Filhos do Éden

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Filhos do Éden

Capa dos dois primeiros livros da trilogia
Livros
Filhos do Éden: Herdeiros de Atlântida
Filhos do Éden: Anjos da Morte
Filhos do Éden: Paraíso Perdido
Autor Eduardo Spohr
Idioma original Português
Publicado entre 2011 - presente
Editora Brasil Verus
País  Brasil
Gênero Ficção, Literatura Fantástica, Anjos

Filhos do Éden, é uma trilogia de livros de ficção, que aborda temas como anjos, fim dos tempos e apocalipse, escrito pelo brasileiro Eduardo Spohr. Os dois primeiros livros já tiveram milhares de exemplares vendidos[1] [2] , juntamente com o outro best-seller A Batalha do Apocalipse, também escrito pelo autor.

Filhos do Éden não é uma continuação de A batalha, e sim o início de uma nova saga, em que questões, antes obscuras, são enfim respondidas, enquanto outras são lançadas ao público. Tampouco se trata de um épico. É, acima de tudo, uma aventura, um autêntico thriller de fantasia, menos heróico e mais dinâmico, mais humano, com pitadas de conteúdo histórico, romance e mitologia.

Atualmente existem dois livros da saga. São eles: Filhos do Éden: Herdeiros de Atlântida e Filhos do Éden: Anjos da Morte. A série é publicada pela Verus Editora.


Livros[editar | editar código-fonte]

"Filhos do Éden: Herdeiros de Atlântida"[editar | editar código-fonte]

Na história, a capitã celeste Kaira perde a memória e dois anjos de castas distintas, Levih e Urakin, são mandados a Terra para ajudar a mulher-anjo a recuperá-la. Em paralelo, surge Denyel, um querubim exilado que tenta voltar ao exército revolucionário de arcanjo Gabriel, para lutar a guerra civil.

"Filhos do Éden: Anjos da Morte"[editar | editar código-fonte]

Neste livro, a trama conta a história de Denyel, sobre suas aventuras na Segunda Guerra Mundial até a queda do Muro de Berlim. Tambem narra a missão de Kaira no futuro, junto com Urakin e Ismael, um novo integrante no grupo, para salvar o amigo exilado, tragado pelo redemoinho no rio Oceanus, após a batalha na Fortaleza de Athea[3] .

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Eduardo Spohr, autor da trilogia

Origem[editar | editar código-fonte]

O surgimento da série começou quando logo após de ter feito sucesso com o best-seller A Batalha do Apocalipse, Eduardo Spohr[4] [5] [6] decidiu criar uma saga se passando no mesmo universo de seu livro de estreia[7] , com o aparecimento de novos personagens e o surgimento de velhos, mas que não apareceram em sua outra obra: como foi o caso do arcanjo Rafael. Todos pensaram que seria uma continuação de A Batalha do Apocalipse, mas ele próprio disse, "que a ideia era justamente não ficar preso à trama anterior". Por isso, a justificativa para um novo trabalho, que compreende uma trilogia.

Ilustrações[editar | editar código-fonte]

Todas as ilustrações dos personagens da série, ficou por conta do brasileiro André Ramos. Já a arte da capa é de autoria de Stephan Stölting.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Até o segundo livro, já há a aparição de vários personagens, mesmo que a série ainda não fora concluída por inteira. Estima-se que muitos outros, sendo heróis e vilões, ainda irão surgir.

Da esquerda para direita, Kaira, Denyel, Levih e Urakin

Universo[editar | editar código-fonte]

Resumo[editar | editar código-fonte]

A série Filhos do Éden, passa-se no mundo em que vivemos, habitado pelos humanos e anjos, que se misturam em meio a nossa sociedade. Contudo, há uma guerra civil envolvendo o Príncipe dos Anjos, Miguel, que pretende destruir a humanidade para colocar um reino sob sua ditadura, e Gabriel, seu irmão, que luta a favor dos seres humanos, para barrar as pretensões do poderoso príncipe.

Mas, ainda há Lúcifer, a Estrela da Manhã, que está de mãos atadas, esperando um choque entre as duas facções, para enfim mostrar o seu grande exército de demónios e subir até o Sétimo Céu e coroar-se Rei do Universo.

Enquanto esse dia não chega, a Terra aguenta as batalhas, mas com os dias contados para desmoronar.

Arcanjos[editar | editar código-fonte]

Há apenas cinco arcanjos feitos por Deus para governar o universo em seu nome, antes dele adormecer no Sétimo Céu. São eles: Miguel, Lúcifer, Rafael, Gabriel e Uziel.

Eles são os seres mais poderosos do universo, porém, apenas Lúcifer que mesmo caindo com sua legiões de anjos ao Sheol, ainda manteve o título e posto de "Arcanjo".

Castas Angélicas[editar | editar código-fonte]

As castas, foram criadas após Deus ter vencido Tehom, a deusa do Caos e assumindo o comando do universo. E nessas castas, os anjos foram colocados para assumir suas funções.

  • Querubins

Anjos guerreiros. Seus poderes são baseados em força, percepção, furtividade.

  • Serafins

Nobres, políticos e burocratas. Mestres na persuasão e na manipulação da mente.

  • Elohins

Vivem no plano físico, geralmente disfarçados de seres humanos. Hábeis em se adaptar a etnias e grupos sociais.

  • Ofanins

Anjos da Guarda. Seres bondosos, que vagam no plano astral ajudando os seres humanos. Carismáticos, são capazes de controlar emoções.

  • Hashmalins

Torturadores, anjos da punição. Controlam os espíritos e as trevas.

  • Ishins

Celestes responsáveis por governar as forças elementais, fogo, terra, água e ar

  • Malakins

Sua missão é estudar o universo e a humanidade. Reclusos, podem moldar o tempo e o espaço.

Sete Céus[editar | editar código-fonte]

O paraíso é dividido em camadas, e essas camadas foram chamada de "céus". Ao todo são sete céus. Em cada céu abriga um mundo diferente com anjos diferentes e o último, é onde esta Deus, adormencendo no Monte Tsafon.

  • Primeiro Céu

Tártaro. Lar dos ishins, abriga os quatro reinos elementais. É a camada mais próxima da terra

  • Segundo Céu

Gehenna. O purgatório. Uma dimensão de escuridão e torturas, destinada a deter prisioneiros e almas em penitência.

  • Terceiro Céu

Éden Celestial. Destino da alma dos justos após a morte.

  • Quarto Céu

Acheron. Camada intermediária. Contém as fortalezas angélicas e os campos de guerra.

  • Quinto Céu

Celestia. Aqui ficam o Palácio Celestial, as cidades aladas e as catedrais celestes. Era o ponto de reunião dos arcanjos antes da guerra civil.

  • Sexto Céu

Raqui'a. Região controlada pelos malakins. Usada como retiro e pavilhão de estudos

  • Sétimo Céu

Tsafon. Onde Deus descansa

Planos e Dimensões[editar | editar código-fonte]

O universo fictício da série Filhos do Éden, é passada onde há o mundo espiritual, o mundo dos sonhos, junto com alguns portais e vários planos. Todos os anjos são capazes de cruzar esses tecidos, tendo a vantagem de ir para o céu, a Terra ou o inferno.

Cronologia Celeste[editar | editar código-fonte]

Em cada livro da saga, aparece uma cronologia mostrando os principais eventos que ocorreram no céu e na terra, sob a perspectiva das entidades celestes. Os que mais sabem sob a origem do universo, são os "Malakins", anjos que moram no Sexto Céu e que estudam o tempo e a humanidade.

O Universo Apocalíptico pelo mundo[editar | editar código-fonte]

Os livros de Eduardo Spohr ja foram publicados em alguns países da Europa, como foi o caso de Portugal, Alemanha, Holanda e pela Ásia, na Turquia.[8]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]