Fernando Torres (ator)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Fernando Torres
O ator, em cena do filme O Descarte (1973)
Nome completo Fernando Monteiro Torres
Nascimento 14 de novembro de 1927
Guaçuí, Espírito Santo
 Brasil
Morte 4 de setembro de 2008 (80 anos)
Rio de Janeiro, RJ
 Brasil
Ocupação ator, diretor e produtor
Cônjuge Fernanda Montenegro
IMDb: (inglês)

Fernando Monteiro Torres (Guaçuí, 14 de novembro de 1927Rio de Janeiro, 4 de setembro de 2008) foi um ator, diretor e produtor brasileiro de teatro, cinema e televisão. Torres era casado desde 1952 com a atriz Fernanda Montenegro e era também pai do cineasta Cláudio Torres e da atriz Fernanda Torres[1] .

Fernando Torres era filho de uma família tradicional e histórica para a pequena Guaçuí. Seu pai Manuel Monteiro Torres foi o primeiro prefeito da cidade, sendo uma personagem importante para a história do município. Hoje na sede da prefeitura de Guaçuí é possível ver uma foto da família do primeiro prefeito, na qual Fernando Torres aparece ainda criança.[carece de fontes?]

Fernando Monteiro Torres era formado em Medicina, mas, desde cedo, sua grande paixão foi o teatro, onde atuou, produziu e dirigiu diversas peças, além de ter participado de dezenove filmes e várias novelas. Na TV brilhou ao interpretar o médico aposentado Plínio Miranda na novela Baila Comigo, de Manoel Carlos e o sábio e misterioso Tio Romão da novela Amor com Amor se Paga de Ivani Ribeiro.

Iniciou sua carreira de ator teatral aos 22 anos, com a peça "A Dama da Madrugada" (La dama del alba), de Alejandro Casona. Como diretor, sua primeira montagem foi "Quartos Separados" (1958), com o Teatro Brasileiro de Comédia.

Em 1959, fundou o Teatro dos Sete, juntamente com Fernanda Montenegro, Sérgio Britto, Ítalo Rossi e Gianni Ratto. Em 1961, foi premiado como diretor revelação por sua montagem de "O Beijo no Asfalto", de Nelson Rodrigues.

Morreu em sua casa, no Rio de Janeiro, na tarde do dia 4 de setembro de 2008, vítima de enfisema pulmonar.

O teatro municipal da cidade de Guaçuí no Espírito Santo leva o nome de Fernando Torres em homenagem ao filho mais ilustre do município, tendo em seu salão principal as assinaturas de Fernando Torres e Fernanda Montenegro.

A cidade de São Paulo também conta com um "Teatro Fernando Torres" que se localiza no bairro do Tatuapé.


Carreira[editar | editar código-fonte]

Na televisão[editar | editar código-fonte]

Como ator


Como diretor[editar | editar código-fonte]

No cinema[editar | editar código-fonte]

Como ator


Referências

  1. Correa, Douglas (4 de Setembro de 2008) Corpo de Fernando Torres será cremado amanhã - Agência Brasil
  2. Cinemateca Brasileira, Os Inconfidentes [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.