Fernando dos Santos Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fernando dos Santos Costa.

Fernando dos Santos Costa GOTEGCTEOCGOCGCCOA (Mangualde, Alcafache, 19 de Dezembro de 189915 de Outubro de 1982) foi um oficial do Exército Português que assumiu um papel preponderante na ligação entre António de Oliveira Salazar e os sectores militares mais conservadores que apoiaram a Ditadura Nacional e o Estado Novo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

A 26 de Outubro de 1933 foi feito Oficial da Ordem Militar de Cristo e Oficial da Ordem Militar de Avis, tendo sido elevado a Grande-Oficial da Ordem Militar de Cristo a 18 de Junho de 1937.[1]

Exerceu as funções de Subsecretário de Estado da Guerra e depois de Ministro da Guerra (entre 1944 e 1958), permanecendo 22 anos no Governo e afirmando-se como um dos mais estreitos colaboradores de António de Oliveira Salazar e um dos mais longevos ministros dos seus governos.

A 2 de Agosto de 1945 foi feito grande-oficial da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, tendo sido elevado a grã-cruz da mesma Ordem a 6 de Junho de 1949, a 14 de Agosto de 1954 foi agraciado com a grã-cruz da Imperial Ordem do Jugo e das Flechas (Orden Imperial del Yugo y las Flechas) da Espanha Franquista, e a 9 de Dezembro de 1958 com a Grã-Cruz da Ordem de Carlos III de Espanha, a grã-cruz da Ordem Real do Leão (Ordre royal du Lion) da Bélgica, a grã-cruz da Ordem do Rei Jorge I da Grécia, Grande-Oficial da Ordem do Mérito Militar do Brasil e a grã-cruz da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul do Brasil, e foi elevado a grã-cruz da Ordem Militar de Cristo a 13 de Julho de 1967.[2]

Principal fautor da reestruturação das Forças Armadas Portuguesas sob o Estado Novo e da sua subordinação ao poder político, Santos Costa participou ao lado de Salazar, de modo decisivo, na formulação da política de defesa de Portugal desde o deflagrar da Guerra Civil de Espanha até ao início da Guerra Fria, incluindo o período conturbado da Segunda Guerra Mundial. Nessas funções desempenhou um relevante papel nacional e internacional, em particular nas relações com os Aliados e na entrada de Portugal na NATO.

Referências

  • Paul H. Lewis. Latin Fascist Elites: The Mussolini, Franco and Salazar Regimes. Praeger Publishers, 2002. ISBN 027597880X.
  • Paul H. Lewis. Salazar's Ministerial Elite, 1932-1968. // The Journal of Politics, Vol. 40, No. 3 (Aug., 1978), pp. 622-647.
  • -----, Correspondência do General Santos Costa. Lisboa: Verbo, 2004 (ISBN 9789722222754).
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.