Fingolfin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fingolfin
Personagem da Terra Média
Fëanor ameaça Fingolfin
Fëanor ameaça Fingolfin
Raça Elfos
Divisão Noldor
Tiítulos Rei supremo dos Noldor
Data de Nascimento 1190 do Ano das Árvores
Data de Falecimento 3426
Primeira aparição
em Livro
O Silmarillion
Personagems Criados por J.R.R. Tolkien


Fingolfin é um personagem fictício da Terra Média criado por J. R. R. Tolkien dentro da obra O Silmarillion. Era um Elfo, filho de Finwë e Indis, irmão de Finarfin e meio-irmão de Fëanor. Era pai de Fingon, Turgon, Aredhel e Argon. Foi o primeiro Rei Supremo dos Noldor depois da morte de seu pai.[1] Segundo Tolkien, seu nome na língua Alto-élfica era Nolofinwë, que significa "Sábio Finwë", e consta que era o mais sábio e mais forte de seus irmãos.

Nome[editar | editar código-fonte]

O nome Fingolfin é a forma sindarin do seu nome em Valinor, ele foi chamado em Quenya de Nolofinwë ('Sábio Finwë').[2]

Sua história[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Quando Morgoth estava em Valinor, espalhou mentiras dizendo que Fingolfin pretendia usurpar a liderança de Finwë e a linhagem mais velha de Fëanor, e também que este pretendia exilar Finarfin e Fingolfin de Tirion. Isso gerou brigas entre eles, e, após ameaçar Fingolfin com sua espada, Fëanor foi isolado de Tirion por doze anos, indo morar com seus filhos e Finwë em Formenos. Fingolfin ficou como rei de Tirion,[3] até o dia em que as Duas Árvores de Valinor foram envenenadas, e as Silmarilli, roubadas. Daí, sucedeu-se a Fuga dos Noldor, que chegou a um ponto onde Fëanor traiu Fingolfin, deixando-o com seu povo para morrerem em Araman, ou voltarem humilhados para Valinor. Uma grande cólera abateu-se sobre ele, e então liderou, juntamente com os seus filhos e os filhos de Finarfin, seu povo através do Helcaraxë chegando afinal à Beleriand, onde se tornou Rei Supremo dos Noldor e governou em Hithlum, morando às margens da Lagoa Mithrim. São controversas as informações sobre quanto tempo Fingolfin demorou para atravessar do Helcaraxë para a Terra Média. Porém é dito que quando chegou e desfraldou seus estandartes, o Sol nasceu pela primeira vez.

Sua morte[editar | editar código-fonte]

Ao término da Dagor Bragollach, ao ver que os elfos foram derrotados, pensou que os Noldor não tinham mais esperança, e se encheu de ódio a Morgoth. Num ato de desespero, cavalgou a Angband e chegando lá, foi confundido com o próprio Vala Oromë, e então o exercito de Morgoth que se encontrava na entrada da fortaleza de Thangorondrim fugiu se escondendo com medo do "Deus". Fingolfin Nolofinwë desafiou o próprio Morgoth a uma luta de homem a homem, o chamando de covarde e senhor de escravos aos pés das Thangorodrim, já crendo numa inevitável derrota dos Eldar. Nesse memorável combate, até hoje lembrado com orgulho e tristeza pelos Eldar e com medo e ódio pelos servidores do escuro, três vezes caiu Fingolfin sob os golpes de Grond, o martelo de Morgoth, e três vezes ele se levantou; mas sete vezes golpeou e feriu Morgoth, até que Fingolfin caiu, devido ao cansaço e aos buracos e destroços no chão. Então, Morgoth colocou seu pé sobre o pescoço de Figolfin, e pressionou com uma força extrema. Fingolfin então, pegou sua espada Ringil, e cravou-a no pé de Morgoth. Assim morreu Fingolfin, mas diz-se que Morgoth ficou manco para sempre. Este ia jogar seu corpo para os lobos, mas foi salvo por Thorondor, que feriu Morgoth no rosto. Thorondor então o levou a seu filho, Turgon, que enterrou-o ao norte de Gondolin.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Conceito e criação[editar | editar código-fonte]

Fingolfin está entre os principais personagens que Tolkien, que também usou para ilustrar seus escritos, forneceu com um dispositivo heráldico distinto.[4]

A Casa de Fingolfin[editar | editar código-fonte]

 
Finwë
 
Indis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fingolfin
 
Anairë
 
Finarfin
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fingon
 
 
Aredhel
 
Eöl
 
Argon
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Maeglin
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Turgon
 
Elenwë
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Idril
 
 
 
 
 
 
 
 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Tolkien, J. R. R.. In: Tolkien, Christopher. The Children of Húrin (em inglês). [S.l.]: Houghton Mifflin Harcourt, 2012. 320 pp. ISBN 0547952104.
  2. Disponível em The History of Middle-earth, "The Schibboleth of Feänor".
  3. Tolkien, J. R. R.. In: Tolkien, Christopher. O Silmarillion (em português). 1ª. ed. São Paulo, SP: WWF Martins Fontes, 2009. 480 pp. ISBN 9788578274887.
  4. Hammond, Wayne G.; Scull, Christina. J. R. R. Tolkien: Artist and Illustrator (em inglês). [S.l.]: Houghton Mifflin, 1995. ISBN 978-0-395-74816-9.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]