Força de um Desejo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Força de um desejo
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 45 min.
Criador(es) Gilberto Braga
Alcides Nogueira
Sérgio Marques
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Marcos Paulo
Mauro Mendonça Filho
Elenco Malu Mader
Fábio Assunção
Cláudia Abreu
Selton Mello
Marcelo Serrado
Isabel Fillardis
Lavínia Vlasak
Júlia Feldens
Denise Del Vecchio
Nathalia Timberg
Louise Cardoso
Reginaldo Faria
Paulo Betti
Sônia Braga
e grande elenco
Tema de abertura "Tema de Ana", por Tom Jobim (composição) e Jaques Morelenbaum (arranjos)
Tema de
encerramento
"Tema de Ana", por Tom Jobim (composição) e Jaques Morelenbaum (arranjos)
Exibição
Emissora de
televisão original
Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 10 de maio de 199929 de janeiro de 2000
N.º de episódios 226 (original)
100 (reprise)
Cronologia
Último
Último
Pecado capital (1998)
Esplendor (2000)
Próximo
Próximo
Programas relacionados Escrava Isaura (1976)

Força de um Desejo é uma telenovela brasileira que foi produzida e exibida pela Rede Globo no período entre 10 de maio de 1999 e 29 de janeiro de 2000, em 226 capítulos, substituindo Pecado Capital e sendo sucedida por Esplendor.

Escrita por Gilberto Braga, Alcides Nogueira e, posteriormente, também por Sérgio Marques (antes creditado apenas como um dos colaboradores), foi a 55ª telenovela da emissora a ser exibida no horário das 18 horas. Seus colaboradores foram Márcia Prates, Lílian Garcia, Eliane Garcia, Filipe Miguez e Marília Garcia. A direção contou com Carlos Araújo, Fabrício Mamberti e João Camargo, com direção geral de Marcos Paulo e Mauro Mendonça Filho.

Malu Mader, Fábio Assunção, Cláudia Abreu, Selton Mello, Marcelo Serrado, Isabel Fillardis, Lavínia Vlasak, Júlia Feldens, Denise Del Vecchio, Nathalia Timberg, Louise Cardoso, Reginaldo Faria, Paulo Betti interpretavam os papéis centrais

A história original fora escrita por Alcides Nogueira em 1988, sob o título de Amor perfeito, e quase chegou a ser exibida pela Globo também às 18 horas. O projeto acabou cancelado e só uma década mais tarde Gilberto Braga recebeu da Globo a missão de desenvolvê-lo junto a Nogueira. Inspirada em três romances de Visconde de Taunay - A Retirada da Laguna, Inocência e A Mocidade de Trajano[1] - e além de ser ambientada na segunda metade do século XIX, a trama também teve como pano de fundo fatos marcantes da História do Brasil, como a Guerra do Paraguai e o movimento abolicionista.

Foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo entre 26 de setembro de 2005 e 10 de fevereiro de 2006, substituindo Laços de Família e sendo substituída por A Viagem, num compacto de 100 capítulos.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Século XIX, Vale do Paraíba, Rio de Janeiro. Higino Ventura (Paulo Betti) é um ex-mascate que enriqueceu com negócios escusos e que comprou a fazenda Morro Alto, na localidade de Vila de Sant'Anna, para se aproximar de sua antiga paixão, Helena (Sônia Braga), moradora da fazenda vizinha, a Ouro Verde, agora casada com um poderoso barão, Henrique de Sampaio Sobral (Reginaldo Faria). Ventura está disposto a tudo para reconquistar Helena, inclusive comprar a Ouro Verde e obter o título de nobreza e o mesmo status de Sobral. Mas Helena, apesar de desprezá-lo por amar o marido, sofre nas mãos do Barão, pois este sabe que Abelardo (Selton Mello), quem criou como seu filho, é na verdade filho de Ventura.

O filho legítimo do casal, Inácio (Fábio Assunção), não se conforma com o tratamento cruel que o pai dá a sua mãe e decide ir embora da fazenda. No Rio de Janeiro, conhece Ester Ramos Delamare (Malu Mader), uma bela cortesã, dona do salão mais famoso e requintado da Corte. Os dois se apaixonam e vivem um intenso romance, e Ester decide abandonar a vida que tem para viver ao lado de Inácio. Porém, a inesperada morte da mãe faz com que o jovem volte à fazenda para ajudar o pai e o irmão. Além disso, separa-se de Ester devido a uma rede de intrigas armadas contra os dois pela maquiavélica Idalina Menezes de Albuquerque Silveira (Nathalia Timberg), sua avó, que, embora nem desconfie que Ester seja uma cortesã, teme o envolvimento do neto com uma moça de classe social inferior. Para conseguir destruir o romance, Idalina falsifica a assinatura do neto e envia uma carta para Ester, convencendo-a de que Inácio a abandonou.

O Barão Sobral, arrasado com a morte de Helena e pelos sentimentos de culpa que o atormentam por ter dado à esposa uma vida infeliz, decide recomeçar sua vida e faz uma longa viagem a Corte. Após conhecer Ester, apaixona-se sem saber que ela é o grande amor de seu filho. Ele a convence de que não vale a pena se destruir pela desilusão que ela está sofrendo, e, querendo dá-la a chance de ter uma nova vida ao seu lado, pede-a em casamento. Após a união sacramentada, Sobral e Ester partem para a Ouro Verde e, ao chegar lá, Ester tem mais uma triste surpresa ao ficar frente a frente com Inácio; vítimas de uma armadilha do destino, agora eles morarão na mesma fazenda, sem que o Barão desconfie que a sua nova mulher é mesma por quem seu filho se apaixonara.

Ester e Inácio se evitam, mas com o tempo acabam esclarecendo o mal-entendido que os separou. Eles decidem abrir o jogo com Sobral, mas terminam por não fazê-lo ao descobrirem que o Barão está doente e, mais do que nunca, precisa do apoio de sua família. Inconformado com a situação e sabendo que Ouro Verde está a enfrentar dificuldades financeiras, Inácio casa-se com Alice (Lavínia Vlasak), a filha golpista de Higino Ventura e de sua esposa, a deslumbrada Bárbara (Denise Del Vecchio), que só pensa em se tornar uma nobre.

Enquanto isso, Ventura luta para conseguir o baronato e comprar a Ouro Verde, com o intuito de humilhar Sobral. Ele fica obcecado por Olívia (Cláudia Abreu), uma jovem que chega incógnita à Vila de Sant’Anna. Desprezado pela moça, ele procura saber quem ela é e descobre que trata-se de uma escrava branca que fugiu de um outro vilarejo e está sendo procurada pela polícia. Olivia nascera fruto do relacionamento entre um rico fazendeiro e uma escrava já bastante clara, como é descrito na trama. Seu pai a reconhecera como filha, e, ainda que a família dele não aceitasse tal situação, deu-lhe o nome de Ana Tambellini, educou-a e escreveu a sua carta de alforria. Porém, o grande erro do homem fora não registrar a carta oficialmente. Quando da morte dele, sua filha mais velha, tomada de inveja, rasgou a carta de alforria e quis fazer de Ana uma escrava. Por este motivo a jovem fugiu e mudou o nome para Olívia. Porém, Ventura, ao encontrar a irmã de Olívia e tomar conhecimento de toda a história, decide entregá-la, e depois a compra para usá-la como escrava sexual. Ela, então, começa a viver um inferno, torturada física e psicologicamente, sem conseguir se livrar das garras de seu cruel senhor - ainda ajudada pelo namorado, o jovem médico Mariano Xavier (Marcelo Serrado), e seus amigos, entre eles, Inácio e Ester.

Mas um fato abala toda Vila de Sant'Anna: o Barão Henrique Sobral é assassinado durante a festa do noivado entre Abelardo e a doce Juliana (Júlia Feldens), na mesma noite em que Inácio e Ester fogem para viver juntos após descobrirem sobre a farsa da doença de Sobral - temendo perder a esposa, o Barão inventara a doença como forma evitar que Ester o abandonasse, mantendo-a, assim, ao seu lado. A polícia local se mobiliza para prender Inácio, o principal suspeito da morte do Barão. Começa então a corrida contra o tempo para que Inácio não pague pelo crime não cometido, ao passo que os que nele acreditam tentam desvendar a identidade do verdadeiro assassino.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

A produção[editar | editar código-fonte]

O guarda-roupa de Ester (Malu Mader) foi inspirado nas roupas de Sissi, imperatriz da Áustria.
Praia de Grumari, onde a trama teve algumas de suas cenas gravadas.

A sequência da ópera que vai ao ar no primeiro capítulo – o terceiro ato de Bodas de Fígaro, de Mozart – foi gravada no Teatro Municipal de Niterói, com a participação de 100 figurantes. Força de um desejo também teve cenas gravadas na praia de Grumari, no Alto da Boa Vista e no Forte São João, na Urca, todos pontos turísticos cariocas.

Foi realizado um workshop de duas semanas com os atores da novela, incluindo quatro palestras ministradas por professores universitários, tendo como temas o Brasil Imperial, o cotidiano das fazendas de café e senzalas, e o Romantismo. Alguns atores tiveram aulas de esgrima, equitação, caligrafia e trabalhos de corpo e voz para se adaptarem ao linguajar e aos costumes da época.

A caracterização dos atores ficou a cargo de Marlene Moura e incluiu cabelos repartidos ao meio e costeletas, no caso dos homens, e apliques até a cintura, vestidos pesados e maquiagem em tons pastel para as mulheres. Alguns atores fizeram interlace para aumentar o comprimento dos cabelos, como Dira Paes, Daniel Dantas, Chico Diaz e Malu Mader, que também usou cílios postiços. José de Abreu teve a cabeça parcialmente raspada e adotou e uma falsa barriga para viver o português Pereira.

A sueca Greta Garbo (1905-1990) com o americano Robert Taylor (1911-1969) numa cena do clássico A dama das camélias ("Camille", 1936), considerado um marco do cinema, que serviu de referência para a produção de arte da telenovela.

Uma das inspirações para a caracterização dos personagens nobres foram filmes como O leopardo ("Il Gattopardo", 1963), de Luchino Visconti, clássico do cinema italiano que se passa na mesma época que a novela, e Barry Lyndon, (1975), de Stanley Kubrick, que também serviram de referência para retratar o Romantismo na novela. Já o clássico estrelado por Greta Garbo A dama das camélias ("Camille", 1936), de George Cukor, e o aclamado Os brutos também amam ("Shane", 1953), de George Stevens, serviram de referência para a produtora de arte, Denise Carvalho, que reconstituiu desde a redação de um jornal até todos os objetos usados nas casas da época.

Para conferir às roupas a beleza necessária, gastou-se muito: cerca de meio milhão de reais para confeccionar 2.500 peças. O vestido de noiva usado por Lavínia Vlasak no capítulo do casamento de sua personagem, Alice, que fora desenhado pelo figurinista Otacílio Coutinho, é inspirado no traje que Claudia Cardinale usou em O leopardo. Com tule rebordado com miçangas e vitrilhos e pregas que valorizam o decote, se fosse vendido nas lojas, esse vestido não sairia por menos de 350 mil reais, segundo o figurinista; ainda de acordo com o mesmo, o que encarece a roupa são os bordados, todos feitos à mão.

Os figurinos, sob responsabilidade de Beth Filipecki, consumiram 3.000 metros de tecidos diversos, como linho, tafetás de seda pura e adamascados ingleses e fibras naturais, usadas nos figurinos dos escravos. O guarda-roupa de Ester foi inspirado nas roupas de Elisabeth da Baviera, conhecida como Sissi, imperatriz da Áustria, que foi uma mulher com profundo sentido de liberdade e modernidade. Segundo a figurinista Beth Filipecki, em 1850 a imperatriz já tinha aparelhos de ginástica em casa.

Vários figurinos da novela foram depois reaproveitados para a minissérie Os Maias (2001).

Exibição[editar | editar código-fonte]

Original (1999-2000)[editar | editar código-fonte]

Força de um desejo foi originalmente exibida pela Rede Globo de 10 de maio de 1999 até 28 de janeiro de 2000, quando foi ao ar o último capítulo, totalizando 226 capítulos.

No dia 13 de novembro de 1999, um sábado, a novela não não foi ao ar devido à exibição de um jogo de futebol. Com isso, a trama, que teria 227 capítulos, fechou com 226. Porém, se considerar a reprise do último capítulo, apresentada no dia 29 de janeiro, somam-se então 227 capítulos.

Assim como as demais produções da emissora, a novela fora inicialmente estruturada para 180 capítulos, mas terminou por ser tremendamente esticada a pedido da Globo, o que desgastou bastante os autores e equipe. Apesar disso, a trama não caiu no marasmo e seguiu com o mesmo fôlego até o fim. Segundo Daniel Filho em seu livro "O circo eletrônico", "a novela foi esticada tremendamente: 227 capítulos, mas começou e terminou com amor [...]. Foi cansativo para o autor, Gilberto Braga, e toda a equipe que trabalhou com ele, Sérgio Marques, Ângela Carneiro. Era muito bem feita, muito bem representada. Em momento algum houve desarmonia em seu elenco, nem no elenco principal, nem no coadjuvante, nem nos estreantes".

Foi a terceira mais longa novela da Rede Globo nos anos 90, ficando atrás apenas de Barriga de aluguel (1990/1991), de Glória Perez, que teve 243 capítulos, e Quatro por quatro (1994/1995), de Carlos Lombardi, que teve 233 capítulos. Também está entre as 10 mais longas telenovelas da Globo, tendo ficado, em sua exibição original, durante 38 semanas consecutivas no ar (9 meses), tal como Kubanacan (2003/2004), de Carlos Lombardi, e Alma gêmea (2005/2006), de Walcyr Carrasco. Ao lado destas, Força de um desejo é a 9ª mais longa novela que a emissora exibiu[2] .

Abertura[editar | editar código-fonte]

Ao som da valsa Tema de Ana, composta por Tom Jobim pouco antes de morrer, e com arranjos do maestro Jacques Morelenbaum, a vinheta de abertura de Força de um desejo mostrava objetos e cenários típicos do século XIX. Primeiro uma corrente é quebrada e seus pedaços transformam-se em pérolas, dando forma a um valioso colar. Curiosamente, durante o decorrer da exibição da trama, a abertura foi encurtada de 60 para 35 segundos, e os créditos foram exibidos com rapidez. Na época, tornou-se algo comum entre algumas novelas da Globo uma abertura maior apenas nos primeiros capítulos e, depois, uma versão reduzida da abertura. Isto ocorreu com as aberturas de Torre de Babel (1998), Suave veneno (1999), Andando nas nuvens (1999), Terra Nostra (1999) e Laços de família (2000)[3] .

Repercussão[editar | editar código-fonte]

O fracasso de sua antecessora, o remake Pecado Capital (1998), que estagnou a audiência do horário das 18h na casa dos 26/27 pontos, fez com que a Globo investisse numa superprodução que teria a difícil missão de elevar os seus índices de audiência e assim fazer com que o horário voltasse a ter audiência superior a 30 pontos. Mesmo sendo amplamente elogiada pela crítica e pelo seu público, Força de um desejo, curiosamente, tinha audiência em torno de 25 pontos, indo aquém das expectativas da emissora. Concluiu-se, mais tarde, que talvez a forte carga dramática presente na trama era a principal causa do desinteresse pela novela vindo da parte do principal público do horário, composto por crianças e donas-de-casa, que preferem tramas mais leves com as quais possam se identificar. Aclamada pela crítica[4] , Força de um desejo não sofreu estratégias gritantes na tentativa de alavancar o ibope, algo que é muito comum em telenovelas com problemas de audiência: a emissora preferiu dar total liberdade aos autores, sem pressioná-los a criarem tais estratégias[5] . Na época, a emissora também chegara a receber telefonemas e e-mails de pessoas que afirmavam ter interesse em assistir os capítulos da trama, mas que não podiam fazê-lo por não estarem em casa no horário de exibição da novela. Daí o fato de ser chamada de novela certa do horário errado, pois a trama possuía todos os ingredientes e pré-requisitos para ser um enorme sucesso caso fosse veiculada ao público do horário das chamadas novelas das oito (ou das nove). Apenas a partir do capítulo 155, onde tem inicio o mistério sobre a identidade do assassino do Barão Sobral, a novela foi conseguindo chamar a atenção dos telespectadores, que ficaram curiosos em relação ao principal mistério da trama, e em suas últimas semanas a novela viria a alcançar os resultados que eram inicialmente esperados pela emissora, quando fechou suas médias semanais na faixa dos 36/37 pontos[6] . O último capítulo marcou 40 pontos[7] . A média obitida através da soma dos índices de audiência conquistados por todos os seus capítulos resulta em 26 pontos.

Força de um desejo foi comercializada para vários países, e, ao passo de Escrava Isaura (1976), também de Gilberto Braga, a novela conseguiu ser bastante bem sucedida internacionalmente, principalmente em países como Portugal, Espanha, Itália, Sérvia e Rússia, entre outros.

A novela ganhou uma paródia do Casseta e Planeta, Urgente!, Força de um pão de queijo [8] . Também em alusão a Força de um desejo, um dos episódios do programa Sai de baixo mostrou os personagens do humorístico encenando uma telenovela intitulada Força de um bocejo.

Reprise (2005-2006)[editar | editar código-fonte]

Força de um desejo foi reapresentada na sessão Vale a Pena Ver de Novo entre 26 de setembro de 2005 e 10 de fevereiro de 2006, às 14h30, compactada em 100 capítulos. A reprise foi a primeira novela da Globo a usar o recurso closed caption, processo que permite aos deficientes auditivos acompanharem o que está sendo dito nos programas por meio da leitura de legendas que podem ser visualizadas na tela[9] .

A reprise estreou com média de 17 pontos e picos de 22, mantendo-se na casa dos 16 pontos nos capítulos seguintes durante sua primeira semana (índices entre 16 e 19 pontos eram tidos como razoáveis para o horário da tarde). Porém, devido a forte concorrência que sofria com a mexicana A madrasta, exibida no mesmo horário pelo SBT, e após o início do horário de verão, os índices começaram a sofrer algumas quedas, e isso preocupou a emissora. Na época especulou-se que havia a possibilidade de a reprise ficar no ar somente até dezembro de 2005. Mas o ibope foi gradativamente subindo: dos 14 pontos aos quais havia declinado, a reprise estabeleceu-se nos agradáveis 19 de média, e a liderança isolada no horário esteve garantida. Por esta razão, em novembro de 2005 os cortes foram reduzidos e a Globo inseriu um novo bloco com 10 minutos de duração a mais por capítulo, fazendo com que algumas vezes a trama chegasse a ficar no ar até depois das 16h da tarde. A Globo havia reduzido 10 minutos da duração de cada capítulo da novela das 19h da época, Bang Bang, que era um fracasso absoluto no ibope, e em compensação essa minutagem extra fora dada à Força de um desejo[10] [11] , que, com bons índices de audiência para o Vale a pena ver de novo, chegava a ótimos 20 pontos[12] , fixando-se na meta então estabelecida para o horário. A reprise terminou por ficar no ar até meados de fevereiro de 2006, sendo concluída, então, com 100 capítulos. Alguns capítulos, quando reapresentados, tiveram audiência similar ao que haviam registrado em sua exibição original. No dia 10 de fevereiro de 2006, quando foi ao ar o último capítulo da reprise, a trama teve seu recorde com média de 27 pontos, confirmando assim o seu sucesso. O índice foi superior a média de 26 pontos que a então inédita Bang Bang registraria naquele mesmo dia[13] , às 19 horas.

No Vale a pena ver de novo da Globo Internacional, a reprise durou 147 capítulos, devido ao sucesso da novela no exterior.

Observação: fontes não confiáveis da internet têm citado índices de audiência não condizentes aos que foram realmente registrados pela reprise de Força de um desejo, bem como de outras telenovelas. As mesmas fontes citam 15 pontos como média geral da reprise, quando na verdade a reprise teve dois a mais - 17. Já o último capítulo, cuja média é citada 25 pontos, teve na verdade 27. As fontes da época em que era reprisada seriam as mais confiáveis, porém poucas delas restaram. Aqui foram descritas informações que condizem com o que foi divulgado à época, bem como as fontes citadas, algumas datadas do tempo em que a novela foi reprisada.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Malu Mader Baronesa Ester Ramos Delamare
Fábio Assunção Inácio Sobral
Cláudia Abreu Olívia Xavier
Nathalia Timberg Idalina Menezes de Albuquerque Silveira
Lavínia Vlasak Alice Ventura
Selton Mello Abelardo Sobral
Paulo Betti Higino Ventura
Denise Del Vecchio Bárbara Ventura
Marcelo Serrado Mariano Xavier
Isabel Fillardis Luzia
Reginaldo Faria Barão Henrique Sobral
José de Abreu Sr. Pereira
Cláudio Corrêa e Castro Leopoldo Silveira
Louise Cardoso Guiomar Pereira da Silva
Giovanna Antonelli Violeta (cortesã)
Júlia Feldens Juliana Xavier
Carlos Eduardo Dolabella Comendador Queiroz
José Lewgoy Felício Cantuária
Nelson Dantas Dr. Xavier
Daniel Dantas Bartolomeu Xavier
Chico Diaz Clemente
Chica Xavier Rosália
Antônio Grassi Vitório
André Barros Trajano Cantuária
Dira Paes Palmira
Sérgio Menezes Jesus
Ana Carbatti Zulmira
Alexandre Moreno Cristóvão
Luiz Magnelli Gaspar
Rosita Tomaz Lopes Fabíola Xavier
Sônia Braga Baronesa Helena Sobral

Participações[editar | editar código-fonte]

em ordem alfabética
Ator/Atriz Personagem
Abrahão Farc Padre Olinto
André Valli Lourival
Ângelo Paes Leme Rodrigo (pretendente de Alice)
Antônio Fragoso Isidoro
Bruno Garcia Lauro (falso marido de Olívia)
Carlos Alberto juiz
Carlos Gregório Barcelos
Carlos Machado Estácio
Cláudio Mamberti Domingos de Castro Magalhães
Clemente Viscaíno Inspetor Bustamante
Cosme dos Santos Quirino
David Herman Stanley
Dary Reis Albano
Delma Silva Diva
Elaine Mickely Hermínia Montez (famosa cortesã)
Eliana Guttman Laura (verdadeira mãe de Alice)
Élida Muniz Marta
Fábio Sabag Breno Rangel
Flávio Galvão Nereu
Glória Portela Florinda (cortesã)
Guto Bittencourt Figueirinha
Helder Agostini Manoel (falso filho de Olívia)
Helena Fernandes Srtª. Clara Toledo de Mendonça
Henrique César Marquês de Boaventura
Henrique Taxman Dr. Humberto (jovem médico amigo de Mariano)
Jayme Periard Padre Osvaldo
José Augusto Branco Epaminondas (dono de uma confeitaria na corte)
Júlio Braga sacristão
Kadu Carneiro Pedro
Liliana Castro Srtª. Ana Toledo de Mendonça, irmã de Clara (participação em um único capítulo, sem falas)
Lineu Dias Luciano (leiloeiro de escravos)
Lucas Bonel Otávio Ventura Sobral, o bebê de Inácio e Alice
Luciana Azevedo Ivete
Luiz Guilherme Carrazedo
Marcelo Várzea Ubaldo
Marcia Del Anillo Noêmia (cortesã)
Marco Ricca Conde Pedro Afonso de Andrade Aguiar
Mariana Ximenes Ângela
Mário Lago Dr. Teodoro (ex-médico viciado em jogo)
Murilo Rosa Eugênio Cardoso (amigo de Inácio na Corte)
Neuza Amaral Anita (diretora do hospital onde nasceu Alice)
Nill Marcondes Zelito
Otávio Augusto Dr. Eurico Navarro
Otávio Müller Ferdinando (arrombador de cofres, amigo de Guiomar)
Othon Bastos promotor
Paulo Reis Pastor (negreiro)
Ranieri Gonzalez Reinaldo
Ronnie Marruda Raimundo
Samuel Mello Dário
Sônia Siqueira Hortência
Stepan Nercessian Ernani Corrêa (falsificador)
Thereza Piffer Dora Tambellini (ex-senhora e irmã de Olívia)
Victor Fasano Nicolau Prado
Vinícius Marques Valdir
Viviane Victorette Clarissa (cortesã)
Xando Graça leiloeiro de escravos
Yaçanã Martins Socorro

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Força de um Desejo
Trilha sonora de Vários Intérpretes
Lançamento 1999
Gênero(s) Vários
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre
Produção Roger Henri
Cronologia de Vários Intérpretes
Último
Último
-
Próximo
Próximo

Capa: Malu Mader

A trilha sonora de Força de um desejo foi produzida por Roger Henri, com direção musical de Mariozinho Rocha. Entre suas 14 faixas, merece destaque o seu belíssimo tema instrumental, As terras do barão, composição exclusiva de Roger Henri para a trama. Esse tema era sempre executado durante as chamadas da telenovela. O tema de abertura, Tema de Ana, uma valsa inédita composta por Tom Jobim para sua mulher, pouco antes de morrer, em 1994, tem arranjos do maestro Jacques Morelenbaum e execução da Orquestra Sinfônica Brasileira, com o pianista Cristóvão Bastos como solista. A trilha inclui ainda os temas Emperor Valse, op. 437 e Annen Polka, do compositor erudito Johann Strauss, executadas pela Orquestra Filarmônica de Viena. A trilha incidental trazia cantos de escravos de acordo com a cultura bantu.

  1. O amor para mim - Daniela Mercury (tema de Juliana e Abelardo)
  2. Dono de mim - Sandra de Sá (tema de Jesus e Zulmira)
  3. Rosas do Sul (Roses Du Sud) - André Rieu
  4. Valsa do desejo - Simone (tema de Ester e Inácio)
  5. Doce prisão - Fafá de Belém (tema de Olívia e Mariano)
  6. Vida de artista (Vie D'Artiste) - André Rieu
  7. Serenata - Orquestra de Filadélfia
  8. A viagem do café - Roger Henri
  9. Valsa em dó sustenido menor, op. 64, n° 2 - Orquestra de Filadélfia
  10. As terras do barão - Roger Henri (tema principal)
  11. Mimar você - Virgínia Rodrigues (tema de Zulmira)
  12. Emperor valse, op. 437 - Orquestra Filarmónica de Viena
  13. Annen Polka (Polca de Ana) - Orquestra Filarmónica de Viena
  14. Tema de Ana - Jacques Morelenbaum (tema de abertura)

Referências

  1. http://members.tripod.com/dancin_days/fd.htm. "'Força de um desejo', inspirada em três romances de Visconde de Taunay."
  2. http://180graus.com/dez-mais/as-10-novelas-mais-longas-da-tv-globo-169009.html. "'Força de um desejo', a 9ª mais longa novela que a Globo exibiu."
  3. http://www.galeriadenovelas.com/2011/02/abertura-de-um-desejo-1999.html#.UIOszE5cL0Y. "Sobre redução das aberturas das telenovelas da Rede Globo na época."
  4. http://www.terra.com.br/istoegente/27/diversaoearte/tv_esplendor.htm. "[...]"A excelente trama de Força de um desejo foi aclamada pela crítica [...]"."
  5. TV-Pesquisa. "Autores não sofreram pressão para fazer grandes mudanças na trama"."
  6. http://www.resumodanoticia.com/2010/02/audiencia-detalhada-de-forca-de-um.html. "'Força de um desejo' nos últimos capítulos fechou suas médias semanais na faixa dos 36/37 pontos."
  7. http://www.resumodanoticia.com/2010/02/audiencia-detalhada-de-forca-de-um.html. "O último capítulo marcou 40 pontos."
  8. http://globotv.globo.com/rede-globo/casseta-e-planeta-urgente/v/cassetrospectiva-toda-a-mineirice-de-forca-de-um-pao-de-queijo/1390211/. "'Força de um pão de queijo', paródia criada pelo 'Casseta e Planeta, Urgente!'."
  9. http://memoriaglobo.globo.com/Memoriaglobo/0,27723,GYN0-5273-236410,00.html. "Reprise de 'Força de um desejo' foi a primeira novela da Globo a usar o recurso closed caption."
  10. http://www.45graus.com.br/globo-diminui-a-duracao-da-novela-bang-bang,geral,1111.html. "A Globo havia reduzido 10 minutos da duração de cada capítulo da novela das 19h da época, 'Bang Bang', que era um fracasso absoluto no ibope, e em compensação essa minutagem extra fora dada à reprise de 'Força de um desejo'."
  11. http://geraldofreire.uol.com.br/conteudoPrimeirapagina3011.5.htm. Página visitada em 30 de novembro de 2005. "Agradando na reprise da tarde, 'Força de um desejo' ganhou mais 10 minutos por capítulo."
  12. http://www.galeriadenovelas.com/2011/02/vale-recordar-de-um-desejo-1999.html#.UIOb6U5cL0Y. "A reprise chegava à casa dos 20 pontos."
  13. http://pdtvaudiencia.wordpress.com/2012/06/03/bang-bang-audiencia-detalhada-da-novela-que-fez-a-festa-da-record/. "Sobre reprise de 'Força de um desejo', em seu último capítulo, ter superado a audiência da novela das 19h da época,'Bang Bang', no dia 10 de fevereiro de 2006."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]