Fiat 147

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde novembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Fiat 147
Visão Geral
Produção 1976 - 1986
Fabricante Fiat
Modelo
Classe Compacto Monovolume
Carroceria Hatchback
Ficha técnica
Motor 1.050
1.300
Transmissão 4 e 5 Marchas
Modelos relacionados Fiat Oggi
Fiat Panorama
Fiat Spazio
Fiat 147 Fiorino
Fiat City
Volkswagen Brasilia Volkswagen Fusca
Dimensões
Comprimento 3627 mm (76-80)
3745 mm (80-86)
Entre-eixos 2225 mm
Largura 1545 mm
Altura 1359 mm
Peso 796 kg (76-80)
810 kg (80-86)
Tanque 39 l

42 l 53 l

Consumo 13 km/l a 18km/l
Cronologia
Último
Último
Fiat Uno
Próximo
Próximo


O Fiat 147 foi um modelo de automóvel produzido pela Fiat do Brasil entre 1976 e 1986 baseado no 127 italiano.

Pioneirismo[editar | editar código-fonte]

O 147 marcou seu pioneirismo em várias formas:

  • Primeiro carro da Fiat produzido no Brasil, marcando o início das operações em 9 de julho de 1976, em Betim - Minas Gerais;
  • Primeiro carro brasileiro com motor transversal dianteiro;
  • Primeiro carro no Brasil com coluna de direção articulada;
  • Primeiro carro a álcool fabricado em série em todo o mundo (a partir de 1979);
  • O menor carro a diesel da época, sendo vendido na Europa e Argentina;
  • Primeiro carro brasileiro com todas as "variantes": hatch, sedan, perua, furgão e pick-up, faltando apenas as variantes conversível e utilitária esportivo;
  • Primeiro carro brasileiro com o estepe junto ao compartimento do motor, ou seja embaixo do capô dianteiro;
  • Primeiro carro no Brasil a utilizar para-choques de plástico polipropileno em larga escala (no modelo Europa em 1980);
  • Primeiro carro brasileiro com desembaçador traseiro.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiro carro produzido pela Fiat do Brasil que abria sua fábrica em Betim (MG), o 147 trazia novo conceito em tecnologia, aproveitamento de espaço e em tempos de crise do petróleo atendia um mercado que exigia um carro econômico, e para provar esse aspecto num de seus comerciais de lançamento, a Fiat exibiu um 147 L atravessando a ponte Rio-Niterói (14 km) com apenas 1l de gasolina. Foi oferecido primeiramente na versão L e GL de motor 1050 e 55cv, posteriormente ganhou versões mais requintadas com motor 1300 61cv; A GLS e o esportivo "Rallye", houve também uma série especial chamada "TOP".

Em seus quinze anos de produção o Fiat 147 passou por duas reestilizações, sem grandes mudanças na carroceria. Na primeira reestilização ganhou uma frente mais baixa com faróis e grade inclinados, no estilo que a marca chamou "Europa" em 1980 e, mais tarde, em 1983, a segunda que foi chamada Spazio, incorporando para-choques de plástico envolventes no estilo alusivo a modelos contemporâneos da marca como o Fiat Ritmo e o lançamento do ano seguinte Fiat Uno. O Spazio foi oferecido nas versões CL, CLS e o esportivo TR substituindo o "147 Rallye", tinha câmbio opcional de 5 marchas.

Teve uma versão picape lançada em 1978, a princípio chamada de Fiat 147 Pick-up. Em 1982, ganhou plataforma igual a da Panorama e passou a se chamar Fiat Fiorino. Na mesma época, foi lançado a versão furgão, que é produzido até hoje, na plataforma do Uno. A perua Fiat Panorama, foi lançada em 1980 e a versão sedã, Fiat Oggi, em 1983. Essas versões tiveram vida curta (apenas até 1986). A versão Hatchback do 147 saiu de linha no Brasil em 1986 sendo substituída pelo Uno, embora o Spazio continuasse sendo montado para exportação até 1993, e o ferramental de produção foi em parte transferido para a Argentina, onde foi montado até 1996. As versões pick-up e furgão (Fiorino) foram substituídos pela plataforma do Fiat Uno em 1988. Na argentina foi lançado em 1986 com o nome de 147 Brio.

Foi eleito pela Revista Autoesporte o Carro do Ano de 1978.

Na época seu único concorrente era o Volkswagen Fusca que, tinha um desempenho e consumo inferiores. Porém a mecânica sofisticada do 147 na época demandava mais conhecimentos técnicos para sua manutenção, como a troca mais frequente da correia de distribuição (40.000 km), acarretando sua "má fama" devido a inobservância dos proprietários a esses aspectos. Seu câmbio foi criticado por apresentar maior dificuldade para encontrar as marchas em suas primeiras versões, problema que foi em parte solucionado pela Fiat a partir dos modelos de 1984.

Até hoje reúne admiradores e apaixonados, sendo a FIAT 147 Brasil a maior comunidade nacional do "carrão pequeno", como se dizia nas propagandas de época.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]