Fitoterapia chinesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

A fitoterapia chinesa (中药) é uma das modalidades de tratamento adotadas pela medicina tradicional chinesa. Apesar do termo chinês ser traduzido em geral como fitoterapia ou medicina herbal, esta forma de tratamento também se utiliza de ingredientes de origem animal ou mineral na elaboração de suas fórmulas. Observe-se que "fitoterápico" é o medicamento obtido empregando-se exclusivamente matérias-primas ativas vegetais, [1] entretanto, popularmente denomina-se por extensão, como fitoterapia, toda a farmacopeia chinesa. Sabe-se também que, a rigor farmacopeia é o registro oficial ou livro em que se reúnem fórmulas e preceitos relativos à preparação de medicamentos e à sua identificação, e se arrolam os medicamentos aprovados pelo Estado[2] .

Capa da 1ª edição da Farmacopeia Chinesa (中国药典) publicada em 1930

Os diversos ingredientes que compõem cada receita indicada por um terapeuta de medicina tradicional chinesa que emprega este método são combinados em proporções que maximizam seus efeitos e inibem possíveis efeitos colaterais. O conhecimento destas combinações e proporções é fruto de milhares de anos de uso tradicional nas diversas regiões da China, experimentação empírica e recentes pesquisas para atualização e registro em sua farmacopeia oficial, estabelecida uma base científica e legal nos moldes das ocidentais desde 1929.[3]

Atualmente além das farmácias de medicina tradicional chinesa que pesam e combinam na hora os igredientes de cada fórmula, existem medicamentos produzidos na própria China que combinam as receitas para os problemas mais comuns e as oferecem como pílulas.

Zhongwen.svg Este artigo contém texto em chinês.
Sem suporte multilingue apropriado, você verá interrogações, quadrados ou outros símbolos em vez de caracteres chineses.


Classificação das ervas chinesas[editar | editar código-fonte]

Ervas secas e partes de plantas usadas na fitoterapia chinesa no mercado de Xian

A medicina tradicional chinesa utiliza diversos métodos para classificar as ervas chinesas que emprega em seus medicamentos:

  • As 4 Naturezas (四气 ou 四性)
  • Os 5 Sabores (五味)
  • Os Meridianos (归经)
  • Os pricípios complementares Yin/Yang

O antigo chinês (da Dinastia Han à Dinastia Tang) Ben Cao (Materia Medicae) iniciou por uma categorização de três níveis:

  • Nível inferior -- ação drástica, inclui substâncias que podem ser tóxicas conforme a dosagem.
  • Nível médio -- efeitos medicinais sobre o corpo.
  • Nível superior -- aprimora a saúde e o espírito.

As 50 ervas chinesas fundamentais[editar | editar código-fonte]

Na herbologia chinesa há 50 ervas fundamentais: [4]

  1. Agastache rugosa - huòxiāng ()
  2. Alangium chinense - bā jiǎo fēng ()
  3. Anemone or Pulsatilla chinensis - bái tóu weng ()
  4. Anisodus tanguticus - shān lang dàng ()
  5. Ardisia japonica - zǐjīn niú ()
  6. Aster tataricus - zǐwǎn ()
  7. Astragalus membranaceus - huángqí () or běiqí ()
  8. Camellia sinensis - chá shù () or chá yè ()
  9. Cannabis sativa - dà má ()
  10. Carthamus tinctorius - hóng huā ()
  11. Cinnamomum cassia - ròu gùi ()
  12. Cissampelos pareira - xí shēng téng () or ()
  13. Coptis chinensis - duǎn è huánglián ()
  14. Corydalis ambigua - yán hú suǒ ()
  15. Croton tiglium - bā dòu ()
  16. Daphne genkwa - yuánhuā ()
  17. Datura metel - yáng jīn huā ()
  18. Datura tatula - zǐ huā màn tuó luó ()
  19. Dendrobium nobile - shí hú () or shí hú lán ()
  20. Dichroa febrifuga - chángshān ()
  21. Ephedra (genus) Ephedra sinica - cǎo má huáng ()
  22. Eucommia ulmoides - dùzhòng ()
  23. Euphorbia pekinensis - dàjǐ ()
  24. Flueggea suffruticosa (formerly Securinega suffruticosa) - yī yè qiū ()
  25. Forsythia suspensa - liánqiào ()
  26. Gentiana loureiroi - dì dīng ()
  27. Gleditsia sinensis - zào jiá ()
  28. Glycyrrhiza uralensis - gāncǎo () (Glycyrrhiza glabra)
  29. Hydnocarpus anthelmintica (syn. H. anthelminthicus) - dà fēng zǐ ()
  30. Ilex purpurea - dōngqīng ()
  31. Leonurus japonicus - yìmǔcǎo ()
  32. Ligusticum wallichii - chuānxiōng ()
  33. Lobelia chinensis - bàn biān lián ()
  34. Phellodendron amurense - huáng bǎi ()
  35. Platycladus orientalis (formerly Thuja orientalis) - cèbǎi ()
  36. Pseudolarix amabilis - jīn qián sōng ()
  37. Psilopeganum sinense - shān má huáng ()
  38. Pueraria lobata - gé gēn ()
  39. Rauwolfia serpentina - () or ()
  40. Rehmannia glutinosa - dìhuáng () or gān dìhuáng ()
  41. Rheum officinale - yào yòng dà huáng ()
  42. Rhododendron tsinghaiense - Qīnghǎi dùjuān ()
  43. Saussurea costus - yún mù xiāng ()
  44. Schisandra chinensis - wǔ wèi zi ()
  45. Scutellaria baicalensis - huángqín ()
  46. Stemona tuberosa - bǎi bù ()
  47. Stephania tetrandra - fáng jǐ ()
  48. Styphnolobium japonicum (formerly Sophora japonica) - huái (), huái shù (), or huái huā ()
  49. Trichosanthes kirilowii - guālóu ()
  50. Wikstroemia indica - liǎo gē wáng ()

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ganoderma lucidum, em chinês Língzhī (靈芝) cogumelo de uso tradicional que tem sido pesquisado por suas propriedades terapêuticas, especialmente antitumorais[5]

Referências

  1. Brasil, Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, Resolução RDC nº 48, de 16 de março de 2004
  2. Aurélio. Novo Dicionário Eletrônico Aurélio versão 5.0. Rr, Positivo, 2004
  3. Read, Bernard E. The chinese pharmacopœia. Can Med Assoc J. Oct 1930; 23(4): 568–570. PMCID: PMC382121 Acesso, dez. 2014
  4. Wong, Ming. La Médecine chinoise par les plantes. Le Corps a Vivre series. Éditions Tchou, 1976.
  5. Suarez-Arroyo, Ivette J. et al. “Anti-Tumor Effects of Ganoderma Lucidum (Reishi) in Inflammatory Breast Cancer in In Vivo and In Vitro Models.” Ed. Ferenc Gallyas. PLoS ONE 8.2 (2013): e57431. PMC. Web. 16 Dec. 2014.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Administração Estatal de Medicina e Farmácia Tradicionais Chinesas - AEMFTC. Farmacologia e medicina tradicionais chinesas, v. 1 : história, teoria básica, diagnóstico. São Paulo: Roca, 2004. ISBN 85-7241-501-7
  • Botsaris, Alexandros Spyros. Fitoterapia Chinesa e Plantas Brasileiras. SP, Ícone Ed., 1995
  • Li, C. P. Chinese Herbal Medicine. San Diego, CA, The Book Tree, 2003 Google Books 2010
  • Hsu, Elisabeth; Harri, Stephen (Ed.). Plants, Health and Healing: On the Interface of Ethnobotany and Medical Antrhropology. USA, Berghahn Books, 2010 Google Books Acesso Dez. 2014
  • Needham, Joseph; Kuhn, Dieter. Science and civilisation in China: Chemistry and chemical, Volume 5,Part 9 Google Books Jan 2011
  • Needham, Joseph; Gwei-Djen, Lu. Science and civilisation in China: Biology and biological technology. Botany, Volume 6, Part 1 Google Books Jan 2011
  • Hsing-Tsung Huang. Science & Civilizations in China Science and civilisation in China: Biology and biological technology, Volume 6, Part 5 Google Books Jan 2011
  • Noleto, Paulo; Ling, Xu. Fitoterapia chinesa, matéria médica. SP, Ícone, 2009 ISBN 978-85-274-1038-0
  • Schafer, Peg. The Chinese Medicinal Herb Farm: A Cultivator's Guide to Small-scale Organic Herb Production, London, Chelsea Green Publishinh, 2011 Google Books Acesso Dez. 2014
  • Tierra, Michael; Tierra, Lesley. Chinese Traditional Herbal Medicine Volume I Diagnosis and Treatment. USA, Library of Congress, 1998 Google Books 2010
  • Yeung, Him-Che. Handbook of Chinese Herbs and Formulas. Institute of Chinese Medicine, Los Angeles, 1985.
  • Yang, Shou-zhong. The Divine Farmer's Materia Medica: A Translation of the Shen Nong Ben Cao Jing. USA, Blue Poppy Press, 2007 Google Books Maio, 2011

Páginas externas[editar | editar código-fonte]