Feminismo liberal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Feminismo liberal é uma forma individualista da teoria feminista, que se concentra principalmente na capacidade das mulheres de mostrar e manter sua igualdade através de suas próprias ações e escolhas. Feministas liberais argumentam que a sociedade tem a falsa crença de que as mulheres são, por natureza, menos intelectualmente e fisicamente capazes do que os homens; portanto, tende a discriminar as mulheres no âmbito acadêmico, no fórum e no mercado. Feministas liberais acreditam que "a subordinação feminina está enraizada em um conjunto de restrições habituais e legais que bloqueiam a chegada das mulheres ao sucesso no chamado mundo público", e elas trabalham duro para enfatizar a igualdade entre homens e mulheres através de uma reforma política e jurídica.[1]

Nos Estados Unidos, o feminismo liberal ficou quieto por quatro décadas depois de ganhar o voto em 1920. Na década de 1960, durante o movimento dos direitos civis, as feministas liberais traçaram paralelos entre a discriminação racial sistemática e discriminação sexual. [2] Grupos como o "National Organization for Women", o "National Women's Political Caucus", e o "Women's Equity Action League" foram todos criados na época para promover os direitos das mulheres. Nos EUA, esses grupos têm trabalhado para a ratificação da Emenda de Direitos Iguais ou "Constitutional Equity Amendment", na esperança de que ela irá assegurar que homens e mulheres sejam tratados como iguais sob as leis democráticas que também influenciam esferas importantes da vida das mulheres, incluindo a reprodução, trabalho e questões de igualdade salarial. Outras questões importantes para as feministas liberais incluem, mas não estão limitadas a direitos reprodutivos e ao aborto, o assédio sexual, votação, educação, uma compensação justa para o trabalho, a preços módicos, os cuidados de saúde a preços acessíveis, e trazer à luz a frequência da violência sexual e doméstica contra a mulher. [3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

References[editar | editar código-fonte]

  1. Tong, Rosemarie. 1989. Feminist Thought: A Comprehensive Introduction. Oxon, United Kingdom: Unwin Human Ltd. Chapter 1
  2. Tong, Rosemarie. 1989. Feminist Thought: A Comprehensive Introduction. Oxon, United Kingdom: Unwin Human Ltd. Chapter 1
  3. hooks, bell. "Feminist Theory: From Margin to Center" Cambridge, MA: South End Press 1984