Fisiocracia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde janeiro de 2013). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Retrato de François Quesnay.
François Quesnay, uma das figuras que mais contribuiu para a Fisiocracia.

Fisiocracia (do grego "Governo da Natureza") é uma teoria econômica desenvolvida por um grupo de economistas franceses do século XVIII, que acreditavam que a riqueza das nações era derivada unicamente do valor de "terras agrícolas" ou do "desenvolvimento da terra" e que produtos agrícolas deveriam ter preços elevados. [1]

Suas teorias surgiram na França e foram mais populares durante a segunda metade do século XVIII. A Fisiocracia talvez seja a primeira teoria bem desenvolvida da economia.

O movimento foi particularmente dominado por François Quesnay (1694-1774) e Anne Robert Jacques Turgot (1727-1781). Esse movimento imediatamente precedeu a primeira escola moderna, a economia clássica, que se iniciou com a publicação do livro de Adam Smith, A Riqueza das Nações, em 1776.

A contribuição mais significativa dos fisiocratas era a sua ênfase no trabalho produtivo como fonte de riqueza nacional. Esse pensamento é contrastante em relação ao das escolas anteriores, em particular o mercantilismo, que muitas vezes focava na riqueza do governante, no acúmulo de ouro, ou no saldo da balança comercial. Enquanto a escola Mercantilista de economia dizia que o valor dos produtos da sociedade era criado no seu ponto de venda, [2] com o vendedor vendendo seus produtos por mais dinheiro do que estes tinham "originalmente" valido, a escola Fisiocrática de economia foi a primeira a ver o trabalho como a única fonte de valor. No entanto, para os fisiocratas, apenas o trabalho agrícola criava este valor nos produtos da sociedade. [3] Todo o trabalho "industrial" e não agrícola eram "apêndices improdutivos" para o trabalho agrícola. [4]

Na época em que fisiocratas estavam formulando suas idéias, a economia era quase totalmente agrária. Esse talvez seja o motivo pelo qual a teoria tenha considerado apenas o trabalho agrícola como sendo valioso. Fisiocratas viam a produção de bens e serviços como consumo do excedente agrícola, uma vez que a principal fonte de energia era o músculo humano ou animal e toda a energia era derivada a partir do excedente de produção agrícola. O lucro na produção capitalista era apenas o "aluguel" obtido pelo proprietário do terreno em que a produção agrícola estava ocorrendo. [5]

A percepção do reconhecimento dos Fisiocratas da importância fundamental do terreno foi reforçada no meio século seguinte, quando os combustíveis fósseis foram aproveitados por meio do uso da máquina a vapor. A produtividade aumentou consideravelmente. Ferrovias, e sistemas de abastecimento de água e saneamento a vapor, possíveis cidades de vários milhões de pessoas com valores da terra muitas vezes maior do que as terras agrícolas. Assim, enquanto os economistas modernos também reconhecem manufatura e serviços como produtivos e geradores de riqueza, os princípios estabelecidas pelos fisiocratas permanecem válidos. A Fisiocracia também tem uma relevância contemporânea importante em que toda a vida permanece dependente da produtividade do solo bruto e a capacidade do meio ambiente natural se renovar.

O historiador David B. Danbom explica: "Os fisiocratas condenavam cidades para a sua artificialidade e elogiavam estilos mais naturais de vida. Eles celebravam agricultores". [6] Eles se chamavam "économistes", mas são geralmente referidos como fisiocratas para distingui-los das muitas escolas do pensamento econômico que os seguia.

Precursores[editar | editar código-fonte]

Pintura de Confúcio, guache em papel.
O Confucionismo, sistema desenvolvido a partir das ideais de Confúcio, foi adotado por fisiocratas como Quesnay.

A Fisiocracia é uma filosofia de caráter agrário. No final da República Romana, a classe senatorial dominante não era autorizada a participar do setor bancário ou do comércio, mas dependia de seus latifúndios, grandes plantações, para a renda. Eles contornaram esta regra por meio de procurações de homens livres que vendiam bens agrícolas excedentes.

Após o declínio do Império Romano, a desurbanização levou à cessação comércio e ao declínio da comercialização na maior parte da Europa_Ocidental. As economias centraram-se nas casas senhoriais agrícolas onde guerreiros-proprietários, a nobreza medieval, coletavam alugéis de seus servos na forma de produzir. Este foi o sistema econômico dominante até que o comércio começou a ser revivido no final da Idade Média, promovendo a ascensão da classe mercantil.

Outra inspiração veio do sistema econômico da China, o maior do mundo. A sociedade chinesa amplamente distinguiu quatro ocupações, com bolsas de estudo burocratas, que também eram proprietários agrários, na parte superior e na parte inferior comerciantes (porque eles não produziam bens, apenas distribuiam os produtos fabricados por terceiros). Líderes fisiocratas como François Quesnay eram confucionistas ávidos que defendiam as políticas agrárias da China. Alguns estudiosos têm defendido ligações com a escola agriculturalista, que promoveu o comuismo utópico.



Notas

  1. "physiocrat". Oxford Dictionaries. Oxford University Press. Revisto em 27 Outubro 2013.
  2. Karl Marx e Frederick Engels, "Theories of Surplus Labor" from the Economic Manuscripts of 1861-1863 contained in the Collected works of Karl Marx and Frederick Engles: Volume 30 (New York: International Publishers, 1988) p. 348.
  3. Karl Marx e Frederick Engels, "Theories of Surplus Value" from the Economic Manuscripts of 1861-1863" contained in Collected Works of Karl Marx and Frederick Engels: Volume 30 (New York: International Publishers, 1988) p. 355.
  4. Karl Marx e Frederick Engels, "Theories of Surplus Value" contained in Collected Works of Karl Marx and Frederick Engels: Volume 30, p. 358.
  5. Karl Marx and Frederick Engels, "Theories of Surplus Value" contained in Collected Works Karl Marx and Frederick Engels: Volume 30, p. 355.
  6. Why Americans Value Rural Life by David B. Danbom

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal
A Wikipédia possui o
Portal da economia.

Fonte[editar | editar código-fonte]

Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é Physiocracy.