Fedayin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Fedayin (em árabe: فدائي, fidā'ī, plural فِدائيّون, fidā'īyūn, ou, em determinados contextos, فِدائيّين, fidā'īyīn, numa tradução livre cuja tradução pode ser "devoto", "mártir" ou "aquele que se redime pelo sacrifício"[1] [2] em arménio: Ֆէտայի; em hebraico: פַדַאיוּן) é um termo utilizado para descrever diversos grupos ou indivíduos militantes, na Armênia, no Irã e no mundo árabe, em diferentes momentos históricos. Embora originalmente fidā'īyīn seja o plural de fidā'ī, no Ocidente a palavra "fedayin" é usada indistintamente, tanto para designar um único indivíduo como um grupo, e eventualmente, pode ser encontrada a forma fida'is como plural de fidā'ī.

Segundo a tradição islâmica, o termo está ligado originalmente a seguidores de uma seita ou ordem mística ismailita criada por Ḥassan-i Ṣabbāḥ, o velho da montanha ou o sábio da montanha, que fundou um complexo estado teocrático na fortaleza de Alamūt, nos altos da Cordilheira Elbruz, ao sul do Mar Cáspio, no Irã. Por quase trezentos anos a seita esteve ativa na Síria e no Irã. Eram chamados, pejorativamente, hashishin ou "comedores de haxixe", palavra da qual deriva o termo "assassino". Alamūt foi destruída pelos mongóis, em 1256. Consta que os seguidores de Ḥassan-i Ṣabbāḥ - os nizaritas - realizavam atentados para eliminar seus adversários, notadamente muçulmanos sunitas e, em particular, os seljúcidas. Os fedayin, uma das categorias mais baixas dessa ordem, eram encarregados de executar esses atentados. [3]

Contemporaneamente, o uso do termo "fedayin" foi reintroduzido, aplicando-se com mais frequência aos militantes da guerrilha palestina contra a ocupação israelense.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Derivado da palavra فداء, que significa redenção, indica literalmente alguém que se redime arriscando ou sacrificando sua vida. Ver Scruton, Roger. The West and the rest: globalization and the terrorist threat. Continuum International Publishing Group, 2005. ISBN 0826485693, 9780826485694.
  2. Tony Rea e John Wright. The Arab-Israeli Conflict. [S.l.: s.n.], 1993. p. 43. ISBN 019917170X.
  3. DAFTARY,Farhad The Assassin Legends: Myths of the Isma'ilis. I. B. Tauris & Co. Ltd: London, 1994. O texto utiliza a forma fida'is.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]