Fernando II de Médici

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Fernando II de Medici
Grão-Duque da Toscana
Ferdinando II de Medici.jpg
Fernando II em vestes orientais
Governo
Consorte Vitória Della Rovere
Casa Real Casa Grã-Ducal da Toscana
Dinastia Médici
Vida
Nascimento 14 de Julho de 1610
Florença, Flag of the Grand Duchy of Tuscany (1562-1737).svg Grão-Ducado da Toscana
Morte 23 de maio de 1670 (59 anos)
Florença, Flag of the Grand Duchy of Tuscany (1562-1737).svg Grão-Ducado da Toscana
Filhos Cosme III de Médici, Grão-Duque da Toscana
Francisco Maria de Médici
Pai Cosme II de Médici
Mãe Maria Madalena de Áustria

Fernando II de Médici (14 de Julho de 1610 - 23 de Maio de 1670) foi o Grão-Duque da Toscana de 1621 a 1670. Era o filho mais velho de Cosme II de Médici e de Maria Madalena de Áustria. O seu governo de 49 anos foi marcado pelo fim das operações remanescentes do Banco Médici, e pelo início do longo declínio da economia Toscana.[carece de fontes?] Casou com Vitória Della Rovere, de quem teve dois filhos: Cosme III de Médici, Grão-Duque da Toscana, que lhe veio a suceder, e Francisco Maria de Médici, que veio a ser nomeado Governador de Siena e Cardeal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fernando era o filho mais velho de Cosme II de Médici, Grão-Duque da Toscana e de Maria Madalena de Áustria. Cosme II morreu quando ele tinha 10 anos de idade e, dado que ainda não atingira a maioridade legal, a sua mãe e a avó paterna, Cristina de Lorena, foram nomeadas para a regência que exerceram conjuntamente.[carece de fontes?] A Grã.Duquesa viúva Cristina colocou a Toscana na esfera de influência Papal. Quando atingiu os dezassete anos, Fernando embarcou numa viagem pela Europa. Um ano depois, a regência terminou dando-se início ao seu governo pessoal.[carece de fontes?] A Grã-Duquesa viúva Cristina actuava como o poder por detrás do trono até ao seu afastamento em 1636.

A primeira calamidade do reinado de Fernando II ocorreu em 1630, quando a peste varreu Florence eleminando 10% da população.[carece de fontes?] Ao contrário da nobreza toscana, Fernando e os seus irmãos permaneceram na cidade tentando aliviar o sofrimento geral.[carece de fontes?] Em 1634, a sua mãe e a sua avó negociaram o seu casamento com Vitória Della Rovere, neta do então Duque de Urbino. Juntos, tiveram dois filhos: Cosme, em 1642, e Francisco Maria, em 1660. Este último foi o fruto de uma breve reconciliação uma vez que, após o nascimento de Cosme, o casal afastara-se; Vitória surpreendeu Fernando na cama com um pagem, o Conde Bruto della Molera.[carece de fontes?]

Placa de 1627 no Istituto San Salvatore, em Florença com inscrição contendo os nomes de Fernando II e de sua mãe Maria Madalena

O Grão-Duque Fernando era obsecado pelas novas tecnologias, e tinha diversos higrómetros, barómetros, termómetros e telescópios instalados no Palácio Pitti.[carece de fontes?] Em 1657, Leopoldo de Médici, o irmão mais novo do Grão-Duque, fundou a Accademia del Cimento, criada para atrair cientistas de toda a Toscana para Florença, no sentido de beneficiarem dos estudos de cada um.[carece de fontes?]

A Toscana participou nas Guerras de Castro (foi a última vez que a Toscana dos Médici esteve envolvida num conflito bélico) infligindo uma derrota nas forças do Papa Urbano VIII em 1643.[carece de fontes?] O tesouro ficou de tal forma esgotado que quando os mercenários da Guerra de Castro foram pagos o estado nunca mais conseguiu pagar os juros das obrigações estatais. A taxa de juro foi diminuída em 0,75%.[carece de fontes?] A economia encontrava-se de tal forma decrépita que a troca directa impôs-se como forma de pagamento nas zonas rurais.[carece de fontes?]

Fernando morreu em 23 de Maio de 1670 de apoplexia e hidropisia. Foi sepultado na Basílica de São Lourenço, em Florença, a necrópole dos Médici.[carece de fontes?] Na altura da sua morte, a população do Grão-Ducado atingia os 730.594 almas.[carece de fontes?]

Descendência[editar | editar código-fonte]

  1. Cosme de Médici, Grão-Príncipe da Toscana (19 de Dezembro de 1639 - 21 de Dezembro de 1639) morto ainda no berço;
  2. filho sem nome (1640)
  3. Cosme III de Médici, Grão-Duque da Toscana (14 de Agosto de 1642 – 31 de Outubro de 1723) casou com Margarida Luísa de Orleães, com geração;
  4. Francisco Maria de Médici (12 de Novembro de 1660 – 3 de Fevereiro de 1711) casado com Leonor Luísa Gonzaga, sem geração.

Ascendência[editar | editar código-fonte]

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
16. Giovanni dalle Bande Nere
 
 
 
 
 
 
 
8. Cosme I de Médici
Grão-Duque da Toscana
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
17. Maria Salviati
 
 
 
 
 
 
 
4. Fernando I de Médici, Grão-Duque da Toscana
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
18. Pedro Álvarez de Toledo
 
 
 
 
 
 
 
9. Leonor de Toledo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
19. Maria Osorio Pimentel,
Marquesa de Villafranca del Bierzo
 
 
 
 
 
 
 
2. Cosme II de Médici
Grão-Duque da Toscana
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
20. Francisco I, Duque da Lorena
 
 
 
 
 
 
 
10. Carlos III da Lorena
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
21. Cristina da Dinamarca
 
 
 
 
 
 
 
5. Cristina de Lorena
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
22. Henrique II de França
 
 
 
 
 
 
 
11. Cláudia de Valois
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
23. Catarina de Médici
 
 
 
 
 
 
 
1. Fernando II de Médici
Grão-Duque da Toscana
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
24. Filipe I de Castela
 
 
 
 
 
 
 
12. Fernando I, Sacro Imperador Romano-Germânico
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
25. Joana de Castela
 
 
 
 
 
 
 
6. Carlos II de Áustria
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
26. Vladislau II da Boêmia e Hungria
 
 
 
 
 
 
 
13. Ana da Boêmia e Hungria
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
27. Ana de Foix
 
 
 
 
 
 
 
3. Maria Madalena de Áustria
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
28. Guilherme IV, Duque da Baviera
 
 
 
 
 
 
 
14. Alberto V da Baviera
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
29. Maria de Baden-Sponheim
 
 
 
 
 
 
 
7. Maria Ana da Baviera
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
30. Fernando I, Sacro Imperador Romano-Germânico (= 12)
 
 
 
 
 
 
 
15. Ana de Áustria
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
31. Ana da Boêmia e Hungria (= 13)
 
 
 
 
 
 

Títulos, tratamentos, honras e armas[editar | editar código-fonte]

Títulos e tratamentos[editar | editar código-fonte]

  • 14 de Julho de 1610 - 28 de Fevereiro de 1621: Sua Alteza o Grão-Príncipe da Toscana
  • 28 de Fevereiro de 1621 - 23 de Maio de 1670 Sua Alteza o Grão-Duque da Toscana

Honras[editar | editar código-fonte]

Bandiera del granducato di Toscana (1562-1737 ).png 28 de Fevereiro de 1621 - 23 de Maio de 1670: Grão-Mestre da Sagrada Ordem Militar de Santo Estevão, Papa e Mártir

Precedido por
Cosme II de Médici
Grão-Duque da Toscana
1621 - 1670
Coat of arms of the Grand Duchy of Tuscany (1562-1737).svg
Sucedido por
Cosme III de Médici

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Acton, Harold: The Last Medici, Macmillan, London, 1980, ISBN 0-333-29315-0
  • Strathern, Paul: The Medici: Godfathers of the Renaissance, Vintage books, London, 2003, ISBN 978-0-099-52297-3
  • Hale, J.R.: Florence and the Medici, Orion books, London, 1977, ISBN 1-84212-456-0
  • "Italian Dynasties" de Edward Burman, Butler & Tanner Limited, primeira edição 1989, ISBN 1-85336-005-8
  • "Dynasties of the World" de John E. Morby, Oxford University Press, primeira edição 1989, ISBN 0-19-860473-4