Fernando II de Habsburgo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Fernando II
Sacro Imperador Romano-Germânico
Kaiser Ferdinand II. 1614.jpg
Fernando II
Governo
Reinado 1619- 1637
Antecessor Matias I
Sucessor Fernando III
Dinastia Habsburgo
Títulos Rei da Boêmia, Rei da Hungria
Vida
Nascimento 9 de julho de 1578
Graz
Morte 15 de fevereiro de 1637 (58 anos)
Viena

Fernando II de Habsburgo, (Graz, 9 de julho de 1578Viena, 15 de fevereiro de 1637) foi Sacro Imperador Romano-Germânico de 1619 a 1637.

A totalidade do seu reinado desenrolou-se durante a guerra dos Trinta Anos, conflito que ele contribuiu para deflagrar.

Outros títulos: Arquiduque da Áustria, (1617-1619 e novamente de 1620-1637), Duque da Estíria de 1590-1637 e rei da Hungria de 1618-1625. Conde do Tirol 1632-1637; Rei da Boémia 1617-1619 e de 1620-1637; Rei da Hungria e Croácia 1619-1619 e de 1621-1637. Foi ainda duque de Carniola, da Caríntia, landgrave da Alta e da Baixa Alsácia em 1619.

Sexto filho de Carlos II, arquiduque da Áustria, (1540-1590) e Maria Ana da Baviera (1551-1608). Em 1615, foi escolhido como sucessor do imperador Matias (que morreria em 1619) no reino eletivo da Hungria e Boêmia e como imperador, tendo os arquiduques mais velhos renunciado aos seus direitos, e depois de ter ele comprado os direitos de Filipe III prometendo-lhes a Alsácia. Os protestantes checos, entretanto, elegeram Frederico V, Eleitor Palatino do Reno, e a luta entre os rivais iniciou a Guerra dos Trinta Anos.

Teve educação rígida pelos jesuítas da Universidade de Ingolstadt, na Baviera.

Governo[editar | editar código-fonte]

Católico fervoroso, seu reconhecimento como rei da Boêmia e a supressão do protestantismo foram responsáveis pelos primeiros conflitos da Guerra dos 30 anos. Considerado o príncipe-modelo da Contrarreforma.

Apoiado pelo exército da Santa Liga católica e campeão da Contrarreforma em seus Estados, cujos nacionais tiveram que escolher entre a conversão e o exílio, e posteriormente no império, onde quis restabelecer a autoridade imperial derrotando o protestantismo e restabelecendo a unidade religiosa como católica.

Foi derrotado em Praga (Defenestração de Praga) e Frederico V, chefe da união protestante, foi eleito em seu lugar Rei da Boêmia em agosto 1619.

Os checos, esmagados na Montanha Branca, perderam suas liberdades e sofreram repressão severa. Em 8 de novembro de 1620 um exército de mercenários venceu os protestantes da Boêmia, revoltados contra o Imperador, que atentava a sua liberdade de consciência. O conde valão Jean de Tilly era comandante dos exércitos imperiais que liquidaram os adversários em apenas duas horas numa colina nos arredores de Praga, chamada Montanha Branca ou, em checo, Hila Bora. Após a batalha, o imperador exerceu feroz represália contra os súditos protestantes na Boêmia. Em 21 de junho de 1621, dezenas de insurgentes foram decapitados em Praga. Expulsa, a nobreza checa foi substituída por pequenos aristocratas católicos de sangue alemão. A universidade foi entregue aos jesuítas e a germanófilos. Uma nova constituição ligou a Boêmia aos demais Estados hereditários da família Habsburgo. Foi o final da autonomia do reino, de população majoritariamente eslava, encravado no coração do império germânico, onde teve sempre papel cultural e político importante. Mas foi também o início de uma guerra entre protestantes e católicos que se espalhou pelo norte da Alemanha e durou três dezenas de anos: a Guerra dos Trinta Anos. O resultado foi a diminuição da população da Alemanha, reduzida à metade, e a ruína por dois séculos do seu poder político.

As tropas do duque da Baviera, católico, ocuparam o Alto Palatinado de 1621-3. Fernando III atribuiu o Eleitorado do Palatinato ao duque da Baviera, Maximiliano, em 1623 e triunfou na Dinamarca (com seu general Albrecht von Wallenstein) de 1625 a 1629. A conselho de Wallenstein, tentou impor o Édito da Restituição, eleger seu filho como Rei dos Romanos. Fracassou, dada a resistência dos príncipes alemães (católicos e protestantes) apoiados por Richelieu.

A intervenção sueca, a diplomacia de Richelieu, a entrada da França e da Espanha na guerra, em 1635, transformaram a luta em conflito internacional. Fernando não pode terminar vitorioso e morreu sem ver o fim do conflito.

Casamento e posteridade[editar | editar código-fonte]

Em 23 de abril de 1600 casou-se com Maria Ana de Wittelsbach ou da Baviera (nascida em Munique em 8 de dezembro de 1574 e morta em 8 de março de 1616 em Graz), filha de Guilherme V o Pio Duque da Baviera. Tiveram sete filhos.

Casou em segundas núpcias em 4 de fevereiro de 1622 com Leonor Gonzaga (nascida em Mântua em 23 de setembro de 1598 e morta em 27 de junho de 1655 em Viena), filha de Vicente I Gonzaga, duque de Mântua, e de Leonor de Médicis, da casa da Toscana.

Filhos:

  1. Cristina (nascida e morta em 1601)
  2. Carlos (nascido e morto em 1603)
  3. João (nascido em 1605 e morto em 1619)
  4. Cecília Renata (nascida em Graz, 16 de julho de 1611 e morta em Vilnius em 24 de março de 1644). Rainha da Polônia, pois em 1637 casou com Vladislau IV Vasa(ou Wladyslaw), nascido em 1595 e morto em 1648, rei da Polônia; casou-se para obter apoio da Austria contra a Suécia. Enviuvando, ele ainda casou com Maria Luísa de Gonzaga.
  5. Leopoldo Guilherme (nascido em Graz 6 de janeiro de 1614 e morto em Viena em 20 de novembro de 1662), que foi Bispo de Passau, Bispo de Magdeburgo, de Bremen, de Estrasburgo e de Breslau. Sebastião de Rostock, de nascimento modesto, foi vigário-geral e administrador da diocese de Breslau durante seu bispado de 1565 a 1662 e o do arquiduque Carlos José (1663-64), pois nenhum deles viveu no território de Breslau, e os sucedeu como bispo.
  6. João Carlos (nascido em Graz, 1 de novembro de 1605 e morto em Graz, 26 de dezembro de 1619).
  7. Maria Ana (nascida em Graz em 13 de janeiro de 1610 e morta em Munique em 25 de setembro de 1665 ). Kurfurstin da Baviera pois casou em 1635 com Maximiliano I de Wittelsbach (?-1651) grande eleitor da Baviera.
  8. seu terceiro filho e sucessor, Fernando III (nasceu em Graz, 13 de julho de 1608 e morreu em Viena em 2 de abril de 1657).

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Matias I
Sacro Imperador Romano-Germânico
16191637
Sucedido por
Fernando III
Precedido por
Matias II
Rei da Hungria
16181637
Sucedido por
Fernando III


Ícone de esboço Este artigo sobre história da Alemanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.