Fernando Tordo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fernando Tordo
Informação geral
Nome completo Fernando Travassos Tordo
Nascimento 29 de Março de 1948 (66 anos)
Local de nascimento Lisboa
País  Portugal
Género(s) música popular portuguesa
Instrumento(s) voz, guitarra
Período em atividade 1964-actualmente
Página oficial FernandoTordo.com

Fernando Travassos Tordo (Anjos, Lisboa, 29 de Março de 1948) é um cantor e compositor português. Compôs algumas das músicas mais emblemáticas do cancioneiro da língua portuguesa com o poeta José Carlos Ary dos Santos entre elas "Tourada", "Estrela da Tarde", "Lisboa Menina e Moça", "Cavalo à Solta", "Balada para os Nossos Filhos" e "O Amigo que eu canto". Os seus temas são cantados por intérpretes como Carlos do Carmo, Mariza, Carminho, Amor Electro, Simone de Oliveira entre outros. Venceu também o Festival RTP da Canção em 1973 com "Tourada" e em 1977 com "Portugal no Coração". É considerado uma figura tutelar da música Portuguesa pela extensão e originalidade da sua obra.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fernando Tordo começou a cantar aos 16 anos, passou pelos Deltons e pelos Sheiks, em 1968, na sua parte final. onde substituiu Carlos Mendes. Participou no Festival RTP da Canção de 1969 onde interpretou o tema "Cantiga". Nesse mesmo festival conheceu o poeta Ary dos Santos. Foi um dos vencedores do Prémio Casa da Imprensa como cançonetista e compositor ("pela riqueza harmónica, melódica e rítmica dos trabalhos gravados em disco").

Anos 70[editar | editar código-fonte]

Regressa ao Festival RTP da Canção em 1970, com "Escrevo às Cidades", e em 1971 com "Cavalo à Solta", uma das suas primeiras composições com o poeta José Carlos Ary dos Santos. Ainda em 1971 é editado o disco Festival de Camaradagem com Paulo de Carvalho, Fernando Tordo, Duo Orfeu e José Carlos Ary dos Santos.

Regressa ao Festival RTP da Canção, em 1972, com "Dentro da Manhã" da autoria de Yvette Centeno e José Luis Tinoco. Nesse ano é editado o seu primeiro álbum, Tocata, com arranjos e direcção de Orquestra de Dennis Farnon. Inclui os temas "Tocata", "Dentro da Manhã", "Canto No Deserto", "Virgens Que Passais", "Canto Franciscano", "Cavalo À Solta", "Amor Vivo", "Aconteceu Na Primavera", "Vou Inventar Uma Flor", "Sangue Das Palavras" e "Tocata". Passa a gravar para a editora Tecla. Lança o single "Eu Não Vou Nisso"/"Invenção do Amor". Em 1973 vence o Festival RTP da Canção com a canção "Tourada".

"Portugal Ressuscitado", de Ary dos Santos e Fernando Tordo, (o célebre "Agora/ o povo unido/ nunca mais será vencido") é gravado logo a seguir ao 25 de Abril.

Vence o Prémio Casa da Imprensa de 1974 por "O Emprego"/"A Língua Portuguesa", com música e interpretação de Fernando Tordo, textos de José Carlos Ary dos Santos, orquestração de Pedro Osório e José Calvário: "O Melhor Disco Simples", pela popularidade e "as canções oriundas de um contexto especificamente português - o teatro de revista".[1]

Em 1975 é um dos fundadores, juntamente com outros autores, entre os quais Paulo de Carvalho e Carlos Mendes, a primeira editora discográfica independente, "Toma Lá Disco". O primeiro disco é o álbum Feito Cá Para Nós.

Tordo vence novamente o Festival RTP da Canção, em 1977, desta vez com "Portugal no Coração", na interpretação do grupo Os Amigos, com Paulo de Carvalho, Luísa Basto, Ana Bola, Edmundo Silva (Sheiks) e Fernanda Piçarra. Editou nesse ano o álbum Estamos Vivos. Em 1977 ganha novamente o "Prémio Casa da Imprensa".

Anos 80[editar | editar código-fonte]

Em 1980 lança o disco Cantigas Cruzadas, o último disco com Ary dos Santos. O afastamento de Ary dos Santos, marca uma nova etapa na sua carreira, passando também a ser autor dos poemas. Concorre ao primeiro Festival da Canção da Rádio Comercial, realizado em 1981, onde vence com "Conversa Nova". Arrecada ainda os 2.º e 4.º prémios do certame.

Em 1983 editou o disco Adeus Tristeza. É distinguido com o prémio para o melhor LP de música ligeira. Em 1984 participa novamente no Festival RTP da Canção, desta vez com "Canto de Passagem". Reside nos Açores entre os anos 1982 e 1986. Em 1984 lança o disco Anticiclone com orquestrações de François Rauber (antigo colaborador de Jacques Brel) que volta a colaborar no disco A Ilha do Canto de 1986.

Em 1988 foi um dos vencedores do Prémio Figueira da Foz, instituídos no âmbito do Prémio Nacional da Música, destinado a financiar diversos projectos discográficos. O prémio permitiu pagar a edição de Menino Ary dos Santos, um disco com 9 dos 27 poemas do livro "Asas" escrito por José Carlos Ary dos Santos com 15 anos de idade, numa pequena edição de 1000 exemplares, e que Fernando Tordo só conheceu, já no Faial, em 1984.

Só Nós Três[editar | editar código-fonte]

Fernando Tordo, Carlos Mendes e Paulo de Carvalho, sob a direcção de Pedro Osório, prepararam uma série de quatro espectáculos para serem apresentados no Casino do Estoril. O espectáculo apresentava uma mistura de meia centena de sucessos antigos, temas mais recentes e algumas canções inéditas. O espectáculo foi gravado num duplo álbum que, em 1990, chegou a disco de platina. Teve enorme sucesso comercial e percorreu o país e a Europa em digressão. Acompanharam ainda o Presidente Mário Soares nas suas viagens ao Oriente, entre elas Macau, China, Tailândia e Índia.

Anos 90[editar | editar código-fonte]

Em 1991 volta a contar com a participação de François Rauber. Cria, escreve e apresenta em 1993 na SIC o programa "Falas tu ou falo eu". No ano seguinte grava o CD Só Ficou o Amor Por Ti, nos famosos estúdios de Abbey Road (Londres). Em 1995 lança o disco Lisboa de Feira, também gravado em Londres. Entre Maio e Junho de 1997 grava, em Barcelona, o disco Peninsular com direcção e arranjos do pianista Josep Mas "Kitflus".

Produz e apresenta durante 27 dias consecutivos, no Teatro Nacional D. Maria II, o espectáculo "O calendário". O disco Calendário é distribuído com o Diário de Notícias. Cada mês do calendário é acompanhado por pinturas de José Manuel Castanheira. Este CD, vendido com o Diário de Notícias é ainda hoje o CD mais vendido em Portugal num dia.

Venceu o Prémio Casa da Imprensa em 1997.

Em 1999 apresenta o programa "Clube Tordo" na CNL. Desloca-se a Timor-Leste em Novembro de 1999 com Jorge Palma e Rui Pinto de Almeida. Desta parceria, resultou uma série documental de três episódios, intitulada "Timor-Leste, a Paz e a Língua Portuguesa". Foi exibida no CNL e posteriormente na RTPi.

Anos 2000[editar | editar código-fonte]

A convite do Instituto Camões, o artista apresentou este trabalho em Timor, em 2002, acompanhado pelo maestro João Balula Cid e seus músicos. O músico Jorge Palma também o acompanha nesta viagem.

Em Março de 2002 é editado E No Entanto Ela Move-se, gravado em Barcelona, que inclui temas dedicados aos filmes "Cinema Paraiso" e "O carteiro de Pablo Neruda" e ainda homenagens a George Harrison ("Preciso De Ti") e ao povo de Timor-Leste ("O Timorense"). O disco teve distribuição da editora Universal. As letras datam quase todas do ano 2000 (com excepção de "O Timorense", escrita em Timor em dezembro de 1999). As músicas foram todas compostas em 2001, entre Janeiro e Novembro.

O seu livro "Fantásticas, Fingidas e Mentirosas", cujo título é retirado de uma estrofe d’Os Lusíadas, é editado em Novembro de 2003. O seu primeiro romance foi editado pela editora Sporpress.

"Tributo a los laureados Nobel", um disco em que música alguns dos poemas dos escritores laureados com o máximo galardão das artes e ciências, é editado em 2006 pela Factoria Autor.

Em 2008 lança o livro "Se Não Souberes Copia" . No mesmo ano foi Comissário contra a Violência no Namoro e organizou o espectáculo para esse fim no Teatro Tivoli com participação dos Deolinda, Susana Félix e Amor Electro.

Entre 2008 e 2010 faz uma digressão por grandes cidades com a Stardust Orchestra (24 músicos) dirigida pelo maestro Pedro Duarte. Esta digressão culminou num espectáculo em no Coliseu dos Recreios com participações especiais de Carminho, Rui Veloso e Gato Fedorento

Anos 2010[editar | editar código-fonte]

Fernando Tordo gere a empresa Stardust Produções, que recebeu desde 2008, ano em que foi criada, mais de 200 mil euros por ajuste directo pela produção de espectáculos por parte do estado. Entre as entidades adjudicantes estão várias câmaras municipais, como Portimão, Montijo, Mangualde, Vila Nova de Cerveira, Covilhã, Ponte de Lima, Abrantes, Matosinhos, Almada e Lamego que contrataram produções à Stardust num valor superior a 159 600 euros.[2]

Em 2013 faz uma série de espectáculos íntimos com outros cantores como Sara Tavares, Tiago Bettencourt, António Zambujo, Hélder Moutinho, Amor Electro, Deolinda, Luísa Sobral entre outros.

Em 2014, anunciou a intenção de emigrar.[3]

Em 18 de fevereiro de 2014, partiu para Pernambuco, Brasil. Aos 65 anos, o músico emigra em busca de trabalho e desencantado com o país. Antes de partir afirmou "É muito provável que aproveite estes últimos anos da minha vida, porque não os quero consumir aqui. Eu não quero, eu não aceito esta gente, não aceito o que estão a fazer ao meu país. Não votei neles, não estou para ser governado por este bando de incompetentes. Vou-me reformar deste país. Não me está a apetecer ficar aqui, de maneira nenhuma. Acho que ainda tenho muita coisa para fazer".[4]

A 21 de Fevereiro de 2014 foi divulgado que a empresa Stardust Produções, gerida por Fernando Tordo para organizar concertos seus, recebeu entre 2008, ano em que foi criada, e o início de 2014 mais de 200 mil euros do estado através de contratos de ajuste directo[5] , tendo em Janeiro de 2014 recebido dois contratos da Associação Cultura e Conhecimento para a Igualdade do Género, um de 4500 euros e outro de 5500 euros, para a realização de espectáculos.[6]

A divulgação dos contratos levou a mulher de Fernando Tordo, Eugénia Passada, a emitir um comunicado alegando que o marido "precisava de trabalho", salientando que o valor que a empresa Stardust Produções não seria exagerado.[7]

Foi também divulgado que a Associação Cultura e Conhecimento para a Igualdade do Género, que contratou a empresa de Fernando Tordo para realizar espectáculos, tem como sócios fundadores Fernando Tordo e a sua mulher, Eugénia Passada, e que a associação não-governamental teria recebido nos últimos anos mais de 200 mil euros de apoios do estado para a gestão dos seus projectos.[8] [9]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

  • Festival da Camaradagem (1971) (com Paulo de Carvalho, Duo Orfeu e José Carlos Ary dos Santos)
  • Tocata (LP, Pergola-Universal, 1972)
  • Feito Cá Para Nós (LP, TLD, 1975)
  • Estamos Vivos! (LP, TLD, 1977)
  • Fazer Futuro (LP, TLD, 1979)
  • Canta Ary
  • Cantigas Cruzadas (LP, Danova, 1980)
  • Sopa de Pedra (LP, Danova, 1982)
  • Adeus Tristeza (LP, Dacapo, 1983)
  • Anticiclone (LP, Transmédia, 1984)
  • A Ilha do Canto (LP, Transmédia, 1986)
  • O Menino Ary dos Santos (LP, CBS, 1988)
  • Só Nós Três (1989) (com Carlos Mendes e Paulo de Carvalho)
  • Boa Nova (LP, Tertúlia, 1992) (com Carlos Mendes)
  • Só Ficou o Amor por Ti (CD, Movieplay, 1994)
  • Lisboa de Feira (LP, ed. Autor, 1995) (com a National Youth Jazz Orchestra)
  • Peninsular (CD, 1997)
  • Calendário (CD, ed. Autor/DN, 1997)
  • E no entanto ela move-se (CD, Universal, 2002)
  • Laureados com os Prémios Nobel (2006)

Singles e EPs[editar | editar código-fonte]

  • Cantiga (EP, Decca, 1969) [Cantiga/That Day/O Pedro/Flor Magoada]
  • The Windmills Of Your Mind/Maré Vida (Single, Decca, 1969)
  • Escrevo Às Cidades (Single, Decca, 1970)
  • Bem Querer, Mal Vier/Cantiga de Chegando-se (Single, Decca)- 1974
  • Cavalo À Solta/Aconteceu na Primavera (Single, Polygram, 1971)
  • A Time Of Freedom / I think I love you (Single, Polygram)
  • Canto Franciscano / Amor Vivo (Single, Polygram, 1972)
  • Canto No Deserto / Vou inventar uma flor (1972)
  • Caballo En Libertad/Canto En El Desierto (Single)
  • Dentro da Manhã/Sangue das Palavras (Single, Philips, 1972)6031013
  • Eu Não Vou Nisso/Invenção do Amor (Single, Tecla, 1973) TE 20053
  • Tourada/Carta de Longe (Single, Tecla, 1973) TE 20060
  • Cai-Cai/Dueto A Uma Voz (Single, Zip-Zip, 197) 30057
  • O Emprego/A Língua Portuguesa (Single, Zip-Zip, 1974) 30063
  • Fado do Operário Leal/Tango Económico (Single, Zip-Zip, 197) 30068
  • O Café/Uma Rosa, Uma Estrela (Single, Orfeu, 1973/4) ksat 503
  • De Pé Na Revolução/Dia de Haver Revolução [Tordo/Carlos Mendes]
  • Maldita Carestia/O Regresso dos Patrões [Tordo/Carlos Mendes] (Single, TLD)
  • O Caso da Mãozinha Misteriosa (Tld)*Dueto A Uma Corda
  • Portugal no Coração / Cantiga de Namorar(Single, TLD, 1977) TLS 009
  • Balada Para Os Nossos Filhos - Canção do Emigrante ()TLS 014
  • Fado de Alcoentre (EP, TLD, 1978) Fado das Rabanadas/Fado de Alcoentre/Fado Espanhol/Assim, Como Quem Morre - TLD 3001
  • O Trabalho - 1976
  • Fado de Alcoentre/Assim, Como Quem Morre (Single, TLD)SN-2001
  • Carta para um amigo/Mesa para dois/canta canta cavaquinho/carta para uma amiga (TLD)
  • Festa Cá Para Nós (Single, TLD, 1978)
  • Conversa Nova/Jogo da Vida (Single, Danova, 1981) 2917
  • Adeus Tristeza/Dá Para Falar (Single, Dacapo, 1983) SPO 15001
  • Canto de Passagem/O Nome Tanto Faz (Single, Orfeu, 1984)
  • Obama/Amy Winehouse (Single, 2010)

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • O Melhor dos Melhores vol. 76 - Fernando Tordo e Carlos Mendes ()
  • Antologia (LP, Danova, 1982)
  • Os Primeiros Êxitos de Carlos Mendes e Fernando Tordo (Compilação, EMI, 1993)

Participações[editar | editar código-fonte]

Compilações[editar | editar código-fonte]

Distinções e prémios[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

Hoje, Fernando Tordo gosta de pintar. Copia pequenas partes de quadros de Picasso, estuda até ao pormenor do segundo a vida de Amadeu de Souza Cardoso e, claro, rabisca as suas folhas brancas. Nos espectáculos de 23 e 24, no Teatro Villaret, em Lisboa, e 26, no Rivoli do Porto. "Vou fazer coisas que nunca tive oportunidade de fazer em espectáculos. Uma delas tem a ver com as canções sobre dois filmes, "O Carteiro de Pablo Neruda" e "Cinema Paraíso"".

A partir de 1970 surge como compositor, tornando-se figura destacada no panorama musical nacional. Entre os seus temas mais conhecidos figuram "Cavalo à solta", "Adeus Tristeza", "Invenção do Amor", "Estrela da Tarde" e a "Tourada".

E no entanto ela move-se foi uma edição de autor, como, aliás, todos os seus últimos trabalhos desde há mais de dez anos, que só conseguiu ser excepção porque está a ser distribuído pela editora Universal, de Tó Zé Brito. Desde 1994 que os seus trabalhos são pagos do seu próprio bolso e nem apoio para a distribuição e para a promoção consegue das editoras. «Alguém, numa editora, chegou a dizer-me que o meu trabalho "Peninsular" era até muito comercial.

Em cerca de 38 anos de carreira, Tordo editou 28 discos, fez milhares de espectáculos, manteve-se fiel a um estilo e conseguiu sucessos que ainda hoje perduram.

Alguns dos seus temas mais conhecidos são "O café" (Tordo/Ary dos Santos), "Tourada" (Tordo/Ary dos Santos), "Cavalo à solta" (Tordo/Ary dos Santos), "Balada para nossos filhos" (Tordo/Ary dos Santos), "Estrela da tarde" (Tordo/Ary dos Santos), "Novo fado alegre" (Tordo/Ary dos Santos), "Adeus Tristeza" (Tordo), "O rato roeu a rolha" (Tordo), "Açores a cores" (Tordo), "O dia do mar" (Tordo), "O meu bairro" (Tordo), "Cinema Paraíso" (Tordo), "Chegam palavras" (Tordo), "O homem do jazz" (Tordo) e "Em Timor" (Tordo/João Balula Cid).

Comentários[editar | editar código-fonte]

"O Festival da Canção marcou-me muito, mas foi num outro tempo, com outros autores e compositores, outra música, outros intérpretes. Participei entre 1969 e 1973, ano em que ganhei com a Tourada. Voltei depois em 1977 com Os Amigos, mas nessa altura já tinha outras características. A RTP faz parte da nossa história, como nós fazemos parte da história da RTP. Foram tempos muito importantes para os intérpretes, os autores e os compositores."

Referências

  1. ("Uma No Cravo Outra Na Ditadura" de Sérgio de Azevedo)
  2. Empresa de Tordo ganhou mais de 200 mil euros do Estado desde 2008.
  3. Decisão Fernando Tordo revoltou-se com governantes e vai emigrar.
  4. Fernando Tordo emigrou para o Brasil.
  5. "Empresa de Tordo ganhou mais de 200 mil euros do Estado desde 2008", ionline, 21 de Fevereiro de 2014. Página visitada em 22 de Fevereiro de 2014.
  6. "Fernando Tordo recebe 207 mil euros desde 2008 e cobra 5500 euros no concerto de passagem de ano", pt jornal, 21 de Fevereiro de 2014. Página visitada em 22 de Fevereiro de 2014.
  7. "Mulher de Fernando Tordo diz que o marido "precisa de trabalho"", pt jornal, 21 de Fevereiro de 2014. Página visitada em 22 de Fevereiro de 2014.
  8. Contratar quem contrate o contratante Blasfémias (21 de Fevereiro de 2014). Visitado em 22 de Fevereiro de 2014.
  9. Fernando Tordo foi contratado por associação que fundou Blitz (2014-03-03). Visitado em 2014-03-03.
  10. Catálogo - Detalhes do registo de "O jardim da bicharada" Fonoteca Municipal de Lisboa. Visitado em 11 de Maio de 2014.
  11. Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2014-05-11. "Resultado da busca de "Fernando Travassos Tordo"."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]