Fibroína

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Fibroína é uma proteína insolúvel criada por aranhas, a larva do bicho-da-seda (bombyx mori), e outras mariposas como Antheraea, Cricula, Samia (mariposa), Gonometa e numerosos outros insetos. A seda em seu estado bruto é composto por dois principais proteínas, a serina e a fibroína, a fibroína sendo o centro estrutural da seda e a serina sendo o material pegajoso que a rodeia.

A proteína fibroína consiste em folhas beta antiparalelas. A sua estrutura primária é constituída, principalmente, da sequência de aminoácidos de repetição (Glicina-Serina-Glicina-Alanina-Glicina-Alanina)n. O elevado teor de glicina (e em menor proporção alanina) permite a embalagem apertada das folhas, o que contribui para a estrutura rígida de seda e resistência a tração. A combinação de rigidez e resistência torná-lo um material com aplicações em diversas áreas, incluindo a biomedicina e manufatura têxtil.

Fibroína é conhecida por organizar-se em três estruturas, chamadas de seda I, II e III. Seda I é a forma natural da fibroína, como emitida a partir das glândulas de seda do Bicho-da-seda (Bombyx mori). Seda II refere-se ao arranjo de moléculas de fibroína de seda enroscadas, que tem uma maior força e é muitas vezes utilizado em várias aplicações comerciais. Seda III é uma estrutura recentemente descoberta da fibroína. A Seda III é formada, principalmente, em soluções de fibroína de uma interface (ou seja, interface ar e água, a interface de óleo e água, etc.).