Felipe Aquino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
FelipeAquino em 2009

Felipe Rinaldo Queiroz de Aquino, mais conhecido como Prof. Felipe Aquino (Lorena, 25 de setembro de 1949) é um engenheiro mecânico, escritor, professor, apresentador e radialista brasileiro.[1] [ligação inativa]

É conhecido radialista e apresentador das emissoras católicas Rádio Canção Nova e TV Canção Nova. Divulga artigos e notícias no portal de internet dessas emissoras e também no site da Editora Cléofas, que publica seus livros e foi criada por sua esposa, Maria Zila. Estes órgãos de imprensa são ligados à Renovação Carismática Católica.

Leciona História da Igreja no Instituto de Teologia Bento XVI, da Diocese de Lorena.[carece de fontes?]

Escreve livros apologéticos católicos, abordando temas como namoro, casamento, família e espiritualidade. Os livros são divulgados em seus programas de rádio e televisão.

Doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e pelo ITA e mestre na mesma área pela UNIFEI, foi diretor geral da FAENQUIL durante 20 anos.[carece de fontes?]

Em 2012 o Papa Bento XVI concedeu-lhe o título de Cavaleiro de São Gregório Magno.[2]

É viúvo e pai de cinco filhos.[carece de fontes?]

Livro sobre a Inquisição[editar | editar código-fonte]

Felipe Aquino relativiza e minimiza as atrocidades contra os direitos humanos praticadas pela Santa inquisição. Com a aprovação da Igreja Católica (Imprimatur), consequentemente da Congregação para Doutrina da Fé, seu livro Para Entender a Inquisição afirma que:[3] [4]

Cquote1.svg O que desejamos é conhecer a verdade sobre a Inquisição. Quantas pessoas de fato a estudaram a fundo? Cquote2.svg
Páginas 11-12[4]
Cquote1.svg Como vimos, a História desmente que a Inquisição tenha sido vista pelo povo cristão como uma instituição sinistra, perseguidora e opressora do homem humilde, gerando nele o terror, a aversão à religião e o anticlericalismo. Os fatos históricos provam o contrário. Cquote2.svg
Página 289[4]
Cquote1.svg Num ambiente desse, onde a Igreja era apoiada pelo Estado e pelo povo, seria ingênuo imaginar que o povo cristão abdicasse da missão que Cristo lhe confiou de implantar na terra o seu Reino, e fechar os olhos às forças que a queriam destruir e implantar no mundo a heresia. Cquote2.svg
Página 39[4]

No livro Aquino afirma se basear nos documentos produzidos por um Simpósio Internacional sobre a Inquisição ocorrido no Vaticano em 1998, mas não menciona a historiografia sobre a atuação do Tribunal do Santo Ofício no Brasil.[nota 1]

O sítio de venda do livro[6] afirma que ele se baseia em "renomados historiadores", mas ao mesmo tempo nega os "círculos acadêmicos e literários". A maioria das referências bibliográficas utilizadas no livro são relacionadas à Igreja Católica e são omitidos os estudos históricos notórios sobre a presença da Inquisição portuguesa no Brasil.[nota 2]

Além disso, não há nenhuma menção no livro de algum dos condenados pela Inquisição no Brasil: António José da Silva, Branca Dias, Briolanja Fernandes, Filipa de Sousa, Isaac de Castro Tartas, João Corrêa Ximenes, José Corrêa Ximenes e Rosa Egipcíaca.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Apesar de listado na bibliografia do livro, Francisco Bethencourt[5] não é mencionado no corpo do texto.
  2. A Revista de História da Biblioteca Nacional de outubro de 2011 publicou vários artigos elaborados por historiadores especialistas em inquisição.[7]

Referências

  1. Perfil de Felipe Aquino Livraria virtual Edições Paulinas. Visitado em 20/12/2012.
  2. Vaticano concede título a professor Felipe Aquino Notícias Canção Nova (19 de julho de 2012). Visitado em 30 de outubro de 2014.
  3. Felipe Aquino (5 de maio de 2014). Qual a origem da inquisição? Editora Cléofas. Visitado em 29 de outubro de 2014.
  4. a b c d Aquino, Felipe Rinaldo Queiroz de Aquino. Para entender a inquisição. 7ª ed. Lorena: Editora Cléofas, 2012. 300 p. ISBN 978-85-88158-56-6 Página visitada em 16 de março de 2015.
  5. Bethencourt, Francisco. História das inquisições: Portugal, Espanha e Itália; séculos XV-XIX. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 1991.
  6. Livros>Estudo bíblico>LIVRO PARA ENTENDER A INQUISIÇÃO:Loja Virtual Canção Nova. Visitado em 30 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2015. "Nesse livro você poderá conhecer o que dizem os mais renomados historiadores modernos sobre esse polêmico assunto. A realidade é bem diferente do que se propaga em muitos círculos acadêmicos e literários."
  7. Revista de História da Biblioteca Nacional n. 73, outubro de 2011 (5 deJoão Corrêa Ximenesoutubro de 2011). Visitado em 30 de outubro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) apresentador(a) de televisão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.