Fiction House

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fiction House
Anúncio de revistas em quadrinhos da editora, conhecidas como "Big Seis".
Gênero editora
Destino Extinta durante a década de 1950
Fundação década de 1920
Pessoas-chave Thurman T. Scott
Produtos revistas em quadrinhos
revistas pulps

Fiction House foi uma editora norte-americana existente entre as décadas de 1920 e 1950, especializada em publicações populares como as chamadas revistas pulp e revistas em quadrinhos (durante a chamada Era de Ouro das histórias em quadrinhos). Destas últimas, a personagem mais conhecida foi Sheena, a Rainha das Selvas, que difundiu o estilo da editora de criar personagens com aparência de "pin-up girls". No Brasil, os quadrinhos foram publicados pela Ebal, que dedicou vários números da revista Álbum Gigante [1] e também em O Heroi surgida em 1947, aos personagens da editora: Além de Sheena, Wambi e Kaanga (traduzido para Kionga nas revistas da EBAL) ao lado de sua companheira Luana (no original Ann Mason) [2] [3] . Anteriormente, a revista O Guri reproduziu em seu primeiro número uma edição de Planet Comics, outra publicação da Fiction House[4] .

Capa da primeira edição de Planeta Comics (janeiro de 1940), reproduzida integralmente na revista brasileira O Guri de abril de 1940
Fight Stories Vol. 2, #4 (setembro de 1929). Capa com arte de F. R. Glass
Detective Book Magazine Vol. 5, #10 (Inverno de 1948)

História[editar | editar código-fonte]

Jumbo Comics #1 (setembro de 1938). Capa de artista desconhecido.

Jumbo e Jack Kirby[editar | editar código-fonte]

Fiction House iniciou na década de 1920 lançando revistas populares que tratavam sobre os primórdios da aviação, faroeste e esportes. Na década seguinte, surgiriam as revistas com histórias de detetives.[5] O editor Thurman T. Scott expandiu os negócios e incluiu revistas em quadrinhos na parte final da década de 1930. Ele aceitou proposta do estúdio Eisner & Iger, que produzia quadrinhos sob encomenda de editores que quisessem investir nesse segmento. Scott então publicou Jumbo Comics #1 (setembro de 1938).[6]

A estrela dos quadrinhos da Fiction House era Sheena, A Rainha das Selvas, que surgira na primeira revista. Will Eisner e S.M. "Jerry" Iger haviam criado a deusa das selvas com longas pernas e traje de leopardo para a revista britânica Wags,[7] sob o pseudônimo de "W. Morgan Thomas".[8]

Outros astros dos quadrinhos da Fiction House eram "Hawks of the Seas" (continuando uma história da Quality Comics publicada em Feature Funnies #12, após Eisner-Iger e a Quality terem rompido) e muitos outras agora obscuras tiras ("Peter Pupp"; "ZX-5 Spies in Action"; "Spencer Steel"; "Inspector Dayton").[9] Dentre os artistas que trabalharam nessa fase estavam Jack Kirby, com seu primeiro emprego após estrear em Wild Boy Magazine:[10] Trabalhou na série de ficção científica The Diary of Dr. Hayward (com o pseudônimo de "Curt Davis"), a tira do cauboi moderno combatente do crime Wilton of the West (como "Fred Sande") e a parte um de quatro páginas do romance seriado de capa-e-espada de Alexandre Dumas, pai O Conde de Monte Cristo (como "Jack Curtiss")[11] .

Os "Big 6" dos quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Jumbo teve grande vendagem e a Fiction House continuou no segmento com as revistas Jungle Comics, Wings Comics (com história de aviadores), Planet Comics (ficção científica), Rangers Comics e Fight Comics[4] durante o início da década de 1940 — a maior parte dessas séries reaproveitando os títulos e temas anteriormente publicados nas revistas pulps da editora[11] . Fiction House referia-se internamente a esse grupo de revistas regulares como "Os Big Seis" mas haviam muitas outras publicações como as de faroeste (Indians e Firehair), aventuras na selva (Sheena, Queen of the Jungle e Wambi), além de cinco números de revistas de Eisner com o personagem The Spirit.[12]

A editora rapidamente criou um escritório de quadrinhos próprio sob o comando do editor Joe Cunningham, depois substituído por Jack Burden [13] . A Fiction House contratou artistas empregados e eventuais (freelance) como Mort Meskin, Matt Baker (o primeiro artista afro-americano proeminente dos quadrinhos)[14] , Nick Cardy, George Evans, Bob Powell, Dick Giordano[15] , George Tuska, Jim Mooney[16] , Gene Colan[17] e o britânico Lee Elias, bem como algumas poucas artistas mulheres como Ruth Atkinson, Fran Hopper, Lily Renée e Marcia Snyder.

A historiadora feminista de quadrinhos Trina Robbins, escreveu (em tradução livre)

...a maioria das histórias de ação no estilo pulp da Fiction House tinha como protagonistas mulheres fortes, bonitas e eficientes heroínas. Elas eram enfermeiras de guerra, pilotos, garotas detetives, contra-espiãs e rainhas da selva vestidas em peles de animais. E sempre estavam no comando. Armas disparando, facas e espadas nas mãos, elas cruzavam as páginas prontas para enfrentarem qualquer vilão. E não precisavam serem resgatadas.[18]

Apesar dessa característica pré-feminista, Fiction House se viu alvo do livro do psicólogo Dr. Fredric Wertham chamado Seduction of the Innocent (1954), que em parte culpava os quadrinhos pelo aumento da delinquência juvenil. Colocadas no mesmo nível dos supostos efeitos nocivos provocados por quadrinhos de horror sangrento, figuraram as heroinas sexys e pneumáticas da Fiction House, Fox Comics e outras companhias. Como consequência, cresceu a fúria dos pais e do governo contra essas publicações, que criou um subcomitê senatorial para investigar o caso, diminuindo vendas tanto das revistas em quadrinhos como das pulps que já lutavam contra a concorrência da televisão nascente e de livros de bolsos que atraim leitores da época. As editoras se viram obrigadas a criarem um código de autocensura, o Comics Code Authority[4] . Com essas dificuldades, a Fiction House entrou em crise e logo fechou as portas.

Lista de revistas pulps da Fiction House[editar | editar código-fonte]

  • Aces (estimativa de 100 edições, dezembro de 1928 - primavera de 1939)
  • Action Novels
  • Action Stories (225 edições, setembro de 1921 - Outono de 1950)
  • Air Stories (50 edições etimadas, 27 de agosto de 1927 - Inverno de 1939)
  • All Adventure Action Novels
  • All-American Football Magazine
  • Baseball Stories (50 edições estimadas, Primavera de 1938 - Primavera de 1954)
  • Basketball Stories (uma edição conhecida, Inverno de 1937)
  • Black Aces (7 edições, janeiro de 1932 - julho de 1932)
  • Bull's-Eye Detective
  • Bull's-Eye Sports (8 edições estimadas, Inverno de 1938 - Outono de 1939)
  • Bull's-Eye Western Stories
  • Civil War Stories (uma edição conhecida, Primavera de 1940)
  • Detective Book Magazine (65 edições, abril de 1930 - Inverno de 1952/53)
  • Detective Classics (22 edições, novembro de 1929 e setembro de 1931)
  • Fight Stories (106 edições, junho de 1928 – Primavera de 1952)
  • Football Action
  • Football Stories (35 edições estimadas, Outono de 1937 - Outono de 1953)
  • Frontier Stories
  • Frontier Stories of the Pioneer Days
  • George Bruce's Aces (Glen-Kel)
  • George Bruce's Air Novels
  • Jungle Stories (59 edições)
  • Lariat Story Magazine
  • North-West Stories
  • North-West Romances
  • Planet Stories (71 edições)
  • Soldier Stories
  • True Adventures
  • Two Complete Detective Books (Real Adventure)
  • Two Western Books
  • Two Western Romances
  • Wings

Lista de quadrinhos da Fiction House[editar | editar código-fonte]

  • Cowgirl Romances
  • Fight Comics
  • Firehair
  • Ghost
  • Indians
  • Jumbo Comics
  • Jungle Comics
  • Ka'a'nga, Jungle King
  • Man O'Mars
  • Movie Comics
  • Planet Comics
  • Rangers Comics
  • Sheena, Queen of the Jungle
  • The Spirit (5 revistas, 1952–54)
  • Wambi
  • Wings Comics

Referências

  1. Acessado em 07-06-12
  2. Toni Rodrigues (31/03/05). Ebal 60 anos: uma celebração. Universo HQ.
  3. Célio H. Guimarães (11/03/2007). A fantástica fábrica de histórias em quadrinhos. Tribuna do Paraná.
  4. a b c , Gonçalo Junior Editora Companhia das Letras, A guerra dos gibis: a formação do mercado editorial brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-1964, 2004. ISBN 8535905820, 9788535905823
  5. Johnson, Virginia E.. "Detective Book Magazine", Web Mystery Magazine, Summer 2004.
  6. Goldstein, Andrew (undated). Fiction House: History and Influences. Connecticut Historical Society. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2008.
  7. Sheena, Queen of the Jungle de Don Markstein's Toonopedia. Archived do original de 10 de novembro de 2011
  8. Schumacher, Michael. Will Eisner: A Dreamer's Life in Comics. [S.l.]: Bloomsbury USA, 2010. p. 39. ISBN 1-60819-013-7
  9. Jumbo Comics no Grand Comics Database
  10. De lembranças de Kirby em entrevista, The Nostalgia Journal #30 (novembro de 1976), republicada em The Comics Journal Library, Volume One: Jack Kirby (2002) ISBN 1-56097-466-4, p. 3
  11. a b Shirrel Rhoades. A Complete History of American Comic Books. [S.l.]: Peter Lang, 2008. 9781433101076
  12. gcdb publisher
  13. Cassell, Dewey, with Aaron Sultan and Mike Gartland. The Art of George Tuska (TwoMorrows Publishing, 2005), ISBN 1-893905-40-3; ISBN 978-1-893905-40-5, p. 30
  14. William B. Jones. Classics Illustrated: A Cultural History. [S.l.]: McFarland, 2011. 58 p. 9780786438402
  15. Sérgio Codespoti (19 de março de 2010). Morreu Dick Giordano, um dos gigantes dos quadrinhos estadunidenses. Universo HQ.
  16. Sérgio Codespoti (02/04/2008). Morreu o desenhista Jim Mooney. Universo HQ.
  17. Sérgio Codespoti (25 de abril de 2011). Saúde de de Gene Colan ainda é precária. Universo HQ.
  18. Robbins, Trina. The Great Women Superheroes. [S.l.]: Kitchen Sink Press, 1996. p. 86. ISBN 0-87816-481-2
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Fiction House

Leituras[editar | editar código-fonte]

  • Comic Book Marketplace vol. 2, #57 (março de 1998): "Fiction House Pulps!" de Christian K. Berger, pp. 34–37, 44
  • Comic Book Marketplace vol. 2 2, #60 (junho de 1998): "Fiction House Sci-Fi" (galeria de capas) pp. 40–43
  • Comic Book Marketplace vol. 2, #72 de outubro de 1999): Letter from Bill Black on Australian versions of Fiction House comics, pp. 8–9
  • Fiction House: A Golden Age Index compiled by Henry Steele (San Francisco, A. Dellinges, 1978)
  • Fiction House: A Golden Age Index of Planet Comics (San Francisco: A. Dellinges, 1978)
  • Ron Goulart's Comics History Magazine #4 (Verão de 1997): "The History of Good Girl Art", Parte 2, pp. 3–5

Ligações externas[editar | editar código-fonte]