2ª ed. Vol. IX. São Paulo: Editora das Américas, 1959, p. 77.
  143. "É supreendente que apesar da turbulenta história de ditatura e autoritarismo vividos pela América Latina, os movimentos fascistas não se enraizaram por lá e mesmos os regimes que teve as armadilhas clássicas do fascismo como Vargas no Brasil e Perón na Argentina, não se encaixam nos modelos do fascismo." Walter Laqueur. Fascism, a Reader's Guide: http://books.google.com/books?id=2s8OaLD7y_oC&pg=PA255. [S.l.]: University of California Press, 1978. p. 255. ISBN 978-0-520-03642-0. Visitado em 2 July 2013.
  144. Roberto Chiarini: The ‘Movimento Sociale Italiano': A Historical Profile en Neo-Fascism in Europe; Betz, Radical Right Wing Populism in Western Europe, p 41 (em inglês)
  145. Stefano Marsiglia, Collettivo Malatempora. Fini. Una storia nera. 2004. ISBN 8884250404; Dalle catacombe al governo. Storia della classe dirigente di destra, en La storia siamo noi de Giovanni Minoli. (em italiano)
  146. FYI France Resource List: "The Front National", extensa recopilação de fontes de todo tipo sobre a Frente Nacional. International Commission of Historians (1993) The Waldheim Report Copenhagen: Museum Tusculanum, University of Copenhagen, 224 págs. ISBN 87-7289-206-4. Joerg Haider: The Rise of an Austrian Extreme Rightist, em ADL, atualizado a 9 de março de 2004. «Pim Fortuyn, la meteórica carrera de un político populista y xenófobo» Perfil aparecido en El Mundo tras su asesinato.«Cinco años sin Pim Fortuyn», de Bruce Bawer, em Libertad Digital, 21-07-2007. (em espanhol)
  147. R. A. Wallace y A. Wolf: Contemporary Sociological Theory: Continuing the Classical Tradition (pág. 116). 3a. edição, 1991. (A palavra composta alemã usada por Habermas foi Linksfaschismus). (em inglês)
  148. "Minha declaração discutirá uma doença infantil no contexto da vida política do Estados Unidos de 1980, uma doença tão profunda que é propriamente caracterizada pelo termo pós-Lenista de fascismo de esquerda." Irving Louis Horowitz. Winners and Losers: Social and Political Polarities in America. [S.l.]: Duke University Press, 1984. p. 209. ISBN 978-0-8223-0602-3. (em inglês)
  149. Dorothee Sölle. Beyond Mere Obedience. [S.l.]: Pilgrim Press, The/United Church Press, 1982. ISBN 978-0-8298-0488-1. (em inglês)
  150. "... de estabelecer uma superioridade moral duvidosa para justificar a violência organizada em grande escala, uma perversão do cristianismo chamada 'Christofascism'"The Theology of Dorothee Soelle. [S.l.]: Continuum, 10/set/2003. ISBN 978-1-56338-404-2. (em inglês)
  151. Gregor. Mussolini's Intellectuals: Fascist Social and Political Thought, Princeton University Press, 2005 ISBN 0-691-12009-9 p. 4 (em inglês)
  152. a b "George Orwell: 'What is Fascism?'", Orwell.ru, 8 de jan de 2008. (em inglês)
  153. Woolf, Stuart. Fascism in Europe. [S.l.]: Methuen, 1981. ISBN 978-0-416-30240-0. (em inglês)
  154. Roger Griffin, Matthew Feldman. Fascism: The nature of fascism. Routledge, 2004. p. 231. (em inglês)
  155. Matthews, Claudio. Fascism Is Not Dead ..., Nation's Business, 1946. (em inglês)
  156. Hoover, J. Edgar. Testimony before the House Un-American Activities Committee, 1947. (em inglês)
  157. Quarantotto, Claudio. Tutti Fascisti, 1976. (em italiano)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Eco, Umberto. In: Umberto Eco. Cinque scritti morali (em italiano). 1ª. ed. Itália: Saggi Bompiani, 1997. Capítulo IL FASCISMO ETERNO, seção 5ª. 118 pp. p. 58. 1 vols. vol. 1º. Visitado em 4 de março de 2014.
  • 1921 - Benito Mussolini - A Doutrina do Fascismo, Roma, 1921.
  • 1938 - Mihail Manoilesco - Le Siècle du Corporatisme, Paris, 1938.
  • 1962 - Ruggero Zangrandi - Il lungo viaggio atraverso il fascismo, Milão, 1962.
  • 1965 - Renzo De Felice - Italia giacobina
  • 1966 - Renzo De Felice - Mussolini il fascista I La conquista del potere 1921-1925.
  • 1969 - Renzo De Felice - Mussolini il fascista II L'organizzazione dello Stato fascista 1925-1929.
  • 1970 - Renzo De Felice - Il Fascismo: le interpretazioni dei contemporanei e degli storici.
  • 1974 - Renzo De Felice - Mussolini il duce I Gli anni del consenso 1929-1936.
  • 1975 - Renzo De Felice - Intervista sul fascismo, a cura di Michael Ledeen, Laterza.
  • 1995 - Stanley G. Payne - A History of Fascism, 1914-1945, Londres, UCL Press.
A Ideologia fascista
  • 1925 - Giovanni Gentile - Che Cosa è il Fascismo, Florença.
  • 1926 - Alfredo Rocco - "The Political Doctrine of Fascism", International Conciliation, Outubro.
  • 1927 - Giovanni Gentile - Origini e dottrina del fascismo, Roma. ed. 1929, 5-54 (em espanhol)
  • 1928 - Giovanni Gentile, Fascismo e cultura, Milão.
  • 1932 - Benito Mussolini - La dottrina del fascismo, Treves, Milão.
  • 1933 - G. A. Fanelli - Contro Gentile. Mistificazioni dell'idealismo attuale nela rivoluzione fascista, Roma.
  • 1962 - Carl J. Friedrich - "Power of Negation: Hegel's Dialectic and Totalitarian Ideology", A Hegel Symposium, Austin, TX, University of Texas, 13 ss
  • 1969 - Renzo De Felice - Le interpretazioni del fascismo, Laterza.
  • 1969 - A. James Gregor - The Ideology of Fascism. The Rationale of Totalitarianism, Nova Iorque, Free Press.
  • 1975 - Emilio Gentile - Le Origine dell'ideologia fascista, Bari, Laterza.
  • 1979 - A. James Gregor - Young Mussolini and the Intellectual Origins of Fascism, Berkeley, University of California Press.e
  • 1985 - Pier Giorgio Zunino - L'Ideologia del Fascismo, Bolonha, Il Mulino.
  • 1989 - Zeev Sternhell, Mario Sznajder e Maia Asheri - Naissance de l'idéologie fasciste, Arthéme Fayard (Nascimento da Ideologia Fascista, Venda Nova, Bertrand Editora, 1995).
  • 2002 - Aaron Gillette - Racial Theories in Fascist Italy, Londres, Routledge.
Interpretações e teorias acerca do Fascismo
  • 1922 - Julius Braunthal - "Der Putsch der Fascisten", Der Kampf, 15, 320-333.
  • 1923 - Giovanni Zibordi - "Critica socialista del fascismo", in Il fascismo e i partiti politici: Studi di scrittori di tutti partiti, Bolonha, 1-61.
  • 1923 - Gyula Šaš - Der Faschismus in Italien, Hamburgo.
  • 1923 - G. Sandomirsky - Fashizm, 2 vols., Moscovo.
  • 1923 - Luigi Salvatorelli - Nazionalfascismo.
  • 1923 - Francesco Nitti - Bolschewismus, Fascismus und Demokratie (versão italiana, Nova Iorque, 1924).
  • 1924 - Fritz Schotthöfer - Fascio: Sinn und Wirklichkeit des italienischen Fascismus.
  • 1925 - J. W. Mannhardt, Der Faschismus, Munique.
  • 1924 - Otto Bauer - "Das Gleichgewicht der Klassenkämpfe", Der Kampf, 17, 57-67.
  • 1926 - Luigi Sturzo - Italien und der Faschismus, Colónia.
  • 1928 - W. Y. Elliott - The Pragmatic Revolt in Politics, Nova Iorque, Macmillan Company.
  • 1930 - August Thalheimer - "Ueber den Faschismus", Gegen den Strom, números 2-4, Janeiro.
  • 1930 - José Ortega y Gasset - La rebelión de las masas (em espanhol).
  • 1933 - G. Lukács - Wie ist die faschistische Philosophie in Deutschland entstanden?, Budapest.
  • 1934 - R. Palm Dutt - Fascism and Social Revolution, Londres.
  • 1934 - Herbert Marcuse - The Struggle Against Liberalism in the Totalitarian View of the State.
  • 1935 - Fritz Sternberg - Der Faschismus an der Macht, Amesterdão.
  • 1936 - Daniel Guérin - Fascisme et grand capital, Paris.
  • 1936 - Emmanuel Mounier - "El mundo moderno contra la persona - Las civilizaciones fascistas", in Obras completas, I, 1931-1939, Salamanca, Ediciones Sígueme, 1992, 599-607.
  • 1937 - Leon Trotsky - The Class Nature of the Soviet State, Londres.
  • 1938 - H. Rauschning - Die Revolution des Nihilismus, Zurich.
  • 1938 - Eric Voegelin - Politische Religionen.
  • 1939 - Gioacchino Volpe - Storia del movimento fascista, Milão, 46-47.
  • 1939 - P. Drucker - The End of Economic Man, Nova Iorque.
  • 1939 - E. Vermeil - Doctrinaires de la révolution allemande, Paris.
  • 1940 - E. Lederer - The State of the Masses, Nova Iorque.
  • 1940 - Maurice H. Dobb - Political Economy and Capitalism. Some Essays in Economic Tradition, Londres, Routledge, 259 ss.
  • 1941 - W. M. McGovern - From Luther to Hitler: The History of Fascist-Nazi Political Philosophy, Nova Iorque.
  • 1941 - Friedrich Pollock - "State Capitalism: Its Possibilities and Limitations", Studies in Philosophy and Social Science 9, nº2.
  • 1941 - Friedrich Pollock - "Is National Socialism a New Order?", Studies in Philosophy and Social Science 9, nº 3.
  • 1941 - P. Viereck - Metapolitics: From the Romantics to Hitler, Boston.
  • 1944 - Franz Neumann - Behemoth: The Structure and Practice of National Socialism, 1933-1944, Nova Iorque, Oxford University Press.
  • 1950 - Theodor W. Adorno - The Autoritarian Personality, Nova Iorque, Harper.
  • 1950 - Max Horkheimer - The Lessons of Fascism. Tensions that Cause Wars, Urbana.
  • 1951 - Hannah Arendt - The Origins of Totalitarianism, Nova Iorque, Harcourt Brace and Co.
  • 1954 - G. Lukács - Die Zerstörung der Vernunft, Berlim.
  • 1956 - Carl J. Friedrich e Zbigniew Brzezinski - Dictatorship and Autocracy.
  • 1959 - W. Kornhauser - The Politics of Mass Society, Nova Iorque.
  • 1959 - D. M. Smith - Italy: A Modern History, Ann Arbor.
  • 1960 - Seymour M. Lipset - "Fascism - Left, Right and Center", in Political Man, Nova Iorque, capítulo 5.
  • 1963 - Ernst Nolte - Der Fascismus in seiner Epoche, Munique, R. Piper.
  • 1964 - G. L. Mosse - The Crisis of German Ideology: Intellectual Origins of the Third Reich, Nova Iorque.
  • 1964 - Eugen Weber - Varieties of Fascism, Nova Iorque.
  • 1965 - A. F. K. Organski - The Stages of Political Development, Nova Iorque.
  • 1966 - G. L. Mosse - Nazi Culture, Nova Iorque.
  • 1966 - H. Mommsen - Beamtentum in Dritten Reich, Stuttgart.
  • 1966 - Barrington Moore Jr. - Social Origins of Dictatorship and Democracy, Boston.
  • 1966 - D. Schoenbaum - Hitler’s Social Revolution, Nova Iorque.
  • 1967 - C. Seton-Watson - Italy from Liberalism to Fascism, 1870-1925, Londres, Methuen.
  • 1967 - Wolfgang Sauer - "National Socialism: Totalitarianism or Fascism?", American Historical Review, 73, 2, Dezembro, 404-422.
  • 1968 - H. Spiro - "Totalitarianism", International Encyclopedia of the Social Sciences, vol. 16, Nova Iorque.
  • 1968 - A. F. K. Organski - "Fascism and Modernization", in S. J. Woolf, ed., The Nature of Fascism, Londres, 19-41.
  • 1968 - H. Buchheim - Totalitarian Rule, Middletown, Conn.
  • 1968 - B. Seidel; S. Jenkner, eds. - Wege der Totalitarismusforschung, Darmstadt.
  • 1969 - E. Vermeil - Germany’s Three Reichs, Nova Iorque.
  • 1969 - Ludovico Garruccio (pseud.) - L’industrializzazione tra nazionalismo e rivoluzione.
  • 1970 - G. L. Mosse - Germans and Jews, Nova Iorque.
  • 1970 - Pierre Milza e Serge Berstein - L'Italie fasciste, Paris, A. Colin; revisto em Le fascisme italien, 1919-1945, Paris, Seuil, 1980.
  • 1970 - Augusto Del Noce - Il problema storico del fascismo, Florença, 11-46.
  • 1971 - M. Jänicke - Totalitäre Herrschaft: Anatomie eines politischen Begriffes, Berlim.
  • 1972 - H. Löffler - Macht und Konsens in den klassischen Staatsutopien: Erne Studie zur Ideengeschichte des Totalitarismus, Wärzburg.
  • 1972 - M. Greiffenhagen; R. Kühnl; J. B. Müller - Totalitarismus, Munique.
  • 1972 - Nikos Poulantzas- Fascisme et dictature, Paris.
  • 1972 - H. A. Turner Jr. - "Fascism and Modernization", World Politics, 24, 4 (Julho), 547-564
  • 1974 - James D. Forman - Fascism. The Meaning and Experience of Reactionary Revolution, Nova Iorque.
  • 1975 - G. L. Mosse - The Nationalization of the Masses, Nova Iorque.
  • 1975 - J.-F. Revel - La tentation totalitaire, Paris.
  • 1976 - P. Hüttenberger - "Nationalsozialistische Polykratie", Geschichte und Gesellschaft, 2, 4; 417-442.
  • 1976 - W. Schlangen - Die Totalitarismus-Theorie, Stuttgart.
  • 1979 - M. Curtis - Totalitarianism, New Brunswick, N. J..
  • 1980 - G. L. Mosse - Masses and Man, Nova Iorque.
  • 1980 - K. Löw, ed. - Totalitarismus und Faschismus, Munique.
  • 1980 - J. M. Rhodes - The Hitler Movement: A Modern Millenarian Revolution, Stanford.
  • 1981 - E. Menza, ed. - Totalitarianism Reconsidered, Nova Iorque.
  • 1981 - A. Perlmutter - Authoritarianism, New Haven.
  • 1982 - Zheliu Zhelev - Fashizmut (reed. in Social Science Monographs, Boulder, 1990)
  • 1982 - J.-J. Walter - Les machines totalitaires, Paris.
  • 1982 - D. Peukert - Volksgenossen und Gemeinschaftsfremde, Colónia.
  • 1983 - A. Glucksman - La force du vertige, Paris.
  • 1983 - J.-F. Revel - Comment les democraties finissent, Paris.
  • 1984 - Jeffrey Herf - Reactionary Modernism.
  • 1984 - G. Hermet; P. Hassner; J. Rupnik - Totalitarismes, Paris.
  • 1984 - Jürgen Habermas - The Theory of Communicative Action, Boston, Beacon.
  • 1985 - S. P. Soper - Totalitarianism: A Conceptual Approach, Lanham, Md..
  • 1988 - K. Löw - Totalitarismus, Berlim.
  • 1991 - Roger Griffin - The Nature of Fascism, Londres.
  • 2003 - João Bernardo - Labirintos do Fascismo. Na encruzilhada da Ordem e da Revolta. Porto: Afrontamento ISBN 972-36-0578-3
  • 2004 - Robert O. Paxton, The Anatomy of Fascism", Nova Iorque.
  • 2009 - Donald Sassoon, Mussolini e a ascensão do Fascismo, ISBN 85-220-0806-X
Os Fascismos (Fenómeno genérico e internacional)
  • 1964 - Eugen Weber - Varieties of Fascism: Doctrines of Revolution in the Twentieth Century. Ed. 1982.
  • 1969 - Pierre Milza - Fascismes et Idéologies réactionnaires en Europe, 1919-1945, Paris, A. Colin.
  • 1971 - A. Hamilton - The Appeal of Fascism. A Study of Intellectuals and Fascism, 1919-1945, Nova Iorque, Macmillan.
  • 1985 - Pierre Milza - Les fascismes, Paris, Imprimerie Nationale (Paris, Édition du Seuil, 1991).
O Fascismo (Fenómeno concreto)
  • 1979 - G. Allardyce - "What Fascism Is Not: Thoughts on the Definition of a Concept", American Historical Review, 84, 2 (Abril), 367-388.
  • 1981 - B. Martin - "Zur Tauglichkeit eines übergreifenden Faschismus-Begriff", Vierteljahrshefte für Zeitgeschichte, 1, 48-73.
  • 1980 - Mario Ambri - I falsi fascismi, Roma.
  • 1984 - M. Geyer - "The State in National Socialist Germany", in C. Bright e S. Harding, Statemaking and Social Movements, Ann Arbor, 193-232.
  • 2004 - Dimitris Michalopoulos, "La Roumanie et la Grèce dans la Seconde Guerre mondiale",Revue Roumaine d'Histoire, XLIII, Nos 1-4, 227-239.
Fascismo e Estados Unidos
Fascismo e Portugal
  • 1934 - António Ferro - Salazar, le Portugal et son Chef, Paris, 1934.
  • 1937 - Pedro Teotónio Pereira - A Batalha do Futuro, Lisboa, 1937.
  • 1938 - Marcello Caetano - O Sistema Corporativo, Lisboa, 1938.
  • 1938 - J. Teixeira Ribeiro - Princípio e Fins do Sistema Corporativo Português, Lisboa, 1938.
  • 1938 - A. Castro Fernandes - O Corporativismo Fascista, Lisboa, 1938.
  • 1969 - C. Rudel - Salazar, Paris, 1969.
  • 1976 - Manuel de Lucena - A evolução do sistema corporativo português, 2 volumes, Lisboa, Perspectivas e Realidade, 1976.
  • 1979 - Manuel de Lucena - "The Evolution of Portuguese Corporatism " in Lawrence S. Graham e Harry M. Makler, Contemporary Portugal: The Revolution and Its Antecedents, Austin, University of Texas, 1979, 48-62.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons

Ligações externas[editar | editar código-fonte]