Malásia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Federação da Malásia)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Malaysia
Federação da Malásia
Bandeira da Malásia
Brasão das armas
Bandeira Brasão de armas
Lema: "Bersekutu Bertambah Mutu"
"A unidade é a força"
Hino nacional: Negaraku
"Meu país"
Gentílico: malaio; malásio

Localização  Malásia

Localização da Malásia no mundo.
Capital Kuala Lumpur
Cidade mais populosa Kuala Lumpur
Língua oficial Malaio e inglês
Governo Monarquia eletiva constitucional
Democracia parlamentarista
 - Rei (Yang di-Pertuan Agong) Abdul Halim
 - Primeiro-ministro Najib Tun Razak
 - Vice-primeiro-ministro Muhyiddin Yassin
Independência do Reino Unido 
 - Federação Malaia 31 de agosto de 1957[1]  
 - Federação (com Sabá, Sarawak e Singapuraa ) 16 de setembro de 1963[2]  
 - Expulsão de Singapura 9 de Agosto de 1965 
Área  
 - Total 329.847 km² (66.º)
 - Água (%) 0,3
População  
 - Estimativa de fevereiro de 2008 27.730.000[3] hab. (43.º)
 - Censo 2000 24.821.286 hab. 
 - Densidade 83 hab./km² (110.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2007
 - Total US$ 357,9 bilhões (29.º)
 - Per capita US$ 14.400 (57.º)
IDH (2013) 0,773 (62.º) – elevado[4]
Gini (2002) 46,1
Moeda Ringgit (MYR)
Fuso horário MST (UTC+8)
 - Verão (DST) (UTC+8)
Cód. ISO MYS
Cód. Internet .my
Cód. telef. +60
Website governamental www.malaysia.gov.my

Mapa  Malásia

a  Singapura se tornou um país independente em 9 de agosto de 1965.[5]

A Malásia (em inglês: e malaio: Malaysia) é um país do Sudeste Asiático que compreende dois territórios distintos: a parte sul da península Malaia e ilhas adjacentes, e uma seção do norte da ilha de Bornéu. A península da Malásia confina a norte com a Tailândia, a leste com o mar da China Meridional, e a sul e a oeste com o estreito de Malaca, fazendo fronteiras marítimas com a Indonésia, a leste, sul e oeste, com Singapura a sul e com o Vietname a nordeste. A Malásia Insular limita a oeste e a norte com o mar da China Meridional, a norte com o Brunei, a leste com o mar de Sulu e a sul com a Indonésia, fazendo fronteira marítima com as Filipinas a norte e a leste. A capital do país é Kuala Lumpur.

A nação tem suas origens no Reino malaio presente na área, que, a partir do século XVIII, tornou-se sujeito ao Império Britânico. Os primeiros territórios britânicos eram conhecidos como os Estabelecimentos dos Estreitos, cuja criação foi seguida pelos reinos malaios se tornando protetorados britânicos. Os territórios na península da Malásia foram unificados pela primeira vez como a União Malaia em 1946, sendo reestruturada como a Federação Malaia em 1948, e alcançando a independência em 31 de agosto de 1957. A federação uniu-se com o Norte de Bornéu, Sarawak e Singapura em 16 de setembro de 1963, para dar ao novo país o nome de Malásia. Menos de dois anos depois, em 1965, Singapura foi expulso da federação.

O país é multiétnico e multicultural, o que desempenha um grande papel na política. A Constituição declara o Islã como a religião do Estado, ao mesmo tempo que visa proteger a liberdade de religião. O sistema de governo é muito semelhante ao modelo do sistema parlamentar de Westminster e o sistema legal é baseado na lei comum. O chefe de Estado é o rei, conhecido como o Yang di-Pertuan Agong. Ele é um monarca eleito entre os governantes hereditários dos nove estados malaios a cada cinco anos. O chefe de governo é o primeiro-ministro.

Desde a independência, a Malásia teve um dos melhores registros econômicos na Ásia, com uma economia crescendo em média 6,5% ao ano. A economia tem sido tradicionalmente alimentada por seus recursos naturais, mas está em expansão nos setores de ciência, turismo, comércio e turismo médico. Hoje, a Malásia tem uma economia de mercado recém-industrializada, ficando em terceiro lugar no Sudeste Asiático e sendo a 29ª maior economia no mundo. É membro fundador da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), da Cúpula do Leste Asiático e da Organização para a Cooperação Islâmica, e tornou-se membro da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, da Comunidade das Nações e do Movimento Não Alinhado.

História[editar | editar código-fonte]

Malaca foi uma colônia de Portugal a partir de 1511. Depois foi conquistada pela Holanda em 1641. Malaca foi tomada pelo Reino Unido em 1795. A Malásia desde 1824 foi uma colônia do Reino Unido, e, entre 1942 e 1945, durante a Segunda Guerra Mundial, foi ocupada pelo Japão. Em 1948 os britânicos formaram a Federação Malaia, que conseguiu a sua independência em 1957. A Malásia foi formada em 1963 quando as colônias britânicas de Sabah, Sarawak e Singapura entraram para a federação. Os primeiros anos do país foram marcados por esforços da Indonésia controlar a Malásia, reivindicações de Sabah pelas Filipinas e pela secessão de Singapura da federação em 1965. Nove dos 13 estados da Malásia têm um sultão ou um chefe de Estado hereditário; os restantes quatro têm governadores nomeados pelo rei. Em 1969 os conflitos raciais entre chineses e malaios levaram a tumultos e os partidos malaios perderam votos nas eleições que se seguiram. Continuam a existir restrições às liberdades individuais como a proibição de discussão em público. Apesar das consideráveis diferenças étnicas, a Malásia tem progredido com a criação da unidade nacional.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Campos de chá na Malásia.

A Malásia é um país localizado no sudeste asiático e é dividido basicamente em 2 grandes porções de terra, separadas pelo Mar do Sul da China. Uma é continental, limitada, ao norte, pela Tailândia e a sul por Singapura e a outra é insular, basicamente na ilha de Bornéu, tendo fronteiras com a Indonésia a leste e sul e com Brunei a norte.

O clima da Malásia é quente e úmido e caracterizado, como muitos países do sudeste asiático, por monções, ventos tropicais que se alternam durante as estações do ano.

O relevo malaio é formado de planícies e regiões montanhosas. Dois dos picos mais altos do sudeste asiático estão localizados na Malásia. Magníficas cavernas e cachoeiras podem ser encontradas nas suas montanhas. A rede hidrográfica não é muito densa, não possuindo, assim, nenhum rio de grande importância.

Aproximadamente 4/5 da vegetação do país é caracterizado por florestas tropicais. A Malásia apresenta um dos ecossistemas mais complexos e ricos do mundo: são 15,000 espécies de plantas e árvores, 600 espécies da pássaros e 210 espécies de mamíferos. O governo investiu uma grande quantia para impedir a devastação das florestas do país.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Kuala Lumpur, capital e maior cidade do país.

A Malásia é uma sociedade multicultural, com malaios, chineses e indianos a compartilhar o país. Os malaios são a maior comunidade, atingindo 60% da população. Falam malaio (Bahasa Melayu) e são em grande parte responsáveis pela orientação política do país. Os chineses formam cerca de um quarto da população. Falam os dialetos hokkien/fukien, cantonês, hakka e teochew e têm uma história de domínio dos negócios do país. Os indianos formam cerca de 10% da população. São na maioria tamiles e telagus hindus do sul da Índia, falando tamil, telugu, malayalam e algum hindi, e vivem principalmente nas grandes cidades da costa ocidental da península. Também existe uma comunidade sikh de razoável tamanho. O resto da população é composta por eurasiáticos, cambojanos, vietnamitas e tribos indígenas. A maioria dos eurasiáticos é cristã. Os eurasiáticos, de ascendência mestiça, portuguesa e malaia, falam um crioulo de base portuguesa chamado Papia Kristang. Outros eurasiáticos, de ascendência mestiça, malaia e espanhola, descendentes de emigrantes vindos das Filipinas, que vivem principalmente em Sabah, falam o único crioulo de base castelhana asiático, o Chavacano. Os cambojanos e os vietnamitas são principalmente budistas (os cambojanos da escola Theravada e os vietnamitas da escola Mahayana). O malaio é a língua oficial do país, mas o inglês é muito falado.

A maior tribo indígena em número são os Iban de Sarawak, cujo número sobe a mais de 600 000. Os Iban que ainda vivem em aldeias tradicionais na selva vivem em casas longas ao longo dos rios Rajang e Lupar e dos seus afluentes. Os Bidayuh (170 000) estão concentrados na parte sudoeste de Sarawak. A maior tribo indígena de Sabah é a dos Kadazan. São principalmente agricultores de subsistência cristãos. Os Orang Asli (140 000), ou povos aborígenes, incluem várias comunidades étnicas diferentes que vivem na Malásia Peninsular. Tradicionalmente caçadores-recoletores e agricultores nómadas, muitos foram sedentarizados e parcialmente absorvidos pela Malásia moderna. Apesar disso, continuam a ser o grupo mais pobre do país.


Religiões[editar | editar código-fonte]

A Constituição da Malásia garante a liberdade de religião, ao mesmo tempo que declara o Islã a religião do Estado.[6] De acordo com o Recenseamento da População e Habitação de 2010, etnia e crenças religiosas estão altamente correlacionados. Aproximadamente 61,3% da população é adepta do islamismo, 19,8% pratica o budismo, seguida do cristianismo (9,2%), do hinduísmo (6,3%) e do confucionismo, taoísmo e outras religiões tradicionais chinesas, com 1,3%. Cerca de 0,7% da população declararam não ter nenhuma filiação religiosa e 1,4% restante praticam outras religiões ou não responderam qualquer informação.[7] A escola de jurisprudência do islamismo sunita de Shafi é o ramo dominante do islamismo na Malásia.[8]

Ainda conforme a constituição malaia, nesta está definido estritamente o que é um "cidadão malaio", considerando-se aqueles que são muçulmanos, falam o idioma malaio regularmente, praticam costumes malaios e viveu ou tem antepassados ​​de Brunei, Malásia e Singapura.[9] As estatísticas do Censo de 2010 indicam que 83,6% da população de origem chinesa que vive no país identificam-se como budistas, com um número significativo de adeptos também do taoísmo (3,4%) e cristianismo (11,1%), juntamente com pequenas populações Hui-muçulmanos em algumas áreas, como Penang. A maioria da população de origem indiana residente na nação segue o hinduísmo (86,2%), com uma minoria significativa identificando-se como cristãos (6,0%) ou muçulmanos (4,1%). O cristianismo é a religião predominante da comunidade não-malaia (46,5%), com um adicional de 40,4% se identificando como muçulmanos.[7]

Os muçulmanos são obrigados a seguir as decisões dos tribunais Syariah em questões relacionadas com a sua religião. A competência dos tribunais Syariah se limita aos muçulmanos em questões como casamento, herança, divórcio, apostasia, conversão religiosa, custódia, entre outros. Não há outras infracções criminais ou civis sob a jurisdição dos tribunais da Syariah, que têm uma hierarquia semelhante aos tribunais civis. Apesar de ser os tribunais supremos da terra, os tribunais civis não interferem em assuntos relacionados com práticas islâmicas.[10]


Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A Malásia é um território federal dividido em treze estados e três territórios federais, separados em duas regiões distintas, a Malásia Peninsular e a Malásia Oriental, ao norte da ilha de Bornéu.

Singapura já fora um estado da Malásia, de sua fundação, em 16 de setembro de 1963 até 9 de agosto de 1965, data da separação destas, fazendo com que Singapura se tornasse um país.

Economia[editar | editar código-fonte]

Petronas Towers em Kuala Lumpur. O rápido crescimento econômico da Malásia é ilustrado pelas Petronas Towers, sede da Petronas, gigante petrolífera nacional.

É o maior produtor mundial de borracha, óleo de palma e estanho. Toda esta produção resultou da união da Malásia Ocidental (agora peninsular) com a Malásia Oriental (Saba e Sarawak, na ilha de Bornéu).

O sucesso econômico desde a sua independência deve-se ao desenvolvimento dos seus recursos naturais. Grande parte do interior era inacessível e ocupado por agricultores que praticavam uma agricultura itinerante através de queimadas. Saba e Sarawak exportam madeira. As terras para cultivo representam 14,9% do total do solo. No setor indústrial, merecem referência as produções de cimento, aparelhos eletrónicos e pneus. Os principais parceiros comerciais da Malásia são: Japão, Estados Unidos, Singapura e Alemanha.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. O Reino Unido Database Lei Estatuto: Federação da Lei de Independência Malásia 1957 (c. 60)
  2. Tratado das Nações Unidas Nr.10760: Acordo relativo à Malásia (pdf) Tratado Coleção das Nações Unidas Nações Unidas (julho 1963). Visitado em 2010-07-29.
  3. Population (5-9-2008) Department of Statistics Malaysia (5 de setembro de 2008). Visitado em 2008-09-20.
  4. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 2 de agosto de 2014.
  5. Nações Unidas, os Estados-Membros
  6. Malaysia - Religion (em inglês) Asian Studies Present - Windows on Asia. Visitado em 22 de outubro de 2014.
  7. a b Population Distribution and Basic Demographic Characteristics (em inglês) Department of Statistics (2010). Visitado em 22 de outubro de 2014.
  8. Chapter 1: Religious Affiliation (em inglês) Pew Research Religion & Public Life Project (9 de agosto de 2012). Visitado em 22 de outubro de 2014.
  9. World and Its Peoples: Malaysia, Philippines, Singapore, and Brunei. (em inglês) Marshall Cavendish Corporation (2008). Visitado em 22 de outubro de 2014.
  10. Mahathir, Marina (17 de agosto de 2010). Malaysia moving forward in matters of Islam and women (em inglês) Common Ground News Service. Visitado em 22 de outubro de 2014.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Malásia


Flag map of Malaysia.svg Malásia
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens