Fogo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma fogueira
Fogo gerado por um borrifador de inseticida sem usar petróleo.

O fogo é a rápida oxidação de um material combustível liberando calor, luz e produtos de reação, tais como o dióxido de carbono e a água.[1] O fogo é uma mistura de gases a altas temperaturas, formada em reação exotérmica de oxidação, que emite radiação eletromagnética nas faixas do infravermelho e visível. Desse modo, o fogo pode ser entendido como uma entidade gasosa emissora de radiação e decorrente da combustão. Se bastante quente, os gases podem se tornar ionizados para produzir plasma.[2] Dependendo das substâncias presentes e de quaisquer impurezas, a cor da chama e a intensidade do fogo podem variar. O fogo em sua forma mais comum pode resultar em incêndio, que tem o potencial de causar dano físico através da queima.

Fundamentos químico e físico[editar | editar código-fonte]

Fogo capturado em câmera lenta.

Chamamos de fogo o resultado de um processo termoquímico muito exotérmico de oxidação. Geralmente, um composto químico orgânico como o papel, a madeira, os plásticos, os gases de hidrocarbonetos, gasolina e outros, susceptíveis a oxidação, em contato com uma substância comburente (oxigênio da atmosfera, por exemplo) necessitam de uma energia de ativação, também conhecida como temperatura de ignição. Esta energia para inflamar o combustível pode ser fornecida através de uma faisca ou de uma chama. Iniciada a reação de oxidação, também denominada de combustão ou queima, o calor desprendido pela reação mantém o processo em marcha.

Os produtos da combustão (principalmente vapor de água e dióxido de carbono), em altas temperaturas pelo calor desprendido pela reação química, emitem luz visível. O resultado é uma mistura de gases incandescentes emitindo energia, denominado chama ou fogo.

Influência histórica[editar | editar código-fonte]

Animação de um nativo do Vanuatu esfregando um pedaço de madeira contra outro para acender o fogo.

O fogo foi a maior conquista do ser humano na pré-história. A partir desta conquista o homem aprendeu a utilizar a força do fogo em seu proveito, extraindo a energia dos materiais da natureza ou moldando a natureza em seu benefício. O fogo serviu como proteção aos primeiros hominídeos, afastando os predadores. Depois, o fogo começou a ser empregado na caça, usando tochas rudimentares para assustar a presa, encurralando-a. Foram inventados vários tipos de tochas, utilizando diversas madeiras e vários óleos vegetais e animais. No inverno e em épocas gélidas, o fogo protegeu o ser humano do frio mortal. O ser humano pré-histórico também aprendeu a cozinhar os alimentos em fogueiras, tornando-os mais saborosos e saudáveis, pois o calor matava muitas bactérias existentes na carne.

O fogo também foi o maior responsável pela sobrevivência do ser humano e pelo grau de desenvolvimento da humanidade, apesar de que, durante muitos períodos da história, o fogo foi usado no desenvolvimento e criação de armas e como força destrutiva.

Na antiguidade o fogo era visto como uma das partes fundamentais que formariam a matéria. Na Idade Média, os alquimistas acreditavam que o fogo tinha propriedades de transformação da matéria alterando determinadas propriedades químicas das substâncias, como a transformação de um minério sem valor em ouro.

Controle humano[editar | editar código-fonte]

O milagre de fogo de São Pedro Mártir por Antonio Vivarini

A capacidade de controle de fogo foi uma mudança dramática nos hábitos dos primeiros seres humanos. Fazer fogo para gerar calor e luz tornou possível às pessoas cozinhar alimentos, aumentando a variedade e disponibilidade de nutrientes. O calor produzido também ajudou as pessoas a manterem-se aquecidas no frio, permitindo-lhes viver em climas mais frios. O fogo também manteve predadores noturnos afastados. Evidências de comida cozida são encontradas a partir de 1,9 milhões de anos atrás, embora o fogo provavelmente não foi utilizado de forma controlada até há um milhão de anos.[3] [4] As evidências tornam-se generalizadas cerca de 50 a 100 mil anos atrás, sugerindo o uso regular a partir deste momento. Curiosamente, a resistência à poluição atmosférica começou a evoluir nas populações humanas na mesma época.[3] O uso do fogo tornou-se progressivamente mais sofisticado, com a sua utilização para produzir carvão e controlar a vida selvagem desde dezenas de milhares de anos atrás. [3]

O fogo também foi usado por séculos como um método de tortura e execução, como evidenciado pela morte na fogueira, bem como instrumentos de tortura, como a bota malaia, que poderia ser preenchida com água, óleo, ou mesmo chumbo e, em seguida, aquecida em fogo aberto para agonia do que a calçava.

Até a Revolução Neolítica,[carece de fontes?] durante a introdução da agricultura baseada em grãos, pessoas de todo o mundo usaram o fogo como uma ferramenta de manejo da paisagem. Estes incêndios foram tipicamente queimadas controladas ou "fogos frios",[carece de fontes?] ao invés de "incêndios quentes" descontrolados, que danificam o solo. Incêndios quentes destroem plantas e animais e põem em perigo as comunidades. Este é um problema especialmente nas florestas de hoje, onde a queimada tradicional está impedida, a fim de incentivar o crescimento das culturas de madeira. Fogos frios são geralmente realizados na primavera e no outono. Eles limpam a vegetação rasteira, queimando biomassa que pode provocar um incêndio quente que o deixaria muito concentrado. Oferecem uma maior variedade de ambientes, o que estimula a caça e a diversidade de plantas. Para os humanos, eles tornam transitáveis as densas e antes intransitáveis florestas. Outro uso humano para o fogo no que diz respeito ao manejo da paisagem é o seu uso para limpar a terra para a agricultura. O cultivo baseado em corte e queima ainda é comum em grande parte da África tropical, Ásia e América do Sul. "Para os pequenos agricultores, é uma forma conveniente para limpar áreas cobertas de vegetação e liberar nutrientes da vegetação restante de volta para o solo".[5] [6] No entanto, esta estratégia útil também é problemática. A população crescente, a fragmentação das florestas e aquecimento do clima estão fazendo a superfície da Terra mais propensa a que ocorram incêndios cada vez maiores. Estes danificam os ecossistemas e a infra-estrutura humana, causam problemas de saúde e liberam espirais de carbono e fuligem que podem incentivar ainda mais o aquecimento da atmosfera e, assim, servir de base para mais incêndios. Globalmente, nos dias de hoje, cerca de cinco milhões de quilômetros quadrados de área - mais de metade do tamanho dos Estados Unidos - são queimados em um determinado ano. [6]

Existem inúmeras aplicações modernas de fogo. Em seu sentido mais amplo, o fogo é usado por quase todo o ser humano na terra em um ambiente controlado todos os dias. Os usuários de veículos de combustão interna empregam fogo cada vez que eles dirigem. Usinas termoelétricas fornecem eletricidade para uma grande porcentagem da humanidade.

Hamburgo após quatro ataques com bombas incendiárias em julho de 1943, que mataram cerca de 50.000 pessoas.[7]

O uso do fogo na guerra tem uma longa história. O fogo foi a base de todos as primeiras armas térmicas. Homero detalhou o uso do fogo por soldados gregos que se esconderam em um cavalo de madeira para queimar Troia durante a guerra de Troia. Mais tarde, a frota bizantina utilizou fogo grego para atacar navios e homens. Na Primeira Guerra Mundial, os primeiros modernos lança-chamas foram usados pela infantaria, e foram instalados de forma bem-sucedida em veículos blindados na Segunda Guerra Mundial. No final da guerra, bombas incendiárias foram usadas pelas Potências do Eixo e pelos Aliados da mesma forma, nomeadamente em Tóquio, Rotterdam, Londres, Hamburgo e, notoriamente, em Dresden. A Força Aérea dos Estados Unidos também usou amplamente bombas incendiárias contra alvos japoneses nos últimos meses da guerra, devastando cidades inteiras construídas principalmente com casas de madeira e papel. O napalm foi empregado em julho de 1944, no final da Segunda Guerra Mundial;[8] embora seu uso não tenha ganho a atenção do público até a Guerra do Vietnã.[8]

Emprego do fogo pelos nativos das Américas[editar | editar código-fonte]

Os dados disponíveis indicam que os primeiros povos que chegaram às Américas vieram da Ásia através do Estreito de Bering há cerca de 13 mil anos, embora haja outras teorias a respeito, mas todas admitem que a tomada dos territórios foi feita ao longo de milênios por levas de povos com diferentes graus de evolução. Além da coleta de alimentos alguns já praticavam a caça, a pesca e possivelmente a agricultura e a zootecnia e muitos deviam ter conhecimento de como produzir o fogo[9] .

Muitos índios acreditavam que o o fogo ficava encerrado invisível na madeira e era liberado quando se atritava dois pedaços dela[10] . Várias lendas tentavam explicar o aparecimento do fogo: o macaco provocava o fogo pelo atrito de dois pedaços de pau e ensinou aos Bororó do Mato Grosso a produzí-lo; um moço misterioso que vivia no fundo das águas ensinou os Tariana do Amazonas; o Deus Tupã esqueceu-se do fogo sobre uma pedra e o jacaré o engoliu. Após ser morto pela Jui, o fogo foi encontrado atrás da orelha do jacaré pelo pássaro japu, que ficou com o bico vermelho; em outra lenda o japu voou até o sol e trouxe o fogo para a Terra; para os Bacaeri do Mato Grosso dois dos seus heróis roubaram o fogo que pertencia à raposa[11] .

Como geralmente a produção do fogo demandava muito esforço, índios de Minas Gerais mantinham de prontidão, vinte e quatro horas por dia, uma equipe de anciões cuidando para que o fogo não se apagasse [12] . Os Cherokee da Carolina do Norte, Georgia e Oklahoma mantinham o fogo aceso debaixo dos locais onde construiam suas habitações. Se elas fossem destruídas por inimigos, o fogo lá permanecia por até um ano e era utilizado quando a aldeia era reconstruída[13] .

Jean de Léry (1534-1611) pastor, missionário e escritor francês que junto com Villegagnon participou da invasão do Rio de Janeiro em 1557 deixou-nos uma vívida narrativa sobre o emprego do fogo pelos índios:

São os selvagens muito amigos do fogo e não pousam em nenhum lugar sem acendê-lo, principalmente à noite, pois temem então ser surpreendidos por Ayugnan, o espírito maligno, que, como já disse, amiúde os espanca e atormenta. Em suas caçadas no mato ou em suas pescarias nos lagos e rios, para qualquer lado que se dirijam, ignorando o uso da pedra e do fuzil, carregam por toda parte duas espécies de madeira, uma tão dura como aquela de que nossos cozinheiros fabricam espetos e outra tão mole que parece podre. Quando querem fazer fogo pegam de um pau em forma de fuso, preparado com a madeira dura e mais ou menos de um pé de comprimento, e colocam com a ponta no centro de outra peça feita com a madeira mole. Esta peça é deitada no chão ou posta sobre um tronco mais ou menos grosso; em seguida rodam com rapidez o pau pontudo entre as palmas das mãos como se quisessem furar a peça inferior. O rápido e violento movimento ao fuso desenvolve tal calor que em se colocando ao lado algodão ou folhas secas de árvores, o fogo pega perfeitamente; e asseguro aos leitores que eu mesmo acendi fogo deste modo [14] .

Dos métodos primitivos de produzir fogo, por percussão e por friccão (atrito)[15] , os indígenas das Américas adotaram o de percussão, onde o fogo é produzido pelo choque de duas pedras, e vários de fricção, como o acendedor manual, o acendedor de boca, o acendedor de quatro mãos, o acendedor de arco, o acendedor de peito, o acendedor de pressão manual e o acendedor de bombeamento. [9]

Produzindo fogo por percussão

Índios de Minas Gerais provocavam fogo usando duas pedras de sílex, uma rocha sedimentar silicatada, apropriadamente chamada de silex pirômico[12] .

Método de produção de fogo por percussão de duas pedras

Acredita-se que o uso da percussão pelos índios brasileiros para produzir fogo tenha sido aprendido dos europeus[11] . Isto é em parte corroborado pelo texto acima de Jean de Léry onde há a informação de que os índios por ele contatados não usavam o fuzil, também conhecido como pederneira, que nada mais é do que o sílex pirômico, ou seja, a pedra de fazer fogo. Contudo, outras tribos das Américas já empregavam este processo muito antes da chegada dos europeus. [9] .

Os Algonquin ou Algonquinos dos Estados Unidos e os Athapascan do Alasca usavam duas pedras de pirita para produzir fogo[16] . Os Esquimó também usavam duas pedras de pirita, dirigindo a faísca para dentro de uma bolsa de couro contendo musgo seco e esfarelado. Quando este incendiava, o fogo era transferido para local previamente preparado para recebê-lo[13]

Produzindo fogo por fricção ou atrito
Acendedor manual

Como descreveu acima Jean de Léry, um dos métodos dos indígenas acenderem o fogo era com o acendedor manual, com o emprego de duas madeiras. A que ficava apoiada no chão recebia o nome de base e a que girava era a haste

Acendendo fogo pela fricção de duas madeiras

Com as mãos abertas, provocava-se um movimento rotatório na haste. Esta removia moinha da base que caia sobre a mecha, ou seja, folhas ou musgo seco ou algodão. Após algum esforço surgia a fagulha na moinha, que pegava fogo, incendiando a mecha[17] . Os Caingá do Mato Grosso do Sul e Argentina e os Apopocuva-Guarani de São Paulo retiravam a ponta da flecha e colocavam no lugar uma madeira dura, tendo assim uma haste, que era friccionada em outra mole, produzindo fogo [9] .

Os Xavante, os Caiapó e os Angarité de Goiás, Os Yanomana do Amazonas e a maioria das tribos sul-americanas faziam fogo com o acendedor manual [18] .[13] , assim como os Huron, os Iroquoi e outras tribos norte-americanas [9] .

Os Yanoama de Roraima faziam fogo utilizando o acendedor manual feito de madeira de cacaueiro. Uma haste com diâmetro equivalente ao de um lápis e com o comprimento de meio metro era atritada em uma pequena cavidade feita na base. Esta apresentava o comprimento de um palmo e a largura de cerca de três centímentros[19]

Os Yahi da California usavam para a base alguma madeira mole como salgueiro ou cedro e a base era de qualquer madeira dura. Na proximidade da borda da base eram feitos furos de 5 a 6 milímetros de profundidade, que eram ligados a ela por finos canais.Os Luiseño, Yana, Maidu, Miwok, Yurok e outras tribos da California usavam a mesma madeira para a haste e para a base [20]

Acendendo fogo pela fricção de duas madeiras - acendedor de boca

Haste composta era usada por algumas tribos norte-americanas, que faziam o corpo principal da haste de uma madeira e a ponta de outra. Capim seco, casca de árvore, madeira apodrecida agulhas (folhas adultas) de pinheiros e alguns fungos eram usados como mecha. O Acendedor manual, quando não em uso, era mantido embrulhado para que pegasse umidade. Além de ser usado para produzir fogo, o acendedor manual tinha outras utilidades. Era usado para fazer furos pelos Esquimó, para trabalhar madeira pelos Haida do Canadá e, com ajuda de areia, para furar pedras por algumas tribos amazônicas[20] . Oito segundos era o tempo que, em condições ideais, os Apache demoravam para fazer fogo. Algumas vezes eles mergulhava a ponta da haste na areia antes de usá-la[13]

  1. Glossary of Wildland Fire Terminology, National Wildfire Coordinating Group, November 2008, http://www.nwcg.gov/pms/pubs/glossary/pms205.pdf, visitado em 2008-12-18 
  2. Helmenstine, Anne Marie, What is the State of Matter of Fire or Flame? Is it a Liquid, Solid, or Gas?, About.com, http://chemistry.about.com/od/chemistryfaqs/f/firechemistry.htm, visitado em 2009-01-21 
  3. a b c doi: 10.1126/science.1163886
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  4. Were Early Humans Cooking Their Food a Million Years Ago?
  5. citação de Miguel Pinedo-Vasquez, um ecologista do Centro para Pesquisa Ambiental e Conservação, da Universidade de Columbia.
  6. a b Farmers, Flames and Climate: Are We Entering an Age of ‘Mega-Fires’? – State of the Planet. Blogs.ei.columbia.edu. Página visitada em 2012-05-23.
  7. "In Pictures: German destruction". BBC News.
  8. a b Napalm. GlobalSecurity.org. Página visitada em 8 de maio de 2010.
  9. a b c d e CAVALCANTE, Messias Soares. Comidas dos Nativos do Novo Mundo. Barueri, SP. Sá Editora. 2014, 403p.ISBN 9788582020364
  10. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Fogo – Mistério que a madeira esconde. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1977, ano I, nº 6, 64p. pp.41-48
  11. a b CASCUDO, Luís da Câmara (1898-1986). História da alimentação no Brasil. 4ª ed. 954p. São Paulo, Global. 2011, 954p.
  12. a b JOSÉ, Oiliam. Indígenas de Minas Gerais – Aspectos sociais, políticos e etnológicos. Belo Horizonte, Edições MP. 1965, 217p.
  13. a b c d HOUGH, Walter. Fire-making apparatus in the U. S. National Museum. s/data. Disponível em http://ia700304.us.archive.org/15/items/firemakingappara00houguoft/firemakingappara00houguoft.pdf. Consulta em 13/08/2013
  14. LÉRY, Jean de (1534-1611). Viagem à terra do Brasil. 303 p. Belo Horizonte, Edit. Itatiaia; São Paulo, Edit. da Universidade de São Paulo. 1980, 303p.
  15. ALLEN, J. Romilly (1847-1907). Notes on fire-producing machines. p. 229-253. In: Proceedings of the Society of Antiquaries of Scotland. 1880, april 12. Disponível em http://archaeologydataservice.ac.uk/catalogue/adsdata/arch-352-1/dissemination/pdf/vol_014/14_229_253.pdf Consulta em 16/08/2013
  16. HOUGH, Walter. Aboriginal fire-making. In: American Anthropologist, Vol. 3, No. 4 (Oct., 1890), pp. 359-372. Disponível em http://www.arch.mcgill.ca/prof/sijpkes/arch528/fall2001/fire-making.pdf. Consulta em 09/07/2013
  17. THEVET, André (1502-1590). A cosmografia universal de André Thevet, cosmógrafo do Rei. Coleção Franceses no Brasil – Séculos XVI e XVII. Rio de Janeiro, Batel; Fundação Darci Ribeiro. 2009, vol. II, 186p
  18. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. O pão da selva. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1976, Ano I, Nº 1, p.14-20, 64p.
  19. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. A arte Yanoama de fabricar utensílios. p. 43-51. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1978, Ano I, Nº 12, p. 43-51, 64p.
  20. a b CAMPBELL, Paul D. Survival skills of native California. Layton, Utah, Gibbs Smith Publisher. 1999, 448 p.