Filoctetes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Filoctetes.

Na mitologia grega, Filoctetes (também Filocteto; em grego: Φιλοκτήτης) era o filho do rei Peante da Melibeia e de Demonassa[1] , originário da Tessália. A sua história é contada por Sófocles, e também por Virgílio, Píndaro, Séneca, Quintiliano, Ovídio e Higino. Seu pai, um dos argonautas, é dado como filho de Thaumacus[2] .

Filoctetes era um dos Argonautas[3] [Nota 1] , bem como amigo pessoal [4] e mestre de armas de Héracles, estando presente no episódio da morte do herói. Por causa de ter sido Filoctetes a acender a pira funerária [5] (fontes dizem que terá sido Iolau), foi ele quem recebeu o arco e flechas de Héracles[5] . As flechas foram mergulhadas na bílis venenosa da Hidra de Lerna. Filoctetes jurou solenemente nunca revelar o local das cinzas de Héracles.

Envolvimento na Guerra de Troia[editar | editar código-fonte]

Filoctetes viajou para Esparta e veio a ser um dos pretendentes de Helena de Troia[6] . Esta acabou por casar-se com Menelau, e todos os pretendentes juraram proteger Helena. Quando esta fugiu com Páris, Menelau chamou Filoctetes para navegar até Troia

Há duas versões que explicam a interrupção da viagem de Filoctetes até Troia, mas ambas referem que ele foi ferido no pé e que a ferida infectou e tinha um cheiro terrível. Odisseu retirou do acampamento dos Aqueus e deixou-o em Lemnos ou Crise.

A ferida de Filoctetes[editar | editar código-fonte]

Uma das versões assenta que Filoctetes terá sido mordido por uma serpente que Hera enviou para molestá-lo como castigo pelo seu serviço a prestado a Héracles, filho bastardo de Zeus. Outra tradição relata que os Gregos forçaram Filoctetes a mostrar-lhes onde é que as cinzas de Héracles foram depositadas. Filoctetes, não querendo quebrar o juramento com as suas próprias palavras, acabou por mostrar-lhes o sítio, no próprio local, com o pé. Assim que ele tocou no solo sob o qual estavam as cinzas, o seu pé ficou ferido, devido a uma flecha envenenada de Héracles que caiu da aljava, punindo assim o perjúrio de Filoctetes.

Fosse qual fosse a causa da ferida, Filoctetes não conseguiu juntar-se aos restantes Gregos e não ficou agradado pelo tratamento dado por Odisseu, que aconselhara os Atridas a deixá-lo. Médon tomou conta dos homens de Filoctetes. Filoctetes ficou sozinho em Lemnos durante dez anos.

Saída de Lemnos[editar | editar código-fonte]

Heleno, filho do Rei Príamo, de Troia, foi forçado a revelar, sob tortura, que uma das condições para os Gregos vencerem a Guerra de Troia, era a de usarem o arco e flechas de Héracles. Assim que ouviram isto, Odisseu e Neptólemo foram buscar Filoctetes a Lemnos. A sua ferida foi curada pelo herói médico Macaão ou Podalírio (filhos de Asclépio).

Segundo Higino, Filoctetes levou sete navios de Melibeia para a guerra.[1]

Filoctetes matou então muitos homens valorosos de Troia, tais como Páris, filho de Príamo e esposo de Helena. Depois da guerra, foi um dos que regressaram de Troia sem que lhes acontecessem qualquer infortúnio. Viajou para a Itália e fundou a cidade de Petilia, na Calábria, sendo considerado fundador dos Brutos, ou Brutti.

Na Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

O nome Filoctetes é aproveitado no desenho Hércules (Disney) como o sátiro que treina Hércules.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Higino inclui Filoctetes, mas não Peante, como argonauta; Apolodoro inclui Peante mas não inclui Filoctetes

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Higino, Fabulae, XCVII, Dos que atacaram Troia, e o número de seus navios
  2. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.9.16
  3. Higino, Fabulae, XIV, O conjunto dos Argonautas
  4. Higino, Fabulae, CCLVII, Sobre os mais amigos mais leais
  5. a b Higino, Fabulae, XXXVI, Dejanira
  6. Higino, Fabulae, LXXXI, Pretendentes de Helena