Fator Melquisedeque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Fator Melquisedeque é designação dada a consciência universal da existência de um Deus único, entre as diversidades de expressões culturais e religiosas dos diferentes povos e civilizações ao longo da história.

O primeiro a utlizar o termo foi o teólogo Don Richardson, autor do livro de mesmo nome: "Fator Melquisedeque", que através de relatos antropológicos expõe um testemunho de Deus nas culturas através do mundo. Melquisedeque é uma alusão ao sacerdote "do Deus Altíssimo", considerado Rei de Salém, a qual haveria de se tornar na cidade sagrada de Jerusalém. Em um relato bíblico, esse sacerdote-rei, abençoa Abraão, "o pai da Fé", que o oferta a décima parte dos despojos de guerra ao qual estava retornando. A referência a esse personagem místico, aponta para a existência do culto monoteísta anterior às grandes religiões atuais.

Conceito aceito pela Teologia contemporânea, mais especificamente pela Missiologia, reconhece nos hábitos estranhos ao cristianismo, não como barreiras ao evangelismo, ou ao convívio social, mas como ponte entre visões diferentes de uma mesma verdade, denominada "substância católica", ou universal.[1]

Referências

  1. Santos, Jorge Pinheiro dos. A substância católica e o fator melquisedeque. Universidade Metodista de São Paulo (visitado em 29Dez08)

Referências Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  1. Richardson, Don - O Fator Melquisedeque – São Paulo, Ed. Vida Nova, 1986.

Ver também[editar | editar código-fonte]