Febre Q

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Febre Q
Coxiella burnetii, o agente causador
Classificação e recursos externos
CID-10 A78
CID-9 083.0
eMedicine med/1982 ped/1973
MeSH D011778
Star of life caution.svg Aviso médico

Febre Q é uma zoonose causada pela bactéria gram-negativa Coxiella burnetii. Seus reservatórios primários são bovinos, ovinos, caprinos, mas também podem infectar outros mamíferos, como gatos, cachorros e o homem.[1] A infecção é resultado da inalação de partículas contaminadas do ar e de contato com o muco vaginal, leite, fezes, urina ou sêmen de animais infectado. O período de incubação é 9 a 40 dias. É considerada a doença mais infecciosa no mundo, pois um ser humano pode ser infectado por uma única bactéria.

Causa[editar | editar código-fonte]

Imagem A: Raio X de um peito normal. Imagem B: pneumonia com febre Q

A doença ocorre em todos continentes e é causadas pela bactéria Coxiella burnetii, um cocobacilo gram-negativo, parasita obrigatório intracelular. Bovinos, ovelhas e cabras são os reservatórios primários, embora uma várias espécies possam ser infectadas. As bactérias são excretados no leite, urina e fezes de animais infectados. Durante a gestação atravessam em grande número para os fluidos amniótico e placenta. O organismo é extremamente resistente, resistindo ao calor, secura, sabões e muitos desinfectante podendo assim sobreviver durante longos períodos no ambiente.[2]

A infecção de seres humanos normalmente ocorre por inalação destes organismos pela poeira contaminada de material seco placentário, fluidos de nascimento e excrementos de animais infectados. Outros modos de transmissão mais incomuns incluem picadas de carrapatos, ingestão de leite ou produtos lácteos não pasteurizados. Transmissão humano-humano são muito improváveis, mas possíveis. Trabalhadores em contato direto com animais são muito susceptíveis à doença, pois menos de 10 organismos são suficientes para provocar a infecção, tornando a Coxiella burnetti um dos patógenos mais infecciosos do mundo.[3]

A inoculação experimental de C. burnetii em bovinos induziu não só desordens respiratórias e falhas cardíacas (miocardite), mas também abortos e cio irregular.[4]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

O período de incubação é de duas a três semanas. E geralmente é assintomática, sendo que seus possíveis sintomas incluem[5]  :

  • Febre alta (até 40oC);
  • Dor de cabeça;
  • Mal-estar geral;
  • Dores musculares;
  • Calafrios e / ou suores;
  • Tosse seca;
  • Náusea e Vômitos;
  • Diarreia;
  • Dor abdominal;
  • Dor no peito.

A Febre Q é uma causa reconhecida de abortos, natimortos e baixo peso ao nascer em ruminantes e animais de companhia. Casos de infeção por C. burnetii no gado são monitorados, vacinados e estudados por associação com pneumonia, doenças respiratórias, cardíacas e reprodutivas no Canadá, EUA, Chipre, França, Hungria, Japão, Suíça e Alemanha Ocidental. [6]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Entre 18 a 37% das pessoas que trabalham em contato direto com animais desenvolvem anti-corpos contra a Coxiella, mas quase todos os casos curam sem diagnóstico nem complicações. Surtos recentes foram identificados na Espanha, França, EUA, Iraque, Austrália e especialmente na Holanda com 3700 casos diagnosticados entre 2007 e 2010, associado ao leite de cabra não-pasteurizado.[7]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

A doxiciclina é o tratamento de primeira linha aos maiores de 8 anos e recomendada imediatamente quando há suspeita de febre Q pois, apesar da maioria dos pacientes melhorarem espontaneamente, é importante prevenir a progressão para doença crônica ou complicações, que são muito mais resistentes ao tratamento. Além disso, deve-se repor fluidos e podem-se usar antitussígenos, analgésicos e antipiréticos para aumentar o bem estar do paciente.[8]

Casos crônicos e endocardites são difíceis de tratar, recomendando-se combinar doxiciclina e hidroxicloroquina por 18 meses ou doxiciclina e fluorquinolona por 3 a 4 anos. Cirurgia pode ser necessária para tratar as complicações.[9]

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Estudos publicados provaram que o uso de uma vacina com base na fase intermediária da C. burnetii (COXEVAC) é útil no controle e prevenção de aborto (inicial ou tardio), anestro, estro (cio) silencioso, metrite e queda da produção de leite quando a C. burnetii é a principal causa desses problemas. [10]

Recomenda-se não consumir leite não-pasteurizado e usar roupas de proteção ao trabalhar com animais.

  1. Maurin M, Raoult D. (1999). "Q fever". Clin. Microbiol. Rev. 12 (4): 518-53. PMID 10515901.
  2. http://www.cdc.gov/qfever/
  3. http://emedicine.medscape.com/article/227156-overview#aw2aab6b2b4aa
  4. Plommet, M; Capponi, M; Gestin, J; Renoux, G (1973). "Fièvre Q expérimentale des bovins". Annales de recherches vétérinaires (in French) 4 (2): 325–346.
  5. http://www.cdc.gov/qfever/symptoms/index.html
  6. To, H; Sakai, R; Shirota, K; Kano, C; Abe, S; Sugimoto, T; Takehara, K; Morita, C; Takashima, I; Maruyama, T; Yamaguchi, T; Fukushi, H; Hirai, K (1998). "Coxiellosis in domestic and wild birds from Japan". Journal of wildlife diseases 34 (2): 310–6. doi:10.7589/0090-3558-34.2.310. PMID 9577778.
  7. http://emedicine.medscape.com/article/227156-overview#a0156
  8. http://emedicine.medscape.com/article/227156-treatment
  9. http://emedicine.medscape.com/article/227156-treatment#a1156
  10. Camuset, P; Remmy, D (2008). "Q Fever (Coxiella burnetii) Eradication in a Dairy Herd by Using Vaccination with a Phase 1 Vaccine". Budapest: XXV World Buiatrics Congress..