Filipe III de Croÿ

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Filipe III
Príncipe de Chimay, Duque de Aarschot e Conde de Beaumont
3.° Duque de Aarschot
Período 1551–1595
Predecessor Carlos II de Croÿ
Sucessor Carlos III de Croÿ
Esposa Johanna Henriette de Halewyn
Descendência
Carlos III de Croÿ

Ana de Croÿ
Margarida de Croÿ

Casa Croÿ
Pai Filipe II de Croÿ
Mãe Ana de Croÿ
Nascimento 10 de julho de 1526
Valenciennes
Morte 11 de dezembro de 1595 (69 anos)
Veneza
Brasão

Filipe III de Croÿ (Valenciennes, 10 de julho de 1526 – Veneza, 11 de dezembro de 1595) foi governador-geral de Flandres, e herdou as propriedades da antiga e rica família de Croÿ. Tornou-se soldado, recebeu de Filipe II, rei da Espanha, o título de Cavaleiro da Ordem do Tosão de Ouro, e foi mais tarde empregado em tarefas diplomáticas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filipe era o segundo filho de Filipe II de Croÿ (1496-1549) e de Ana de Croÿ (1501-1539). Após a morte de seu irmão mais velho Carlos II de Croÿ, em 1551, tornou-se o 3.° Duque de Aarschot, 4.° Príncipe de Chimay e 4.° Conde de Beaumont .

Participou dos distúrbios nos Países Baixos Espanhóis, e em 1563 se recusou a aderir a Guilherme I, príncipe de Orange e a outros em seus esforços para remover o Cardeal Granvelle de seu cargo. Essa atitude, juntamente com a devoção de Aarschot à Igreja Católica, que ele expressou demonstrando sua satisfação pelo massacre da noite de São Bartolomeu, levou Filipe da Espanha a aumentar ainda mais a sua estima por ele, porém, esta confiança foi abalada em decorrência da conduta ambígua do Duque de Aarschot ao acolher o novo governador, João da Áustria (Don Juan de Austria), nos Países Baixos em 1576.

Apesar de geralmente ser visto com desconfiança pelos habitantes dos Países Baixos, Filipe foi nomeado governador da cidadela de Antuérpia quando as tropas espanholas se retiraram em 1577. Depois de um período de hesitações ele abandonou Dom João, no final do mesmo ano.

Por ter ciúmes do Príncipe de Orange, Filipe se tornou o presidente do partido que levou o arquiduque Matias (mais tarde imperador) a encarregar-se da soberania dos Países Baixos, e logo depois foi nomeado governador de Flandres pelo Conselho de Estado. Um partido forte, que contava com os burgueses de Gante, desconfiava do novo governador; e Aarschot, que foi preso durante um motim em Gante, só foi libertado sob a promessa de renunciar ao cargo.

Aarschot, então, procurou recuperar as graças de Filipe da Espanha, e tendo sido perdoado pelo rei em 1580 novamente compartilhou o governo dos Países Baixos; mas se recusou a servir sob o comando do Conde de Fuentes, quando ele tornou-se governador-geral, em 1594, e se mudou para Veneza, onde morreu em dezembro de 1595.

Família[editar | editar código-fonte]

Filipe III casou em 24 de janeiro de 1558 com Johanna Henriette de Halewyn, filha de Jean III de Halewyn, Visconde de Nieuwpoort e de Jossyne de Lannoy. Eles tiveram três filhos:

Referências

Wikisource  "Arschot, Philippe de Croy". Encyclopædia Britannica (11th). (1911). Ed. Chisholm, Hugh. Cambridge University Press.