Fatores de produção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Terra, trabalho e capital, os três recursos fundamentais.

Em economia, fatores de produção (também chamados de insumos), são cada um dos elementos (matéria-prima, equipamentos, capital, horas de trabalho, etc.) necessários para produzir mercadorias ou serviços.[1]

Fatores naturais, trabalho e capital[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente os economistas e particularmente desde Jean Baptiste Say, os fatores de produção têm sido apontados em todo o processo produtivo como sendo: a terra (terras cultiváveis, floresta, minas), trabalho (o homem) e o capital (máquinas, equipamentos, instalações, matéria-prima).[2]

Mas aqueles economistas, já incluíam no conceito económico de terra, não apenas o solo, o que era arável, mas todos os fatores naturais de produção. Assim, para além do solo, incluíam o subsolo, a capacidade energética do mar, os cursos de água, do vento, da luz solar, etc. Por esta razão, alguns autores preferem referir-se aos fatores naturais de produção, abrangendo nesta noção a terra, o solo e também outras forças naturais.

O homem tem de empregar trabalho, com maior ou menor esforço, para aproveitamento dos fatores naturais, ou seja, é necessário revolver a terra, semeando, plantando, fertilizando, colhendo, e também caçando, pescando, domesticando animais, etc. Deste modo, o trabalho insere-se entre os fatores produtivos.

Para melhor aproveitar a natureza, o homem, tem de construir instrumentos, que embora não lhe ofereçam satisfações diretas, irão a breve trecho, facilitar o aproveitamento. Os instrumentos usados para um melhor aproveitamento da natureza constituem o capital. Assim, também este capital, verdadeiramente fundamental, se inclui entre os fatores produtivos.[3]

Fatores da organização, das instituições sociais e dos riscos[editar | editar código-fonte]

Aos três fatores apontados: terra, trabalho e capital o economista inglês Alfred Marshall, acrescentou um fator que designou por organização.[3] A organização é uma realização social através da qual se agrupam meios variados para atingir os objetivos, podendo ser imaginados como insumos necessários para produzir o serviço ou o produto final.[4]

No princípio, não se mostraram os economistas muito favoráveis a admitir entre os fatores produtivos as instituições sociais. No entanto, é incontestável a importância destas instituições, tendo em conta que o nível moral das populações se reflete na produtividade do trabalho, na formação do capital e nos hábitos de consumo. Também, no domínio do risco e o domínio da incerteza a dificuldade em entender que estes são fatores produtivos, aos quais corresponderão, o prémio de seguro e o lucro, duas formas de remuneração bem particulares.[3]

Referências

  1. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Lisboa, 2005, Tomo IX, p. 3730
  2. Sandroni, Paulo, Novíssimo Dicionário de Economia, Editora Best Seller, 1999, "Fatores de produção", p. 235.
  3. a b c Martínez, Soares, Economia Política, 8ª ed., Coimbra:Almedina, 1998, pp 407-410 ISBN 972-40-1146-1
  4. Marques, Wagner Luiz, Recursos Humanos, 2ª ed., Brasil, p. 75

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Castañeda, José, Lecciones de Teoria Economica, 5ª reimpr., Madrid, 1982, pp.241-392.
  • Samuelson, Paul Anthony e Nordhaus, William, Economia, 12ª ed.,trad, port., Lisboa,1992, pp.126 e s.
  • Salozábal, José Maria, Curso de Economia, 4ª ed.,Bilbau, 1985, pp.77 e s., 197 e s.
  • Weber, Adolfo, Tratado de Economia Política, trad. esp., 4 vols., Barcelona, 1935-1941, II, pp. 9-20 e 61-72