Fiabilismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Filosofia.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde dezembro de 2010.

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Setembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O fiabilismo também chamado de "confiabilismo" (reliabilism) é um tipo de teoria externalista da justificação epistêmica.

Características[editar | editar código-fonte]

É uma alternativa às teorias causais da justificação, defendendo que os processos formadores de crenças não nos fornecem necessariamente conhecimento, mas antes disso, justificação.

Para o confiabilista, a justificação é fruto de uma característica dos processos que formam as crenças de alguém. Se eles tendem a produzir mais verdades do que falsidades, então eles são "confiáveis" e, com isso, geram justificação.

Não é necessário que o crente tenha qualquer tipo de acesso à confiabilidade do processo.

Os seguintes filósofos foram autores de ensaios sobre o assunto:

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.