Fiona Apple

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Fiona Apple
Fiona Apple Oct 2012.jpg
Em Nova York, outubro de 2012
Informação geral
Nome completo Fiona Apple McAfee Maggart
Nascimento 13 de Setembro de 1977 (37 anos)
Origem Greenwich Village, Manhattan, Nova Iorque
País Estados Unidos Flag of the United States.svg
Gênero(s) Baroque pop
Alternativo
Pop rock
Jazz
Instrumento(s) vocal
piano
Período em atividade 1994–presente
Gravadora(s) Epic
Página oficial Fiona-Apple.com

Fiona Apple McAfee Maggart (Manhattan, 13 de Setembro de 1977) é uma cantora, compositora e pianista norte-americana.

Canções metafóricas, temáticas psicológicas e melodias bem trabalhadas fizeram com que Fiona Apple conquistasse cedo o apreço do público e dos críticos, seu disco de estreia vendeu mais de 3 milhões de exemplares nos Estados Unidos e com menos de vinte anos, a cantora ganhou seu primeiro Grammy. Periodicamente também acompanha a turnê de outros grupos musicais, como a banda de indie rock Eels e Coldplay.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fiona cresceu numa família de artistas. Sua mãe, Diane McAfee é cantora e seu pai é o ator Brandon Maggart. Seus avós maternos faziam parte do mundo da música e vários dos irmãos da cantora estão envolvidos no show business.

Infância[editar | editar código-fonte]

Fiona passou sua infância na casa de sua mãe em Greenwich Village, em Nova Iorque, após a separação de seus pais quando a cantora era ainda bem pequena. Desde criança, Fiona teve formação musical, tendo aulas de piano desde os 4 anos de idade. A cantora já relatou que canta desde que se lembra, de forma natural. O divórcio possivelmente teve seus efeitos na vida da artista que, desde jovem, mostrava-se altamente introspectiva e com dificuldades de socialização.

Traumas[editar | editar código-fonte]

Quando tinha 12 anos, Fiona foi estuprada por um desconhecido no prédio de sua mãe, fato que deixou marcas profundas na artista, como transtornos obsessivos compulsivos e transtornos alimentares, que evoluíram para anorexia nervosa. A canção Sullen Girl, do seu disco de estréia Tidal fala dessa experiência traumática. Em entrevista no programa de Howard Stern, à época do lançamento desse disco, a cantora afirmou que não tinha problemas para tratar do assunto pois, segundo ela, "se não se fala de um assunto como esse, ele acaba nos controlando".

Carreira musical[editar | editar código-fonte]

Aos 17 anos, Fiona decidiu que a música era o caminho que deveria seguir. Pensando nisto, gravou uma demo com três de suas canções e distribuiu o material por gravadoras e rádios. Sua demo foi tocada numa festa com várias pessoas do ramo da música, dentre os quais Andrew Slater. Fiona acabou tendo então a oportunidade de conhecer o produtor pessoalmente, que se mostrou capaz de entender a sua relação com a música e os seus objetivos como artista.

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Apesar de ser considerada uma compositora excepcional, o piano e a voz de Fiona Apple são os veículos principais de sua arte. Em 1997, um ano após o lançamento de seu primeiro disco, grandes espectáculos se seguiram: tocou em Paris, apareceu como convidada no programa de televisão Saturday Night Live, e também em capas de revistas como a Rolling Stone e a Time.

Tidal[editar | editar código-fonte]

Tidal (1996), seu álbum de estréia, tornou-se um disco clássico e indispensável aos amantes da boa música. No mesmo ano do lançamento, o álbum recebeu um disco de ouro e um triplo de platina por vender mais de três milhões de exemplares. Foi ainda considerado pela revista Rolling Stone, uma importante publicação americana, um dos álbuns essenciais dos anos 90. Os destaques foram as faixas Never Is a Promise, Criminal e Sleep to Dream.

As letras de Tidal são marcadas por um caráter melancólico, por vezes sombrio, e pelo teor elaborado das faixas. Fiona declarou que algumas delas foram compostas quando ela tinha apenas 14 anos, indicando que a sua inclinação para a poesia surgiu desde cedo.

When the Pawn...[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 1999 foi lançado o seu segundo disco, intitulado "When The Pawn Hits The Conflicts He Thinks Like A King What He Knows Throws The Blows When He Goes To The Fight And He'll Win The Whole Thing Fore He Enters The Ring There's No Body To Batter When Your Mind is Your Might So When You Go Solo. You Hold Your Own Hand And Remember That Depth Is The Greatest Of Heights And If You Know Where You Stand. Then You'll Know Where To Land And If You Fall It Won't Matter, Cuz You Know That You're Right". O enorme título é um poema que a cantora escreveu em resposta a críticas que lhe foram feitas por causa de uma entrevista dada à revista Rolling Stone.

Produzido pelo reputado Jon Brion, nesse disco Fiona reafirma sua grandeza como compositora e cantora. Pode-se encontrar nele diferentes influências musicais, tais como o funk, jazz e o rock clássico, recheados de arranjos de violinos e instrumentos pouco comuns.

As faixas que ganharam destaque foram "Fast as You Can", “Limp” e "Paper Bag". Em janeiro de 2001, a cantora foi mais uma vez indicada para os prémios Grammy. Desta vez ela concorreu em duas categorias: Melhor Álbum Alternativo (“When The Pawn...”) e Melhor Performance de Cantora Rock com a música “Paper Bag”.

Extraordinary Machine[editar | editar código-fonte]

Em 2005, a cantora anunciou seu retorno ao mercado com o lançamento de “Extraordinary Machine”, primeiro trabalho de inéditas em cinco anos. O material foi gravado originalmente em 2002 e chegou às lojas três anos depois.

A demora do lançamento teria sido justificado pela recusa da gravadora em lançá-lo por achá-lo anticomercial. Fãs no mundo todo chegaram a organizar uma campanha em favor do lançamento do álbum, intitulada "Free Fiona" chegando até a colocar uma espécie de "tapete" de maçãs na sede americana para sensibilizar os executivos da gravadora. Acredita-se que o álbum foi finalmente lançado graças a essa campanha.

O lançamento da versão final do álbum foi bastante atribulado, visto que o produtor original, Jon Brion, fora substituído após finalizadas as gravações, e todo o álbum teve que ser refeito. A primeira versão não-oficial, de Jon Brion, ainda pode ser encontrada na rede, e é considerada a melhor versão por parte dos fãs. A cantora já mostrou interesse em finalizar esse álbum com Jon Brion, porém nada ainda foi feito nesse sentido.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Fiona Apple